Desejo: Boas Festas...

domingo, 29 de dezembro de 2013

Feels Like Heaven... lembrando os anos 80...

Antes do ano acabar...
Uma linda música dos anos 80 para todos vocês... Já fazia algum tempo que não colocava músicas que curto. Mas, antes tarde do que nunca, não é mesmo? Da banda Fiction Factory - Feels Like Heaven. E, que eu me lembre, não fez sucesso... uma pena...

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Cavaleiros do Zodíaco perde um pouco do seu gelo... Adeus Valter Santos



Navegantes,
Não saiu na Globo, nenhum jornal divulgou... Não saiu nada já que ele não era conhecido... Mas, este Natal está um pouco "menos" gelado para os fãs de Cavaleiros do Zodíaco 聖闘士星矢 <セイントセイヤ>. Faleceu ontem o dublador Valter Santos: o eterno Camus de Aquário.
A cena que mais me tocou até hoje em todas as sagas de CDZ foi a luta do Camus e Hyoga na casa de Libra. Valter e Francisco Bretas com suas interpretações maravilhosas... O curioso... senti um carinho mais especial ainda pelo Camus, afinal... ele era dublado pelo Ursolão, da Turma do Pica-Pau...
Valter também fez algumas aparições em novelas e no Telecurso 2000... Daí... vem a questão.. Se o filme CG de Cavaleiros será das 12 casas... como será o Camus sem ele? Este é o segundo cavaleiro de ouro clássico que se despede. O primeiro foi Ézio Ramos, o primeiro Afrodite de Peixes. Simplesmente, inesquecíveis...

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

"A Presença do Animê na TV Brasileira" já está novamente disponível

Caros navegantes, a partir de hoje até o final do ano, não haverá mais resenha de livro às terças. Esta seção retorna em 2014!!! Porém, vou deixar uma dica para os leitores que ainda tentaram recentemente e não conseguiram comprar...
"A Presença do Animê na TV Brasileira" já está novamente disponível. É possível adquiri-lo no site da Editora Laços. No site da livraria Cultura ainda dá como esgotado. Mas, no site da editora já há o lote da primeira reimpressão!!!
Por isso, quem quiser comprar, fique à vontade. Quem já leu e curtiu, indique aos amigos e colegas de escola e faculdade. Creio ser uma boa fonte de estudos para quem quiser estudar sobre este universo no Brasil. Abaixo, uma breve sinopse:
'A presença do Animê na TV brasileira' é fruto de um estudo jornalístico, pesquisa e fundamentação histórica da animação japonesa no Brasil. Os primeiros títulos nos anos 60 e 70, as obras exibidas nos anos 80, a explosão dos anos 90 e a consolidação nos anos 2000. Este estudo tenta levantar pontos da História da animação japonesa no Brasil e sua presença na televisão. 'A presença do animê na TV brasileira' é uma obra que visa contribuir com a bibliografia nacional sobre a cultura pop japonesa, como também reúne dados e informações para os pesquisadores e estudiosos da televisão brasileira.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Shirokuma Café しろくまカフェ, o anime que os moralistas deveriam ver...

Nesta última resenha do ano, falaremos de um título cujas músicas muito agradáveis - especialmente as aberturas -, história inteligente, humor refinado, desenho de personagens encantador e animação excelente. Nesta única frase é possível resumir tudo o que Shirokuma Café しろくまカフェ, ou simplesmente Café Polar, é. Esta animação é uma das mais simpáticas e brilhantes dos últimos anos.
A história traz um "café Polar", um estabelecimento alimentício cujo proprietário é um Urso Polar, que dá nome ao local. Ele é um animal antropomórfico canadense que adora contar longas histórias, em sua maioria um monte de lorotas. O local é frequentado por diversos animais, especialmente pelo senhor Pinguim e o Panda. Também há outras figuras como o senhor Lhama, o senhor Tartaruga, entre outros.
A garçonete é uma humana, a senhorita Sasako. Também há outro humano na história, o senhor Handa. Ele é o cuidador dos animais do zoológico, local de trabalho do Panda. Este vive tentando unir Sasako e Handa. Como até o momento vimos a metade da animação, não sabemos se, afinal, o casal de humanos ficará junto.
Shirokuma Café しろくまカフェ, em certo ponto, traz um pouco de crítica aos hábitos de uma sociedade moderna. A visão que temos do Panda, por exemplo, é a de muitos jovens atuais, a chamada geração canguru. Se fosse pelo Panda, ele ficaria o dia inteiro sem fazer nada, dependendo dos pais. Chega a ser incômodo a falta de noção dele, e incomoda justamente por muita gente ser igual a ele.
Este anime teria tudo para ser exibido no Brasil. Não tem violência, não tem erotismo. Tem bom humor, é visualmente bonito e com uma história simples e inteligente. É o cotidiano de pessoas e animais que vivem em seus trabalhos, seu dia a dia sem embates ou conflitos. Lembra, neste sentido, a animação clássica de Snoopy. Porém, há um se "não". A tradução ficaria sem sentido nas sequências de trocadilhos de Polar. Isso porque há palavras em japonês que são parecidas e passíveis de se fazer brincadeiras. Porém, em português, estas cenas perderiam o sentido.
Agora, certamente um dos grandes trunfos desta animação da grade do Crunchyroll é a dublagem. Takahiro Sakurai 櫻井 孝宏 é o Polar. O artista é conhecido no Brasil por sua interpretação como o Shiryu de Cavaleiros do Zodíaco - Saga de Hades. Já Hiroshi Kamiya 神谷 浩史 é o senhor Pinguim. Ele é outra voz conhecida pelo seu trabalho recente em Cavaleiros do Zodíaco em várias séries: como Shun em Omega, Albafica em Lost Canvas e Orfeu em Hades Inferno. De todos, um dos que mais chama a atenção é Yūichi Nakamura 中村 悠一, que já fora Sōshi Miketsukami de Inu X Boku SS. Chega a ser impressionante a mudança total do tom de voz do rapaz.
Como mencionamos acima, ainda não terminamos de assistir ao anime. Porém, percebe-se que em seus 33 episódios vistos até o momento, Shirokuma Café しろくまカフェ não perdeu o fôlego. Continua sempre com o mesmo ritmo e mesmo conteúdo. Foram duas aberturas com músicas muito bonitas e diversos encerramentos, alguns deles bem divertidos.
Por fim, esta animação foi baseada no mangá de mesmo título de Aloha Higa ヒガ アロハ cujo site oficial é este. É de se lamentar que é uma HQ com possibilidades remotas de vir ao país, dado o gosto do leitor brasileiro, que provavelmente ignoraria uma história com animais na capa. Na falta do mangá, que se veja o anime por todos os motivos citados acima.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

ANIMA INFO 1629

‘Knights of Sidonia’, novo anime na base do Netflix em 2014

O site Netflix anunciou hoje que terá disponível os primeiros 12 episódios de Knights of Sidonia シドニアの騎士, anime da Polygon Pictures - de títulos como ‘Tron: Uprising’ e de vários episódios de ‘Star Wars: The Clone Wars’ - , em todos os territórios onde Netflix atua em 2014.
A popular série é baseado no mangá de Tsutomu Nihei. Knights of Sidonia, acompanha a luta dos humanos pela sobrevivência contra os ataques de criaturas alienígenas “Gauna” usando mechas chamados “Garde” (Robôs Guardiões). O foco da história é a nave Sidonia e o jovem piloto Nagate Tanikaze, que usa suas habilidades de combate para proteger o que restou da civilização humana.
‘Knights of Sidonia’ será disponibilizada na Netflix em japonês e em versões legendadas e dubladas em português.

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

A Cauda Longa é um livro, não um termo obsceno

Muitas pessoas entraram ou entrarão em férias por estes dias e terão a oportunidade de ler um dos livros mais fáceis e interessantes a comentar a segmentação do mercado: A Cauda Longa (Long Tail) de Chris Anderson. Originalmente, o título foi um artigo que acabou por virar um livro.
O autor pega alguns exemplos - especialmente da indústria fonográfica - para exemplificar a questão da "massa x segmentação" e como o mundo atual tende a ter cada vez menos "mega hits" e cada vez mais "micro títulos", dando origem ao termo "cauda longa".
Na sinopse oficial do livro, "receita total de diversos produtos de nicho, com baixo volume de vendas, é igual à receita total de poucos produtos de grande sucesso. Por isso cunhou o termo 'cauda longa' para descrever essa situação, o qual tem sido usado pela alta gerência das empresas e pelos meios de comunicação no mundo todo".
O livro coloca-nos uma questão em alguns segmentos: será que a "cauda longa" já está acontecendo em mercados como o de "quadrinhos" nacional ou algum dia virá acontecer? Ou, se realmente a lógica da "cauda" aplica-se a tudo no mercado de entretenimento. É uma importante leitura para se embasar estudos ou, inclusive, para se visualizar o mercado de uma maneira mais ampla.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

O Pequeno Príncipe: leitura obrigatória para a vida...

O Pequeno Príncipe é um livro que talvez não necessitasse de muitas apresentações. É daquelas obras que tem-se a obrigação de ler, ao menos uma vez na vida. Afinal, a simplicidade com que o autor coloca certos acontecimentos, coisas que acontecem em nossas vidas e não percebemos é de uma genialidade inacreditável.
A história traz um princepezinho loiro - que vem de um planeta distante - e encontra um piloto no meio do deserto. Os dois travam uma conversa muitíssimo interessante, em que o menino menciona momentos em que conheceu muitas figuras curiosas em suas viagens.
São nas histórias do pequeno príncipe viajante que temos importantes lições de vida. O que chega a ser fabuloso, pois a obra é tanto para crianças como para adultos. As primeiras veem a história de uma maneira que, certamente, muda quando crescem. Talvez, porque certas circunstâncias só têm sentido depois de se viver um pouco mais.
Tanto os fatos, como algumas frases fazem um sentido gigantesco depois de uma certa idade. Cada pessoa, ao ler O Pequeno Príncipe, tem uma frase que impacta de alguma forma em seu coração. Para esta resenhista, duas são as mais verdadeiras: "tu és responsável por aquilo que tu cativas", e a mais clara e filosófica de todas: "O essencial é invisível aos olhos".
Este título escrito pelo francês Antoine de Saint-Exupéry já ganhou diversas adaptações. Desde filmes, desenho animado recente em computação gráfica e, inclusive, um anime. Porém, nenhuma de suas adaptações conseguem transcender o que a obra realmente é. Vale lembrar as ilustrações também foram feitos pelo autor. E, a editora que o lança no Brasil é a AGIR, já por muitas décadas. Leitura obrigatória para a vida.

ANIMA INFO 1628

Filmes de Rurouni Kenshin e Ultraman chegam ao Netflix

Os fãs dos animes têm uma grata surpresa. Logo após seu lançamento em DVD, o site Netflix terá com exclusividade em seu catálogo o filme live-action de Rurouni Kenshin るろうに剣心, também conhecido no Brasil como Samurai X. A produção estreia dia 6 de dezembro. Baseado no famoso anime, o longa-metragem foi sucesso de público no Japão e já tem duas continuações confirmadas. Aqui no Brasil, o filme, que não passou pelos cinemas e nem pela TV, chega ao catálogo da Netflix para os assinantes assistirem quando, onde e quantas vezes desejarem.
Publicado pela primeira vez em 1994, e criado por Nobuhiro Watsuki, o mangá que deu origem ao anime conta a história de Kenshin Himura, um habilidoso samurai que busca redenção pelos seus assassinatos do passado, quando trabalhava a serviço da organização Ishin Shishi. Arrependido pelas inúmeras vidas que tirou, Kenshin promete a si mesmo que nunca mais iria matar, mas se vê obrigado a brandir novamente sua perigosa espada ao se deparar com velhos e novos inimigos. Estrelado pelos atores japoneses Takeru Sato, como Kenshin e Emi Takei, como Kaoru Kamyia, o filme dirigido por Keishi Otomo e produzido pela Warner Bros.
Além deste filme - que segundo o Netflix Brasil deve ter as versões dublada e legendada - outra atração para quem gosta de produções japonesas é o filme Ultraman: The Next, baseado na histórica série japonesa Ultraman e que entra no catálogo brasileiro no dia 5 de dezembro. No longa, o piloto de caça Shunichi Maki precisa largar a carreira para ficar mais perto de seu filho pequeno, que sofre de uma doença rara. Após chocar-se com um objeto misterioso em uma última missão, ele sobrevive milagrosamente. Mais tarde, Shunichi descobre que o objeto misterioso na verdade era um alienígena, o que acarretará muitas mudanças na vida do piloto.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

ANIMA INFO 1627

Flash Mob do Pica-Pau acontece neste domingo na Av. Paulista



No próximo domingo, das 14h30 (chegada), 15h30 (ação) até às 16h, acontece na Av. Paulista a 10a. edição do Flash Mob do Pica-Pau. É um encontro comemorativo referente ao episódio Vamos às Cataratas. Para participar, é necessário estar no pontualmente no horário no local com uma capa de chuva amarela. Logo após, o participantes caminharão pela avenida.
"Flash Mob" é um tipo de encontro rápido que as pessoas fazem em determinado local já pré-difinido. Normalmente, estes encontros são agendados pelas redes sociais e acontecem muito rapidamente. Por isso, aos interessados em participar do chiste, é só chegar no horário agendado. ConfIrme sua presença no grupo do Facebook.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Hakuoki Reimeiroku 薄桜鬼 黎明録, nem só com Rurouni Kenshin se conhece a História do Japão...

Hakuoki Reimeiroku 薄桜鬼 黎明録 é, certamente, um dos títulos mais interessantes da grade de animações do Crunchyroll. Não somente por sua parte plástica, deslumbrante. Mas, especialmente pelo seu argumento e roteiros. Em 1863, as longas disputas políticas do Japão explodem em violentas ondas de assassinato e revoltas populares.
Para auxiliar as forças de Aizu na proteção de Kyoto, o xogum Tokugawa decide enviar o Shinsengumi (também conhecido como "Lobos de Mibu"), um grupo de samurais. Mas também há rixas internas entre os membros, e suas diferentes filosofias o separam em duas facções opostas. A mais poderosa é liderada pelo brutal Kamo Serizawa. E a mais honrada, ainda que mais fraca, é liderada pelo firme e confiante Kondo Isami. É nesse grupo de lobos que Ibuki Ryunosuke vai parar. Apesar de sua origem nobre - vide de samurai - o rapaz não tem muito jeito com a espada.
E assim a história continua. Hakuoki Reimeiroku 薄桜鬼 黎明録 foi lançado em 2012, é um prequel - título feito depois, porém, com história passada antes de outra - de Hakuoki 薄桜鬼 lançado em 2010. Possui um site oficial com diversas informações (em japonês) e imagens. O ponto positivo mais importante deste anime é seu argumento.
Traz a História do Japão do mesmo período que Rurouni Kenshin se passa. Tanto que há a presença de um Hajime Sitou - muito mais bonito que o apresentado em Kenshin - , que fora realmente uma figura real da História. Também há uma demonstração interessante do relacionamento entre os homens do grupo. Em alguns momentos, percebe-se que beira a algo mais afetivo, difícil de nossa sociedade judaico-cristã entender, confundindo-se com uma relação quase homossexual..
A animação é bem feita e bem fluída. Os personagens são visualmente bonitos. O protagonista, Ibuki Ryunosuke, foi interpretado por Tomokazu Seki 関 智一, dublador de Kyo Soma de Fruits Basket, Chichiri de Fushigi Yuugi, Hattori de One Piece, Fudou de Saint Seiya Omega, entre outros. Hakuoki Reimeiroku 薄桜鬼 黎明録 é um bom anime para se conhecer um dos períodos da História do Japão. Se não pela própria animação - que pode um exagero ou outro - , pela curiosidade em incute no espectador em procurar informações sobre o assunto.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Senhora: um típico livro romântico brasileiro...

Senhora de José de Alencar é um dos mais célebres livros do nosso romantismo. Foi publicado originalmente em 1875. A história desta obra é simples de ser compreendida. As duas figuras principais são Aurélia e Fernando. Na juventude, os dois foram comprometidos. Porém, o rapaz deixou Aurélia, basicamente, por ela ser pobre.
Porém, o destino prega peças. A jovem recebera uma herança e tornou-se uma "Senhora" muito rica, que tinha um objetivo: vingar-se de Fernando. Aurélia faz uma proposta de casamento por meio de um procurador. Fernando se casa - pelo dinheiro - sem saber quem seria sua esposa.
No casamento, Aurélia revela-se. O rapaz fica feliz porque era apaixonado por ela. Porém, a moça inicia seu plano de vingança. A humilhação total de Fernando, em que tudo depende de Aurélia para viver e fazer: comprar roupas, ir a festas com ela, etc. Tudo de faixada.
O texto parece até tolo nos dias atuais. Porém, é importante frisar que no século XIX, os homens eram mais orgulhosos e depender desta forma de mulheres era uma vergonha pessoal bem grande. Ou seja, este livro é uma curiosa maneira de se conhecer a sociedade daquela época.
O título chegou a inspirar trechos da novela Essas Mulheres da Rede Record. Talvez o público atual tenha uma certa dificuldade em entender certos termos. o português não é tão rebuscado quanto em obras como Dom Casmurro, todavia, não deixa de ser incomum para a atualidade. É uma obra que vale a pena ler e conhecer. E, entender como um enredo pode se tornar em um clássico, mesmo sendo uma obra simples.
Vale recordar, também, que várias editoras já lançaram esta publicação. Esta resenhista tem um livro um tanto antigo da editora Núcleo. Entretanto, há versões mais recentes como esta da imagem da editora Martin Claret, que custam menos de 20 reais.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

ANIMA INFO 1626

Netflix e Disney produzirão séries com os personagens da Marvel

A Walt Disney (dona da marca Marvel Studios) e o Netflix anunciaram um acordo com a Marvel TV. A partir de 2015, diversas séries originais de filmes com os quatro personagens da Marvel serão transmitidas exclusivamente na rede de TV pela internet. Segundo o acordo, pioneiro em seu escopo, a Marvel criará quatro programas, dando origem a uma minissérie.
A primeira série terá como protagonista o Demolidor, seguido por Jessica Jones, Punho de Ferro e Luke Cage. Os programas estão programados para exibição por vários anos, transportando os assinantes da Netflix para o universo dos heróis e vilões da Hell's Kitchen, em Nova York. A Netflix exibirá um mínimo de quatro séries de 13 episódios e uma minissérie final da Marvel, “The Defenders”, reimaginando o grupo de personagens .
Com produção da Marvel Television em associação com a ABC Television Studios, este inovador contrato é o projeto mais ambicioso da Marvel em produções para a TV. Este novo contrato de conteúdo original para TV dá continuidade a um acordo de distribuição de filmes fechado ano passado. O acordo garante à Netflix a exclusividade como serviço de televisão por assinatura nos EUA para o lançamento de filmes e animações originais da Walt Disney Studios, que inclui títulos da Disney, Walt Disney Animation Studios, Pixar Animation Studios, Marvel Studios, Disneynature e Lucasfilm.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Um ano de Crunchyroll com One Piece, Cavaleiros do Zodíaco Omega e mais

Toda sexta-feira, o Papo de Budega faz resenhas de animes. Porém, hoje, teremos um artigo sobre o "um ano de operação" do Crunchyroll no Brasil. Ao longo dos anos, os leitores deste site sabem que sempre demos apoio aos veículos e empresas que lançam títulos oficiais. E, o Crunchyroll é um destes veículos de comunicação que tem uma atuação interessante em nosso país.
São diversos animes na grade de exibição do site, alguns muito populares, outros nem tanto e ainda, exibições simultâneas. Neste mês também foram inclusos os lançamentos de mangás. Entramos em contato com o Crunchyroll, para que este relatasse a participação de nosso país no mercado. Para a companhia,
O Brasil sempre foi um mercado importante. É preciso lembrar que serviços legais no país são escaços. Os mangás lançados pelas editoras estão ganhando cada vez mais popularidade, mas há muitos títulos que não estão disponíveis e talvez nunca estejam. O mercado de DVD parece estar morto também, a Playarte pode bem ser a única companhia ativa de momento. Temos visto um interesse cada vez maior por parte do público, mas esperamos que para o nosso próximo aniversário, tenhamos superado as expectativas iniciais que temos em mente para o Brasil.
Também perguntamos sobre a relação do site com a Toei Animation. Pois, neste um ano de Crunchyroll no Brasil, dois anúncios foram muito importantes: One Piece ワンピース e Cavaleiros do Zodíaco Omega 聖闘士星矢Ω.
Finalmente conseguimos fechar contratos com a Toei e incluir outras regiões que não só as de língua inglesa. Isto só foi possível devido ao apoio incondicional da nossa base de usuários e obviamente da demanda gigante que as duas franquias possuem nos territórios por ora adquiridos. Se será possível que a Toei Animation continue a licenciar mais títulos na América Latina, certamente dependerá dos fãs de anime e do seu apoio à indústria.
Porém, no momento, a veiculação de Cavaleiros do Zodíaco Omega não será simultânea, como ocorrem com outros animes da grade, pois
(...)uma vez que o contrato só nos permite fazer o lançamento do anime no horário atual, geralmente é muito difícil mudar depois de fechado o acordo. O mesmo não é verdade para One Piece, o qual estamos a negociar o lançamento latino-americano em simultâneo com o lançamento americano. Se teremos sucesso, só saberemos com o tempo.
Quanto aos futuros lançamentos, ainda é cedo, mas o CR tem total interesse em veicular outros animes da Toei Animation, entre eles o novo Sailor Moon.
​Depois de finalmente conseguirmos que a Toei licencie mais títulos com a Crunchyroll, achamos que será mais fácil ter em nosso acervo os animes que eles possuem, inclusive os títulos que ainda vão ter o seu lançamento (vide o novo anime de Sailor Moon, a franquia Precure, entre outros). No entanto, neste tipo de negociações não há certezas, pois muitos fatores entram na hora do licenciamento.​ (...) afirmamos que temos sim o olho em Sailor Moon.
Como não poderia deixar de ser, também perguntamos como o Crunchyroll vê a ação dos fansubbers que ainda têm disponíveis animes que o site possui no catálogo.

Nós acreditamos que os fansubbers têm boas intenções pelo menos 50% do tempo. Afinal de contas, é (ou deveria ser) um trabalho de fã para fã e sem eles não teria sido possível que outros fãs de anime conseguissem assistir a muitas das séries que agora levam no seu coração. Por que o "50% do tempo"? Porque quando os grupos começam a misturar donativos no serviço e começam a vender DVD/BDs piratas e produtos não licenciados, aí pomos em causa as intenções dos mesmos. Esperamos que muitos dos fansubs cessem as suas atividades ou pelo menos não atrapalhem uma obra já licenciada e presente legalmente. Achamos que é um insulto e uma falta de respeito para as produtoras quando um anime é licenciado no país e ainda assim há fansubs que decidem legendar a série e quebrar a estabilidade da base de usuários que de outro modo assistiria por métodos legais. É importante que os fãs apoiem o serviço para que assim os produtores, os detentores dos direitos e as distribuidoras de conteúdo recebam as receitas geradas pelos assinantes, pois disto depende outras produções e futuros licenciamentos na região.
O Papo de Budega teve a oportunidade de ver Cavaleiros do Zodíaco Omega 聖闘士星矢Ω Via Crunchyroll e podemos dizer - como os demais animes do site - que há uma ótima imagem e boas legendas. A versão dublada, contudo, é única e exclusivamente da Playarte. Ou seja, para se ver a versão dublada, é necessário PARAR os compartilhamentos do anime na net, para que o mesmo possa ter bom êxito e a Playarte continuar a ter interesse nos lançamentos de DVDs e Blu-rays.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

ANIMA INFO 1625

Novidades sobre o filme de Saint Seiya Legend of Sanctuary no Brasil

Na última semana, houve uma agitação no universos dos fãs de animes com o anúncio oficial do filme em computação gráfica de Saint Seiya Legend of Sanctuary (映画『聖闘士星矢 Legend of Sanctuary) com tradução livre de Cavaleiros do Zodíaco: lenda do santuário. Apesar de diversas especulações, este novo longa-metragem ainda não tem distribuidor no Brasil. O motivo é um tanto quanto curioso: três empresas estão interessadas no título.
A Toei Animation está avaliando qual das três terá o direito de exibição do filme no país. Apesar de não ter sido explícito em nossa conversa com uma empresa de entretenimento, dois pontos são importantes nesta avaliação: a simultaneidade de exibição Japão-Brasil e, o êxito da estratégia da exibição que Dragon Ball Z - a Batalha dos Deuses atingiu recentemente.
Por hora, fica o registro de que a Toei está realmente interessada em fazer algo grande em relação a Saint Seiya Legend of Sanctuary (映画『聖闘士星矢 Legend of Sanctuary) e, que tem dado cada vez mais vez atenção ao mercado internacional. Amanhã, colocaremos online um artigo especialmente sobre a veiculação de Cavaleiros do Zodíaco Omega pelo Crunchyroll, em que ficará mais evidente esta atenção da empresa japonesa para com o mercado latino americano.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Uma História de Amor e Fúria para ganhar o Oscar...

Queridos navegantes...
Vocês que visitam este site, sabem o quanto gostei da animação Uma História de Amor e Fúria. Um excelente título nacional e que já ganhou alguns prêmios pelo mundo. Basta acessa ao link do Facebook do filme. Tenho uma grande admiração pelo trabalho, pois trata com cuidado da História do Brasil. Pena que, acredito, nao será indicado aos cinco finalistas. O motivo é simples: os tiozinhos do Oscar devem ter algo contra o Brasil. É bem possível que o longa-metragem do Hayao Miyazaki ganhe, já que não tem nenhum grande filme da Disney disputando... Estou torcendo, porém, não me iludo... Eu diria que é uma história de amor para com a animação... e fúria para com a Academia... E, abaixo, uma brevíssima entrevista com o diretor.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

A amiga, um bando de berserks e um dragão com coração partido...

O Papo de Budega segue com as resenhas da série de livros Como treinar o seu dragão, obras de deram origem ao filme de mesmo título. Em Como partir o coração de um dragão, Soluço está bastante ocupado: tem que conseguir completar a tarefa impossível, derrotar os Berserks, salvar Perna-de-peixe de virar comida de monstro e, ainda por cima, descobrir o secretíssimo segredo do Trono Perdido.
Como se não houvesse mais nada, ainda falta um detalhe: Camicazi, a amiga ladra do garoto sumiu e tudo começa por conta deste fato inicial. Afinal, ela é a "jovem ladra pequena, que saracoteia irritando o oponente, que ninguém nunca viu ou ouvir falar". Ou seja, a vida de Soluço continua muito complicada e, mais uma vez, ele terá que mostrar porque é o maior viking de todos os tempos. O rapaz contra tudo isso e contra seu maior inimigo.
Como partir o coração de um dragão inicia a possível grande aventura de Soluço e põe em evidencia a origem do herói e do amigo dele, o Perna-de-Peixe. A obra de Cressinda Cowell continua com um texto leve, fácil de ler. Porém, tem tomado aos poucos um ar mais sério. Talvez por acompanhar a evolução etária do público original, o juvenil. É possível ler ao primeiro capítulo de Como partir o coração de um dragão acessando este link. Vale frisar que originalmente, o livro fora lançado em agosto de 2012.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Interstella 5555 (インターステラ5555), um anime musical

Atenção: cerca de 90% deste texto foi escrito originalmente para o site Herói, em 2003.



Quatros jovens músicos formam uma banda de sucesso em seu planeta natal. Em meio a uma apresentação onde tocavam a música "One More Time", um um bando de extraterrestres a mando de um misterioso empresário interrompe o evento e rapta-os. Os jovens músicos são transportados para nosso planeta. Durante a viagem, eles sofrem uma transformação. Originalmente com peles azuis, os músicos têm a cora da pela alterada, que fica igual a dos humanos. No destino, ou seja, a Terra, o empresário exige que eles produzam novas músicas. Seu objetivo é vender o maior número possível de discos.
Esta história intergaláctica é digna de grandes animes do gênero como Macross, Patrulha Estelar ou Piratas do Espaço. O mais interessante é que antes de se tornar um longa-metragem, Interstella 5555 - The 5tory of the 5ecret 5tar 5ystem (インターステラ5555) foi uma série de quatro vídeo clipes da banda francesa Daft Punk: "One More Time, Aerodynamic, Digital Love e Harder, Better, Faster, Stronger". One More Time foi o maior sucesso das quatro e, inclusive, foi tema abertura de um programa vespertino de fofocas no Brasil.
Os clipes fazem parte do segundo álbum do Daft Punk, Discovery, lançado em 2001. Além dos quatro clipes foram adicionados mais dez para fechar o filme. Interstella 5555 não é um trabalho comum. Um dos mais importantes mestres da animação japonesa supervisionou o trabalho da banda francesa. Trata-se de Leiji Matsumoto (Patrulha Estelar, Capitão Harlock e Galaxy Express 999). Junto com e Kazuhisa Takenouchi, ele dirigiu os clipes e o filme. Na época do lançamento, dizia-se que o projeto nasceu em 2000 quando os integrantes da banda foram para Tóquio ouvindo uma hora de música gravada e com o roteiro em mãos. Matsumoto os recebeu, escutou a música e aceitou fazer o projeto.
Interstella 5555 - The 5tory of the 5ecret 5tar 5ystem começou bem sua apresentação nos cinemas. Sua primeira exibição foi no Festival Internacional de Cannes (França). Foi muito bem recebido pela crítica local, que o comparou a clássicos musicais animados como Fantasia de Walt Disney e Yellow Submarine dos Beatles. O título saiu em DVD pela EMI Music no Brasil e é, certamente, uma grata mostra que música e animação tem tudo a ver.

Mais sobre Leiji Matsumoto: Akira Matsumoto nasceu em 25 de janeiro de 1938 na ilha de Kyûshû. Como muitos autores/desenhistas da sua época, ele lia os quadrinhos Disney e se inspirou no estilo de desenho de Osamu Tezuka. Em 1953, ele participou de um concurso de mangás e teve a oportunidade de publicar seu primeiro trabalho: Mistubachi no Boken. A partir daí começou uma carreira de sucesso nos quadrinhos. Em 1965, passou a adotar o nome Leiji. Após bem-sucedidos trabalhos nos mangás, ele passou a trabalhar com animação. Seus animes têm como palco principal o universo, e muitos dos maiores clássicos do gênero estão em seu curriculum como Galaxy Express 999, Capitão Harlock e Patrulha Estelar.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Tudo se resume em "Cultura" (de Raymond Williams)

Muitos alunos universitários tiveram como base inicial de estudos uma das escolas mias importantes do século XX. A "escola de Frankfurt". Como esta autora que lhes escreve. É fácil encontrar informações sobre os estudos desta escola em livros e na internet. Alguns de seus mais célebres pensadores foram Adorno e Horkheimer.
Porém, há um outro pensador que influenciou por décadas, ideias que perduraram até recentemente. Walter Benjamin. A principal contribuição deste pensador provavelmente foi o de tecer comentários acerca da reprodutividade da arte e conceitos do "belo", com críticas bem negativas e pessimistas, transmitindo uma ideia de alta cultura e baixa cultura. Porém, o passar das décadas fez surgir outros pensadores com outras visões de mundo, mais condizentes com a realidade atual.
Um deles foi o inglês Raymond Williams. Em Cultura, "o mais célebre e mais sofisticado crítico marxista inglês aborda sob vários ângulos a questão da sociologia da cultura. As instituições culturais, os meios de produção e os processos de reprodução da cultura, assim como sua organização, são alguns dos aspectos analisados por Raymond Williams."
Ele foi um dos primeiros de uma corrente que aponta para a contextualização de um dado produto cultural. As coisas não se dão isoladamente. É necessário verificar algumas possibilidades e entender e interpretar os pontos de convergências. Williams nos faz lembrar que termos como "erudito, massa e popular", tão utilizados pela escola de Frankfurt, não fariam muito sentido neste mundo de convergência.
"Cultura" de Raymond Williams foi lançado originalmente em 1981 na Inglaterra e no Brasil pela Editora Paz e Terra. Certamente, um título tão interessante quanto Cultura da Mídia, de Douglas Kellner. Afinal, os "estudos culturais" são hoje um dos mais interessantes métodos (talvez este não seja o termo correto) de analisar processos de produção da cultura. O mundo não é uma caixinha fechada. Tudo e todos estão em convergência. E Williams foi e é um autor que se deve conhecer, para que se possa entender um pouco que seja, o mundo que vivemos.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Anime obrigatório de se ver: Gankutsuou - O Conde de Monte Cristo (巌窟王)

Atenção: cerca de 99% deste texto foi escrito originalmente para o site Herói, em 2005. Lembramos que Gankutsuou - O Conde de Monte Cristo (巌窟王) foi exibido no Brasil pelo extinto canal Animax e teve uma boa versão dublada, cujos nomes dos artistas encontram-se no final da resenha.


Alexandre Dumas (pai) é um dos grandes autores universais que teve grande quantidade de seus livros feitos filmes e séries de televisão. Suas obras mais conhecidas são Os Três Mosqueteiros, Os Irmãos Corsos, Máscara de Ferro e o Conde de Monte Cristo.
Curiosamente, só em 2004 o Japão percebeu que a história de Edmundo Dantès é das mais geniais escritas até hoje. O jovem marinheiro tornar-se-ia capitão do navio Faraó de seu patrão e amigo Morrel e se casaria com a mulher de seus sonhos, a bela Mercedes. O que Dantès não imaginava é que três homens mudariam para sempre sua vida. Um deles era Fernando Mondego. Este era apaixonado por Mercedes e sabia que precisaria eliminar Edmundo para ter a chance de desposá-la. O segundo era Danglars, uma figura medíocre que sentia profunda inveja de Edmundo. O terceiro seria Villefort, que acusaria efetivamente o marinheiro de traição, mandando-o para o Castelo de If.
Lá, Edmundo encontra um outro preso chamado Abade Faria, que apesar de todos o acharem doido, era realmente possuidor de uma grande fortuna na ilha de Monte Cristo, que deixaria como herança para Edmundo, se este conseguisse fugir. E fugiu prometendo se vingar de todos os que lhe fizeram mau.
E é assim que começa o Conde de Monte Cristo, uma história cheia de aventura, romance e uma lição de vida a ser seguida. Não pela vingança, mas pela redenção e amor. Erroneamente, o livro é colocado pela maioria das editoras como uma história juvenil. Mas sua temática é tão profundamente dramática e com capítulos por vezes confusos aos mais desavisados, que Monte Cristo é sim uma obra-prima da literatura universal, contudo, não juvenil.
E quem parece que conseguiu bem perceber o caráter adulto da história foi o estúdio Gonzo. Em 2004 começou a ser exibido no Japão o anime Gankutsuou - O Conde de Monte Cristo (巌窟王). A animação é excelente, com algumas seqüências inteiras de CG.
Quem não leu o livro, certamente achará Gankutsuou um dos grandes animes feitos nos últimos anos. Contudo, os leitores e principalmente fãs de Conde de Monte Cristo e das obras de Alexandre Dumas devem assistir ao anime praticamente sem compará-lo a obra original. E há um ótimo motivo para não comparações: o anime segue parte da cronologia do livro até sua metade (12º episódio). Daí para frente acontece uma sucessão de fatos vindos da pura imaginação dos integrantes do estúdio Gonzo. Estes acontecimentos nada têm a ver com a obra de Dumas.
A história de Gankutsuou começa já quase na metade do livro, no carnaval que acontece na Lua e não em Roma. Lá, o jovem Alberto de Morcerf (filho de Fernando Mondego) e seu amigo Franz conhecem uma figura misteriosa: o rico e famoso Conde de Monte Cristo. Este salva Alberto de um suposto seqüestro e faz com o que jovem fique eternamente grato pelo socorro. Pouco depois o Conde vai a Paris a convite de Alberto, dando assim início ao seu plano de vingança contra os homens que o jogaram no inferno da prisão de If, um lugar sombrio envolto na mais completa escuridão em algum lugar bem distante no espaço. Gankutsuou se passa em um futuro distante, mais precisamente no sexto milênio. Contudo, as roupas são estilizadas semelhantes as do século XIX. Tanto que no último episódio o estúdio Gonzo chamou a designer Anna Sui para desenhar as roupas.
O que pode deixar muita gente invocada é que Gankutsuou é uma adaptação que deturpa demais o conceito original da obra. O Edmundo Dantès do estúdio Gonzo é uma figura cruel, sem o menor sentimento de compaixão, sendo frio até mesmo com seus companheiros como Luigi Vampa. Este Dantès também não passa pelo arrependimento característico do personagem original.
Além disso, alguns personagens de vital importância do livro nem aparecem na animação. O Senhor Morrel e o pai de Edmundo, Luis Dantès apenas são mencionados. Já o abade Faria nem aparece. No lugar dele, quem dá poderes a Edmundo é uma figura sinistra e sombria, com corpo deformado, mas com poderes gigantescos. E é esta figura que dá nome ao desenho: Gankutsuou (Senhor da Caverna), que se aproveita do momento de pura fraqueza de Dantès na prisão de If, usando seu corpo e sua alma corrompida. E eis aqui mais uma grande diferença em relação ao livro: Edmundo Dantès sentia-se um vingador de Deus. Em Gankutsuou, ele mais parece um enviado do inferno.
Um dado comum do anime e outras adaptações foram o de fazer Edmundo e Fernando Mondego amigos. Em alguns filmes e séries de TV isto também acontece. Contudo, isto só serve para dar mais dramaticidade ao rancor de Dantès ante Mondego, em uma licença de adaptação equivocada. Dumas não os criou amigos. Eles praticamente nem se conheciam no livro.
E há muitas outras mudanças no anime. Mesmo assim, Gankutsuou é uma bela obra e que deve ser registrada como uma adaptação bem pitoresca e com elementos fraternais fortíssimos, já que a amizade de muitos personagens é o grande motor da história. Vale lembrar que além da parte técnica genial, a música instrumental de Koji Kasamatsu e a cantada de Jean Jacques Burnel podem trazer lágrimas aos mais emotivos. Fica o registro de uma das frases mais célebres de Edmundo Dantès: “toda a sabedoria humana resume-se em duas palavras: confiar e esperar”.

Conde de Monte Cristo: Paulo Celestino (Máscara da Morte de CDZ)
Albert: Marcio José de Araújo (Ranma, Miro de CDZ e James de Pokemon)
Fernando: Sérgio Moreno
Mercedes: Patricia Scalvi, Andrea: Marcelo Campos
Baptistin: Cesar Marchetti, Barker: Jorge Cerruti
Beauchamp: Renato Soares, Bertuccio: Sidney Lilla
Butler: Emerson Caperbat, Caderousse: Gileno Santoro
Danglars: Antonio Moreno, Debray: Rodrigo Andreatto
Eduardo: Fernanda Bock, Eugenie: Priscilla Concepcion
Franz: Sergio Corcetti, Franz mãe: Patricia Scalvi
Franz criança: Pedro Alcântara, Albert criança: Matheus Pereira
Julie: Cecilia lemes, Luigi: Guiga Lopes
Marquis X: Fabio Moura, Maximillien: Vagner Abiate Fagundes
Michelle: Angelica Santos, Renauld: Yuri

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Édipo Rei, aquele que deu origem ao Hyoga de Cavaleiros...

Esta talvez se torne a resenha mais curta feita até o momento por este site. Porém, é sempre interessante deixa um registro. Um dos grandes clássicos da literatura sobreviveu séculos e séculos com suas diversas versões. O livro que li veio ao Brasil  pela editora L&PM Pocket e tradução de Paulo Neves. Trata-se de Édipo Rei. Esta é a história em que Édipo mata seu pai e - sem saber - casa-se com a própria mãe. A versão da L&PM Pocket vem em formato de leitura de teatro. Não é exatamente uma prosa nos moldes "normais", já que há termos do tipo: "entra em cena, coro", etc.
Nada que atrapalhe o entendimento da obra. Vale muito a pena ler este título por todos os motivos possíveis e imagináveis. Primeiramente, é um clássico da literatura universal de Sófocles. Segundo, sua história deu à psicologia o termo "complexo de Édipo", tão corriqueiro em histórias atuais. Afinal, como não lembrar deste complexo ao ver o Hyoga de "Cavaleiros do Zodíaco". Terceiro: é um livro rapidíssimo de ter lido. Quatro: é bem barato. Ou seja, é uma leitura certamente interessante, que merece atenção dos apreciadores de um bom clássico.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

A Lenda do Dragão Milenar 鬼神伝, youkai pode não ser o que você pensa...

A Lenda do Dragão Milenar (Onigamiden ou 鬼神伝) é um anime longa-metragem lançado em DVD em outubro de 2011 no Brasil. Este filme conta a jornada de um típico estudante japonês que volta a um passado misterioso repleto de monstros, dragões e estranhos poderes ocultos. Entre várias batalhas e aventuras extraordinárias, Jun - o adolescente tímido - é transformado em um herói destinado a combater o mal e assegurar a harmonia e a tranquilidade no mundo.
Inicialmente, este desenho animado chama a atenção por trazer de volta um estilo cujo expoente talvez seja InuYasha: o dos animes míticos. A história traz muitos youkais - as criaturas sobrenaturais da cultura japonesa. Porém, neste título, o termo tem um outro significado, diga-se de passagem, muitíssimo interessante, jamais impensado por nós.
O argumento e roteiro são bons. A animação e desenho de personagens são os elementos que deixam a desejar um pouco. E, um certo descompasso na edição. O diretor deste anime é Hirotsugu Kawasaki 川崎 博嗣,, que já foi animador principal de desenhos como Naruto Shippūden (filme), Metropolis, Akira, Rurouni Kenshin.
Como há alguns problemas na animação, alguns outros elementos técnicos ficaram um tanto comprometidos, como foi o caso da dublagem. Mesmo com o bom trabalho do Robson Kumode (Sasuke em Naruto e Orfeu em Cavaleiros do Zodíaco), o título não empolga neste quesito. A Lenda do Dragão Milenar (Onigamiden ou 鬼神伝) poderia ter sido melhor aproveitado pela produção. Infelizmente, parece que foi um título feito "para constar", sem muitos recursos e sem demonstrar ter sido feito com o devido "amor". Vale a pena assisti-lo para conhecimento. E para saber um outro sentido para o termo youkai.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Cavaleiros do Zodíaco Omega 聖闘士星矢Ω mostra a união dos verdadeiros fãs

Navegantes,
Ontem aconteceu o lançamento do DVD de Cavaleiros do Zodíaco Omega 聖闘士星矢Ω, em São Paulo. Eu tinha mencionado em grupos e para alguns amigos que iria. Mas, o destino nos prega algumas peças e não pude ir. Meu pai passou mal e fiquei com ele no hospital.
Porém, já me disseram que foi bem legal! E deve ter sido, basta ver esta foto que está disponível no grupo oficial no Facebook. O evento mostrou que a união de fãs é importante para que as coisas deem certo. Apesar de uns e outros nem terem divulgado o evento - mesmo se dizendo fãs - e ainda por cima inventaram desculpas esfarrapadas, a foto mostra que este encontro foi um êxito total! Agora, basta os fãs fazerem sua parte: comprar o DVD. Eu farei a minha em breve!

domingo, 13 de outubro de 2013

Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神), tão bom quanto um pudim fresquinho

O Papo de Budega faz uma edição especial de resenha de anime. Os leitores sabem que as resenhas ocorrem às sextas-feiras, porém, dada a urgência da ocasião, colocaremos comentários de Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神) hoje. O motivo é um tanto simples. Apesar desta animação ser muito boa, não deve ficar em cartaz mais que duas semanas nos cinemas.
Depois de muitos anos desde a batalha contra Majin Boo, outra crise está para abalar a pacífica Terra. Enquanto há um deus que origina e faz nascerem as estrelas, há um outro que as destrói: Bills, o deus da destruição. Ele retornou de seu sono depois de um longo período. Num confronto épico contra um inimigo ainda mais poderoso que Freeza, Cell e Majin-Boo, para surpresa do fãs, a animação mostrará Goku no nível "deus Super Saiyajin".
Decidimos fazer esta resenha para apontar aos fãs de animação japonesa que vale muito a pena assistir a Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神) nos cinemas. Primeiro: porque não é sempre que se tem animes nas telonas. Segundo: o longa-metragem de 85 minutos é realmente muito bom.
Com muitas cenas de lutas, o ponto forte definitivamente são as tiradas cômicas. Há sequências memoráveis que ficaram geniais. Especialmente pelas referências dentro da própria obra. E, curiosamente, um dos personagens mais "machões" dos animes, Vegeta, conseguiu com meia dúzia de palavras e ações o que muito "herói shoujo" nunca conseguiu ser: encantador.
Outro ponto excelente nas história é sua dublagem. O título tem os artistas originais da série clássica da TV. Difícil dizer quem mais se destacou, contudo, poderíamos dizer que Marcelo Pissardini, o deus da destruição -, Alfredo Rollo como Vegeta, Tânia Gaidarji como Bulma e Elcio Sodré como Pilaf pareciam estar realmente se divertindo com seus personagens.
Retomamos mais uma vez as primeiras linhas. Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神) merece ser visto nos cinemas. E, esta semana ainda, pois infelizmente, animes têm vida curta nas telonas. A Toei Animation conseguiu fazer um filme tão bom quanto um pudim fresquinho. E, esta última referência tem todo um sentido de ser. Só vendo Goku e Cia para compreender.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Homem de Ferro (アイアンマン), é um anime visualmente bom, mas...

O "Papo de Budega" segue com mais uma resenha de anime. Desta vez, a versão anime de Homem de Ferro (アイアンマン). O título é uma co-produção da Marvel Studios, com a animação da Madhouse Studio. A direção é de Takeshi Koike e Yuzo Sato. Ambos já foram animadores principais de diversos outros títulos. O anime foi produzido em 2010.
Na história, Tony Stark vai ao Japão com o intuito de montar uma Estação Arc como o primeiro passo da sua Iniciativa de Paz Mundial. Perante todos os cidadãos japoneses, ele anuncia seu novo modelo de Homem de Ferro, o Homem de Ferro Dio, com ele pilotando. Entretanto, durante a demonstração, Dio pifa devido a um vírus misterioso no sistema operacional.
Mais tarde no Laboratório 23, a armadura Dio toma controle de seu piloto humano e começa a atacar o local. Tony é forçado a vestir sua armadura original do Homem de Ferro e perseguir Dio. Antes que ele recupere o fôlego, o guerreiro Mech Scorpio da Zodiac aparece. Stark terá que lutar contra a organização e contra seu próprio passado.
O que se pode dizer é que plasticamente, Homem de Ferro (アイアンマン) é um bom anime, com bons desenhos de personagens, boa animação. Tem um bom roteiro. O argumento é um tanto quanto meloso para os moldes do heróis. O Tony desta animação é quase um herói japonês mesmo, o que o descaracteriza um pouco. Daí, o título pode causar um certo estranhamento, pois, parece ser diferente da obra original americana, e diferente dos filmes com o Robert Downey Jr.
Aqui, fica uma ressalva. a animação foi vista pelo site Crackle. É um site streaming - como o Netflix ou Crunchyroll - só que gratuito. A imagem é excelente. Contudo, há um problema grave neste site. Propagandas no meio da transmissão. Não há como fugir delas. Se não fosse isso, daria para dizer é que uma transmissão excelente. Há versões no original e dublada para visualização. Inclusive, No final do anime há os nomes os dubladores brasileiros. Vale lembrar que é interessante ver os títulos o quão antes no Crackle, pois o site não os deixa disponível "eternamente".

terça-feira, 8 de outubro de 2013

ANIMA INFO 1624

Evento de lançamento de CDZ Omega acontece em SP

Na próxima segunda-feira, às 19h, acontece me São Paulo um evento para o lançamento do DVD de Cavaleiros do Zodíaco Omega 聖闘士星矢Ω. O evento tem a realização de alguns dos dubladores da nova série, do grupo Anime Desing, do site www.cdz.com.br e divulgação do J-Box News e ocorrerá no Teatro Frei Caneca, que é próximo do metrô Consolação. Para fazer a inscrição, acesse o site oficial. É necessário levar 2kg de alimentos não-perecíveis que serão doados para uma instituição. Esta é uma iniciativa interessante e importante dentro do universo dos animes no Brasil, pois mostra que fãs e artistas estão unidos com um mesmo ideal, o de divulgar a animação japonesa mais conhecida do país.

ANIMA INFO 1623

Atriz de Gina Weasley de Harry Potter vem ao Brasil

Segundo a assessoria de imprensa do Hogwarts Convention, a atriz Bonnie Wright - a Gina Weasley - é a primeira atriz convidada para o evento. "Hogwarts Convention" é uma convenção brasileira com os atores de Harry Potter que acontece em novembro em São Paulo. No evento os fãs da saga e da atriz Bonnie Wright poderão tirar fotos e participar de conversas. A convenção acontece nos dias 23 e 24 de novembro. Os ingressos começam a ser vendidos dentro de poucos dias e o site também será aberto em breve. Outras novidades em breve.

ANIMA INFO 1622

Death Note está disponível no site do Crackle

O Crackle - do grupo Sony, gratuito - colocou disponível todos os 37 episódios do anime de Death Note デスノート. Há a versão dublada da obra, que pode ser vista no link acima. O Crackle costuma tirar alguns títulos - os que não são da Sony - do catálogo. Por isso, é interessante assistir à animação o quão antes. Death Note デスノート é um dos títulos mais conhecidos e controversos dos animes dos últimos anos, cujo tema principal é o poder e não necessariamente a morte. Já foi exibido no Brasil pelo extinto canal Animax

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Aprenda como navegar em uma tempestade de dragão, senão você morre!

Tentando seguir a promessa de fazer resenhas na terça-feira, e na sexta-feira de animes... Hoje falarei de um dos títulos mais divertidos que li. Inclusive, há algum tempo não lia livros de ficção cômica. É bom dar um tempinho em obras científicas, não é mesmo?
Como Navegar em uma Tempestade de Dragão é o sétimo livro da série Como Treinar Seu Dragão. Nesta aventura da série, Soluço terá exatos três meses, cinco dias e seis horas para descobrir a América, encontrar o caminho de volta a Berk, salvar o pai, derrotar as Serpentes-polares e ainda vencer a Competição Amistosa de Nado Intertribal. Ele tem que conseguir, pois o relógio está correndo.
Alguns de vocês devem se lembrar que já comentei sobre a série de livros - e do filme também. A autora mantém a fórmula praticamente intacta. Contudo, como as loucuras que envolvem Soluço são tão inesperadas, ainda há o toque de surpresa na obra. Afinal, ele, Camicazi e Perna-de-Peixe - que não existem no filme e nem na série de TV - têm que mostrar porque são os heróis mais improváveis possíveis.
"Como Navegar..." é escrito e ilustrado pela inglesa Cressida Cowell, premiada autora de obras infantojuvenis e infantis, os livros da série já foram publicados em trinta idiomas. Percebe-se que mesmo após seis números, a obra permanece engraçada. Um título para ser lido por crianças, mas certamente, para adultos também. Inclusive, é neste livro que começa a ficar claro o motivo da escolha do nome Soluço.
Aqui, vale recordar que Como Navegar em uma Tempestade de Dragão foi lançado em 2011. Porém, somente agora está que vos escreve teve a oportunidade de lê-lo. Mais informações podem ser vistas no site oficial da série.

sábado, 28 de setembro de 2013

O Reino dos Gatos 猫の恩返し: o anime que poucos sortudos viram

Navegantes, nas duas últimas semanas não tive tempo de fazer as resenhas de animes que comecei a escrever recentemente. Um dos motivos é justamente uma animação japonesa que me consumiu muito tempo para assistir. Por isso, para não passar mais uma semana em branco, colocarei o texto de um anime que gostei bastante: Reino dos Gatos (Neko no Ongaeshi 猫の恩返し).
Anos atrás, quando eu ainda era redatora do site Herói, escrevi uma resenha deste título. Curiosamente, meu texto se tornou alvo de uma ação judicial que tive que abrir contra a editora Escala. Os motivos vocês podem ver neste post. Para quem não leu na época, segue o texto de um dos melhores animes já lançados no Brasil, mas que se tornou raridade. E, aqui fica um registro: não se deve demorar muito para comprar certas obras. Muitas como O Reino dos Gatos merece demais se ter na estante em versão original. Agora, somente neste site.


Reino dos Gatos (Neko no Ongaeshi 猫の恩返し)

Haru é a jovem heroína de O Reino dos Gatos (Neko no Ongaeshi em japonês ou The Cat Returns em inglês). O desenho é de 2002 e é um dos mais recentes do Estúdio Ghibli. Esta é a empresa de Hayao Miyazaki, que além de dono também dirigiu os animes A Viagem de Chihiro e O Castelo Animado entre outros. Porém, O Reino dos Gatos não foi dirigido por Miyazaki.
O diretor é Hiroyuki Morita, que teve sua grande chance na função com esta animação. Basicamente, Morita foi um dos animadores de Gunsmith Cats, O Serviço de Entregas de Kiki, Perfect Blue, Planetes e dois filmes de Tenchi Muyo. A animação não conta com figuras muito conhecidas na produção. Quem se destaca é Reiko Yoshida, roteirista que atuou Aria, Gad Guard, Peach Girl, Samurai X (OVA), School Rumble e Tokyo Mew Mew.

A história
Haru é uma jovem estudante normal japonesa de animes. Ela chega atrasada à escola, ouve o esculacho do professor e agüenta as risadinhas dos colegas. Tem uma amiga e fica encantada com um bonitão pelo qual todas as garotas suspiram. Até aí tudo normal. Só que ela salva um gatinho de ser atropelado. O bichano é na verdade o príncipe do Reino dos Gatos. O rei gato vai agradecê-la e depois praticamente obriga Haru a se tornar noiva do príncipe. Obviamente, ela não quer se tornar noiva de um felino e acaba contando com a ajuda de outros dois gatos. Um deles é Muta, um bichano enorme. O outro é Barão, um gato galante e bem vestido que dá uma força a Haru.
Como todo anime do estúdio Ghibli, existem várias circunstâncias fantásticas que envolvem a personagem principal. E também cenas absurdas como a dos “Gatos de Preto” esbofeteando os gatos vira-latas no início do desenho e os guarda-costas, que lançam os felinos indesejáveis para fora do palácio. Diferente de O Castelo Animado ou A Viagem de Chihiro, em O Reino dos Gatos é muito mais perceptível que o anime foi todo colorido no computador. Nos outros dois, as cores tem um ar mais natural (feitos à mão), ainda que também tenham sido coloridos digitalmente.
Outro ponto forte deste título é a música de encerramento cantada por Ayano Tsuji. A canção é linda e vale a pena acompanhar os créditos só para ouvir Kaze ni Naru, o título da música.


A dublagem
A dublagem de O Reino dos Gatos foi feita no estúdio Sigma. Não é um trabalho com caráter duvidoso. Como foi um título pouco badalado, o estúdio pode fazer um trabalho bem feito sem interferência de terceiros e sem pressão e por isso, a dublagem é ótima. A tradução e adaptação foram bem feitas com falas atuais. A parte técnica é boa (somo e mixagem), o que contribui ainda mais para a interpretação dos dubladores. Com tudo a favor, os artistas da voz mostram porque a dublagem brasileira é considerada uma das melhores do mundo. As vozes:

Haru: Letícia Quinto (Saori de Cavaleiros do Zodíaco, Kagome de InuYasha)
Barão: Armando Tiraboschi (Narak de InuYasha)
Muta: Tatá Guarnieri (Kenshin de Samurai X)
A mãe: Cecília Lemes (Lucy de As Guerreiras Mágicas de Rayearth e a Chiquinha do Chaves)
A amiga: Eleonora Prado (Kelly de Um Amo de Família)
Toto: Cassius Romero (1º Aoshi de Samurai X e 1º Tuxedo Mask de Sailor Moon)

O ponto negativo fica por canta da própria Europa Filmes, que não colocou os créditos da dublagem ao final do desenho. O Reino dos Gatos já está nas locadoras com duas capas diferentes e é uma ótima pedida para aqueles que querem se divertir. E também ver que o estúdio Ghibli sabe fazer histórias fantásticas cômicas. Quem quiser conhecer a obra de outra forma, O Reino dos Gatos também tem um mangá tankoubon com 215 páginas lançado pela Viz Media nos Estados Unidos com o título de Baron: The Cat Returns.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

ANIMA INFO 1621 - Especial

R.I.P.D. – Agentes do Além

R.I.P.D. – Agentes do Além - estreia hoje - é um filme de ação com toques sobrenaturais. Nada que seja assustador. Jeff Bridges e Ryan Reynolds são dois policiais fantasmas enviados pelo "Departamento Descanse em Paz" para proteger e servir o mundo dos vivos contra um crescente número de almas destrutivas que se recusam a seguir pacificamente para o outro mundo.
O veterano xerife Roy Pulsifer (Bridges) fez carreira com a lendária força policial conhecida como R.I.P.D. – Departamento Descanse em Paz, perseguindo espíritos monstruosos que de forma inteligente se disfarçam em pessoas comuns. Sua missão é prender e levar à justiça um tipo especial de criminosos que tentam escapar do juízo final, escondendo-se entre os inocentes na Terra.
Quando Roy recebe o falecido promissor detetive Nick Walker (Reynolds) como seu assistente, os novos parceiros têm que transformar o relutante respeito em trabalho de equipe de primeira qualidade. Quando descobrem um plano que pode acabar com a vida como a conhecemos, dois dos melhores agentes do Departamento têm que miraculosamente restaurar o equilíbrio cósmico.
Ou seja, com um argumento destes não se poderia esperar nada além de uma boa aventura. Para este estilo de filme, R.I.P. cumpre bem seu papel de divertir. Inclusive, seu "timing" é ideal, sendo uma produção com uma hora e meia. Os efeitos visuais são bons, nada espetacular. O 3D, mais uma vez, se faz totalmente desnecessário. É um gasto de recursos assisti-lo neste formato. R.I.P. é o tipo de título que possivelmente ficará pouco tempo em cartaz. Mas, que poderia ser facilmente visto somente em DVD.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Red Luna - a biblioteca do czar, um livro para se divertir e estudar?

Navegantes,
Este ano, prometi que faria resenhas de livros para que meus leitores tenham ideia do que pode ser interessante ler. Contudo, o tempo foi passando e esqueci desta promessa. Bem, assim como fiquei de fazer - e estou fazendo - resenhas toda sexta-feira de animes, deixarei as terças para fazer as resenhas de livros. Porém, abrirei uma exceção e colocarei hoje por um grande motivo... Nove anos atrás surgia este site que se apresenta aqui. Com seus altos e baixos, o Papo de Budega está há nove anos online!!!
Para recomeçar as resenhas de livros, tecerei comentários de um título que está em minhas mãos desde o início do ano. Comecei, parei, comecei, parei novamente por diversos motivos... Até que recentemente peguei firme até terminá-lo. Trata-se de Red Luna - a biblioteca do czar. A obra é de co-autoria de Gabriel Morato e Marcos Inoue, lançamento da editora Gutenberg.
Na história, Miguel é um jovem taverneiro na pequena cidade de St. Jean de Luz, localizada no país Basco. Dotado de uma mente prodigiosa, seu lugar favorito é a biblioteca de seu tio Lasko, que contém livros e relíquias coletadas das viagens que fez pelo mundo. Linguista renomado e arqueólogo, Lasko finca raízes na cidade para criar seu sobrinho órfão, mas quando Miguel completa 16 anos, sente que deve retomar sua “grande aventura” e partir.
Sempre à espera de notícias do tio, Miguel recebe a visita de um Varni chamado Fleam, que se apresenta como um velho colega de Lasko em busca de um misterioso mapa. Alisa, uma espadachim de cabelos vermelhos, estava à espreita de Fleam e luta com ele pela posse do documento. Fracassa em impedir que ele fuja com o mapa, mas fica com sua bolsa, que contém o diário encriptado de Lasko. Apenas Miguel pode decifrar. Guiados pelas informações do diário, a dupla viaja até a Rússia, onde a “grande aventura” de Lasko revela ser a busca por uma biblioteca secreta escondida na vasta rede de túneis subterrâneos de Moscou.
Red Luna - a biblioteca do czar é um bom livro de aventura, com uma mistura de magia e um certo realismo assustador. A magia fica por conta de elementos "vampirescos" e outras criaturas. O realismo se dá em algumas cenas, especialmente as de guerra. Para quem estudou um pouco de História, fica quase nítida que certas cenas tiveram caráter real. Segundo o autor Marcos Inoue, algumas sequências trazem alguns dos elementos históricos,
Vários elementos históricos foram usados pra compor a trama, especialmente o cenário da invasão napoleônica à Russia. Particularmente nos capítulos que mostram o saque de Moscou, me baseei em depoimentos históricos de soldados. Quando Alisa se disfarça para Napoleão, oferecendo para baixar um sino de uma torre de catedral, parece que este é se não um fato histórico, pelo menos uma lenda bastante conhecida por lá.
Os dois primeiros capítulos são bem introdutórios - característica própria de obras bem descritivas como as de Júlio Verne - o que pode causar um pouco de cansaço na leitura inicial. Contudo, o livro engrena e uma jornada de herói, em que figura masculina de Miguel não chama tanto a atenção. Mas, sim a figura de Alisa. Uma jovem forte, que beira a arrogância aparente, mas que em verdade, deseja o que muita gente no mundo real tenta e não consegue.
Este é o primeiro título de uma trilogia. Os próximos livros são independentes; o segundo, cujo nome ainda pode ser alterado, mostrará deuses-vampiros hindus. O terceiro, o "Mestre Tatuador", vai mostrar um pouco das gangues urbanas asiáticas: a yakuza e as tríades chinesas.
Espera-se que a obra possa dar bons frutos, pois os autores fecharam uma parceria com uma produtora e em 2014 haverá o lançamento de cards games de Red Luna. Há também uma HQ online com aproximadamente 100 páginas. Assim, a série Red Luna promete ser muito mais que um livro, todavia, o primeiro pontapé foi dado com a "Biblioteca do Czar".
←  Anterior Proxima  → Inicio