Desejo: Boas Festas...

segunda-feira, 7 de maio de 2007

ANIMA INFO 260 Special/ Especial

SATOSHI KON´S I N T E R V I E W


Satoshi Kon 今敏 is one of the great directors of the Japanese animation of the present time. He´s well-known by his works Tokyo Godfathers 東京ゴッドファーザーズ , Millennium Actress 千年女優, Perfect Blue パーフェクト・ブルー, Paranoia Agent 妄想代理人, and Paprika パプリカ, his last movie. Papo de Budega talked with the director. Satoshi made diverse commentaries and said his new work, an adventure/fantasy movie for children.


Tell a little about you. What you like to make, to read, etc.
I love my work more than anything else. That is because I turned what I love into a career. I’ve been doing it for at least 20 years, and the longer I do it, the more I like doing it. So, by now, I don’t have anything I can call as my hobby besides my job. But if you insist, I must say I love eating good meal and drinking good sake.
In 2006, especially, I had a great opportunity to enjoy delicious meals in every place I visited in and out of Japan, because I visited many places for the promotion of “Paprika.” You can’t miss good sake when you have great food. I like wine, especially. I like drinking, of course, but nothing is more fun than drinking and chatting with people I get along with.
I have many opportunities to drink with my co-workers, and we talk a lot about our work. A lot of ideas come into my mind when I drink and talk with people. With or without drinking, it’s better for me to talk with someone when I think about movie projects and stories. In fact, I came up with the idea for “Millennium Actress” in a pub.
I like reading books, watching movies and listening to music, as well as writing something on the Internet. But for me, all those things that can generally be called as hobbies are almost like part of my work. Whatever I do, it’s a part of learning process for me. So, it’s hard to call them as hobbies.
I watch movies mostly on DVDs. I can hardly make time to get to movie theaters, and I find it very useful for me because I can enjoy movies in a way I like and anytime I want. But there are less movies I get to see than what I used to when I was much younger. The main reason is that I am busy with my work, but I think I have less appetite for watching them.
Similarly, I used to buy many CDs every month. But I hardly buy them these days. Whether they are movies or music, I feel like I will have a chance to encounter things that are necessary for me in the future even though I don’t make efforts to find them desperately.
Instead, I try to read as much as I can. I don’t read novels really, but I read a lot of books on psychology, psychoanalysis, history, religion, culture, philosophy, modern criticism, Japanese language, film and other fields intended for general readers. I read a lot of fables these days, like folk tales and myths.

Who's yours preferred authors?
When it comes to novels, I had read books written by Yasutaka Tsutsui, Ryotaro Shiba, and Haruki Murakami in a concentrated manner for a certain periods for each of these authors. When I was around 20 years old, I read many science-fiction novels by Yasutaka Tsutsui, who wrote the original story of “Paprika.” And I read many books by Ryotaro Shiba, the master of historical novels, in my early 20s and mid-30s in such an enthusiastic manner. As for Haruki Murakami, one of Japan’s world-famous contemporary writers, I read one of his novels only about three years ago. And since then, I read most of his books in a short period of time.
Although they are not novels, I also read a lot of literary works by Hayao Kawai, a former chief of Japan’s Agency for Cultural Affairs who is also a psychotherapist. Not to mention his books on analytical psychology (Jungian psychology), which is his specialty, I read a series of his books on how to interpret folk tales and other fairy tale-kind of stories from the standpoint of analytical psychology. They were very interesting. The reason why I tend to deal with “dreams” as a theme in my movies might be from the influence of Mr. Kawai’s books.
And it was Mr. Susumu Hirasawa’s music that made me strongly interested in psychological things. He is in charge of music for “Millennium Actress,” “Paprika,” and “Paranoia Agent.” I wanted to learn much more about Mr. Hirasawa’s music, and as a result, I became interested in psychological themes behind complicated lyrics of his songs. That prompted me to read books by Mr. Kawai.
Literary works by Tatsuru Uchida, who is known as a specialist of French contemporary philosophy, film theory and martial arts theory, are very evocative. His books are crucial for me in recent years in terms of cultivating my thoughts.
There are so many film directors I admire, but Akira Kurosawa is the most respectable director for me. His movies are unquestionably wonderful. But after reading interviews with him and his staff, as well as other articles about him, I especially admire his attitude for his work, so to speak, more than anything else. I mean, he exerts a great deal of efforts and wisdom to make his movie better as much as possible. So, I usually read books related to Mr. Kurosawa while making my own movie. I guess it’s because I feel like works of Mr. Kurosawa and his wonderful film crew, known as the Kurosawa-gumi (group), are giving spurs and encouragement to me.

Which project your did you most like?
Each of my projects is a memorable one for me, and I can’t say which one is the best. Each time, I did the best I could. But still, I have a deep emotional attachment for movies I directed. I love them equally, whether they were based on someone else’s stories or my own ideas. And at the same time, I still feel frustrated about clumsy parts of those movies. I made a directorial debut with “Perfect Blue,” which gave direction to my subsequent creative activities in a major way.
“Millennium Actress” was made based on my original story for the first time and it occupies a very important place for me, because the film gave me a chance to realize the relationship between my work and myself. Besides, it gave me a sense of fulfillment and achievement because I was able to ask Mr. Susumu Hirasawa, whom I respect very much, to write music for the feature.
I think that the balance of the script and characters for “Tokyo Godfathers,” as well as the quality of key animation and background paintings, went very well. So this movie is one that I could enjoy from the bottom of my heart when it was completed, and still is.
“Paranoia Agent” was my first TV-animated series. I enjoyed making it a lot. The production schedule was very tight. But it also gave the series a touch of freshness, because I could turn ideas I conceived into images in such a short period of time. The fact that I could enjoy applying various directorial styles was the unique aspect this project could offer.
Because “Paprika” is my latest work, honestly, I can’t say I have already made up my mind what to say about it. But before anything else, this movie is sort of a sum-up of my directorial work, and I think it is an important movie for me that served as the starting point for projects I will get involved with.
Each of my previous works is indeed a memorable and meaningful one for me. But if you ask me which one I love most, I’d say my next project I am already working on is the one.

Do you know any young artist that you think is very good?
At the age 43, I’m still considered to be one of young artists, so to speak, and I don’t have any particular candidate in my mind because I don’t get to know other artists’ works. I try to keep an eye on those animations that attract attention in the animation industry, but I have to say I think I’m pretty much caught up in making my own movies.

Do you prefer to make TV series or movies?
Each of them has their own advantages, but I feel that it’s easier for me to work on movies. Story or image, I like things that are of high density, whether story or image. So, I guess there are more things I fail to incorporate into my work than I can put in when I work on TV series, in which the production schedule is tightly set.
But it was unusual when I was working on “Paranoia Agent.” I enjoyed turning ideas into images one after the other as soon as I conceived them. I had so many ideas I couldn’t use for my previous movies, so I was able to recycle them and add new ideas. Then I had many animation directors and animators to turn them into many variations for the TV series. I’m interested in TV series from the standpoint that I can do things I cannot do with movies. I want to think about projects for TV series if an idea that is good for such a project comes into my mind.

You work on diverse production stages. Which is your preferred script, drawing, direction and why?
Now, that is hard to answer, because I enjoy each of those processes from the bottom of my heart. I can’t handle things well sometimes, but I never thought I didn't want to do or I’m not good at doing those things. Actually, I find myself enjoying doing any of those processes very much. Not to mention the actual production work, I also found it very interesting and amusing to be involved with promotional work such as being interviewed about my work, drawing illustrations for posters and DVD jackets.
But if I have to answer one thing, I should say it’s got to be storyboarding. What’s so interesting about storyboarding is that nothing is more interesting than generating visual images from words, meaning, scripts. And because storyboards are the blueprint for a movie, the final form as a movie totally depends on the storyboards. Of course, each process of creating concrete images and sound based on the blueprints is also important. You can’t make a good movie no matter how interesting those storyboards might be when the quality of subsequent work is poor.
But I can say one thing: you can absolutely never make a good movie out of poorly-drawn storyboards. If the storyboards are boring, the quality of the movie can be improved if you do the best you can in the subsequent processes. But it will never be interesting. I think that drawing good storyboards is the minimum requirement to make a good movie. And I think storyboarding is a crucial element of the production on such a degree.

The themes of yours stories are very adult and mature. Have you ever thought about making something for children?
The project I have in mind right now is indeed a movie for children. However, I initially had said that “Paprika” was about “a superheroine” who can transform herself. So, when I say it is for children, I guess it won’t be as straightforward as it might sound. Of course, the contents of the project will be something that is completely different from my previous movies, and I intend to create pretty-looking characters. It will be an adventure story for children to enjoy.
But if that is all I can talk about the project, adult audience, for whom I have supposedly targeted with my previous animations, will not be satisfied very much. That’s why I’m planning not to make it so naive. Ideally, I want to make it a dual-structured movie, in which children can enjoy it as a fantasy while adults can find the other message in it.

Do you choose yourself the production team, and voice actors?
It is up to the director to make final decisions on those matters, but I think it’s like a fate, in a way, for who will turn out to be a part of the team. Sometimes the producer introduces them to me, and on other occasions, I ask someone to do the job through staff members of each production part. In fact, on many occasions, I can’t get people I want on my production team even though I want to ask them to join. So, I think I am also chosen to be a part of the production team just as the director makes his selections.
Besides, the Japanese animation industry is always short of manpower despite the large number of productions of TV series and movies. And the number of staff members who can satisfy the level required for theatrical animation movies is even less. It means that many production companies are vying with each other to secure those staff. So, we have to consider what kind of animation productions will be being made around the same time. It is already a difficult task to collect an appropriate number of staff, and it is much more difficult when it comes to collecting staff you wish to have. I feel an urgent need that in addition to attracting capable staff, we also need to consider ways to bring out more abilities from staff who are willing to take the jobs and improve their abilities.

Millennium Actress is based on a real story?
No, not at all. I had the image of Setsuko Hara, one of Japan’s great actresses who quit acting out of the blue, for Chiyoko, the protagonist of the movie. But it was merely a concept for the setting of the movie, and that’s all there is to it. The story of “Millennium Actress” is, indeed, sort of a collage based on many fragments of episodes from movies, television series, and historical events. But my creation serves as the vertical axis that holds them together.

You had dubbed Jinnai in Paprika. Why you decided to dub Jinnai? Do you intend to make more dubbing?
It just came up like a joke, with no serious meaning attached. But because the two bartenders, “the dwellers of the Internet world,” serve as the very special component of the story even in the world of “Paprika,” I thought it would be a good idea for the casting of voice actors to have a special meaning that goes along with it.
So, I thought it might be interesting to have the combination of the original writer and the director of “Paprika” to dub them, instead of having professional voice actors play the parts. Actually, I thought I could do a little bit better than it turned out. It was very difficult. Nothing was more difficult to play it by myself and then judge whether it was good or bad. I thought as if my brain was almost going out of control. Still, I’d like to give it a try if there is a chance to do it again.

Do you know any Brazilian or Latin artists?
When it comes to Brazil, I can’t help thinking about football and Formula 1 before anything else. As for football, I just keep up with the FIFA World Cup. But every year, I look forward to seeing each race of the Formula 1. I’m afraid there will not be another superstar like Ayrton Senna any more, but I’m a big fan of Felipe Massa and Rubens Barrichello.
I can’t give names of artists from Brazil or other Latin countries immediately, but I think “Pubis Angelical” by Manuel Puig might have given me some sort of inspiration for “Millennium Actress” in terms of its irregular composition of the story, although I read the book a long time ago.

Would you like to come to events or lectures in Brazil? Or you aren't a parties addictive?
I’d say I’d prefer attending events, so I’ll visit Brazil if there is an offer and if my schedule allows. But it might be a tough trip for me, because I’m a smoker and I heard that it takes a really long time to get there from Japan. My thinking becomes weakened without smoking, and I need cigarettes whatever I do. I just can’t go with the flow of the times, not on this.

Which is your current project? Any future project?
As I told you before, I’m planning to make an adventure/fantasy movie for children. For this project, I intend to create characters whose looks are not realistic, and the story will likely be something like a fairy tale, or perhaps a folk tale, which will take place in a far away future. And music will play a large part in this movie. It’s not a musical, but it can be said like a “music animation,” so to speak.

What advice would you give for young artists on script and/or drawing?
Whether you want to write a story or do drawings, I think you must learn what you don’t know and what you can’t express through creative activities like writing and drawing. You won’t get better by just making continuous efforts without specific purposes. And you can’t expand the scope of your intellectual framework by simply repeating what you can do, feeling as if you are on top of the world.
To widen your framework is what I think gives you progress and improvement. You can only learn what you can’t do by giving it a try. As you learn more about things you are incapable of doing, the way you look at outstanding movies by other artists will start to change. How others do things you can’t do? I think that coming into contact with wonderful movies, with questions only you can ask in mind, is the only chance you can learn concrete things.
It is often said that watching a lot of movies is important, and I think that is true in terms of improving your knowledge. But it is hard to turn them into your creative abilities when it comes to making your own things if you simply multiply the number of movies you watch. That is because if you can obtain various techniques by just watching many movies, film critics and movie bugs can be great filmmakers. That won’t happen. Of course, they could be experts of watching movies, but that’s a different story.
There are many ways to improve your skills, and there are many answers to it. There are as many ways as the number of willing people. There is no general advice you can follow. But if you desperately try to find or make up your own ways, you could end up with an accumulation of wasted efforts. So, I think it would be better for you to learn techniques of someone you prefer or you admire in a concentrated manner, at least once in your life. It’s about deciding your mentor.
Of course, it might not be easy for you to find an artist around you who can satisfy such a requirement. But you can come into contact with works he or she has created through movies, books and other media. And I think it is important to try to know the techniques with the intention of making them into your own as a creator, not as a fan. But it doesn’t mean you imitate them.
If I’m allowed to say it, it’s about learning how your mentor does it. It’s not about imitating the results of what the mentor produced, but it’s about learning the mentor’s attitude that brought him or her to produce those results, in other words, how the mentor made his or her way through to get to the results. You might find something you can’t really understand, or even things you’d feel unreasonable and absurd, but you will understand the meaning of such things later as you keep leaning his or her attitude.
I think it is all right to mimic your mentor’s style at the start. As you repeat what you do and accumulate experience, you’ll definitely find sort of an original method of your own. And I think that such an attitude and method you acquire while doing so will not be influenced by trends and can last for a long time.

My special thanks to Mr. Satoshi Kon, Mr. Izumi, Madhouse Studios, ANN for image and Fernando Ventura


E N T R E V I S T A COM SATOSHI KON


Satoshi Kon 今敏 é um dos mais conhecidos diretores da animação japonesa dos últimos anos. Em seu curriculum há títulos como Tokyo Godfathers 東京ゴッドファーザーズ , Millennium Actress 千年女優, Perfect Blue パーフェクト・ブルー, Paranoia Agent 妄想代理人 e Paprika パプリカ, seu último trabalho. O Papo de Budega conversou com ele acerca de vários assuntos, inclusive seu novo projeto, um filme de aventuras para crianças.

Fale um pouco de você. Do que você gosta de fazer, ler, etc.
Gosto do meu trabalho mais do que qualquer outra coisa. Tenho trabalhado por 20 anos e espero continuar por muito tempo ainda, pois amo o que faço. Por isso, eu diria que não tenho passatempos além do trabalho. Mas gosto de comer bem e beber saquê! Em 2006, especialmente, tive oportunidade de experimentar refeições maravilhosas em cada lugar que visitei dentro e fora do Japão, para promover Paprika. Não se deve perder um bom saquê quando a comida é boa. Também aprecio vinhos.
Gosto de beber, mas é ainda mais divertido junto com os amigos. Nestes momentos, converso muito sobre trabalho com meus colegas, pois são momentos em que surgem muitas idéias. Gosto de conversar sobre meus projetos de filmes e histórias. Tanto que tive a idéia de fazer Millennium Actress em um barzinho. Também gosto de livros, filmes, música e de escrever na internet. As pessoas chamam de passatempos, mas é parte do meu trabalho, do processo de aprendizagem. Gosto de assistir filmes em DVDs, pois tenho pouco tempo de ir ao cinema. Acho muito útil apreciar os filmes a qualquer hora e vê-los quando e como eu quiser. Mas, tenho visto poucos filmes hoje do que quando era mais novo. O interesse diminuiu por estar muito ocupado.
Também costumava comprar CDs todos os meses. Sempre achei necessário procurar filmes e músicas que um dia poderiam ser úteis – ainda que eu não faça buscas desesperadas por conta disso. Em compensação, procuro ler tudo o que posso. Não leio muitos romances, mas dezenas de livros sobre psicologia, psicanálise, História, religião, cultura, filosofia, críticas modernas, língua japonesa, filmes entre outros. Tenho lido muitas fábulas esses dias: mitos e folclores.

Quais são seus autores preferidos?
Quanto a romances, li muitos livros de Yasutaka Tsutsui, Ryotaro Shiba, e Haruki Murakami com muita atenção. Por volta dos 20 anos, li muitas histórias de ficção de Yasutaka Tsutsui, que escreveu a história original de Paprika. Também li muitos livros de Ryotaro Shiba, mestre de romances históricos. De Haruki Murakami, um dos escritores comtemporâneos mais conhecidos do Japão, li um dos seus romances somente há três anos. Desde então, tenho lido seus livros rapidamente.
Apesar de não serem romances, leio muitos trabalhos de Hayao Kawai, antigo chefe da Agência de Cultura do Japão. Ele é psicoterapeuta. Sem mencionar os livros de psicologia analítica, sua especialidade. Li outra série de seus livros como interpretar contos populares e contos de fadas do ponto de vista da psicologia. A razão de lidar com “sonhos” em meus filmes são por influência do senhor Kawai.
Foi a música do Sr. Susumu Hirasawa que me fez interessar-me por psicologia. Ele foi o encarregado pelas músicas de Millennium Actress, Paprika, e Paranoia Agent. Eu quis aprender muito mais sobre as músicas dele e por conseqüência, interessei-me por temas psicológicos por meio de melodias de suas canções. Isso me levou até os livros do senhor Kawai. O trabalho literário de Tatsuru Uchida – conhecido como especialista da filosofia contemporânea francesa, da teoria de filmes e artes marciais – é bem interessante. Seus livros são cruciais para mim, para clarear meus pensamentos.
Há muitos diretores de filmes que admiro, mas Akira Kurosawa é o que mais aprecio. Seus filmes são incrivelmente maravilhosos. Depois de ler entrevistas com ele e sua equipe, assim como outros artigos, eu realmente tenho admiração especial pelo trabalho de Kurosawa, mais do que qualquer outro. Eu acredito que ele não media esforços para fazer o melhor possível em seus filmes. Por isso, releio livros que falam do Senhor Kurosawa ao produzir os meus filmes. É como se o próprio Kurosawa e sua equipe me dessem força e incentivo!

Qual projeto você mais gostou de fazer?
Todos os projetos são memoráveis para mim, por isso não posso citar um só. Fiz o melhor que pude em cada um. Tenho um profundo carinho pelos filmes que dirigi. Gosto de todos igualmente, sejam histórias de outras pessoas ou as minhas próprias. Mas ao mesmo tempo, fico frustrado com detalhes não muito bons dos filmes. Fiz minha estréia como diretor em Perfect Blue, que abriu o leque para minhas futuras atividades criativas.
Millennium Actress foi baseado em minha história original, o que faz ocupar um lugar especial para mim, pois o filme me deu a possibilidade de perceber melhor o meu trabalho e a mim mesmo. Para fazer este filme, eu pude contar com o senhor Susumu Hirasawa, a quem respeito muitíssimo, para escrever a música do filme.
Acredito que o balanço entre roteiro e personagens de Tokyo Godfathers, assim como a qualidade da animação principal e cenários, que ficaram ótimos. Posso dizer que senti um profundo carinho por este filme quando o vi encerrado.
Paranoia Agent foi minha primeira série animada, da qual também gostei muito de produzir. Os prazos estavam muito apertados. Mas isso deu a série um toque de frescor e espontaneidade, ao rabiscar as idéias rapidamente. Também pude aplicar vários estilos, pois o projeto dava margem para isso.
Paprika é o meu trabalho mais recente e talvez por isso, eu não teria uma posição formada ainda sobre este título. Mas acima de tudo, este filme é uma soma de meu trabalho como diretor, o que também o torna importante, por ser o trampolim para meus futuros projetos. Enfim, todos os meus trabalhos são importantes e têm um significado especial. Mas, se você me perguntar qual é mais, mais especial, eu diria que é meu projeto atual, aquele em qual estou trabalhando.

Você conhece algum jovem artista muito bom?
Com 43 anos ainda me considero um jovem artista... Não saberia citar uma pessoa, até porque não conheço a fundo o trabalho de outros profissionais. Procuro prestar atenção nas animações que chamam a atenção da indústria, mas devo confessar que tenho me concentrado na produção dos meus próprios filmes.

Você prefere produzir filmes ou séries animadas?
Cada um tem suas próprias características, mas acredito ser mais fácil fazer filmes. Sejam histórias ou imagens, gosto de assuntos com densidade, mais difíceis de explorar em séries animadas. Em Paranoia Agent, pude trabalhar rapidamente. Aproveitei muitas idéias que não pude encaixar em meus filmes, então as reciclei e transformei em novos conceitos. Aproveitei muitos diretores e animadores ao questionar as melhores alternativas para a série. Gosto dos seriados de televisão porque posso fazer o que não é possível nos filmes. Interesso-me por projetos televisivos, desde que a idéia seja boa.

Você trabalha em diversos estágios em uma produção. O que você prefere: escrever, desenhar dirigir e por quê?
Puxa, isso é duro de responder, porque adoro de cada uma das fases do processo. Realmente gosto de todas estas atividades, e nunca parei para pensar muito nisso. Também acho interessante estar envolvido nas atividades promocionais de um título, como entrevistas sobre meu trabalho, ilustrações para pôsteres e capas de DVD.
Mas se eu tiver que responder só uma coisa, eu diria que é o storyboard. O mais interessante sobre os boards é o fato de eles transformarem palavras em imagens. Também porque os boards são como a planta estrutural do filme. Claro que você não pode fazer um bom filme com um storyboard soberbo e um trabalho subseqüente ruim. Mas afirmo ser impossível fazer um bom filme sem um storyboard bem planejado. Na verdade, acredito que é o elemento fundamental para a qualidade de uma produção.

Os temas de suas histórias são normalmente adultos. Você teria interesse em fazer algo para crianças um dia?
O meu projeto atual é justamente um filme para crianças. Eu tinha dito que Paprika era um filme sobre uma “super-heroína” que pode se auto-transformar. Por isso, quando falo que é para crianças, pode não ser em sua totalidade. Este é um projeto bem diferente dos que eu fiz anteriormente, e pretendo criar um clima diferente, com personagens atrativos. Será uma história de aventuras que as crianças vão gostar. Mas é tudo o que eu posso falar do projeto. Pretendo fazer um filme no qual as crianças possam curtir a fantasia, e uma história em que os adultos possam encontrar uma mensagem.

É você próprio quem escolhe toda a sua equipe de produção?
É o diretor que tem as decisões finais acerca de tudo, mas eu acredito este faço parte de um todo, parte da equipe. Às vezes, o produtor apresenta as pessoas para mim, e em outras ocasiões, peço que alguém realize o trabalho. Em muitas ocasiões, não posso contar com algumas pessoas que quero no meu time de produção. Portanto, em contrapartida, eu também sou escolhido para ser o diretor de uma equipe.
As decisões da indústria japonesa estão sempre nas mãos de homens importantes devido ao enorme número de produções de filmes e séries de TV. E o número de artistas com qualidade para a produção de filmes cinematográficos é ainda menor, o que leva muitas empresas a disputarem para manter consigo estes funcionários nas equipes. Por isso, temos que considerar as várias possibilidades de produção. É muito difícil ter um número adequado de pessoas e ainda mais complicado manter os que você já tem. Sinto que é urgente não apenas atrair um staff de qualidade, mas também dar espaço aos mais novos, interessados em desenvolver suas próprias habilidades.

Millennium Actress é baseado em uma história real?
Não, de modo algum. Eu me baseei em Setsuko Hara, uma das grandes atrizes do Japão, para Chiyoko, a protagonista do filme. Mas foi apenas uma das idéias na concepção do filme. Millennium Actress é uma espécie de colagem baseada em vários trechos de episódios de filmes, séries de televisão e fatos históricos. Minha idéia serve como um eixo para ligar tudo à história principal.

Você dublou o Jinnai em Paprika. Por que você decidiu fazer este personagem? Você pretende fazer mais trabalhos de dublagem?
Foi apenas uma brincadeira. Os dois garçons, “moradores do mundo da internet” são figuras interessantes mesmo no mundo de Paprika. Eu achei que seria legal ter a combinação do autor e do diretor para dublá-los, ao invés de um profissional de dublagem. Acho que poderia ter ficado um pouco melhor. Foi muito complicado colocar minha voz no personagem. Achei que minha cabeça ia sair do meu controle. Mas eu gostaria de tentar (dublar) novamente se eu tiver a oportunidade.

Você conhece algum artista brasileiro ou latino americano?
Quando se fala em Brasil, é impossível não pensar em futebol e Fórmula 1. Sobre futebol, eu fico sabendo mais da Copa do Mundo. Eu presto mais atenção na Fórmula 1. Acho que não haverá outro piloto como o Ayrton Sena, mas sou um grande fã de Felipe Massa e Rubens Barrichello.
Não saberia nomear artistas brasileiros ou latino americanos sem consultar, mas acho que Pubis Angelical de Manuel Puig me deu uma certa inspiração para Millennium Actress na composição irregular da história, apesar de eu ter lido o livro há muito tempo.

Você viria em eventos no Brasil? Ou não gosta de convenções?
Certamente eu visitaria o Brasil e iria a eventos se fosse convidado (e tivesse tempo disponível). Mas seria uma viagem difícil para mim, porque sou fumante e eu ouvi dizer que leva muito tempo para chegar ai.

Qual seu projeto atual? Ou projeto futuro?
Como disse antes, estou planejando um filme de aventura/ fantasia para crianças. Para este projeto, pretendo criar personagens não tão realistas e a história será uma espécie de contos de fadas ou um conto popular que aconteça em um futuro distante. As músicas serão muito importantes neste filme. Não será um musical, mas pode-se dizer que é uma “animação com muita música”, por assim dizer...

Que conselhos você daria aos novos escritores e artistas?
Queira você escrever ou desenhar, penso que deve se focar em aprender o que for mais difícil e o que você não consegue expressar com atividades criativas. Você não melhorará apenas fazendo esforços contínuos sem finalidades específicas. E você não pode expandir sua estrutura intelectual simplesmente repetindo fórmulas, se sentindo no topo do mundo. Alargar seus horizontes é o que lhe dará progresso e melhorias.
Você só aprende o que não sabe tentando. Quanto mais você aprende sobre coisas das quais você é incapaz, o modo como você olha para os filmes de outros artistas irá mudar. Como os outros podem fazer o que você não pode? É com essa atitude que você pode aprender coisas concretas assistindo alguns desses filmes maravilhosos.
Diz-se frequentemente que assistir muitos filmes é importante, o que considero verdadeiro em termos de desenvolver seu conhecimento. Mas é difícil tornar essa experiência uma habilidade criativa se você apenas multiplicar o número de filmes assistidos (senão todos os críticos de cinema seriam grandes cineastas).
Se você se desesperar procurando suas próprias maneiras de fazer as coisas, pode perder seu tempo. Assim acho muito válido aprender as técnicas que você prefere ou admira com esforço e dedicação. Naturalmente não é fácil encontrar um artista que possa lhe ajudar, mas você pode ter contato com trabalhos dos seus mestres por meio de filmes, livros e outros meios. As técnicas devem ser aprendidas para que você as reproduza como um criador.
Não imitando o seu resultado, mas procurando compreender a atitude que o ou a levou a criar a obra que você aprecia. Você encontrará coisas que talvez não compreenda, ou coisas que parecem irresponsáveis ou absurdas, mas você compreenderá o significado de tais coisas se tiver uma postura modesta. Acho que é de todo direito imitar o estilo do seu mestre no início. Enquanto você copia, acumula experiência até encontrar definitivamente seu próprio estilo original - a melhor forma de não perder tempo influenciado por tendências pouco criativas.

Meus agradecimentos especiais ao senhor Satoshi Kon, senhor Izumi, estúdio Madhouse, ANN pela imagem e Fernando Ventura
←  Anterior Proxima  → Inicio

2 comentários:

iorishitai disse...

Muito boa a entrevista. Parabéns Sandra. Satoshi Kon é um dos meus diretores favoritos de anime. Ele sempre encontra um jeito de interagir com o público através de suas histórias. E Paprika é maravilhoso, podendo ser definido como um anime "lisérgico", belo e perturbador, tudo ao mesmo tempo. E a trilha sonora vai pelo mesmo caminho. É a segunda melhor obra de Satoshi Kon, ficando atrás de Perfect Blue, que continua imbatível na minha opinião.

Tarsis ¥ disse...

Fantástica a entrevista =]
deve ter sido d+ entrevistar um profissional desses =]

parabéns mesmo!