Desejo: Boas Festas...

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Para ler o Pato Donald

Para ler o Pato Donald de Ariel Dorfman e Armand Mattelart é certamente, uma das maiores bobagens escritas no século passado. É uma publicação com tom ridículo de "denúncia" do capitalismo. A "coisa" já começa em uma das descrições retiradas em sites de compras,
Os autores analisam um dos mais poderosos veículos da comunicação de massa, os quadrinhos, que se transformam em desenhos animados nas salas de cinema e na televisão, gerando inúmeros outros produtos. Reconhecendo a importância dessa indústria cultural, eles apontam o seu símbolo máximo, Walt Disney, examinando minuciosamente a influência exercida pelos personagens disneianos na educação e no relacionamento social de crianças de todo o mundo.
Só pelo texto acima, vemos os problemas que a obra pode ocasionar. Os autores não examinaram nada da vida profissional de Walt Disney. É um verdadeiro festival de "achismos" do que eles acreditam ser verdades. Pegam quadrinhos e fazem uma série de confabulações loucas sem ter conversado com autores e nem saber o que os mesmos pensam.
Aqui fica o registro que quem escreve seja o que for, é fruto de um contexto social, econômico e cultural e isto não é nem cogitado a avaliação dos autores. No final, vale a pena ler Para ler o Pato Donald e entender como mentes doentes por ideologias agem e podem deturpar e contribuir para análises erradas do mundo.
←  Anterior Proxima  → Inicio

3 comentários:

Victor Hugo Carballo disse...

Bom, é só ver aonde o livro foi escrito que isso explica tudo.

Synbios disse...

Já existiam "Teorias da Conspiração" antes da era internet...

Bira disse...

Eu li e achei bem interessante. Tentar desqualificar o livro por seus qutores serem de esquerda e como querer desqualificar o que Eisner ou Al Capp escreveram sobre Quadrinhos por serem capitalistas ou de direita. E dizer que o país onde foi escrito derermina a qualidade do livro é uma das asneiras mais caprichadas que já li.