Desejo: Boas Festas...

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Encantada (Enchanted) - That's How You Know


Se tem um filme que realmente amo do fundo do coração é Encantada (Enchanted). Se realmente gosto? Bem, comprei DVD e o CD. Apesar dela não cantar no longa-metragem, foi meu primeiro contato com Idina Menzel, no papel de Nancy. Ali ela mostrou as expressões fanfarronas que ela costuma expressar. Para lembrar como eu curto as canções, deixo aqui That's How You Know. Muito legal!!!

terça-feira, 29 de setembro de 2015

A identidade cultural na pós-modernidade

A identidade cultural na pós-modernidade do autor britânico Stuart Hall é um estudo do chamado "estudos culturais", em que o leitor embarca em questões interdisciplinares. O autor aborta de forma muito clara questões sociais e culturais da modernidade. Apesar de ter mais de 20 anos, a obra continua atual em sua essência e mostra ao leitor, apontamentos importantes de identidade.
Como a sinopse bem nos mostra, o "homem da sociedade moderna tinha uma identidade bem definida e localizada no mundo social e cultural." Se um operário era um operário, basicamente ele seria "isso" e viveria como tal em diversos setores de sua vida, não somente no trabalho. Seria alguém que viveria desta forma em âmbito local ou nacional.
"O sujeito assume identidades que não são unificadas ao redor de um 'eu' coerente. Dentro de nós há identidades contraditórias, empurrando em diferentes direções, de tal modo que nossas identificações estão sendo continuamente deslocadas. (...) A identidade plenamente unificada, completa, segura e coerente é uma fantasia."
Porém, nos dias atuais, certos elementos sociais, culturais e econômicos mudaram a forma de pensar, de viver e de "se ver" das pessoas. É exatamente neste ponto que o autor toca. Houve um deslocamento "das identidades culturais de classe, de sexualidade, de etnia, de raça e de nacionalidade." Difícil dizer como as pessoas se enxergam hoje, ou como deveriam se enxergar ou enxergar o mundo. São estas questões que o autor aborda.
Um adendo: o livro que lemos é da DP&A Editora, a mesma capa da imagem desta postagem. Entretanto, esta publicação está esgotada. Há uma outra versão disponível de outra editora e queremos crer que a qualidade de tradução pode ser tão boa quanto ao material lido desta resenha.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Curiosidades Budeguísticas: controle-remoto

Este produto foi e ainda é motivo de piada de animações e seriados. Mas, tornou-se imprescindível na vida cotidiana das pessoas. Criação norte-americana, o primeiro controle funcionava por meio de ultrassom. Porém, como o custo era alto, houve a substituição pela tecnologia IR (infravermelha) que não necessitava de um meio físico para transmitir dados.
Segundo o Controle Universal, o controle remoto foi usado como um aparelho de rádio frequência que monitorava navios alemães já na 1ª Guerra Mundial. Foram desenvolvidos rádios controladores de navios, de bombas e armas que eram usados remotamente. Daí, na 2ª Guerra Mundial, o controle-remoto foi usado como detonador de bombas.
Assim, apesar de associarmos a vida comum, o controle-remoto meio que surgiu junto das guerras, como outras tecnologias recentes. Com o fim dos conflitos, procurou-se um uso para este produto e logo foi utilizado junto aos televisores. Tornou-se relevante tanto pelo produto em si, como pela importância cultural. Afinal, diz-se que, quando o programa é ruim, é pegar o controle-remoto e mudar de canal.
Atualmente, há diversos tipos no mercado. Os controles universais são aqueles que as pessoas mais desejam justamente por ligarem e desligarem produtos correlatos como TVs, DVDs, aparelhos de som. Fora o próprio produto em si, hoje, inclusive celulares mais sofisticados já fazem esta função, mostrando cada vez mais que o ser humano moderno depende muito deste produto.

domingo, 27 de setembro de 2015

Para alegrar o dia 130

Retirado deste link.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

TV: programas de comidas...

Na última semana, o sucesso avassalador de MasterChef mostrou que sempre é possível inovar em um meio de comunicação. Mesmo quando alguns anunciam o fim da televisão, a mesma é necessária para gerar conteúdo na internet. Relatos de ódio, de amor aos participantes, ao final do programa, tudo como manda o figurino.
Esta que vos escreve não assistiu a absolutamente nada por um pequeno grande motivo: por que ver um programa sobre comida em que você não se pode comer? Sei que esta pergunta valeria para vários outros exemplos e que as pessoas poderiam me questionar acerca disso. No meu caso, mais que fazer e ver, realmente gosto de comer...
Agora, outras emissoras estão indo na mesma "vibe" de programas de comida. Válido, porque de forma geral são programas inofensivos. Finalmente "realities show" em que se aprende alguma coisa (para quem gosta de cozinhar). A mais nova modinha da televisão. Só ficamos a imaginar... Durará até quando?

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Bon Jovi - Livin' On A Prayer


Navegantes... Lembram quando falei que nos anos 80 haviam muitas bandas de rock com cantores bonitões? Então... o Bon Jovi é uma destas bandas. Livin' On A Prayer é daquelas músicas com um refrão bem fácil de cantar. Sim, estes dias eu me lembrei do meu momento "Clip Trip"...

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Livro: Cultura de Raymond Williams

Temos atrás fizemos a resenha de um livro importante para o entendimento cultural. "Cultura" de Raymond Williams. Ele foi um dos primeiros de uma corrente que aponta para a contextualização de um dado produto cultural. As coisas não se dão isoladamente.
É necessário verificar algumas possibilidades e entender e interpretar os pontos de convergências. Williams nos faz lembrar que termos como "erudito, massa e popular", tão utilizados pela escola de Frankfurt, não fariam muito sentido neste mundo de convergência. Para ler a resenha completa, acesse este link.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Curiosidades budeguísticas: carne seca x carne de sol

Uma das grandes confusões que muita gente comete é dizer que carne seca e carne de sol são a mesma coisa. Até podem parecer que são dois tipos de carnes iguais, mas a verdade é que há diferenças na forma de preparo. Alguns sites tecem comentários acerca destes gostosos pratos típicos brasileiros. Mas, o que melhor explica é o Petit Gastro.
A carne seca (ou jabá) "é tipica na região norte e nordeste do Brasil, é parecida com a carne de sol, mas passa por uma desidratação bem mais intensa. A quantidade de sal usada é maior, e o tempo de cura também. As mantas de carne são empilhadas em local seco para desidratarem-se, e depois são levadas para varais no sol para finalizar a secagem."
Ainda segundo o mesmo site acima, a "carne de sol (também chamada de carne de vento, serenada, de sertão e etc) tem esse nome, pois antigamente era feita salgando a proteína ligeiramente e secando as peças ao sol." Porém, hoje já não é mais assim. "A carne passa por um leve processo de desidratação e exige um clima seco para ser feita." Não precisa necessariamente ficar ao sol. "A carne é salgada ligeiramente, e colocada para secar em local coberto e ventilado, e não mais diretamente exposta ao sol. A secagem é relativamente rápida, deixando-a ainda úmida no interior, e modificando pouco a sua textura e cor originais."

domingo, 20 de setembro de 2015

Para alegrar o dia 129

Retirado desta página do Facebook.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

O cachorro que toda mulher gostaria de ter, Inu x Boku SS 妖狐×僕SS

O Crunchyroll tem em seu catálogo algumas animações japonesas bem interessantes e que já citamos aqui. Um destes animes é Inu x Boku SS 妖狐×僕SS. Uma história sobre youkais - aquelas criaturas sobrenaturais vistas em InuYasha - que vivem entre os humanos e têm poderes extraordinários.
Do ponto de vista técnico, a maioria dos encerramentos são diferentes. Tem uma boa produção visual, com o desenho dos personagens lindos. Fizemos uma resenha tempos atrás sobre esta história, que pode ser vista neste link. Título que vale a pena ser visto, especialmente para quem quer assistir a uma animação engraçada.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Guardiões da Galáixa

O filme Guardiões da Galáxia (Guardians of the Galaxy) é um longa-metragem lançado em 2014 pela distribuidora Disney, com o selo Marvel. A obra é baseada nas histórias em quadrinhos de mesmo título. Fez um sucesso que, para alguns, foi inesperado justamente por serem personagens pouco conhecidos do público de massa.
Na história, ainda criança, Peter Quill é raptado da terra pelos Ravagers, um grupo de piratas espaciais. O tempo passa e o garoto se torna um conhecido mercenário chamado de "Senhor das Estrelas". Ele rouba um artefato importantíssimo, que pode mudar o rumo da vida na galáxia. Em meio e muitas reviravoltas, ele conhece algumas figuras que vão desde prisioneiros até um "guaximim".
O que nos chamou a atenção neste filme foi a receptividade no meio "nerd". O longa-metragem agradou um público extremamente exigente, por vezes chato com produções cinematográficas. Realmente, é uma obra bem feita. Bons atores, bons efeitos visuais, boa trilha sonora. A trilha sonora foi ovacionada por se tratarem de músicas da adolescência do público da "casa dos 30 anos". Mas, nada tão extraordinário como muitos deram a entender.
Guardiões da Galáxia merece uma atenção especial por ser um filme baseado em histórias em quadrinhos, que não eram muito conhecidas do grande público, mas que deu muito certo no que diz respeito a bilheteria. Pode abrir as para outras produções também baseadas em HQs menos conhecidas. Um bom filme de aventura a ser visto na TV a cabo.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

ANIMA INFO 1704

PlayArte traz aos cinemas episódios clássicos de He-Man e She-Ra


De 03 a 25 de outubro, devido ao Mês das Crianças, a PlayArte em parceria com a Focus Filmes, exibirá em sete cinemas da rede (SP, Grande SP e Manaus) episódios clássicos, em versão dublada original, de He-Man e She-Ra, séries animadas que clássicas na década de 80. Esta é a primeira vez no Brasil que esses episódios serão exibidos na tela de cinema. A PlayArte preparou também copos personalizados e exclusivos dos dois personagens para venda na bomboniere dos cinemas. No site do evento é possível ver toda a programação, episódios, ingressos, cinemas e dias.

Ne-Yo feat. Cassandra Steen - Never Knew I Needed


Quem viu o desenho animado A Princesa e o Sapo, talvez lembre desta música. É uma letra bem grande, até me assustei quando a vi no encarte do meu CD desta animação. Redundante eu dizer que achei Never Knew I Needed uma música bonita. Uma pena que não foi para as rádios... Não que eu me lembre..

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Charlie Hebdo, o jornal desnecessário...

Caros navegantes...
Quando ocorreram os ataques ao jornal Charlie Hebdo em janeiro, deixei claro nas redes sociais que não concordava com as mortes, mas que eu também achava desnecessárias as sátiras que o jornal fazia... Inclusive, mencionei um pouco isso neste meu texto. Agora, o mesmo jornal polemizou novamente, desta vez com o menino sírio morto semana passada. A imagem dele na praia todo mundo lembra... Neste link é possível ver as sátiras e a imagem do garotinho... Daí pergunto: que merda desnecessária foi esta?
Os franceses estão muito mal acostumados a achar que toda liberdade de expressão é válida. Usando o jargão comum do Facebook: PAREM, POR FAVOR, PAREM! Além de desrespeitar a memória do menino, também zoaram com os cristãos e ao mesmo tempo incutem ideias erradas para muçulmanos e cristãos... Como?
Oras, lá atrás, eles ajudaram na islamofobia dos cristãos para com os muçulmanos. Agora, fazem exatamente o contrário: uma cristofobia dos muçulmanos para com os cristãos. Daí pergunto: o que este jornal pensa que está fazendo? Basicamente, fomentando ódios mútuos... Existe um limite para a "zoeira". Em um momento em que os ânimos estão exaltados, encher os corações de mais ódio - de um lado ou outro - não levará ninguém a lugar algum.
Inclusive, imagina a cena: os refugiados já saíram de uma situação complicada. A maioria é pacífica... Mas, pode ser seduzida com a ideia que terroristas podem incutir neles: "viram, eles se fazem de bonzinhos, mas brincam com nossas crianças mortas..." De forma geral, a Europa terá que decidir o que ela entende por respeito e liberdade de expressão. Já falei aqui: a "liberdade de expressão" não pode em hipótese alguma ser confundida com falta de respeito.
Porque o jornal faz exatamente aquilo que ele mesmo diz criticar: fomenta intolerância aguda... E, lastimavelmente, é o que esta publicação sumariamente tem feito. Infelizmente, inocentes podem "pagar" novamente pelas asneiras que eles veiculam... E não, não colocarei imagens de Charlie Hebdo, porque este é um jornal - pelo visto - desnecessário...

O Plano que mudou nossa História...

O Plano Real foi um plano econômico que mudou a estrutura de diversos setores da sociedade. Quando criado há mais de 20 anos, houve uma estabilidade, ante os anos difíceis da super-inflação dos anos 80, início dos 90. Nunca houve um término formal de sua ação prática na sociedade brasileira, pois o mesmo ainda é existe. Sua premissa ainda vigora, a contragosto de muitos conceitos ideológicos.
Na prática, o Plano Real ainda existe. Ao lermos História do Plano Real de Luiz Filgueiras temos plena certeza do fato. Já tecemos comentários acerca desta obra tempos atrás. Entretanto, dadas as circunstâncias atuais de nossa economia, vale lembrarmos o que e quem trouxe estabilidade econômica e como se deu a mesma. E, quem sabe, ideias de como conseguir que esta mesma estabilidade retorne.

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Curiosidades budeguísticas: Rosh Hashaná

Hoje, celebra-se o Ano Novo Judaico, conhecido como Rosh Hashaná. Segundo o site do Ministério do Turismo de Israel, "acontece no mês de Tishrei, que coincide com o final do mês de Setembro e início de Outubro. Diferentemente de outras festividades, que possuem apenas um único dia sagrado quando o comércio fecha, Rosh Hashaná é uma festa de dois dias."
Há diversos sites que descrevem o que é exatamente a data, mas ainda segundo o "Ministério do Turismo", "a festividade acontece durante dois dias de acordo com a tradição que começou na Diáspora quando começa a lua nova – que tradicionalmente foi decretado pelo Superior Tribunal em Jerusalém. De acordo com a tradição Judaica, Rosh Hashaná comemora a conclusão da criação do universo e a aceitação da soberania de Deus sobre o mundo. Estes também são os dias em que Deus julga os atos das pessoas durante o ano e decide seu futuro para o ano seguinte."
Lembramos que Diáspora é todo o período que o povo hebreu foi expulso pelos romanos de Israel no início da "Era Comum" e permaneceram em diversos lugares pelo mundo até hoje. Por isso "os dois" dias de feriado. O início do Ano Novo se iniciou no dia 13. O motivo é simples: o calendário judaico é lunar. Ou seja, o dia se inicia "na noite anterior".
Há muitos costumes de festividades, orações para a data, toque do shofar (chifre de carneiro), alimentação variada. Inclusive, um dos itens das comidas especiais é o Romã, incorporado no Ano Novo Gregoriano. A saudação tradicional é Shana Tová que significa "Bom ano". Também costuma-se usar Shana Tovah Umetukah, que significa "Um ano bom e doce" e Ketiva ve-chatima tovah ("Que você seja inscrito e selado para um bom ano.")

domingo, 13 de setembro de 2015

Para alegrar o dia 128

Retirado do site oficial de Snoopy

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Filme: 300

O longa-metragem 300 foi baseado nas histórias em quadrinhos de mesmo título, de Frank Miller. Por sua vez, houve uma referência histórica. O filme trata a tentativa de conquista do território grego pelos persas. Em aproximadamente 480 a.e.C., na Batalha de Termópilas, o rei Leônidas (Gerard Butler) e seus 300 guerreiros de Esparta lutam heroicamente contra o numeroso e violento exército do rei Xerxes (Rodrigo Santoro).
Muitas coisas chamam a atenção neste filme. O trabalho dos atores é brilhante e um dos motivos é justamente os mesmos terem uma atuação com o "vazio". Sim, pois grande parte do filme é feito em "chroma key", técnica em que as imagens são lançadas por computador. Os artistas entenderem bem a intensidade e virilidade que seus personagens deviam demonstrar.
Fora isso, as questões técnicas impressionam. Há muito sangue, muita violência. Mas, o curioso é que tudo causa impacto visual, porém, é algo que não agride a alma, diferente de um "Jogos Mortais", por exemplo. As cenas são bem plásticas. A trilha sonora, um rock pesado, combina totalmente com a obra. Vale aqui um registro acerca do trabalho de Rodrigo Santoro.
Este é efetivamente seu primeiro grande trabalho no cinema americano. Ele aparece em poucas cenas, mas consegue transpassar a arrogância necessária que Xerxes possui. Em sua frase mais interessante, algo a se pensar: "enquanto Leônidas pede para você se levantar, eu peço somente que você se ajoelhe". Uma obra que vale muito a pena ser vista nas TVs pagas, já que é exibido constantemente.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Banda do Mar - Mais Ninguém


Banda do Mar é destes novos grupos de música brasileira que tem uma canção ou outra legal. São músicas para o estilo "bicho grilo classe média que quer ser diferente"... Mais Ninguém é uma canção bonita. Não tem uma letra "sofisticada", mas vale muito para remexer levemente o corpo!

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Livros: bibliotecas

Hoje, não teceremos comentários acerca de um único livro. Na verdade, de vários. Muitos jovens têm o péssimo hábito de achar que encontram tudo de graça na internet. De feto, há muitos produtos gratuitos legais e ilegais. Um tipo de produto que estes adolescentes acham que podem ter gratuitamente pela web são os livros. Entretanto, há uma terrível conclusão sobre este fato. Será que estes mesmos adolescentes que escrevem tais sandices, sabem o que é uma biblioteca? Provavelmente não.
As bibliotecas nada mais são do que lugares em que você pega um livro emprestado e depois devolve. Simples assim. Obviamente, há bibliotecas com livros mais recentes, outros mais antigos. Mas, continua a ser um lugar para leitura no local ou fora dele. Um local para se fazer, por exemplo, trabalhos escolares. O mais inacreditável é imaginar que há aqueles que não sabem disso. Ou ainda, que não sabem como fazer uma busca no local ou com quem falar. E este fato é sinceramente triste. Porque há formas de se conseguir alguma coisa de maneira legal e de graça.
Mas, parece que além da falsa ideia de comodismo da internet, há um real comodismo físico, a preguiça em sair de casa. Por fim, vale lembrar que há muitas bibliotecas espalhadas pelo Brasil. São cerca de 503 na Região Norte, 1.847 na Região Nordeste, 501 na Região Centro-Oeste, 1958 na Região Sudeste e ainda 1293 na Região Sul, segundo dados do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas. Poderiam haver mais, mas, com estes números, há desculpas demais para uma ação cultural bem simples: a ida a um destes locais de leitura.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Curiosidades budeguísticas: macarrão

O macarrão é um dos alimentos mais comidos em diversos países. Apesar de ser muito conhecido no Brasil e Estados Unidos em sua versão "italiana de macarronada" (com molho de tomate), muitas pessoas acreditam que este alimento foi inventado pelos chineses. O ano aproximado é difícil de saber. O que se sabe é que quem levou a fama do macarrão ter sido espalhado pelo mundo foi Marco Polo. Contudo, ele pode ter ganho a fama por algo que já era consumida antes.
De acordo com o Guia do Estudante, ele levou o produto para a Itália. Entretanto, "uma massa seca feita com trigo duro já era consumida na península por volta do ano 800. Ela foi levada de lá para o resto do mundo por navios de conquistadores muçulmanos da Sicília. No século 12, as repúblicas de Gênova e Pisa comercializavam a pasta seca para várias regiões próximas e também para outros países da Europa."
Este alimento é conhecido em diversos lugares como "pasta". No Brasil, dependendo da região, o macarrão é consumido de formas diferentes. As regiões sul e sudeste, macarrão ao sugo e/ou bolonhesa são os mais conhecidos. Recentemente, a versão oriental (Yakissoba) também tem ganhado muitos adeptos. Já em partes da região nordeste, é normal o consumo em "alho e óleo" e outras formas, inclusive macarrão com feijão ou em sojas.

domingo, 6 de setembro de 2015

Para alegrar o dia 127

Retirado do link Samantha Puckett Irônica

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Anime de amor é bonito, sim...


Temos atrás, tecemos considerações acerca de um anime bem açucarado que tivemos oportunidade de ver. Foi um dos primeiros da "era Crunchyroll" que vimos. Suki-tte Ii na yo (好きっていいなよ), ou simplesmente em português Diga eu te amo... O anime está na base de dados do Crunchyroll.
Decidi ler a sinopse e ver o que me parecia interessante no site... Nunca li ninguém falar desta animação nem nada. Vi por curiosidade e porque visualmente parecia legal. E é bem bonito, de fato. Fizemos uma resenha longa com informações mais completas, que podem ser vista no link acima.

Prêmio HQ Mix 2015, eu achei que era piada...

Sim caros navegantes...
Ontem, fiquei pouco tempo no Facebook vendo informações de HQs. Acabei vendo uma imagem ou outra sobre o assunto e eu jurava que era brincadeira. As tais imagens de propaganda do Prêmio HQ Mix 2015. Eu achava que era uma brincadeira de mal gosto. Só que hoje, os comentários continuam e fui buscar informações. Curiosamente, sites grandes de HQs ignoraram o assunto. Encontrei informações em sites de entretenimento como o Melhores do Mundo. Se fosse algo quebrável, todos os envolvidos no universo do quadrinho nacional teriam feito o que o Mickey faz nesta imagem... Porque olha...
Alguns de vocês sabem que eu perdi o respeito por este evento faz algum tempo... Quando justamente um dos membros sempre ganhava um dos prêmios. Ele parou de ganhar porque anos atrás eu deixei isso bem claro. Que era uma vergonha, como se o Silvio Santos ganhasse o "Troféu Imprensa"... Assim como é uma vergonha perceber que o evento não ajudou tanto assim ao mercado, porque parece sempre que é uma babação de ovo entre panelas para todo mundo encher o próprio ego.. Enfim...
Agora, a pior coisa da campanha veiculada e deletada de ontem foi perceber que a mesma não dizia absolutamente nada. E mais, os caras falam tanto de direitos autorais, mas pegaram imagens muito provavelmente sem direito de imagem e autoral de quem fez. E mais, as duas: da mulher e do cara eram de péssimo gosto. E ainda mais...Ignoraram os trabalhos de desenhistas, arte-finalistas, coloristas, etc que poderiam ter feito uma campanha muito melhor.
Eu não sou mais tão ligada ao universo dos quadrinhos. Mas, foi lastimável ver uma coisa destas acontecer pelos motivos mais óbvios ligados ao sexismo que todo mundo já falou, mas também por estes que citei... Que a organização do evento tenha o mínimo de bom senso e peça desculpas decentes no dia do evento. Porque se não o fizerem, ficará muito, muito chato para eles. Que se tenha menos ego neste evento, inclusive, menos ego dos figurões do universo dos quadrinhos. Porque saibam: vocês não são deuses, não são Stan Lees, nem Disneys, nem Tezukas, nem Hergés, nem Carl Barks... Ontem, no final, alguns de vocês mostraram que o falecido José Roberto Pereira (vulgo BK, vulgo JRP) estava certo.

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

FILMES: O charme das vídeos locadoras

Foto retirada do Google Imagens

Elas surgiram no final dos anos 80. Tiveram seu auge na primeira metade dos anos 90. As vídeos locadoras eram uma febre, até porque, os vídeos cassetes também eram uma febre. Cada bairro - isso na cidade de São Paulo - tinha uma e o local tornara-se um verdadeiro ponto de encontro. Até mesmo os pôsteres eram cobiçados pelos usuários. A procura era tanta, que muitos filmes "do momento" eram praticamente impossíveis de serem encontrados, mesmo com a devolução sendo de um dia para o outro.
Porém, no início dos anos 2000, diversas "vídeos locadoras" começaram um declínio gradual e grande parte, definitivo já no final da primeira década dos anos 2000. O primeiro motivo foi a facilitação dos meios de produção, o que possibilitou a pirataria de VHS e, especialmente, DVDs piratas em locais de grande circulação. Logo em seguida e meio que ao mesmo tempo, a disseminação e facilidade da aquisição de TVs a cabo e visualizações pela internet. E, por fim, nos últimos tempos, a existência de portais como Netflix.
Com tantas possibilidades para ver um filme, o que poderia levar alguém a ir a uma locadora nos dias atuais? Primeiramente, a raridade de algumas obras, que até mesmo na internet são difíceis. Outro fator, a questão de conversar com pessoas que gostam de cinema, sejam atendentes ou outros usuários. Por fim, as locadoras são locais em que há uma diversidade grande de filmes eróticos/pornôs. Apesar de parecer não haver mais motivos e usar os serviços das "vídeos locadoras", o fato é que este ainda é um local aprazível para visitar e alugar filmes, seriados e afins. Afinal, nem tudo vale a pena ser visto ou procurado na internet.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Mercado de mangás e animes: a ficha caiu para as empresas... ao menos na Ásia...

Caros navegantes,
Já faz algum tempo que não teço comentários acerca do mercado de mangás e animes pura e simplesmente porque não havia o que comentar. O mercado anda devagar lá fora (imagina aqui). Os mangás e animes deixaram de ser o estouro que foram na primeira década dos anos 2000. E, em grande parte, como já comentamos várias vezes, parte da culpa era das próprias empresas japonesas. As mesmas olhavam para os mercados externos com um certo desprezo, vendo as coisas tão somente do ponto de vista delas.
Mas, talvez isso esteja mudando. Esta notícia ANN (Shueisha, Animate, Kodansha, Kadokawa, Shogakukan Launch Joint Venture to Promote Anime, Manga in Asia) (com a informação original do Anime Anime) mostra-nos que as principais companhias japonesas se uniram para formar uma associação maior de divulgação dos produtos japoneses, combate à pirataria, venda em lojas próprias. Eu já falei tanto disso aqui. Quem acompanha o Papo de Budega sabe disso. Basta fazer uma busca em "mercado de mangás", ou "mercado de animes"... Como elas demoraram para fazer uma coisa tão óbvia?
A coisa se dará lá na Ásia. A grande questão: como será o que os japoneses veem a América Latina? Continuaremos a ser desprezados enquanto mercado? Um evento como o Comic Con Experience mostrou que temos um mercado forte de entretenimento nerd. As empresas nipônicas tem que organizar ações de marketing para "se incluir" neste mercado. Não adianta se ver deslocado. E sim, se algum dia esta associação vier ao Brasil, eles têm que nos ver como nós somos, não como eles "pensam" o que somos. Vejamos se alguma coisa mudará no pensamento das empresas japonesas...

Europe - The Final Countdown


O Europe foi das bandas de "rock" dos anos 80 que nós mulheres amávamos. As músicas tinham um tom de "love"... Os cantores eram bonitões, diferentes de outros artistas do rock pesado que faziam questão de serem feios. Os "meninos" do Europe não eram assim. Em The Final Countdown é possível escutar uma música "sussa", com um roqueiro bonitão. Dúvida? Então veja e escute.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

ANIMA INFO 1703

Steven Tyler, Cyndi Lauper, David Bowie farão parte de Bob Esponja - o Musical na Broadway

De acordo com o site Global License, a animação Bob Esponja ganhará um musical que estará na Broadway em 2016 e 2017. Porém, antes, as apresentações inicias acontecem em Chicago's Oriental Theatre em julho. O que chama a atenção na notícia são os nomes conceituados na área musical que farão parte da trilha original da peça: Steven Tyler e Joe Perry ambos do Aerosmith, Jonathan Coulton, Dirty Projectors, The Flaming Lips, John Legend, Lady Antebellum, Cyndi Lauper, Panic! At the Disco, Plain White T’s, They Might Be Giants e T.I., com músicas adicionais de David Bowie e Jonathan Coulton.

Livro: A Cauda Longa

Tempos atrás, tivemos a oportunidade de escrever um texto acerca desta obra. Certamente, este é um dos livros mais fáceis e interessantes a comentar a segmentação do mercado: A Cauda Longa (Long Tail) de Chris Anderson. Originalmente, o título foi um artigo que acabou por virar um livro. Tornou-se uma obra importante por mostrar a relevância dos produtos de massa e como funciona a segmentação. De acordo com a sinopse da Livraria Cultura:
Chris Anderson, editor chefe da revista 'Wired', explorou pela primeira vez o fenômeno da 'cauda longa' em um artigo que se tornou um dos mais influentes ensaios sobre negócios de nosso tempo. Usando o mundo dos filmes, dos livros e da música, mostra que a Internet deu origem a um novo universo, no qual a receita total de diversos produtos de nicho, com baixo volume de vendas, é igual à receita total de poucos produtos de grande sucesso. Por isso cunhou o termo 'cauda longa' para descrever essa situação, o qual tem sido usado pela alta gerência das empresas e pelos meios de comunicação no mundo todo. Nesse livro, Anderson mostra como chegamos a esse ponto e revela as enormes oportunidades que se originam desse fato, vislumbrando um futuro que está presente.

O exemplo principal usado pelo autor foi o universo musical. Porém, a lógica poderia ser implementada por diversos outros segmentos. Alguns deles, sem o mesmo êxito da música. E, aqui fica um registro: o estudo de Anderson funciona bem nos Estudos Unidos, com aquelas condições culturais. Vale também tecer reflexões para nossa realidade, que é bem diferente daquela descrita pelo autor.
Afinal, nossa cultura musical, televisiva, cinematográfica e, especialmente de leitura, é extremamente diferente. Algumas pessoas - inclusive a que vos escreve - em tempos passados, pegaram o livro como exemplo para o universo das HQs nacionais. Porém, o livro é uma referência, uma teoria. Não uma "lei". É necessário ver diversas outras condições culturais para que a cauda realmente seja completa. Mas, para conhecer, é importante uma leitura da obra.
←  Anterior Proxima  → Inicio