Desejo: Boas Festas...

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Mercado de mangás e animes: a ficha caiu para as empresas... ao menos na Ásia...

Caros navegantes,
Já faz algum tempo que não teço comentários acerca do mercado de mangás e animes pura e simplesmente porque não havia o que comentar. O mercado anda devagar lá fora (imagina aqui). Os mangás e animes deixaram de ser o estouro que foram na primeira década dos anos 2000. E, em grande parte, como já comentamos várias vezes, parte da culpa era das próprias empresas japonesas. As mesmas olhavam para os mercados externos com um certo desprezo, vendo as coisas tão somente do ponto de vista delas.
Mas, talvez isso esteja mudando. Esta notícia ANN (Shueisha, Animate, Kodansha, Kadokawa, Shogakukan Launch Joint Venture to Promote Anime, Manga in Asia) (com a informação original do Anime Anime) mostra-nos que as principais companhias japonesas se uniram para formar uma associação maior de divulgação dos produtos japoneses, combate à pirataria, venda em lojas próprias. Eu já falei tanto disso aqui. Quem acompanha o Papo de Budega sabe disso. Basta fazer uma busca em "mercado de mangás", ou "mercado de animes"... Como elas demoraram para fazer uma coisa tão óbvia?
A coisa se dará lá na Ásia. A grande questão: como será o que os japoneses veem a América Latina? Continuaremos a ser desprezados enquanto mercado? Um evento como o Comic Con Experience mostrou que temos um mercado forte de entretenimento nerd. As empresas nipônicas tem que organizar ações de marketing para "se incluir" neste mercado. Não adianta se ver deslocado. E sim, se algum dia esta associação vier ao Brasil, eles têm que nos ver como nós somos, não como eles "pensam" o que somos. Vejamos se alguma coisa mudará no pensamento das empresas japonesas...

←  Anterior Proxima  → Inicio

5 comentários:

Victor Hugo Carballo disse...

O vacilo das empresas de entretenimento japonesas é monumental.

Conhecemoso Yamato, Ultraman, Rei Arthur, Dragonball, Jaspion na TV aberta,
e graças a isso virei fã e comprei os VHS, depois os DVDs e mangás.

Agora, eu quero comprar Fate Stay Night, Black Rock Shooter, etc e dependo
dos piratas na Liberdade.

Quero comprar RPGs japoneses pro meu PSP e dependo de tradutores fãs
pois não tenho eles na Saraiva mais próxima.

Mas se não consigo, eu desisto, meu amor não é infinito. :(

Dood disse...

Os Japoneses vão ter que lidar com algumas coisas:

Primeiro vão ter que entender como é o mercado ocidental e trabalhar de forma que caia no gosto desse.

Ter mais zelo com as produções que deram certo por aqui, porque do jeito que está sendo lançado as novas animações de franquias com apelo (Dragon Ball e afins) não dá!

Hikki Shinozaki disse...

Como os rapazes já disseram, se eles quiserem crescer e continuar a lucrar, nada mais óbvio do que expandir o mercado pros quatro cantos do planeta... Ou no mínimo pesquisarem bem os lugares que consomem os produtos Japoneses.

Os fãs latino americanos já deveriam ter se tornado um dos principais fãs pra quem o Japão deveria olhar.
Quase todos os anos em eventos temos cantores e ou bandas Japonesas por aqui.

Li em algum lugar que os grandes estúdios de animação tem tentado fechar sites brasileiros de animes a anos, mas sem sucesso.
Ué, uma alternativa é, tentar se inserir no Mercado Brasileiro. Com certeza os apelos dos estúdios sobre o fechamento de sites pirata seria melhor administrado.

Outro porém, como a própria Sandra comentou, eles precisam parar de estereotipar certos países como a cultura mundial o faz. Americano não é só hambúrguer, Brasileiro não é só futebol, Italiano não é só pizza, pintura etc... A pessoas são mais do que a história do seu país de origem.
Sem contar o Japão e suas animações que caíram na mesmice, uma hora cansa... Um bom exemplo é esse relacionamento (chato) do Naruto e da Hinata nesse filme "The Last (sqn): Naruto the movie". Vamos evoluir.

Computo disse...

Na verdade para mim, os japoneses se preocupam mais com o mercado interno do que com o externo, já que eles não querem conhecer outras culturas e não é a toa que a autora de thermae romae usou o banho como tema para que os japoneses pudessem conhecer o Império Romano.

OtakuSpace disse...

Eu acho muito tarde deles se mexerem e fazer um grupo de associação. Acho que eles temem com a perda de interesse dos consumidores e viram que o plano "A" já não funciona mais.

Agora se esta Associação investir de uma forma independente de lançar mangás, Autoração de Dvds e Blu Rays e figuras colecionáveis etc... dentro do território brasileiro num futuro talvez vale apena a tal união deles.

É esperar pra ver que rumo isso vai tomar. Pena que eles só perceberam isso agora. Talvez por questões culturais, a soberba ou limitação de não da conta do mercado externo.