Desejo: Boas Festas...

terça-feira, 12 de maio de 2015

Os Três Mosqueteiros - quando o cinema nunca superará o livro

Alguns livros conseguem ser empolgantes do início ao final, fato nem sempre fácil, já que muitas obras oscilam bastante em suas várias páginas. Não é o caso de Os Três Mosqueteiros, do escritor francês Alexandre Dumas. Capa e espada clássico, foi este título que tornou o autor conhecido. Há diversas traduções por todo o mundo. No Brasil, já foram várias e várias edições por diversas editoras.
Talvez o grande sucesso tenha se dado por ser uma história de ideal, a vontade de se tornar alguém com grande valor por seus próprios méritos. Assim é D'Artagnan. Ele sai de sua casa no interior da França e ruma para a capital, com o forte desejo de se tornar um "mosqueteiro". Basicamente, mosqueteiros eram os guardas mais próximos, os melhores e mais habilidosos do rei francês. O jovem protagonista conhece os três melhores: Athos, Porthos e Aramis. Começa conhecendo-os de forma um tanto curiosa: teria que enfrentar os três no mesmo horário, em desafios.
A história corre e D'Artagnan e os três mosqueteiros se envolvem em uma grande trama em tratava, principalmente, a dignidade do rei. Afinal, a rainha tinha um relacionado amoroso fora do casamento. Caso o adultério se tornasse algo de conhecimento público - ainda mais o amante sendo um duque inglês - isso causaria fortíssimos problemas ao rei da França, podendo tirá-lo vergonhosamente do trono. Óbvio que, como leis súditos, os mosqueteiros não deixariam isso acontece.
Esta obra foi escrita originalmente em folhetim em um jornal francês - como muitas outras obras do século XIX - para só depois se tornar livro. Como já dito acima, há milhares de edições pelo mundo. No Brasil há várias adaptações. Possivelmente, todas elas melhores do que qualquer versão cinematográfica. Chega a ser curioso que com vários filmes já lançados, foi uma animação japonesa que mais aproximou da obra original: Dartagnan - Wan Wan Sanjushi ワンワン三銃士. No final, nenhum filme conseguiu, até hoje, mostrar no cinema o que esta publicação definitivamente é: uma obra-prima da aventura.
←  Anterior Proxima  → Inicio

2 comentários:

Anônimo disse...

Estou no FB fale algo por lá ^^

Sandra Monte disse...

Seguinte senhor mineiro...
Se quiser, apresente-se.