Desejo: Boas Festas...

sexta-feira, 20 de março de 2015

Kill La Kill キルラキル começa engraçado e termina...

Kill La Kill キルラキル foi um anime muito comentado quando foi lançado e durante toda sua exibição em 2013. Começa como uma grande tiração de sarro do estilo "porrada" e "fanservice". Zoam com tudo, com o conceito de samurai, a História do Japão, com Akira, com a relação do esporte americano...
O título (veja no link Kill la Kill) sofre com um grande mal da produção atual. Não existe uma unidade na produção. Ao ver a equipe no Anime News Network, percebemos que uma das posições mais importantes, de "animador principal", é justamente um dos que mais mudam ao longo de todo o anime.
Tanta alteração em figuras chaves na produção prejudica assustadoramente no resultado final. Ficamos com a impressão que até filminhos de internet têm animações melhores que os últimos episódios de Kill la Kill. Toshihiko Seki 関 俊彦, que faz o Senketsu, é o mesmo dublador de Miro em Cavaleiros do Zodíaco - Saga de Hades e o Mousse de Ranma 1/2. Ele salva grande parte das interpretações dos dubladores.
O título teve um grande bafafá desnecessário. Foi só mais uma grande bobagem produzida, com sequências inclusive incômodas para os conceitos culturais e sociais ocidentais. Pode parecer bobagem para alguns por ser tratar somente de um desenho animado, mas a verdade é que incesto é sim algo que irrita. E, no caso de Kill la Kill, pareceu-nos desnecessário. Um anime que, ao final, foi bem decepcionante.

←  Anterior Proxima  → Inicio

2 comentários:

Victor Olavo Roca disse...

Sinceramente, vi uns 4 episódiose até achei engraçado. Mas todo o fanservice força me incomodou bastante e não consegui avançarmuito mais que isso. Vou me forçar un pouco mais pra ver tudo, talvez até fale com mais propriedade. Mas pelo que vi até agora, não creio que seja muito diferente.

Anônimo disse...

A "pobreza" da produção foi pelo fato dele ter sido uma produção completamente independente de um estúdio que acabou de ser montado, e faltou grana no final. O ultimo episodio foi terminado e mandado para o canal 12 horas (!) antes da exibição. Olha que loucura kakakak

A obra na verdade é uma critica à rigidez das escolas japonesas. Aliás, não só das escolas, mas da sociedade japonesa como um todo. Além disso, também tem umas passagens criticas bem interessantes - que não lembro de cabeça, pois assisti faz tempo- sobre o fascismo.

Outro ponto sobre o qual o anime bate bastante também é envelhecimento das mulheres japonesas, pois como a sociedade deles é exageradamente conservadora, é como se as meninas não pudessem mostrar seus corpos ou mesmo ter libido, querer se mostrar e demonstrar que estão virando mulheres (basta ver a fixação deles pela escola, colégio e coisas fofinhas. É como se não quisessem envelhecer). Um exemplo que corrobora isso é o pacto de sangue entre a guria e a roupa (não consigo lembrar nomes japoneses, desculpa xD) que simboliza a menstruação e envelhecimento da guria. No começo ela está toda vergonhosa e depois começa a se soltar e acaba com todo mundo pelado haha

E as batalhas todas são entre os pelados e as roupas, o que mostra a tentativa de se rebelar contra os costumes rigidos, conservadores e tolos da sociedade da terra do sol nascente

Eu, sinceramente, não achei a melhor coisa do mundo não. Nota 6/10. Mas terminei aplaudindo, pois fazia muito tempo que não assistia algo tão cheio de camadas, e tudo de maneira bem sutil, já que teve gente que terminou de assisitr e não reparou nada disso rs

BTW, recomendo: Ping Pong the Animation. É curtinho, 11 episódios, e é FANTÁSTICO!

Abraço