Desejo: Boas Festas...

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Mais uma (ou uma outra) visão da crise dos animes...

Navegantes,
Muita gente faz questionamentos se o mercado de anime está ou não em crise. Há dois tipos de crises: a primeira delas é de conteúdo e criatividade. A segunda crise tem uma certa correlação com a primeira: uma crise mercadológica. Um mercado com tantos fanservices e tantos remakes talvez não esteja vendendo como deveria, para necessitar tanto assim do "antigo".
Para a crise de criatividade dos animes há algumas diversas divagações. Algumas inclusive ditas por figuras ilustres como Mitsuo Fukuda e Hayao Miyazaki. Apesar das críticas que recebo acerca de meus comentários, não sou só eu ou eles que entendem que sim, há uma crise. Neste artigo interessante, o estudioso Rolando José também tece considerações sobre uma crise neste mercado.
Creio que é uma leitura interessante, pois é um ponto de vista de um dos grandes estudiosos dos animes e mangás do ocidente. Ah... nunca ouvi falar nele... Bem, então leia sobre o mesmo neste link. Que por sinal, clique nos dois links, estão em espanhol, fácil de entender...
←  Anterior Proxima  → Inicio

12 comentários:

Victor Hugo Carballo disse...

Eu acho o seguinte, os japoneses não tomam a iniciativa, eles são tímidos, eles REAGEM a uma ação.
(como alguns europeus)

Quando fizeram o filme "A Noviça Rebelde" nos anos 60,os japoneses ficaram apaixonados e fizeram vários animes passados na Austroa, Suiça (Heidi, Marco,etc)

Quando fizeram os Thundercats, Silverhawks, G.I.Joe, vários grupinhos de heróis temáticos, fizeram os Cavaleiros do Zodíaco.

quando David Bowie fez "Labirinto", os japoneses se apaixonaram e fizeram FINAL FANTASY.

quando os americanos faziam filmes do Império Romano, os franceses pegavam carona fazendo ASTERIX.

Quando John Denver fez a canção "Country Roads" o Myazaki se apaixonou e começou a fazer filmes vangloriando a vida rural.

Vamos ver agora como fica agora que eles se apaixonaram por FROZEN.

Anônimo disse...

O comentário aí em cima foi uma piada, né?

Quem criou toda essa onda de quintetos de heróis e tudo mais foi Gatchaman, uma obra japonesa. Cavaleiros tem nada a ver com os Thundercats da vida.

E inspiração é recíproca, Matrix foi fortemente inspirado por Ghost in The Shell e Serial Experiments Lain.

E eu nem vou falar dessa história de Country Roads ou outras referencias, porque pelo amor de Deus, né? Não foi nem um filme do Miyazaki que a utilizou.

De qualquer maneira, remakes não caracterizam crise, ou Hollywood estaria acabando uma hora dessas. A propósito, nem há tantos remakes assim. E da mesma forma que há muito fanservice em anime, há muita comédia idiotas nos EUA, porque vendem fácil, mas isso não simboliza crise alguma também.

E, de fato, não há crise. Não há. A indústria de anime só cresce no mundo inteiro. Serviços como Crunchyroll e Daisuki creascem cada vez mais todos os dias, as vendas nunca estiveram tão bem nos EUA, Space Dandy é o primeiro anime ever a ser lançado nos EUA e Japão ao mesmo tempo, o Netflix têm começado a apostar em animes também, o Japão têm revelado diretores geniais na ultima década como Mamoru Hosoda, Yasuhiro Yoshiura, Kenji Nakamura, Masaaki Yuasa (!!) (Este possui obras bem singulares e geniais que mesmo não vendendo bem devem dar um bom lucro já que ele tá sempre dirigindo coisas nova no Noitamina). A propósito, o Noitamina passa ano e entra ano e só investe cada vez mais em animação. Um dos blocos mais populares do país, o país que mais produz animações... e muitos mais, como é que estaria em crise?

Ah, o Miyazaki falou... apesar de genial, o Miyazaki é um daqueles sujeitos chatos que criticam tudo o que não segue exatamente o que ele acha que deveria ser. Ele vivia criticando a Disney também, só aliviando-a em relação aos trabalhos da Pixar.

Além disso, essa história de falta de inovação é papo furado dos grandes. Primeiro que não há mídia que viva só de inovação, sempre o minimo do minimo das obras fogem do comum, é a tendencia natural das coisas. Mesmo assim, todos os diretores que eu citei anteriormente andam criando obras excelentes e diferentes. Só esse ano saíram Ping Pong the animation, Barakamon, Space Dandy, Zankyou no Terror, Medamayaki no Kimi Itsu Tsubusu?, Hoozuki no Reitetsu, Pupipo, Kil la la Kill... e outros, isso do pouco que assisti, que trazem algo novo, especial ou simplesmente diferente. Uma das melhores obras que já assisti na vida saiu ano passado que é o Uchoten no Kazoku, e outros que entraram no meu hall de favoritos saíram nos ultimos anos como Sakamichi no Apollon, Gatchaman Crowds, Tatami Galaxy, Madoka Magica, Planetes...

É evidente que a industria é recheada de obras medianas e ruins. Mas isso também vai da questão de opinião. Isso não caracteriza 'crise', muito longe disso. Até porque se essa suposta crise existisse, não veríamos uma industria que tem só se expandindo. Aliás, tu viu Zankyou no Terror? A animação é fenomenal e dá pra notar que não é uma obra barata. Por que investiriam tanto em um desenho pra tv se a industria está em crise? Seria perigoso não?

Já conversei com um Japa, e ele deu a real sobre a industria de animes... Nunca foi mainstream, com exceção de algumas obras, estúdios ou blocos de anime como o Noitamina por exemplo, tanto que a maioria dos animes passam de madrugada. Então ela continua como sempre foi, só que com um nicho em expansão. No passado não era muito diferente, mas haviam menos obras e menos acesso a elas, pois a quantidade de coisa ruim lançada antigamente é gritante também.

Eu respeito a tua opinião, mas não vejo crise alguma. Se há crise mesmo, que continue assim, pois todo ano eu encontro no minimo umas 10 obras ótimas para meu deleite, além de várias que mesmo medianas são no minimo agradáveis de se acompanhar.

Sandra Monte disse...

O comentário acima não foi uma piada... Inclusive, o Victor está um tanto certo.

Infelizmente, os japoneses funcionam muito na "reação". Não têm hábito de criar nada. Aperfeiçoam, mas não criam.

Dizer que a indústria cresce... Bem, eu não vejo produtos de animes nas lojas. Nem na TV. Indústria não é só o anime em si.

Na Europa e EUA... não se vê mais grandes eventos como o Comic Con com infinidades de cosplayers e produtos entre as ações...

O Salão de Mangá de Barcelona, se não me engano, agora está dentro do Salão de Comic de Barcelona.

Enfim, cada um tem uma opinião. A mim, é esta.

Anônimo disse...

Japoneses não têm hábito de criar nada? haha

Darren Aronofsky comprou os direitos de Perfect Blue, só pra recriar algumas cenas em seu filme Cisne Negro, o atual Ping Pong the animation transborda novidade e inovação em vários preceitos de animação e foi lançado esse ano, Pokémon inovou em como as pessoas viam videogames com seu conceito de compartilhamento, Gatchaman Crowds do ano passado trouxe uma nova percepção de história de heróis que foi extremamente interessante, o Japão foi inovador na criação de obras de animação voltadas para o público adulto que quase não existiam. Além disso, o que o sujeito falou foi engraçado, dizer que cavaleiros foi produzido por causa daquele grupo de heróis americanos quando o próprio conceito de quinteto de super-heróis foi criado por Gatchaman... Hilário. Final Fantasy sendo inspirado por uma música do David Bowie? A noviça rebelde é um dos melhores filmes de todos os tempos, mas falar que foi ele que desencadeou os settings das obras japonesas não faz sentido. Os animes antigos se passavam na Austria, Suiça, Dinamarca e outros países pois eram baseados em livros europeus. A propósito, algo que me deixa triste em relação aos animes atuais é o fato de não haver mais tantas adptações clássicas, visto que obras como The dog of flanders são excelentes e geralmente muito bem adaptadas pelos japas. Mas o pior mesmo é falar que Country Roads é a ligação absoluta da paixão do Miyazaki pelo campo... como um grande fã do cara, resumir toda a sua vida e trabalhos à uma música chega a ser ultrajante. Isso que whispers of the heart, que é um lindo filme, nem foi dirigido por ele.

Ah, ser inspirado não é algo ruim. Só que é um caminho de mão dupla. Japão já foi inspirado? claro, mas os EUA foi tão inspirado quanto pela Europa e Asia, vide Rei Leão que foi quase um plágio de Kimba. A própria Disney, por exemplo, muito raramente produz obras originais, a maioria são adaptações.

A indústria do mangá vêm crescendo muito pelo mundo, mas ainda não dá para comparar com a indústria de quadrinhos americanos, até por ser bem recente e ainda haver muito preconceito. Na Europa, de fato, não sei como está o mercado de animes, mas o salão de mangá de Barcelona ser integrado ao salão de comics não é um demérito.

Nos EUA têm bastante eventos, inclusive o Anime Expo, além do mercado de blu-ray de animes ser enorme. Eu importo muita coisa de lá e a qualidade é absurda.

Como disse, não acho que haja crise alguma, até porque todos os anos mais e mais animes e produções, inclusive em horário nobre, são lançadas e algumas de altíssima qualidade. O sucesso de Frozen não simboliza nada em relação a isso, até porque antes de Frozen alcançar o primeiro lugar nas vendas de Blu-ray, sabe qual era a obra ocupante do mesmo? Evangelion.

O que isso talvez simbolize é que anime não é um bom lugar para histórias voltadas às donas de casa e crianças pequenas, que provavelmente sintetizam o maior público de Frozen.

Sandra Monte disse...

Pois é..
A indústria de mangás têm crescido? No início dos anos 2000 pode ser. Hoje não mais...

Creio que os eventos são um bom representativo. Um "Anime Friends" só tem anime no nome... Porque grande parte das atrações são qualquer outra coisa... e não animes.

Inspirações não são ruins. O duro é quando se vive só de inspiração ou a sombra dos outros...

"O que isso talvez simbolize é que anime não é um bom lugar para histórias voltadas às donas de casa e crianças pequenas, que provavelmente sintetizam o maior público de Frozen.".

Para esta sua afirmação - que beira um pouco o preconceito para com as donas de casa - , só espero que você não esqueça que os dois animes mais vistos na TV no Japão são para donas de casa e crianças: Saze-san e Doraemon.

Às vezes, são obras com conteúdo simples, as mais geniais.

Até o momento, Frozen fez no cinema o que Sazae-San faz todas as semanas... Histórias simples, mas que entendem o seu público...

Eu espero que os produtores estejam vendo o êxito de Frozen de forma diferente dos otakus. Porque, quanto mais os otakus tentam negar o sucesso, mais evidente ele fica. E mais... deve-se pensar os motivos do sucesso.

Que, por sinal, tanta discussão sobre Frozen é interessante, já que a animação não foi citada neste post e nem os links deste post...

Curioso...

Victor Hugo Carballo disse...

"Hilário. Final Fantasy sendo inspirado por uma música do David Bowie?"

ah sim, Todo fã de Final Fantasy sabe disso, é conhecimento básico, o visual do Cloud, Sephiroth, Balthier, o Emperor, todos inspirados no Davie Bowie.

Você acha que japoneses não vão no cinema? Que não vão na onda das coisas? Mesmo os mais talentosos se inspiram em coisas mundanas.

Os Italianos não se inspiraram no faroeste americano para criar todo um sub-gênero de quadrinhos?

Os filmes ingleses do James Bond não inspiraram dezenas de cópias e paródias? Agente 86 alguém? Mortadelo e Salaminho?

Caros amigos anônimos, canonizar os criadores como se fossem deuses criativos intocáveis também não vale.

Anônimo disse...

"Inspirações não são ruins. O duro é quando se vive só de inspiração ou a sombra dos outros..."

Aí que tá. Nem os EUA, nem os japoneses vivem a sombra de inspirações. Quem tá dizendo isso são vocês. Tanto o Japão, quanto os Eua e a Europa possuem mentes geniais que criaram muita coisa boa, inovaram demais, mas vocês dão a entender que japoneses só copiam. Isso é muito errado, muito. Me cite uma obra semelhante à Serial Experiments Lain. Sabe Inception? teve parte de sua inspiração em Paprika. Ah, O excelente Cowboy Bebop é uma grande homenagem ao cinema americano, Trigun também. Vê?

E se soei rude, sorry, o que quis dizer é que muito do sucesso é devido a ser um filme de família, oque atrai muita dona de casa e crianças. Da mesma forma que Seinen atrai adultos, e shounens adolescentes. Os dois animes citados são exemplos disso. Eles não são a quinta maravilha e constantemente saem obras muito melhores, mas a exemplo de novelas, atingem fielmente o público alvo. Logo, conseguem angariar um público fiel. Doraemon é genial, mas dá pra entender tranquilamente porque isso é líder de audiência e algo como Steins;Gate não é.

E otaku são as mesmas pessoas que vangloriam coisas tenebrosas como To love-ru. Frozen têm sido um fenômeno, mas é um ponto fora da curva. Princesa Mononoke e A viagem de Chihiro também foram obras primas e alcançaram valores absurdos, levando em consideração que nenhum dos dois eram filmes para a família.

Não acho que os produtores tem que "aprender" com Frozen, mas sim com os acertos e erros deles mesmos, até porque a própria Disney possui filmes melhores para se basear. E o cinema japonês vem produzindo obras belíssimas nos últimos tempos. Se não conhece assista Wolf children (uma das mais belas personificações da imagem da mãe que já vi no cinema, é inspirador), Kotonoha no Niwa, The Girl Who Leapt Through Time, Eve no Jikan, Sakasama no Patema, pelo menos. Há também curtas lindíssimos como Tsumiki no Ie e Aru Tabibito no Nikki. O que podem tirar de Frozen é a divulgação que uma Disney possui.

E não se faça de bobinha rs, suas criticas em relação a essa suposta crise é sempre palpada no sucesso absurdo de Frozen. Então, eventualmente, a menção será levantada.

Victor Hugo Carballo

A inspiração parte de todos os lados, tu dá a entender que os japonses e até os europeus não criam nada, isso é uma mentira. Grande parte dos famosas franquias de terror, por exemplo, dos EUA são adaptações e reinterpretações de filmes japoneses. Os EUA copiam tanto quanto a Europa ou o Japão. Esta é a questão.

Francisco Othon P. de Norões disse...

Eu concordo , Sandra Monte…

O Povo japoneses vê mais filmes Americanos e Europeias..

A crises nos mercados de animes está bruxa solta…

Vale lembra .

Filmes Marvel e DC Comics não é sucesso no Japão …

Filmes Disney , DreamWorks (Steven Spielberg) e Lucasfilm (George Lucas) é sucesso no Japão …

Tem calma gente.

Eu acredito ,Os Cavaleiros do Zodíaco — A Lenda do Santuário no Brasil vai ser sucesso…

Muita fé e toma água açúcar..

Abraço..

Spider-Phoenix disse...

"Quem criou toda essa onda de quintetos de heróis e tudo mais foi Gatchaman, uma obra japonesa".

Mas se for pra simplificar assim, então mesmo Gatchaman acabou tendo como precurso um quinteto de heróis bem mais antigos... os X-men de Stan Lee & Jack Kirby, que podiam não ter o Wolverine e alguns personagens icônicos na época, mas estavam lá e tinham certa relevância hehe.

Aliás, simplificando ainda mais, mesmo Gatchaman foi um tentativa de pegar carona no sucesso do Kamen Rider (além do próprio conceito de super heróis) que por sua vez era uma espécie de resposta ao Ultraman. Sendo que o Ultraman é do mesmo tipo de gênero do National Kid, que por sua vez foi uma tentativa de criar um Superman japonês....

Não, não acho que o Japão não tenha criado nada, mas quando você começa a procurar as inspirações por trás do que você considera como "pioneiros" acaba descobrindo que "primeiro" só no quesito de fazer sucesso mesmo. Fora que algumas das semelhanças podem terminar sendo simplesmente coincidências, que acabam ganhando relação graças as conjecturas de nós, fãs hehe.

Até o Superman meio que teve "antecessores espirituais". E olha que ele foi criado no final dos anos 30!

---------------------

No mais, um bom artigo, Sandra. Parabéns!

Sandra Monte disse...

Oh Anônimo...

Minhas críticas em relação a este assunto são muito, mas muito anteriores a existência de Frozen. Há pelo menos três anos tenho falado desta crise... Frozen só a materializou...

Você sabe porque visita o blog constantemente... não se faça de bobinho, ok?


E Spider... realmente, interessante seu comentário. ^^

Vinícius disse...

Glasslip
Aldnoah.Zero
Zankyou no Terror
Tokyo Ghoul
Ao Haru Ride
Akame ga Kill!
Tokyo ESP
Sword Art Online II
Barakamon
Hanamonogatari
Medamayaki no Kimi Itsu Tsubusu?
Nobunaga Concerto
Hanayamata
Rail Wars!
Jinsei
Majimoji Rurumo
Sengoku Basara Judge End
Shin Strange+
Persona 4 The Golden Animation
Yama no Susume 2nd Season
Himegoto
Rokujouma no Shinryakusha!?
Shounen Hollywood
Fate/Kaleid liner Prisma☆Illya 2 Wei!
Gekkan Shoujo Nozaki-kun
Sabagebu!
Kuroshitsuji: Book of Circus
Space☆Dandy 2nd Season
Re: Hamatora
Momo Kyun Sword
Futsuu no Joshikousei ga [Locodol] Yatte Mita.
DRAMAtical Murder
Seirei Tsukai no Blade Dance
Shirogane no Ishi Argevollen
Bakumatsu Rock
Bishoujo Senshi Sailor Moon: Crystal
Free!: Eternal Summer
Love Stage!!
Psycho-Pass New Edit Version
Yami Shibai 2nd Season
Ai Mai Mi: Mousou Catastrophe
Fran♥cesca
Minarai Diva
Puri Para
K: Missing Kings
Ghost in the Shell: Arise – Border:3 Ghost Tears

entre outros titulos...

Essa é a temporada de verão japonês. A maioria desses títulos são estréias, outros são novas temporadas. Mesmo que tenha haja uma crise de criatividade, mesmo que tenha diminuído a procura, tanto no Japão como fora dele, a indústria de animes é algo sólido. Fazendo um contraponto com as novelas brasileiras, tanto Globo como Record estão passando por uma grave crise de criatividade, que reflete na sua audiencia. A Record a qualquer momento corre o risco de encerrar sua dramaturgia. Mesmo enfrentando o mesmo problema, isso não irá ocorrer com a Globo, pois ela está fortemente instituída a anos, e mesmo que hoje não é mais como ontem, é ainda forte o bastante para se manter. O mesmo vale para a indústria de animes. Ela é sólida e estabelecida. Mesmo que hoje não seja como ontem, é ainda forte o bastante para se manter. Para a felicidade dos otakus espalhados pelo mundo.

Anônimo disse...

Realmente a indústria de animê anda sofrendo pra caramba por uma série de fatores e o Miyazaki não está só (o diretor de Gundam falou basicamente a mesma coisa). Razões são muitas:

-A TV aberta mundial está cada vez mais fraca do que era nos anos 90 e 80 por causa da competição com a internet.
-A indústria da música teve uma crise muitíssimo bicuda nos últimos tempos e o que era comum como lojas de CDs quase sumiram junto das bancas de revistas sem haver tempo para substituí-los mesmo com existência de itunes e tais( por sinal no Brasil a MTV até sumiu e no Japão a Jmusic perdeu muita qualidade em favor da Kmusic).
-A competição com a oferta de mão de obra coreana e chinesa tem sido muito mais atraente em termos de preço mas não de qualidade.
-O impacto de cada produção de animação hoje está cada vez mais diluída em uma economia mundial que cresceu muito ( principalmente alavancada) por especulação com lançamento de muita coisa sem conteúdo na direção de progressiva perda de identidade japonesa em favor de "um produto animado com cara de padrão internacional".
-Os investidores estão com mais medo da economia do que ocorria na era de ouro dos OVAs quando investiam todo dinheiro em uma produção variada e arrojada.

Ou seja, não é só uma desgraça única, mas uma combinação de desgraças.