Desejo: Boas Festas...

sexta-feira, 14 de março de 2014

Frozen (#DisneyFrozen): quando os moralistas não sabem o que é amor...

Navegantes,
Vocês que me acompanham constantemente, aqui, no Facebook e Twitter, sabem que amei de coração a animação Frozen: uma aventura congelante (#DisneyFrozen). Eu ia escrever este texto na ocasião do lançamento do DVD, mas a sandice nojenta, moralista e absurda de ditos cristãos imbecis anteciparam estas linhas. A Thabi Almeida me mostrou textos estarrecedores, que podem ser vistos neste link e neste outro... E já aviso, daqui para baixo escreverei alguns impropérios (vulgo xingamentos). E até mesmo spoilers. Então, se não quer ler palavras de baixo calão, pare agora.
O que fez Frozen: uma aventura congelante (#DisneyFrozen) ter ganhado tantos fãs, tanta gente que amou Elsa, Anna, Kristoff, Olaf e Sven, tanta gente que foi ver duas, três vezes a animação? Simples: Frozen é a animação "mais família" dos últimos anos no cinema americano. E é justamente por isso que não entendo o porque alguns cristãos deturpam tanto uma história linda.
Vejam: são duas irmãs super amigas. Isso existe. Uma delas tem problemas. Isso existe. Por conta deste problema, os pais tomam uma decisão errada - compreensível, porém errada - e as separam. E isso também existe. Só que isso causou sequelas nas duas. A mais velha - a futura rainha - tornou-se extremamente insegura por causa do seu problema.
Só que ela, a Elsa, tinha uma baita responsabilidade pela frente: ser rainha... Já a caçula, a Anna, tornou-se extremamente carente, rejeitada. Afinal, ela viu a irmã "ir embora" sem saber o motivo... Isso fez com que ela sentisse afeição por qualquer um que aparecesse e lhe desse um tiquinho de amor. E, mais uma vez, gente assim existe. E, lembremos que as duas viviam juntas na mesma "casa", porém isoladas.
Ou seja, tudo isso acontece na vida real. Tudo isso é muito comum. Famílias que se despedaçam por erros e situações diversas. Qualquer pessoa, quando encontra brechas para mudanças, agarra-se com todas as forças. Foi o que Anna fez em relação ao Hans. E a Elsa na montanha ao sentir-se livre pela primeira vez. Livre do medo extremo que sentia. Medo extremo de machucar sua própria irmã querida.
Ou seja, Frozen é sim uma história de irmãos. Para estes cristãos delinquentes... irmãos têm que ser sempre os exemplos nefastos quem vemos na Bíblia como Caim e Abel? Têm que estar brigando? Um príncipe tem que querer derrubar o outro e assumir o trono? Amor tem que estar ligado sempre ao sexo? Só existe amor entre homem e mulher? Irmãos não se amam? Pais e filhos não se amam?
E a Anna e o Kristoff terminam a história como inimigos, por acaso? E a Elsa? Para conhecer alguém não é importante ela se conhecer primeiro?´Não é importante, ela como eleita por Deus, amar seus súditos? Ou os cristãos se esquecem o que representou a coroação? E o senso de "hierarquia" da caçula ante a irmã mais velha? Da princesa ante sua rainha?
Eu sou católica, não li toda a Bíblia, mas acho que sentimento de amor é universal. Ver qualquer coisa "além" na relação das duas só me faz crer que esta gente é o extremo da hipocrisia. Que só tem uma maldade grotesca, imunda e obscura no coração e que não entende uma linha das milhares escritas na Bíblia. Se Frozen representasse qualquer outra coisa eu mesma diria. Se fosse uma "bandeira gay" ou fizesse alusão eu também diria.
Que fique claro aos gays que lerem este texto. Nada contra vocês. Mas, Frozen não é bandeira de vocês. Não é bandeira nem de homossexualidade, nem de heterossexualidade, nem feminismo como já li por aí. Frozen: uma aventura congelante (#DisneyFrozen) é a bandeira do amor. E amor independe do sexo. No final, pelo visto, é só nisso que estes cristãos de merda pensam. A vocês, falta justamente o maior ensinamento de Jesus: "amai ao próximo como a si mesmo". E isso vale para seu irmão de sangue, inclusive. Ok?
←  Anterior Proxima  → Inicio

10 comentários:

Rapozinha Thabi disse...

"é a bandeira do amor. E amor independe do sexo."
Não poderia ter dito melhor !!!
Frozen defende o amor puro e simples, amor de família, amizade e cumplicidade entre irmãs... Como podem desvalorizar isso? algo lindo e puro?

Como o coração de alguém pode ter tanta maldade e escuridão?

Gaby disse...

O amor fraterno entre Anna e Elsa é lindo. Não precisa ser um casal. Amor é se preocupar com outro, sentir a dor do outro, e ser feliz quando o outro também está feliz. O que raios tem de errado nisso?! -.-

Nekomimi disse...

Você quer dizer "falsoso moralistas".
Moralista é aquele que estuda a moral. Já esses que teimam em querer impor a moral deles aos outros, são os falsos moralistas. Só isso.

Victor Hugo Carballo disse...

Ah, os reclamões são com certeza "Zé povinho", eles não tem direito a ver filmes da Disney. Não tem cacife, formação, cultura,etc, para verem uma obra tão magnífica.

Gente pobre/tosca/maloqueira adora trazer "viadagem" para qualquer assunto.

Spider-Phoenix disse...

Eu não usaria o termo "cristãos". Essas pessoas as quais você se referiu são religiosos. Interessante que nesse domingo, o pastor estava pregando sobre o amor ao próximo e falando desse pessoal...

No mais, acho esse tipo de coisa esperado. Sinto o sentimento de amor, de família tem esfriado muito nos últimos anos e as pessoas tem encarado o termo "amor" de maneira muito cínica. E com um nível de malícia exagerado.

Sandra Monte disse...

Eu diria que as pessoas têm encarado a palavra "amor" como sinônimo de sexo.

Pois, para haver esta discussão de homossexualidade e heterossexualidade é porque é no sexo que estas gente está pensando em mencionando.

Só nisso. O "amor" nem entra no plano de discussão deles...

Fabiola disse...

Não vi nada de mais na relação delas também. Só amor de irmão.
Mas, convenhamos, no Japão, as pessoas só foram assistir tanto por causa de "Elsanna", tem até pôsteres e fanarts nessa tag. O que eu acho bem deturpador, mas é a realidade.

Os japoneses só viram Thor por causa de Thor e Loki, e Frozen a mesma coisa.

isabela biehl disse...

Frozen, até agora, foi o filme da Disney com a menssagem mais linda q eu já vi, eu o assisti no you tybe e o final me surpriendeu por fugir da mesmice de príncipe encantado, ele é lindo, e é lindo o amor que é representado, essas pessoas deveriam saber que o amor puro pode estar em todo lugar.

Ariadna disse...

Eu concordo com vc que este filme retrata o amor fraternal, eu assisti e gostei muito da história e sei que vc está com raiva de religiosos que só vê maldade, mais acho que vc usou uma forma bem grave de ressaltar sua revolta ao dizer "cristões de merda".Vc generalizou todos como se pensassem da mesma forma e consto aqui que alem de mim alguns da minha familia assistiram e não viram nada de mais e tanto eles quanto eu somos cristões.Ja perdi a conta de quantas vezes minha mãe assistiu a esse filme.Eu gostei que fizeram um filme que não terminam mostrando o principe e a princesa se casando e vivendo felizes para sempre, pois ilude as crianças com coisas que nunca vão acontecer.È lindo o filme, eu só me senti magoada da forma que vc disse o que pensa de nós cristões.

Sandra Monte disse...

Aradna...
Quanto refiro-me aos cristãos... A referência é para estes que veem maldade em tudo e em todos.

Quero frisar que EU TAMBÉM SOU cristã, mas eu me irrito profundamente com que vê maldade em tudo...

Beleza?