Desejo: Boas Festas...

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Tudo se resume em "Cultura" (de Raymond Williams)

Muitos alunos universitários tiveram como base inicial de estudos uma das escolas mias importantes do século XX. A "escola de Frankfurt". Como esta autora que lhes escreve. É fácil encontrar informações sobre os estudos desta escola em livros e na internet. Alguns de seus mais célebres pensadores foram Adorno e Horkheimer.
Porém, há um outro pensador que influenciou por décadas, ideias que perduraram até recentemente. Walter Benjamin. A principal contribuição deste pensador provavelmente foi o de tecer comentários acerca da reprodutividade da arte e conceitos do "belo", com críticas bem negativas e pessimistas, transmitindo uma ideia de alta cultura e baixa cultura. Porém, o passar das décadas fez surgir outros pensadores com outras visões de mundo, mais condizentes com a realidade atual.
Um deles foi o inglês Raymond Williams. Em Cultura, "o mais célebre e mais sofisticado crítico marxista inglês aborda sob vários ângulos a questão da sociologia da cultura. As instituições culturais, os meios de produção e os processos de reprodução da cultura, assim como sua organização, são alguns dos aspectos analisados por Raymond Williams."
Ele foi um dos primeiros de uma corrente que aponta para a contextualização de um dado produto cultural. As coisas não se dão isoladamente. É necessário verificar algumas possibilidades e entender e interpretar os pontos de convergências. Williams nos faz lembrar que termos como "erudito, massa e popular", tão utilizados pela escola de Frankfurt, não fariam muito sentido neste mundo de convergência.
"Cultura" de Raymond Williams foi lançado originalmente em 1981 na Inglaterra e no Brasil pela Editora Paz e Terra. Certamente, um título tão interessante quanto Cultura da Mídia, de Douglas Kellner. Afinal, os "estudos culturais" são hoje um dos mais interessantes métodos (talvez este não seja o termo correto) de analisar processos de produção da cultura. O mundo não é uma caixinha fechada. Tudo e todos estão em convergência. E Williams foi e é um autor que se deve conhecer, para que se possa entender um pouco que seja, o mundo que vivemos.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Anime obrigatório de se ver: Gankutsuou - O Conde de Monte Cristo (巌窟王)

Atenção: cerca de 99% deste texto foi escrito originalmente para o site Herói, em 2005. Lembramos que Gankutsuou - O Conde de Monte Cristo (巌窟王) foi exibido no Brasil pelo extinto canal Animax e teve uma boa versão dublada, cujos nomes dos artistas encontram-se no final da resenha.


Alexandre Dumas (pai) é um dos grandes autores universais que teve grande quantidade de seus livros feitos filmes e séries de televisão. Suas obras mais conhecidas são Os Três Mosqueteiros, Os Irmãos Corsos, Máscara de Ferro e o Conde de Monte Cristo.
Curiosamente, só em 2004 o Japão percebeu que a história de Edmundo Dantès é das mais geniais escritas até hoje. O jovem marinheiro tornar-se-ia capitão do navio Faraó de seu patrão e amigo Morrel e se casaria com a mulher de seus sonhos, a bela Mercedes. O que Dantès não imaginava é que três homens mudariam para sempre sua vida. Um deles era Fernando Mondego. Este era apaixonado por Mercedes e sabia que precisaria eliminar Edmundo para ter a chance de desposá-la. O segundo era Danglars, uma figura medíocre que sentia profunda inveja de Edmundo. O terceiro seria Villefort, que acusaria efetivamente o marinheiro de traição, mandando-o para o Castelo de If.
Lá, Edmundo encontra um outro preso chamado Abade Faria, que apesar de todos o acharem doido, era realmente possuidor de uma grande fortuna na ilha de Monte Cristo, que deixaria como herança para Edmundo, se este conseguisse fugir. E fugiu prometendo se vingar de todos os que lhe fizeram mau.
E é assim que começa o Conde de Monte Cristo, uma história cheia de aventura, romance e uma lição de vida a ser seguida. Não pela vingança, mas pela redenção e amor. Erroneamente, o livro é colocado pela maioria das editoras como uma história juvenil. Mas sua temática é tão profundamente dramática e com capítulos por vezes confusos aos mais desavisados, que Monte Cristo é sim uma obra-prima da literatura universal, contudo, não juvenil.
E quem parece que conseguiu bem perceber o caráter adulto da história foi o estúdio Gonzo. Em 2004 começou a ser exibido no Japão o anime Gankutsuou - O Conde de Monte Cristo (巌窟王). A animação é excelente, com algumas seqüências inteiras de CG.
Quem não leu o livro, certamente achará Gankutsuou um dos grandes animes feitos nos últimos anos. Contudo, os leitores e principalmente fãs de Conde de Monte Cristo e das obras de Alexandre Dumas devem assistir ao anime praticamente sem compará-lo a obra original. E há um ótimo motivo para não comparações: o anime segue parte da cronologia do livro até sua metade (12º episódio). Daí para frente acontece uma sucessão de fatos vindos da pura imaginação dos integrantes do estúdio Gonzo. Estes acontecimentos nada têm a ver com a obra de Dumas.
A história de Gankutsuou começa já quase na metade do livro, no carnaval que acontece na Lua e não em Roma. Lá, o jovem Alberto de Morcerf (filho de Fernando Mondego) e seu amigo Franz conhecem uma figura misteriosa: o rico e famoso Conde de Monte Cristo. Este salva Alberto de um suposto seqüestro e faz com o que jovem fique eternamente grato pelo socorro. Pouco depois o Conde vai a Paris a convite de Alberto, dando assim início ao seu plano de vingança contra os homens que o jogaram no inferno da prisão de If, um lugar sombrio envolto na mais completa escuridão em algum lugar bem distante no espaço. Gankutsuou se passa em um futuro distante, mais precisamente no sexto milênio. Contudo, as roupas são estilizadas semelhantes as do século XIX. Tanto que no último episódio o estúdio Gonzo chamou a designer Anna Sui para desenhar as roupas.
O que pode deixar muita gente invocada é que Gankutsuou é uma adaptação que deturpa demais o conceito original da obra. O Edmundo Dantès do estúdio Gonzo é uma figura cruel, sem o menor sentimento de compaixão, sendo frio até mesmo com seus companheiros como Luigi Vampa. Este Dantès também não passa pelo arrependimento característico do personagem original.
Além disso, alguns personagens de vital importância do livro nem aparecem na animação. O Senhor Morrel e o pai de Edmundo, Luis Dantès apenas são mencionados. Já o abade Faria nem aparece. No lugar dele, quem dá poderes a Edmundo é uma figura sinistra e sombria, com corpo deformado, mas com poderes gigantescos. E é esta figura que dá nome ao desenho: Gankutsuou (Senhor da Caverna), que se aproveita do momento de pura fraqueza de Dantès na prisão de If, usando seu corpo e sua alma corrompida. E eis aqui mais uma grande diferença em relação ao livro: Edmundo Dantès sentia-se um vingador de Deus. Em Gankutsuou, ele mais parece um enviado do inferno.
Um dado comum do anime e outras adaptações foram o de fazer Edmundo e Fernando Mondego amigos. Em alguns filmes e séries de TV isto também acontece. Contudo, isto só serve para dar mais dramaticidade ao rancor de Dantès ante Mondego, em uma licença de adaptação equivocada. Dumas não os criou amigos. Eles praticamente nem se conheciam no livro.
E há muitas outras mudanças no anime. Mesmo assim, Gankutsuou é uma bela obra e que deve ser registrada como uma adaptação bem pitoresca e com elementos fraternais fortíssimos, já que a amizade de muitos personagens é o grande motor da história. Vale lembrar que além da parte técnica genial, a música instrumental de Koji Kasamatsu e a cantada de Jean Jacques Burnel podem trazer lágrimas aos mais emotivos. Fica o registro de uma das frases mais célebres de Edmundo Dantès: “toda a sabedoria humana resume-se em duas palavras: confiar e esperar”.

Conde de Monte Cristo: Paulo Celestino (Máscara da Morte de CDZ)
Albert: Marcio José de Araújo (Ranma, Miro de CDZ e James de Pokemon)
Fernando: Sérgio Moreno
Mercedes: Patricia Scalvi, Andrea: Marcelo Campos
Baptistin: Cesar Marchetti, Barker: Jorge Cerruti
Beauchamp: Renato Soares, Bertuccio: Sidney Lilla
Butler: Emerson Caperbat, Caderousse: Gileno Santoro
Danglars: Antonio Moreno, Debray: Rodrigo Andreatto
Eduardo: Fernanda Bock, Eugenie: Priscilla Concepcion
Franz: Sergio Corcetti, Franz mãe: Patricia Scalvi
Franz criança: Pedro Alcântara, Albert criança: Matheus Pereira
Julie: Cecilia lemes, Luigi: Guiga Lopes
Marquis X: Fabio Moura, Maximillien: Vagner Abiate Fagundes
Michelle: Angelica Santos, Renauld: Yuri

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Édipo Rei, aquele que deu origem ao Hyoga de Cavaleiros...

Esta talvez se torne a resenha mais curta feita até o momento por este site. Porém, é sempre interessante deixa um registro. Um dos grandes clássicos da literatura sobreviveu séculos e séculos com suas diversas versões. O livro que li veio ao Brasil  pela editora L&PM Pocket e tradução de Paulo Neves. Trata-se de Édipo Rei. Esta é a história em que Édipo mata seu pai e - sem saber - casa-se com a própria mãe. A versão da L&PM Pocket vem em formato de leitura de teatro. Não é exatamente uma prosa nos moldes "normais", já que há termos do tipo: "entra em cena, coro", etc.
Nada que atrapalhe o entendimento da obra. Vale muito a pena ler este título por todos os motivos possíveis e imagináveis. Primeiramente, é um clássico da literatura universal de Sófocles. Segundo, sua história deu à psicologia o termo "complexo de Édipo", tão corriqueiro em histórias atuais. Afinal, como não lembrar deste complexo ao ver o Hyoga de "Cavaleiros do Zodíaco". Terceiro: é um livro rapidíssimo de ter lido. Quatro: é bem barato. Ou seja, é uma leitura certamente interessante, que merece atenção dos apreciadores de um bom clássico.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

A Lenda do Dragão Milenar 鬼神伝, youkai pode não ser o que você pensa...

A Lenda do Dragão Milenar (Onigamiden ou 鬼神伝) é um anime longa-metragem lançado em DVD em outubro de 2011 no Brasil. Este filme conta a jornada de um típico estudante japonês que volta a um passado misterioso repleto de monstros, dragões e estranhos poderes ocultos. Entre várias batalhas e aventuras extraordinárias, Jun - o adolescente tímido - é transformado em um herói destinado a combater o mal e assegurar a harmonia e a tranquilidade no mundo.
Inicialmente, este desenho animado chama a atenção por trazer de volta um estilo cujo expoente talvez seja InuYasha: o dos animes míticos. A história traz muitos youkais - as criaturas sobrenaturais da cultura japonesa. Porém, neste título, o termo tem um outro significado, diga-se de passagem, muitíssimo interessante, jamais impensado por nós.
O argumento e roteiro são bons. A animação e desenho de personagens são os elementos que deixam a desejar um pouco. E, um certo descompasso na edição. O diretor deste anime é Hirotsugu Kawasaki 川崎 博嗣,, que já foi animador principal de desenhos como Naruto Shippūden (filme), Metropolis, Akira, Rurouni Kenshin.
Como há alguns problemas na animação, alguns outros elementos técnicos ficaram um tanto comprometidos, como foi o caso da dublagem. Mesmo com o bom trabalho do Robson Kumode (Sasuke em Naruto e Orfeu em Cavaleiros do Zodíaco), o título não empolga neste quesito. A Lenda do Dragão Milenar (Onigamiden ou 鬼神伝) poderia ter sido melhor aproveitado pela produção. Infelizmente, parece que foi um título feito "para constar", sem muitos recursos e sem demonstrar ter sido feito com o devido "amor". Vale a pena assisti-lo para conhecimento. E para saber um outro sentido para o termo youkai.

Quando eu gostei de ter errado: Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神) continua em cartaz

Navegantes,
Dias atrás, eu havia mencionado no meu Twitter e Facebook que eu achava que Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神) (desça um pouco e veja post sobre o filme) duraria somente uma semana em cartaz. Pois é... Pessoal acha que eu gosto quando faço minhas previsões "animáticas e mangáticas" apocalípticas.
Não gosto e - inclusive - eu gostaria que a maioria destas previsões desse errado. O fato é que a maioria realmente acontece. Porém... A maioria, nem todas! Estou muto feliz que eu tenha errado quanto ao filme Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神). Mais uma semana em cartaz e em muitos cinemas. Há várias sessões no Cinemark e em outras redes. O título conseguiu sobreviver ao péssimo hábito dos otakus de baixar obras na internet. E, teve uma vida mais longa que Cavaleiros do Zodíaco - Prólogo do Céu nos cinemas. E que continue! Acho que semana que vem verei mais uma vez!!! Levo um pudim?

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Cavaleiros do Zodíaco Omega 聖闘士星矢Ω mostra a união dos verdadeiros fãs

Navegantes,
Ontem aconteceu o lançamento do DVD de Cavaleiros do Zodíaco Omega 聖闘士星矢Ω, em São Paulo. Eu tinha mencionado em grupos e para alguns amigos que iria. Mas, o destino nos prega algumas peças e não pude ir. Meu pai passou mal e fiquei com ele no hospital.
Porém, já me disseram que foi bem legal! E deve ter sido, basta ver esta foto que está disponível no grupo oficial no Facebook. O evento mostrou que a união de fãs é importante para que as coisas deem certo. Apesar de uns e outros nem terem divulgado o evento - mesmo se dizendo fãs - e ainda por cima inventaram desculpas esfarrapadas, a foto mostra que este encontro foi um êxito total! Agora, basta os fãs fazerem sua parte: comprar o DVD. Eu farei a minha em breve!

domingo, 13 de outubro de 2013

Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神), tão bom quanto um pudim fresquinho

O Papo de Budega faz uma edição especial de resenha de anime. Os leitores sabem que as resenhas ocorrem às sextas-feiras, porém, dada a urgência da ocasião, colocaremos comentários de Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神) hoje. O motivo é um tanto simples. Apesar desta animação ser muito boa, não deve ficar em cartaz mais que duas semanas nos cinemas.
Depois de muitos anos desde a batalha contra Majin Boo, outra crise está para abalar a pacífica Terra. Enquanto há um deus que origina e faz nascerem as estrelas, há um outro que as destrói: Bills, o deus da destruição. Ele retornou de seu sono depois de um longo período. Num confronto épico contra um inimigo ainda mais poderoso que Freeza, Cell e Majin-Boo, para surpresa do fãs, a animação mostrará Goku no nível "deus Super Saiyajin".
Decidimos fazer esta resenha para apontar aos fãs de animação japonesa que vale muito a pena assistir a Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神) nos cinemas. Primeiro: porque não é sempre que se tem animes nas telonas. Segundo: o longa-metragem de 85 minutos é realmente muito bom.
Com muitas cenas de lutas, o ponto forte definitivamente são as tiradas cômicas. Há sequências memoráveis que ficaram geniais. Especialmente pelas referências dentro da própria obra. E, curiosamente, um dos personagens mais "machões" dos animes, Vegeta, conseguiu com meia dúzia de palavras e ações o que muito "herói shoujo" nunca conseguiu ser: encantador.
Outro ponto excelente nas história é sua dublagem. O título tem os artistas originais da série clássica da TV. Difícil dizer quem mais se destacou, contudo, poderíamos dizer que Marcelo Pissardini, o deus da destruição -, Alfredo Rollo como Vegeta, Tânia Gaidarji como Bulma e Elcio Sodré como Pilaf pareciam estar realmente se divertindo com seus personagens.
Retomamos mais uma vez as primeiras linhas. Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神) merece ser visto nos cinemas. E, esta semana ainda, pois infelizmente, animes têm vida curta nas telonas. A Toei Animation conseguiu fazer um filme tão bom quanto um pudim fresquinho. E, esta última referência tem todo um sentido de ser. Só vendo Goku e Cia para compreender.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Homem de Ferro (アイアンマン), é um anime visualmente bom, mas...

O "Papo de Budega" segue com mais uma resenha de anime. Desta vez, a versão anime de Homem de Ferro (アイアンマン). O título é uma co-produção da Marvel Studios, com a animação da Madhouse Studio. A direção é de Takeshi Koike e Yuzo Sato. Ambos já foram animadores principais de diversos outros títulos. O anime foi produzido em 2010.
Na história, Tony Stark vai ao Japão com o intuito de montar uma Estação Arc como o primeiro passo da sua Iniciativa de Paz Mundial. Perante todos os cidadãos japoneses, ele anuncia seu novo modelo de Homem de Ferro, o Homem de Ferro Dio, com ele pilotando. Entretanto, durante a demonstração, Dio pifa devido a um vírus misterioso no sistema operacional.
Mais tarde no Laboratório 23, a armadura Dio toma controle de seu piloto humano e começa a atacar o local. Tony é forçado a vestir sua armadura original do Homem de Ferro e perseguir Dio. Antes que ele recupere o fôlego, o guerreiro Mech Scorpio da Zodiac aparece. Stark terá que lutar contra a organização e contra seu próprio passado.
O que se pode dizer é que plasticamente, Homem de Ferro (アイアンマン) é um bom anime, com bons desenhos de personagens, boa animação. Tem um bom roteiro. O argumento é um tanto quanto meloso para os moldes do heróis. O Tony desta animação é quase um herói japonês mesmo, o que o descaracteriza um pouco. Daí, o título pode causar um certo estranhamento, pois, parece ser diferente da obra original americana, e diferente dos filmes com o Robert Downey Jr.
Aqui, fica uma ressalva. a animação foi vista pelo site Crackle. É um site streaming - como o Netflix ou Crunchyroll - só que gratuito. A imagem é excelente. Contudo, há um problema grave neste site. Propagandas no meio da transmissão. Não há como fugir delas. Se não fosse isso, daria para dizer é que uma transmissão excelente. Há versões no original e dublada para visualização. Inclusive, No final do anime há os nomes os dubladores brasileiros. Vale lembrar que é interessante ver os títulos o quão antes no Crackle, pois o site não os deixa disponível "eternamente".

terça-feira, 8 de outubro de 2013

ANIMA INFO 1624

Evento de lançamento de CDZ Omega acontece em SP

Na próxima segunda-feira, às 19h, acontece me São Paulo um evento para o lançamento do DVD de Cavaleiros do Zodíaco Omega 聖闘士星矢Ω. O evento tem a realização de alguns dos dubladores da nova série, do grupo Anime Desing, do site www.cdz.com.br e divulgação do J-Box News e ocorrerá no Teatro Frei Caneca, que é próximo do metrô Consolação. Para fazer a inscrição, acesse o site oficial. É necessário levar 2kg de alimentos não-perecíveis que serão doados para uma instituição. Esta é uma iniciativa interessante e importante dentro do universo dos animes no Brasil, pois mostra que fãs e artistas estão unidos com um mesmo ideal, o de divulgar a animação japonesa mais conhecida do país.

ANIMA INFO 1623

Atriz de Gina Weasley de Harry Potter vem ao Brasil

Segundo a assessoria de imprensa do Hogwarts Convention, a atriz Bonnie Wright - a Gina Weasley - é a primeira atriz convidada para o evento. "Hogwarts Convention" é uma convenção brasileira com os atores de Harry Potter que acontece em novembro em São Paulo. No evento os fãs da saga e da atriz Bonnie Wright poderão tirar fotos e participar de conversas. A convenção acontece nos dias 23 e 24 de novembro. Os ingressos começam a ser vendidos dentro de poucos dias e o site também será aberto em breve. Outras novidades em breve.

ANIMA INFO 1622

Death Note está disponível no site do Crackle

O Crackle - do grupo Sony, gratuito - colocou disponível todos os 37 episódios do anime de Death Note デスノート. Há a versão dublada da obra, que pode ser vista no link acima. O Crackle costuma tirar alguns títulos - os que não são da Sony - do catálogo. Por isso, é interessante assistir à animação o quão antes. Death Note デスノート é um dos títulos mais conhecidos e controversos dos animes dos últimos anos, cujo tema principal é o poder e não necessariamente a morte. Já foi exibido no Brasil pelo extinto canal Animax

sábado, 5 de outubro de 2013

Comentando o sumiço...

Navegantes...
Peço desculpas pelo sumiço básico... Mas, esta semana tive muitos problemas pessoas e ainda estou resolvendo-os. Espero estar com a cabeça livre em breve. Informo que esta semana não haverá resenha nem de livro e nem de anime. Não estou com cabeça para isso. Como o site sou eu, se estou ocupada ou não estou bem, a atualização fica totalmente comprometida. Peço mais uma vez minhas sinceras desculpas. Abraços.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Aprenda como navegar em uma tempestade de dragão, senão você morre!

Tentando seguir a promessa de fazer resenhas na terça-feira, e na sexta-feira de animes... Hoje falarei de um dos títulos mais divertidos que li. Inclusive, há algum tempo não lia livros de ficção cômica. É bom dar um tempinho em obras científicas, não é mesmo?
Como Navegar em uma Tempestade de Dragão é o sétimo livro da série Como Treinar Seu Dragão. Nesta aventura da série, Soluço terá exatos três meses, cinco dias e seis horas para descobrir a América, encontrar o caminho de volta a Berk, salvar o pai, derrotar as Serpentes-polares e ainda vencer a Competição Amistosa de Nado Intertribal. Ele tem que conseguir, pois o relógio está correndo.
Alguns de vocês devem se lembrar que já comentei sobre a série de livros - e do filme também. A autora mantém a fórmula praticamente intacta. Contudo, como as loucuras que envolvem Soluço são tão inesperadas, ainda há o toque de surpresa na obra. Afinal, ele, Camicazi e Perna-de-Peixe - que não existem no filme e nem na série de TV - têm que mostrar porque são os heróis mais improváveis possíveis.
"Como Navegar..." é escrito e ilustrado pela inglesa Cressida Cowell, premiada autora de obras infantojuvenis e infantis, os livros da série já foram publicados em trinta idiomas. Percebe-se que mesmo após seis números, a obra permanece engraçada. Um título para ser lido por crianças, mas certamente, para adultos também. Inclusive, é neste livro que começa a ficar claro o motivo da escolha do nome Soluço.
Aqui, vale recordar que Como Navegar em uma Tempestade de Dragão foi lançado em 2011. Porém, somente agora está que vos escreve teve a oportunidade de lê-lo. Mais informações podem ser vistas no site oficial da série.
←  Anterior Proxima  → Inicio