Desejo: Boas Festas...

domingo, 13 de outubro de 2013

Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神), tão bom quanto um pudim fresquinho

O Papo de Budega faz uma edição especial de resenha de anime. Os leitores sabem que as resenhas ocorrem às sextas-feiras, porém, dada a urgência da ocasião, colocaremos comentários de Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神) hoje. O motivo é um tanto simples. Apesar desta animação ser muito boa, não deve ficar em cartaz mais que duas semanas nos cinemas.
Depois de muitos anos desde a batalha contra Majin Boo, outra crise está para abalar a pacífica Terra. Enquanto há um deus que origina e faz nascerem as estrelas, há um outro que as destrói: Bills, o deus da destruição. Ele retornou de seu sono depois de um longo período. Num confronto épico contra um inimigo ainda mais poderoso que Freeza, Cell e Majin-Boo, para surpresa do fãs, a animação mostrará Goku no nível "deus Super Saiyajin".
Decidimos fazer esta resenha para apontar aos fãs de animação japonesa que vale muito a pena assistir a Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神) nos cinemas. Primeiro: porque não é sempre que se tem animes nas telonas. Segundo: o longa-metragem de 85 minutos é realmente muito bom.
Com muitas cenas de lutas, o ponto forte definitivamente são as tiradas cômicas. Há sequências memoráveis que ficaram geniais. Especialmente pelas referências dentro da própria obra. E, curiosamente, um dos personagens mais "machões" dos animes, Vegeta, conseguiu com meia dúzia de palavras e ações o que muito "herói shoujo" nunca conseguiu ser: encantador.
Outro ponto excelente nas história é sua dublagem. O título tem os artistas originais da série clássica da TV. Difícil dizer quem mais se destacou, contudo, poderíamos dizer que Marcelo Pissardini, o deus da destruição -, Alfredo Rollo como Vegeta, Tânia Gaidarji como Bulma e Elcio Sodré como Pilaf pareciam estar realmente se divertindo com seus personagens.
Retomamos mais uma vez as primeiras linhas. Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses (ドラゴンボールZ: 神と神) merece ser visto nos cinemas. E, esta semana ainda, pois infelizmente, animes têm vida curta nas telonas. A Toei Animation conseguiu fazer um filme tão bom quanto um pudim fresquinho. E, esta última referência tem todo um sentido de ser. Só vendo Goku e Cia para compreender.
←  Anterior Proxima  → Inicio

8 comentários:

Bruno Makabro disse...

Simplesmente sublime!!
Esse é o filme onde Dragon Ball Z encontra Dragon Ball. Uma verdadeira volta as origens, seja pelos flashbacks, seja pelo modo de fazer piada que só Dragon Ball com o pequeno goku tinha (vide a referência ao pudim) e aquela cena do Vegeta nervoso, achei que naquele momento ele chegava no SSJ3.
E ainda no longa o Akira explode muitas cabeças com as revelações do Bills, e também quando faz uma ponta no longa digna de Stan Lee whahaha.
Torço muito para que esse seja o primeiro de uma leva de ideias (boas) para dragon ball.

E sem dúvida o melhor foi que o Toriyama mandou DBGT pro raio que o parta, ignorou aquela jossa toda e colocou tudo do jeito dele.

Agora é aproveitar pra conferir.

Sandra Monte disse...

Mas... Aí que está...
Tem uma ligeira referência do GT também!!!

Vejam que vocês vão entender!!!!

Bruno Makabro disse...

É... É... O pessoal passando energia p/ o goku, mas ainda prefiro torcer para que o mestre toriyama ignore o dbgt. Esse pensamento surgiu quando ele "rejuveneceu" Pilaf e cia ^^"


César Filho disse...

Eu tinha assistido quando saiu na net a versão home-vídeo do Japão e gostei do filme. Curti ainda mais quando assisti ontem. A dublagem empolga bastante e o público (a maioria adultos) se bolou de rir. Quem fez mais sucesso foi o Pilaf. Quem é fã de DBZ deve ir como parada obrigatória.

Diogo Aires (Dood) disse...

Olha assisti esse escondido da patroa (que ela tem ciúme se eu for no cinema sozinho). Gostei foi o melhor filme da franquia. Agora não entendi a referência a GT. Pra mim esse filme encerrou a série na fase Z.

Sandra Monte disse...

Lembra que eram necessários sies? Lembra quem era o sexto?

Anônimo disse...

Sandra, a Pan aparece no finalzinho do mangá e do anime de Z, então não é bem uma referencia a GT :)

Anônimo disse...

Eh..o Akira cuspiu e meteu o pé no GT sem dó...!!