Desejo: Boas Festas...

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Aniversário: a hora e a vez da Rosa de Versailles

Navegantes,
Há 40 anos, nascia (não hoje, claro), um dos mangás femininos mais importantes de todos os tempos: BERUSAIYU NO BARA, A Rosa de Versailles ou, também conhecido como Lady Oscar. A escolha da data do "a hora e a vez" dá-se porque a personagem principal - a Lady Oscar - nasceu em um dia de natal...
Eu raramente menciono este mangá, o meu preferido. Anos atrás fiz um site, mas eu o acabei. Não lembro o motivo... E, muita gente pode perguntar: se você gosta tanto, porque nunca disse para uma editora trazer? Ou nunca insistiu? Bem, os otakus atuais ao visto só gostam destes mangás com meninas "meiguinhas". Uma heroína forte, com personalidade real não chamaria a atenção. Logo não venderia. E também, não nego: tenho um certo receio de que algum dia tragam e façam alguma besteira.
A Rosa de Versailles é daqueles mangás que necessitam de um cuidado imenso, avassalador. O motivo é simples: metade da história foi real. Passa-se na época da Revolução Francesa. Ou seja, se o tradutor não conhecer a história da França, corre o grande risco de entender algo errado. E isso é sério. Mas, por que tanta atenção a um mangá que nem saiu aqui? E nem sua versão em anime passou em nossa TV? Bem, o principal motivo é que: eu gosto, oras.
Além disso, seria interessante que os otakus desavisados procurem informações e conheçam o título que influenciou toda uma geração. E não é esta influência "modinha". Vai muito mais além... É uma influência estética, conceitual. Basta lembrarmos que aquele tal "Shingo Araki" tinha um traço que pode ser influência da autora Ryoko Ikeda. Vai saber...
Por fim, deste mangá saiu um dos personagens masculinos mais próximos da figura de "príncipe encantado". André Grandier, na história, é só um pajem. Mas, ele representa a figura do homem que toda mulher gostaria de encontrar na vida. Leal, fiel, apaixonado, decente e trabalhador. Difícil, né? Por isso ele é tão encantador.
Assim, vá e procure conhecer. Muitos sites europeus, onde a história fez um grande sucesso, trazem informações mais detalhadas. Já os americanos, estes já se perguntaram porque o título nunca chegou lá... Vai saber... A Rosa de Versailles é, certamente, o meu mangá preferido. Um dia, quem sabe estes novos escritores aprendem a escrever como a Ryoko Ikeda fazia...

sábado, 15 de dezembro de 2012

Aniversário: a hora e a vez de Yo Soy Betty, La Fea

Navegantes,
Esta é a hora e a vez de uma das novelas mais importantes dos últimos tempos: Yo soy Betty, la Fea, ou simplesmente Betty, a Feia. A data comemorativa em questão é pela sua exibição no Brasil pela Rede TV, em 2002. Já mencionei esta novela aqui outras vezes, mas não custar lembrar...
Betty, a Feia foi exibida no Brasil há dez anos. Não sabíamos do impacto que o título viria a ter. Esta novela, colombiana, foi uma das mais adaptadas pelo mundo. Vários países, inclusive o Brasil, tiveram suas versões. Infelizmente, algumas destas adaptações tiraram o poder de fogo do "quartel das feias" (imagem) abaixo e/ou a presença do "Nicolas" (imagem mias abaixo), dois "pilares" da versão original.
Betty também ganhou umo desenho animado... Tecnicamente, bem tosquinho, com um flash ainda primário. Mas, como tudo na vida só precisa de uma boa história, mesmo já batida, o argumento e roteirto são excelentes, tanto da novela quanto da animação. E olha... não há nada muito inovador... O que chama a atenção é que o argumento é bem amarrado e contado. Ou seja, o autor Fernando Gaitán soube escrever seu texto. O que, diga-se de passagem, é um fato dificílimo hoje em dia... Escrever bons clichês. Em um tempo em que parece que tudo de bom já foi feito, saber fazer bem feito os clichês tornou-se um grande desafio.
Enfim... Betty, a Feia deixou saudades. Bem que poderia ter saído um DVD oficial no Brasil... E, também fica outro registro: este foi um dos melhores trabalhos dublados no país, com uma grande atuação de Fátima Noya como a personagem principal...

Um minuto de sua atenção...

Navegantes,
Finalmente estamos no final do ano. Além de questões pessoais que me tomaram muito de meus pensamentos, houve algo que também recebeu uma certa atenção de minhas ideias. A minha pós-graduação. Foram dez anos de pausa nos meus estudos, no sentido formal da coisa... Desde o final da faculdade, continuei lendo e me informando. Entretanto, eu não havia voltado a uma sala de aula.
Bem, em 2011 voltei. Foi uma experiência totalmente válida. Tanto pelas pessoas interessantes que conheci quanto pela atualização nos meus estudos. Fora que, não é fácil retornar. Sério... Agora que a parte totalmente formal de sala de aula acabou, bate um cansaço... Quem passou por tamanha pausa sabe como é.
Agora, estou em uma nova fase: a conclusão do artigo final em si. Fiquei em dúvida quando ao tema, mas decidi fazer um estudo de um mangá que eu já havia mencionado este ano: Joaseiro (veja imagem ao lado). Pendi entre falar desta obra ou da animação do Sítio do Pica-Pau Amarelo. "Padinho Cícero" venceu!!!
Será um período de estudos, conversas e afins. Tanto que estou lendo um livro interessante e bem elucidativo: Cultura da Mídia de Douglas Kellner. Eu já havia lido o primeiro capítulo, mas acredito que faz-se necessário uma leitura integral da obra. Posteriormente, "relerei" Culturas Híbridas de Nestor Canclini. "Relerei" porque eu já o li, mas cometi o grave erro de não ter feito fichamento e anotações. Ou seja, só texto leve...
É algo proveitoso! Especialmente para conhecermos melhor nossa cultura, nossas influências e possibilidades futuras. Quais? Bem, ainda não sei ao certo. Até porque, hoje vi algo que está faltando no Brasil... E que darei continuidade. Assim como meu livro A Presença do Animê na TV Brasileira, só mencionarei o que pensei e o que é se der tudo certo. Tivemos e ainda temos diversos exemplos de trabalhos que são alardeados e não se concretizam.
Assim, qualquer sumiçozinho também poderá ser por minhas leituras. OK?

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Rei Davi, o grande trabalho que perdeu para o preconceito...

Rei Davi é um seriado da Record exibido no início deste ano e reprisado agora. A Record foi inteligente ao colocar este trabalho no horário da novela Salve Jorge. Motivo? As "viúvas" de Avenida Brasil que gostam de bons trabalhos. Não posso dizer que a atual novela global das nove é ruim, mas é fato que não trouxe e nem traz nenhum tipo de interesse em suas chamadas.
Quem viu ou tentou ver Rei Davi na primeira ocasião, tem o que dizer do seriado. É tecnicamente muito bom, com um ótimo trabalho de elenco e, talvez o mais importante, segue-se o texto bíblico quase que fielmente. E olha... bancar uma história como a de Davi... O cara foi um herói para o povo dele? Sim, foi. Mas, ele fez muitas merdas...
E, neste ponto a direção é genial. Mostra-o como um herói, mas também como um humano que cometeu erros absurdos. Chega a ser curioso ver como Jerusalém se formou, justamente na época que houve tantos desatinos entre Israel e Palestina nas últimas semanas...
Uma série fantástica, no final. O que lamento muitíssimo é a falta de interesse das pessoas em, ao menos, tentar assistir à obra. As pessoas têm resistência por ser na Record ou por ser um texto bíblico. Quão, no final, estão perdendo uma história bem contada. Na se deveria julgar Rei Davi pela conduta da cúpula da Record. Deveria-se julgar a obra pela obra.
E, como dramaturgia pura e simples, Rei Davi e Avenida Brasil foram, sem sombra de dúvidas (para mim, claro), as melhores obras da TV brasileira deste ano. Mas, como eu disse, bom seria se as pessoas se desfizessem um pouco de seus preconceitos. Porque elas perdem excelentes atuações: vide Gracindo Junior, Leonardo Brício, Maria Ribeiro, Claudio Fontana, entre tantos outros... E perdem um roteiro bem amarrado, um cenografia, figurino, música - entre outros elementos técnicos -, todos excelentes. Uma pena.

Uma rotina do paulistano no #metrosp: professor Ludovico apresenta: Transporte Desumano!

Navegantes,
Este é um post divertido para começar o dia. Especialmente em cidades como São Paulo, com este transporte coletivo absolutamente "coerente, vazio e não competitivo". A imagem (clique nela para ampliar) acima é uma página da história em quadrinho Disney inédita Transporte Desumano, do quadrinista Fernando Ventura. A imagem é bem característica do que acontece todos os dias em São Paulo. Atentem-se ao pato do alto, quase pulando no metrô... É bem por aí, mesmo! Sinto-me bem daquele jeito... hahahahah

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Aquele sumiço indesejado...

Navegantes,
Peço desculpas pelo meu sumiço! Uma total falta de atualizações e etc. Fato é que tive problemas de saúde na família. Isso acabou gerando outros probleminhas. Em verdade, desde setembro as coisas andam complicadas em minha vida pessoal. E complicadas não quer dizer necessariamente ruins.
Na semana passada, tive ótimas notícias em dois assuntos. Daí, fiquei com o coração dividido em estar preocupada e feliz ao mesmo tempo. Muito estranho... Acreditem. Espero, em breve, ter algumas coisas normalizadas em minha vida...

ANIMA INFO 1557

Assinantes da Netflix preferem PlayStation® 3 para acessar conteúdo

A Sony Entertainment e a Netflix informaram nesta semana via release que o PlayStation 3 é a plataforma mais popular entre os assinantes do serviço de streaming em todo o mundo. Por este motivo, as novidades da Netflix chegarão agora primeiro no console da fabricante japonesa.
“O PlayStation 3 é a nossa principal fonte de acesso ao serviço em TVs e, durante alguns períodos de 2012, chegou até a ultrapassar o número de horas assistidas em PCs e tornar-se a principal plataforma entre todas as outras”, afirmou o CEO e co-fundador da Netflix, Reed Hastings.
Com mais de 30 milhões de assinantes em todo o planeta, a Netflix é o maior serviço de streaming do mundo para se assistir filmes e séries de TV. O PS3 foi o primeiro sistema de entretenimento a oferecer acesso à Netflix em resolução full HD (1080p) com saída de som surround Dolby Digital 5.1.
Apesar de todos estas informações, questionamos junto ao Netflix se o PS3 é a plataforma mais usado no Brasil Entretanto, a empresa não tem este dado em relação somente ao país. Assim, aqui há uma possibilidade do número de acessos ocorrer em maior número via PC.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

ANIMA INFO 1556

Panini lança Superman Terra Um

A editora Panini lança nesta semana, nas principais livrarias e comic shops, Superman – Terra Um, da série da DC Comics que propõe um novo início para seus heróis mais icônicos. Concebida como graphic novel, o escritor J. Michael Straczynski conta a versão moderna da história do único sobrevivente do planeta Krypton e sua luta para salvar a humanidade das forças alienígenas que destruíram seu antigo lar. Ao lado do artista Shane Davis (Green Lantern), Straczynski apresenta um novo Superman, que tem bem pouco a ver com o herói até então conhecido. A publicação, com 140 páginas em couché e capa dura, tem preço sugerido de R$ 22,90.
Nesta história, Clark Kent é diferente. Ele pode voar, ver através das paredes e incinerar objetos com seu olhar. Ele é um deus entre os mortais. Mas está sozinho e sem um propósito. Como a maioria dos jovens de vinte e poucos anos, não sabe o que quer da vida. Mas quando naves de outros planetas escurecerem nosso céu e ameaçarem nossa existência na Terra, Clark precisará tomar a decisão mais importante de sua vida: revelar-se para o mundo, sacrificando sua chance de ter uma vida normal… ou deixar todo planeta à sua volta morrer.

domingo, 2 de dezembro de 2012

Aniversário: a hora e a vez do Zé Carioca...

Navegantes,
Este ano, tivemos alguns "aniversários fechados"! Apesar de ter deixado passar batido o mês correto, falarei de alguns deles aqui. Vamos começar por uma das figuras mais mal tratadas nos últimos anos: Zé Carioca. Muitos sites de quadrinhos já falaram do papagaio e sua História.
Não vou ficar aqui a mencionar o óbvio, que o Zé nasceu fruto da política de "boa vizinhança" entre Brasil e Estados Unidos e "tals". Isso vocês encontram em outros sites. O que tenho a dizer tem um caráter de certa raiva... Especialmente desta gente que se diz intelectual de esquerda, contra o capitalismo e afins.
Eu escutei muito desta gente que o Zé não é um personagem brasileiro, que foi criado lá fora e "nhem nhem nhem". Sim, isso é a mais pura verdade. O curioso é que este pessoal não foi buscar o "pós-EUA". O personagem ganhou uma cara brasileira quando passou a ser produzido aqui pela editora Abril.
Isso, muita gente ignora. Zé Carioca teve uma intensa produção nacional, que pode ser vista por qualquer pessoa no site de catalogação Inducks. Lá, é possível encontrar quase tudo o que foi produzido aqui. Não é uma tarefa fácil, mas que duas figuras muito ligadas a Disney cuidam: Arthur Faria Jr e Fernando Ventura. Os dois organizam o catálogo (pesquisado por muita gente)  por carinho, mas também são artistas ligados aos quadrinhos do papagaio.
Tanto que é possível ver o roteiro de Faria e roteiro e desenhos de Ventura na mais recente revista do Zé Carioca, o segundo volume  (a revista da imagem) e que comemora os 70 anos do personagem. A revista inteira traz diversas histórias e dos mais variados estilos do papagaio.
Vale notar que ao longo dos anos, Zé Carioca passou por atualizações no estilo de ser, e, especialmente na roupa. E ainda bem. Difícil imaginar um jovem de hoje usando chapéu palheta! Diversos personagens da Disney - inclusive o Mickey Mouse - passaram por atualizações. Por que o Zé ficaria preso no tempo?
Nestes 70 anos, Zé Carioca é sim um pouco da cara do Brasil. Graças aos seus autores nacionais e demais responsáveis e seus esforços em "abrasileirar" e dinamizar o papagaio. Seja nas favelas de Canini, no chapeuzinho palheta herdado ou no boné atual. Zé é tão brasileiro quanto eu ou você. Só não pode ser Presidente da República*...
Abaixo, a primeira aparição do papagaio...


Para entender a "piadinha", lembremos que para ser Presidente da República, a pessoa deve ser brasieliro nato, conforme a Constituição...

ANIMA INFO 1555

XDragoon, mangá nacional chega a 1000 páginas

A série de quadrinhos online XDragoon, criada por Felipe Marcantonio, atingiu surpreendente a marca de 1000 páginas coloridas. A série estreou em agosto de 2008 narrando a aventura de dois dragões chamados Rocky e Alfred, que salvam uma garota chamada Renata Oliveira de arruaceiros.
Atualmente em sua segunda fase, Jogo dos Morphs, XDragoon conquistou vários fãs em inúmeros países, em especial dos Estados Unidos, de onde recebe maioria de suas visitas. Além dos quadrinhos, XDragoon conta com uma animação de 10 minutos lançada em 2008 com uma abertura cantada pela banda Animadness.
Um concurso de arte está aberto até o dia 20 de dezembro e terá brindes. Contando no momento com 21 Capítulos e animações, a série promete. Em 2013, XDragoon completará 5 anos e promete muitas surpresas.

Animes... quando é bom conhecer um clássico...


Navegantes,
Acho que estou me tornando saudosista mesmo. Vocês aí falando um monte destes animes moe e tals... Que são isso e aí. Vocês não sabem o que é bom!!! Masion Ikkoku é, certamente, um dos melhores mangás / animes já feitos. Quem é o autor? Bem, é A autora: Rumiko Takahashi. Acho que eu nunca tinha mencionado meu gosto por Maison Ikkoku, talvez por medo de trazerem ao Brasil e fazerem m#$%% com o título. Não é porque gosto, não. Mas, é sério. É um clássico absoluto que sempre está nas listas dos "mangás/ animes preferidos" dos japoneses. Não é a toa. A história é bem amarrada, que no final, é isso que conta!!! E a primeira música de abertura, bem como outras, é linda!!! Quem tiver um tempinho, busque informações sobre a história. Um dia, com mais paciência, eu falo. Enquanto isso, ouçam o primeiro tema!!!
←  Anterior Proxima  → Inicio