Desejo: Boas Festas...

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Leia Mais, Seja Mais

Você conhece a biblioteca pública da cidade cidade? Ou bairro? 'Leia Mais, Seja Mais'!!!

terça-feira, 28 de agosto de 2012

ANIMA INFO 1544

JBC relança Samurai X no Brasil com titulo original

Segundo press release, a JBC continuará sua política de relançamentos para os próximos meses. Depois de Sakura Card Captors, chegou a vez de Rurouni Kenshin voltar às bancas brasileiras em uma edição que a editora chama de "caprichada". Ambos foram os primeiros títulos de mangás lançados pela JBC em 2001. Naquela ocasião, os volumes originais japoneses eram divididos em duas edições cada e muitas adaptações da tradução seguiam os nomes usados nos animes, que faziam sucesso na TV brasileira. O mangá será relançado com seu nome original: Rurouni Kenshin.
Apesar da editora informar que este é um "pedido dos fãs e leitores", a alteração do título em português para o original é uma determinação do licenciador japonês. Todo o texto está sendo revisado, readaptando algumas expressões e retraduzindo outras. A nova versão já está em processo de produção, mas ainda não tem data de lançamento devido às aprovações no Japão. No entanto, a previsão é de que esteja nas bancas brasileiras ainda este ano.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Aquele tal mercado de mangás: o exemplo de Hero Party Comic

Navegantes,
Costumo mencionar possibilidades para o mercado de mangás, animes e etc. Hoje, tivemos uma grata surpresa com Hero Party Comic, quadrinho em estilo mangá nacional, de Marcelo Cassaro e Érica Horita. Os dois fizeram um "chamado" pelo Kick Starter, que é, basicamente, um site de vaquinha online. O projeto alcançou o valor inicial e estão em uma etapa seguinte. Não será somente um quadrinho online. Dependendo do valor, a pessoa poderá ter uma versão impressa.
Alguns navegantes podem pensar: eu gostaria de fazer o mesmo... mas não sei inglês para me inscrever no site. Bem, aos que não sabem, há um site brasileiro que faz mais ou menos a mesma coisa: o Catarse. O link que coloquei é especialmente de projetos de quadrinhos. Ou seja, uma boa possibilidade.
O fato faz-nos pensar na atual situação do quadrinho nacional. Como nos mostra o site Cultura e Mercado, o atual momento das HQs brasileiras passa por um dos seus grandes momentos de reflexão. Acredito, sinceramente, que Cassaro e Horita encontraram uma das formas mais dignas de fazer quadrinho, já que as editoras não fazem nada.
Por fim, espero sucesso ao projeto. E espero que, algum dia, o Cassaro possa pensar em levar para frente algum projeto de licenciamento. Porque é no licenciamento que a grana realmente rola. Afinal, ele trabalha para o "maior quadrinhista/ empresário" brasileiro de quadrinhos (Maurício de Sousa), não seria feio imitá-lo.

Saúde a todos nós...

Navegantes,
Meu sumiço dos últimos dias se deu por causa do trabalho. E, depois, por um mal-estar chato. Ainda não estou bem... bem! Uma crise de sinusite que pode contribuir para algo pior. Espero me safar de uma crise de amigdalite. Minha garganta está mais para lá do que para cá...
Lembram do problema da Vivo? Então... finalmente foi resolvido. Apesar dos pesares, a Vivo ainda é a melhor operadora, com o melhor sinal... Se bem que o termo correto seria "a menos pior"...
Que mais... Bem, é isso. Espero retornar aos poucos e sem mais complicações de saúde... Porque olha... Só quem está em Sampa sabe como o tempo está seco. E não é um seco solitário. É um seco misturado com poluição. Algo quase sufocante... Saúde a todos nós!

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Sempre há alguém para golpear o jornalismo e a comunicação no Brasil...

Navegantes,
Está ocorrendo esta semana o I Ciclo ESPM de Comunicação e Marketing - Novo Brasil: Mútiplas Identidaddes. Basicamente, o evento trara da diversidade cultural no Brasil, mas de uma ótica da publicidade e propaganda. Participei recentemente de outros eventos ligados ao mesmo assunto, mas com outros enfoques.
Para mim, é sempre uma grande aprendizagem. E busco aplicar estas experiências em outros "universos". Ontem, o tema foi "O Brasil na novela a novela no Brasil". Tecerei comentários dos temas de ontem e amanhã "O Brasil Jovem" em outro post.
Do debate de hoje "O Brasil visto de fora", tivemos a oportunidade de entender mercadologicamente como outros países veem o Brasil e possibilidades de melhoria de nossa imagem no exterior. Foi muito construtivo. Mas, o motivo principal deste post vem agora...
Uma senhora na plateia - além de destratar os palestrantes, alunos e instituição - veio com uma "pérola". "Que a imagem do Brasil é arranhada com tanta notícia ruim que vai para fora. Que o governo deveria intervir e proibir tais notícias." Geeeennte, minha nossa... Como assim? A criatura disse, em outras palavras, para haver censura. Porque governos - sejam de direita ou esquerda - que intervém na comunicação são governos ditatoriais. Basta ver o suposto "controle" que a imprensa sofre em certos países.
É triste ouvir comentários assim. Tanto que solicitei a palavra para dizer que a imprensa deve fazer o seu melhor possível, que é informar. Sejam notícias positivas ou negativas. Fiquei chocada, chateada e espantada que em um lugar como aquele, com tantas pessoas instruídas, haja alguém cogitando intervenção governamental. Sempre há quem queira golpear o jornalismo e a comunicação no Brasil...

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Reféns da incompetência...

Navegantes... Alguns posts abaixo (Quando você tem que partir para a ignorância...), escrevi sobre a questão da incompetência da operadora Vivo. Reclamei um monte nos telefones e, inclusive, foi aberta uma "reclamação da reclamação" na Ouvidoria. Pensei em trocar de operadora... Mas, as outras também não funcionam direito também. Ao menos, a VIVO tem sinal.
Daí, a gente vai e parte para a Anatel. Quão minha surpresa em saber que a agência - que deveria nos socorrer - demora até 45 dias para tomar providências... É, no mínimo, ridículo. Somos reféns, todos nós, de um conjunto de empresas que não têm condições de prestar um serviço adequado. Não é de se admirar que as operadoras pintem e bordem, com uma demora tão intensa quanto a da Anatel em resolver os problemas.
Porcaria de modernidade, que nos deixou viciados em suas tecnologias. Elas seriam úteis, sim, se funcionassem. Só uma divagação: as pessoas falam tanto da estrutura física nas Copa 2014 e Olimpíadas 2016... que talvez nem tenham pensado no problema generalizado que estes eventos trarão para as telecomunicações. Realmente, o Brasil não tem estrutura, não tem estrutura...

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Aquele tal mercado de animes no Brasil: uma questão cultural...

Navegantes,
O post abaixo de One Piece gerou alguns comentários interessantes dos caros leitores. Comentários estes que valem a pena serem pensados com muito carinho. Afinal, dos textos do post saíram considerações que têm a ver com a cultura brasileira e japonesa. Em um dos comentários, perguntaram-me se culpo a cultura brasileira pelo fracasso de One Piece. Não culpo nenhuma cultura. O que acredito,  há uma falta de compreensão da cultura brasileira pelas empresas do mercado de entretenimento japoneês.
Quando falamos da cultura no Brasil, estamos a mexer em um campo muito complexo. Com diversos estudos, estamos conseguindo finalmente entender que somos diferentes. Não diferentes em relação às demais culturas, mas que temos uma cultura totalmente diversa.
Há um "norte que nos une" como brasileiros. Mas, em cada região há elementos únicos. O que me parece é que as empresas japonesas só conhecem uma parte de nós. O Brasil não tem uma História milenar, entretanto, nossa cultura é totalmente diversa. Um mix de cultura indígena, europeia, negra, norte-americana e e mais recentemente oriental. Talvez por isso tanta dificuldade na compreensão da cultura brasileira.
Não é fácil, nem para nós mesmos, compreender que nossas ações e características têm relação com todas estas culturas. Que, conseguimos incorporar e transformar praticamente tudo, tornando o objeto cultural em algo nacional. Casos não faltam como o "hip hop", "funk", "capoeira", etc. A cultura brasileira é cheia destes hibridismos. Incorporamos, transformamos e acrescentamos tudo recrianado uma nova cultura, uma nova forma de ser, agir e pensar.
Assim, não culpo nossa cultura. Temos um estilo de vida, temos interesses que diferem de outros países. Não adianta dizer que novela é uma porcaria cultural que torna a população burra. Não adianta falar que futebol é "ópio" das massas. Isso é um pensamento tão arcaio, tão retrogrado que dá até medo. É necessário entender porque certos produtos culturais são tão importantes para nós. Não simplesmente criticá-los.
E este é um grande defeito de otakus. Criticar demais o que existe e é nosso. Porque novela é tão importante? Aconselho aos interessados em ler o livro Telenovela, um olhar do cinema, do estudioso José Roberto Sadek. Muitos perceberão porque há um gosto pelas telenovelas e, inclusive, pelos animes. A lógica primordial da animação japonesa é muito parecida com a lógica das novelas...
Além de encontros do mercado (licenciamento, games, etc), também tenho participado de encontros de cultura. Já lhes disse uma vez: procuro fazer uma análise de tudo o que aprendo e compratilho com vocês. Meus comentários não são lançados ao vento pura e simplesmente porque sou má, sou "do contra", quero ver "anime se ferrar". Nada disso! Procuro aprender e entender. Por isso  compartilho com vocês o que aprendo e, quem tiver interesse ou for curioso, vai e procurar suas próprias respostas.
Enfim... Daí... Se nós não dos damos respeito, se é tão difícil nos conhecermos, imaginem, então, para os japoneses nos entenderem? Estou cada vez mais convencida de que é necessário, um grande esforço de diversos agentes, mostrar aos japoneses quem somos, o que queremos e o que podemos fazer. Eventos de animes podem levar atividades culturais. Atividades não apenas para "otaku brasileiro" ver. Os otakus podem fazer sua parte e adquirir o que for lançado oficialmente aqui e tiver qualidade.
As poucas empresas que atuam no mercado devem tentar entender a sociedade de forma mais geral. Não adianta "entender" só otaku. É para isso que há convenções mercadológicas. Gasta-se para participar delas? Gasta-se. Mas, sem conhecimento, fica difícil entender e implementar alguma coisa. Não adianta ficar com a "bunda" na cadeira lendo só o que otaku diz. Otaku é desinteressado, normalmente não entende nem a si mesmo...
E, outras organizações, grupos e pessoas físicas podem tentar - agora sim - mudar o conceito que a sociedade tem de anime (e mangá). Não adianta, quando ler alguma matéria destrutiva da grande imprensa, criticar negativamente ou xingar. Deve-se explicar e exemplificar com animes "não violentos, sem características sexuais, etc".
Alguns devem pensar: "nossa Sandra, que careta, tem que mostrar o que underground, que é isso ou aquilo"... Digo: sério mesmo? Sério que vocês acham que a grande imprensa, que estudiosos e afins vão dar atenção para algo "não" frufru? Aqui fica um pouco do conhecimento da nossa própria cultura.
Temos que ir pelas bordas. Não adianta dizer que One Piece é fantástico porque faz sucesso. Não adianta reclamar - como vejo no Facebook - que novela tem mais violência que anime. A violência alheia sempre parece mais "assustadora" que a nossa. Novela faz parte de nossa cultura. Anime não. Não adianta tentar mudar a cabeça das pessoas falando mal de produtos culturais nacionias. Deve-se mudar a cabeça das pessoas apontando animes que sejam considerados bons pela sociedade (vide sem violência).
E, nem tudo que é considero bom, nós gostamos. Não seria mais fácil a grande imprensa aceitar falar de um anime com história meiga como um Honey Honey (lembram?) do que um One Piece? Os otakus têm que fazer sua parte. Tentar ser um otaku diferente do otaku japonês. Dar um novo conceito ao que é ser otaku brasileiro. Enquanto fãs e algumas empresas continuarem a ignorar a própria cultura - sem apresentá-la adequadamente aos japoneses - anime continuará no limbo no Brasil. A sociedade não aceitará os desenhos japoneses e as empresas japonesas vão continuar a acreditar que não vale a pena investir no mercado brasileiro...
Quem quiser e puder escrever seus comentários, fiquem a vontade. Acredito que é importantíssimo que as pessoas que realmente querem mudanças - de comportamento em geral - possam dizer o que acham ser positivo, ser interessante. Querer gritar mudanças pela força para a sociedade, realmente, não dá. O silêncio dos bons faz com que só os "maus" sejam percebidos...

sábado, 4 de agosto de 2012

One Piece: o título que poderia ter sido tudo, mas não foi nada...

Navegantes,
Farei breves comentários sobre One Piece, título que está comemorando 15 anos de existência. A galera até está tentando fazer um "assunto do momento" com o termo #OnePiece15Years no Twitter, mas é difícil. É com certa tristeza que veja a história deste título no Brasil. Talvez até mesmo no mundo.
One Piece tinha tudo, mas tudo para ser um novo Dragon Ball do ponto de vista comercial. Um traço estilizado, uma história agradável, personagens carismáticos... Poderia ter dado grana para um monte de gente, poderia ter havido vários produtos aqui se... Se o anime tivesse tido uma vinda decente. Não teve e a historinha toda nós já sabemos.
Foi mal tratado, mau editado, mal comercializado, ou seja... mal tudo. Hoje, One Piece é, lamentavelmente, um sucesso praticamente só no Japão. A grande culpa por tamanho fracasso no mundo inteiro é da própria Toei Animation... que entregou One Piece nas mãos da 4Kids (EUA e Brasil) e outras empresas (na Europa). Daí, saiu a edição que saiu... Inesquecível ver o pirulito. Aos fãs, é uma data para comemorações. É sempre bom lembrar destas datas.
Mas, para o mercado... é uma data não para esquecer, mas para refletir. Que os erros cometidos com One Piece nunca mais se repitam... Que as empresas possam conhecer ou apostar mais nos novos títulos que têm... Porque na época, Ruffy e Cia eram algo novo. E infelizmente, comercialmente talvez o tempo de One Piece tenha passado...

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Quando você tem que partir para a ignorância...

Navegantes,
Esta semana, posso dizer que foi uma semana muito difícil... Muitas coisas deram errado e fiquei muito desanimada... Um convite que não se concretizou... Falta de inspiração para fazer meus trabalhos da pós-graduação e, principalmente, problemas de conexão da internet de meu celular.
Apesar da TIM, Claro e OI terem sofrido sanções da Anatel, a Vivo também devia ter sofrido as mesmas retaliações. Imaginem você passar a semana inteira ligando para a empresa resolver seu problema? Um saco. E pior, ninguém resolve. Quase agora, em plena sexta-feira à noite, tive que entrar novamente em contato, desta vez com a ouvidoria. É um absurdo!!!!!!
A ouvidoria deveria ser a última opção mesmo... Não ser a que, possivelmente, resolverá o problema que os demais setores não resolveram. Neste exato momento, estou no aguardo por uma solução. Agora que comprei um celular novo, com acesso a internet, não posso usá-la (a net) porque a operadora está me cobrando, sendo que fiz um pacote... Ou seja, para quê fiz um pacote então?
Se você, querido navegante, já passou por algum perrengue, deixei seu recado. Desabafe. Estou desabafando e aguardando uma solução. Dependendo como for, entrarei em contato novamente com a ouvidoria só para reclamar de todos os operadores que me atenderam e não resolveram meu problema... Ou... farei uma portabilidade para outra operadora.
←  Anterior Proxima  → Inicio