Desejo: Boas Festas...

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Aniversário: a hora e a vez da Rosa de Versailles

Navegantes,
Há 40 anos, nascia (não hoje, claro), um dos mangás femininos mais importantes de todos os tempos: BERUSAIYU NO BARA, A Rosa de Versailles ou, também conhecido como Lady Oscar. A escolha da data do "a hora e a vez" dá-se porque a personagem principal - a Lady Oscar - nasceu em um dia de natal...
Eu raramente menciono este mangá, o meu preferido. Anos atrás fiz um site, mas eu o acabei. Não lembro o motivo... E, muita gente pode perguntar: se você gosta tanto, porque nunca disse para uma editora trazer? Ou nunca insistiu? Bem, os otakus atuais ao visto só gostam destes mangás com meninas "meiguinhas". Uma heroína forte, com personalidade real não chamaria a atenção. Logo não venderia. E também, não nego: tenho um certo receio de que algum dia tragam e façam alguma besteira.
A Rosa de Versailles é daqueles mangás que necessitam de um cuidado imenso, avassalador. O motivo é simples: metade da história foi real. Passa-se na época da Revolução Francesa. Ou seja, se o tradutor não conhecer a história da França, corre o grande risco de entender algo errado. E isso é sério. Mas, por que tanta atenção a um mangá que nem saiu aqui? E nem sua versão em anime passou em nossa TV? Bem, o principal motivo é que: eu gosto, oras.
Além disso, seria interessante que os otakus desavisados procurem informações e conheçam o título que influenciou toda uma geração. E não é esta influência "modinha". Vai muito mais além... É uma influência estética, conceitual. Basta lembrarmos que aquele tal "Shingo Araki" tinha um traço que pode ser influência da autora Ryoko Ikeda. Vai saber...
Por fim, deste mangá saiu um dos personagens masculinos mais próximos da figura de "príncipe encantado". André Grandier, na história, é só um pajem. Mas, ele representa a figura do homem que toda mulher gostaria de encontrar na vida. Leal, fiel, apaixonado, decente e trabalhador. Difícil, né? Por isso ele é tão encantador.
Assim, vá e procure conhecer. Muitos sites europeus, onde a história fez um grande sucesso, trazem informações mais detalhadas. Já os americanos, estes já se perguntaram porque o título nunca chegou lá... Vai saber... A Rosa de Versailles é, certamente, o meu mangá preferido. Um dia, quem sabe estes novos escritores aprendem a escrever como a Ryoko Ikeda fazia...

sábado, 15 de dezembro de 2012

Aniversário: a hora e a vez de Yo Soy Betty, La Fea

Navegantes,
Esta é a hora e a vez de uma das novelas mais importantes dos últimos tempos: Yo soy Betty, la Fea, ou simplesmente Betty, a Feia. A data comemorativa em questão é pela sua exibição no Brasil pela Rede TV, em 2002. Já mencionei esta novela aqui outras vezes, mas não custar lembrar...
Betty, a Feia foi exibida no Brasil há dez anos. Não sabíamos do impacto que o título viria a ter. Esta novela, colombiana, foi uma das mais adaptadas pelo mundo. Vários países, inclusive o Brasil, tiveram suas versões. Infelizmente, algumas destas adaptações tiraram o poder de fogo do "quartel das feias" (imagem) abaixo e/ou a presença do "Nicolas" (imagem mias abaixo), dois "pilares" da versão original.
Betty também ganhou umo desenho animado... Tecnicamente, bem tosquinho, com um flash ainda primário. Mas, como tudo na vida só precisa de uma boa história, mesmo já batida, o argumento e roteirto são excelentes, tanto da novela quanto da animação. E olha... não há nada muito inovador... O que chama a atenção é que o argumento é bem amarrado e contado. Ou seja, o autor Fernando Gaitán soube escrever seu texto. O que, diga-se de passagem, é um fato dificílimo hoje em dia... Escrever bons clichês. Em um tempo em que parece que tudo de bom já foi feito, saber fazer bem feito os clichês tornou-se um grande desafio.
Enfim... Betty, a Feia deixou saudades. Bem que poderia ter saído um DVD oficial no Brasil... E, também fica outro registro: este foi um dos melhores trabalhos dublados no país, com uma grande atuação de Fátima Noya como a personagem principal...

Um minuto de sua atenção...

Navegantes,
Finalmente estamos no final do ano. Além de questões pessoais que me tomaram muito de meus pensamentos, houve algo que também recebeu uma certa atenção de minhas ideias. A minha pós-graduação. Foram dez anos de pausa nos meus estudos, no sentido formal da coisa... Desde o final da faculdade, continuei lendo e me informando. Entretanto, eu não havia voltado a uma sala de aula.
Bem, em 2011 voltei. Foi uma experiência totalmente válida. Tanto pelas pessoas interessantes que conheci quanto pela atualização nos meus estudos. Fora que, não é fácil retornar. Sério... Agora que a parte totalmente formal de sala de aula acabou, bate um cansaço... Quem passou por tamanha pausa sabe como é.
Agora, estou em uma nova fase: a conclusão do artigo final em si. Fiquei em dúvida quando ao tema, mas decidi fazer um estudo de um mangá que eu já havia mencionado este ano: Joaseiro (veja imagem ao lado). Pendi entre falar desta obra ou da animação do Sítio do Pica-Pau Amarelo. "Padinho Cícero" venceu!!!
Será um período de estudos, conversas e afins. Tanto que estou lendo um livro interessante e bem elucidativo: Cultura da Mídia de Douglas Kellner. Eu já havia lido o primeiro capítulo, mas acredito que faz-se necessário uma leitura integral da obra. Posteriormente, "relerei" Culturas Híbridas de Nestor Canclini. "Relerei" porque eu já o li, mas cometi o grave erro de não ter feito fichamento e anotações. Ou seja, só texto leve...
É algo proveitoso! Especialmente para conhecermos melhor nossa cultura, nossas influências e possibilidades futuras. Quais? Bem, ainda não sei ao certo. Até porque, hoje vi algo que está faltando no Brasil... E que darei continuidade. Assim como meu livro A Presença do Animê na TV Brasileira, só mencionarei o que pensei e o que é se der tudo certo. Tivemos e ainda temos diversos exemplos de trabalhos que são alardeados e não se concretizam.
Assim, qualquer sumiçozinho também poderá ser por minhas leituras. OK?

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Rei Davi, o grande trabalho que perdeu para o preconceito...

Rei Davi é um seriado da Record exibido no início deste ano e reprisado agora. A Record foi inteligente ao colocar este trabalho no horário da novela Salve Jorge. Motivo? As "viúvas" de Avenida Brasil que gostam de bons trabalhos. Não posso dizer que a atual novela global das nove é ruim, mas é fato que não trouxe e nem traz nenhum tipo de interesse em suas chamadas.
Quem viu ou tentou ver Rei Davi na primeira ocasião, tem o que dizer do seriado. É tecnicamente muito bom, com um ótimo trabalho de elenco e, talvez o mais importante, segue-se o texto bíblico quase que fielmente. E olha... bancar uma história como a de Davi... O cara foi um herói para o povo dele? Sim, foi. Mas, ele fez muitas merdas...
E, neste ponto a direção é genial. Mostra-o como um herói, mas também como um humano que cometeu erros absurdos. Chega a ser curioso ver como Jerusalém se formou, justamente na época que houve tantos desatinos entre Israel e Palestina nas últimas semanas...
Uma série fantástica, no final. O que lamento muitíssimo é a falta de interesse das pessoas em, ao menos, tentar assistir à obra. As pessoas têm resistência por ser na Record ou por ser um texto bíblico. Quão, no final, estão perdendo uma história bem contada. Na se deveria julgar Rei Davi pela conduta da cúpula da Record. Deveria-se julgar a obra pela obra.
E, como dramaturgia pura e simples, Rei Davi e Avenida Brasil foram, sem sombra de dúvidas (para mim, claro), as melhores obras da TV brasileira deste ano. Mas, como eu disse, bom seria se as pessoas se desfizessem um pouco de seus preconceitos. Porque elas perdem excelentes atuações: vide Gracindo Junior, Leonardo Brício, Maria Ribeiro, Claudio Fontana, entre tantos outros... E perdem um roteiro bem amarrado, um cenografia, figurino, música - entre outros elementos técnicos -, todos excelentes. Uma pena.

Uma rotina do paulistano no #metrosp: professor Ludovico apresenta: Transporte Desumano!

Navegantes,
Este é um post divertido para começar o dia. Especialmente em cidades como São Paulo, com este transporte coletivo absolutamente "coerente, vazio e não competitivo". A imagem (clique nela para ampliar) acima é uma página da história em quadrinho Disney inédita Transporte Desumano, do quadrinista Fernando Ventura. A imagem é bem característica do que acontece todos os dias em São Paulo. Atentem-se ao pato do alto, quase pulando no metrô... É bem por aí, mesmo! Sinto-me bem daquele jeito... hahahahah

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Aquele sumiço indesejado...

Navegantes,
Peço desculpas pelo meu sumiço! Uma total falta de atualizações e etc. Fato é que tive problemas de saúde na família. Isso acabou gerando outros probleminhas. Em verdade, desde setembro as coisas andam complicadas em minha vida pessoal. E complicadas não quer dizer necessariamente ruins.
Na semana passada, tive ótimas notícias em dois assuntos. Daí, fiquei com o coração dividido em estar preocupada e feliz ao mesmo tempo. Muito estranho... Acreditem. Espero, em breve, ter algumas coisas normalizadas em minha vida...

ANIMA INFO 1557

Assinantes da Netflix preferem PlayStation® 3 para acessar conteúdo

A Sony Entertainment e a Netflix informaram nesta semana via release que o PlayStation 3 é a plataforma mais popular entre os assinantes do serviço de streaming em todo o mundo. Por este motivo, as novidades da Netflix chegarão agora primeiro no console da fabricante japonesa.
“O PlayStation 3 é a nossa principal fonte de acesso ao serviço em TVs e, durante alguns períodos de 2012, chegou até a ultrapassar o número de horas assistidas em PCs e tornar-se a principal plataforma entre todas as outras”, afirmou o CEO e co-fundador da Netflix, Reed Hastings.
Com mais de 30 milhões de assinantes em todo o planeta, a Netflix é o maior serviço de streaming do mundo para se assistir filmes e séries de TV. O PS3 foi o primeiro sistema de entretenimento a oferecer acesso à Netflix em resolução full HD (1080p) com saída de som surround Dolby Digital 5.1.
Apesar de todos estas informações, questionamos junto ao Netflix se o PS3 é a plataforma mais usado no Brasil Entretanto, a empresa não tem este dado em relação somente ao país. Assim, aqui há uma possibilidade do número de acessos ocorrer em maior número via PC.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

ANIMA INFO 1556

Panini lança Superman Terra Um

A editora Panini lança nesta semana, nas principais livrarias e comic shops, Superman – Terra Um, da série da DC Comics que propõe um novo início para seus heróis mais icônicos. Concebida como graphic novel, o escritor J. Michael Straczynski conta a versão moderna da história do único sobrevivente do planeta Krypton e sua luta para salvar a humanidade das forças alienígenas que destruíram seu antigo lar. Ao lado do artista Shane Davis (Green Lantern), Straczynski apresenta um novo Superman, que tem bem pouco a ver com o herói até então conhecido. A publicação, com 140 páginas em couché e capa dura, tem preço sugerido de R$ 22,90.
Nesta história, Clark Kent é diferente. Ele pode voar, ver através das paredes e incinerar objetos com seu olhar. Ele é um deus entre os mortais. Mas está sozinho e sem um propósito. Como a maioria dos jovens de vinte e poucos anos, não sabe o que quer da vida. Mas quando naves de outros planetas escurecerem nosso céu e ameaçarem nossa existência na Terra, Clark precisará tomar a decisão mais importante de sua vida: revelar-se para o mundo, sacrificando sua chance de ter uma vida normal… ou deixar todo planeta à sua volta morrer.

domingo, 2 de dezembro de 2012

Aniversário: a hora e a vez do Zé Carioca...

Navegantes,
Este ano, tivemos alguns "aniversários fechados"! Apesar de ter deixado passar batido o mês correto, falarei de alguns deles aqui. Vamos começar por uma das figuras mais mal tratadas nos últimos anos: Zé Carioca. Muitos sites de quadrinhos já falaram do papagaio e sua História.
Não vou ficar aqui a mencionar o óbvio, que o Zé nasceu fruto da política de "boa vizinhança" entre Brasil e Estados Unidos e "tals". Isso vocês encontram em outros sites. O que tenho a dizer tem um caráter de certa raiva... Especialmente desta gente que se diz intelectual de esquerda, contra o capitalismo e afins.
Eu escutei muito desta gente que o Zé não é um personagem brasileiro, que foi criado lá fora e "nhem nhem nhem". Sim, isso é a mais pura verdade. O curioso é que este pessoal não foi buscar o "pós-EUA". O personagem ganhou uma cara brasileira quando passou a ser produzido aqui pela editora Abril.
Isso, muita gente ignora. Zé Carioca teve uma intensa produção nacional, que pode ser vista por qualquer pessoa no site de catalogação Inducks. Lá, é possível encontrar quase tudo o que foi produzido aqui. Não é uma tarefa fácil, mas que duas figuras muito ligadas a Disney cuidam: Arthur Faria Jr e Fernando Ventura. Os dois organizam o catálogo (pesquisado por muita gente)  por carinho, mas também são artistas ligados aos quadrinhos do papagaio.
Tanto que é possível ver o roteiro de Faria e roteiro e desenhos de Ventura na mais recente revista do Zé Carioca, o segundo volume  (a revista da imagem) e que comemora os 70 anos do personagem. A revista inteira traz diversas histórias e dos mais variados estilos do papagaio.
Vale notar que ao longo dos anos, Zé Carioca passou por atualizações no estilo de ser, e, especialmente na roupa. E ainda bem. Difícil imaginar um jovem de hoje usando chapéu palheta! Diversos personagens da Disney - inclusive o Mickey Mouse - passaram por atualizações. Por que o Zé ficaria preso no tempo?
Nestes 70 anos, Zé Carioca é sim um pouco da cara do Brasil. Graças aos seus autores nacionais e demais responsáveis e seus esforços em "abrasileirar" e dinamizar o papagaio. Seja nas favelas de Canini, no chapeuzinho palheta herdado ou no boné atual. Zé é tão brasileiro quanto eu ou você. Só não pode ser Presidente da República*...
Abaixo, a primeira aparição do papagaio...


Para entender a "piadinha", lembremos que para ser Presidente da República, a pessoa deve ser brasieliro nato, conforme a Constituição...

ANIMA INFO 1555

XDragoon, mangá nacional chega a 1000 páginas

A série de quadrinhos online XDragoon, criada por Felipe Marcantonio, atingiu surpreendente a marca de 1000 páginas coloridas. A série estreou em agosto de 2008 narrando a aventura de dois dragões chamados Rocky e Alfred, que salvam uma garota chamada Renata Oliveira de arruaceiros.
Atualmente em sua segunda fase, Jogo dos Morphs, XDragoon conquistou vários fãs em inúmeros países, em especial dos Estados Unidos, de onde recebe maioria de suas visitas. Além dos quadrinhos, XDragoon conta com uma animação de 10 minutos lançada em 2008 com uma abertura cantada pela banda Animadness.
Um concurso de arte está aberto até o dia 20 de dezembro e terá brindes. Contando no momento com 21 Capítulos e animações, a série promete. Em 2013, XDragoon completará 5 anos e promete muitas surpresas.

Animes... quando é bom conhecer um clássico...


Navegantes,
Acho que estou me tornando saudosista mesmo. Vocês aí falando um monte destes animes moe e tals... Que são isso e aí. Vocês não sabem o que é bom!!! Masion Ikkoku é, certamente, um dos melhores mangás / animes já feitos. Quem é o autor? Bem, é A autora: Rumiko Takahashi. Acho que eu nunca tinha mencionado meu gosto por Maison Ikkoku, talvez por medo de trazerem ao Brasil e fazerem m#$%% com o título. Não é porque gosto, não. Mas, é sério. É um clássico absoluto que sempre está nas listas dos "mangás/ animes preferidos" dos japoneses. Não é a toa. A história é bem amarrada, que no final, é isso que conta!!! E a primeira música de abertura, bem como outras, é linda!!! Quem tiver um tempinho, busque informações sobre a história. Um dia, com mais paciência, eu falo. Enquanto isso, ouçam o primeiro tema!!!

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

ANIMA INFO 1554 - Especial

A Origem dos Guardiões

Os Guardiões são as lendárias figuras carismáticas do universo das crianças: Papai Noel, o Coelhinho da Páscoa, a Fada dos Dentes e Sandman. Esses portadores benevolentes de presentes, ovos, dinheiro e sonhos são muito mais do que parecem ser. Na animação da Dreamworks/ ParamountA Origem dos Guardiões, eles são imortais, fortes e espertos, cuja missão é proteger a inocência e imaginação das crianças de todas as idades com toda a extensão de seus poderes.
Quando a ameaça chega com um plano de apagar os Guardiões do mapa, roubando as esperanças e sonhos dos pequenos, eles precisam da ajuda de Jack Frost, um novo recruta inseguro que prefere aproveitar um dia de neve a salvar o mundo. Os heróis se envolvem em uma batalha global contra o Bicho Papão, cujas maquinações para conquistar o mundo espalhando o medo pelo planeta só podem ser derrotadas pelo poder da crença e pela magia dos Guardiões.
Esta animação tem alguns traços curiosos. O fato das lendas infantis se reunirem em uma sala, apontando seus interesses e suas divergências, faz-nos lembrar de um outro grupo apresentado este ano: A Origem dos Guardiões poderia ser lembrada com a versão infantil de Os Vingadores. Afinal, no final das contas, o grande objetivo de todos é proteger o mundo.
Como todos estas figuras lendárias foram, originalmente, trazidas ao Brasil pelos europeus, eles são facilmente reconhecidos. Porém, duas destas figuras da história podem ser incompreensíveis ao brasileiros. Um dos personagens até tem nome traduzido no país, mas que não foi aproveitado. Sandman seria o equivalente ao João Pestana.
Já o herói maior da animação, este sim, nós não temos como conhecê-lo. Trata-se de Jack Frost. Ele é uma mito do norte europeu, cuja função seria levar o frio aos lugares, com especial atenção ao fato dele fazer nevar. Como no Brasil o inverno não é intenso, praticamente não neva, a lenda do personagem não é conhecida aqui. Talvez porque todos as outras figuras trazem algum referencial: Papai Noel e o Coelho da Páscoa têm relação com um fundo religioso; as crianças perdem os dentes, logo faz sentido o conhecimento da Fada dos Dentes; Sandman é o equivalente do "João Pestana", figura vinda ao Brasil pelos portugueses. Ele é responsável pelo bom sono das pessoas.
Até mesmo o Pé Grande nós o conhecemos, seja pelo cinema ou desenhos animados da televisão. Mas, Jack Frost não nos foi apresentado nem pelos imigrantes que para cá vieram, e nem mesmo pelo cinema ou TV. Ou seja, justamente o herói da história pode causar algum estranhamento. Contudo, o fato não é um problema em si, já que o roteiro foi muito bem amarrado.
A animação é interessante, porém um pouco escura. O desenho dos personagens também é bonito. Bem diferente os pôsteres vistos nos metrôs de São Paulo, por exemplo. As imagens de divulgação não foram muito felizes e nos dão uma sensação de sufocamento, algo quase malévolo. A animação não é deste jeito, os personagens não têm cara de maus. Nem mesmo o vilão.
Um dos pontos fortes de A Origem dos Guardiões é a música - providencial em várias momentos do longa-metragem - de Alexander Desplat. O músico é o responsável musical de sucessos recentes como O Curioso Caso de Benjamin Button, Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1 e 2, O Discurso do Rei, A Saga Crepúsculo: Lua Nova e também da animação O Fantástico Sr. Raposo.
Para esta animação vale a pena assisti-la em telas grandes, como os "Extremes" do Cinemark. E ter uma atenção especial para a dublagem de Isabelle Drummond (a Fada)e Thiago Fragoso (o Jack). Normalmente, atores de cena não se saem muito bem quando dublam. Mas, os dois ficaram muito bons em seus respectivos personagens. A Origem dos Guardiões já é um bom "preparativo" para o espírito natalino, apesar do momento mais importante da história acontecer na Páscoa.

sábado, 17 de novembro de 2012

E o primeiro anime brasileiro poderia ser...

EDITADO DIA 18/11 ÀS 00h07 - VER FINAL DO TEXTO
Navegantes,
Estes dias de pura ociosidade, estive a pensar algo interessante. Por que não há anime brasileiro? Bem... haveria uma séria de comentários bastante óbvios... especialmente porque animação no Brasil é algo pífio ainda, não tem investimento, não tem mão-de-obra... Mas, há um ponto que até o momento, nunca vi ninguém mencionar.
O primeiro anime brasileiro não seria um curta-metragem ou longa-metragem... Nem tão pouco uma série de televisão. O mais viável para que haja um primeiro anime no Brasil talvez seja onde há mais animações nacionais: na propaganda. Já imaginaram que legal seria ver uma propaganda de um miojo, de uma Sony, Toyota ou afins sendo uma propaganda-anime? Eu ficaria deveras feliz. Quem ai ficará contente também? Tipo... se virasse um "hit" como os poneis malditos? Ou o hominho do Contonete, o Elefante do extrato de tomate...
Pela própria História da animação brasileira, este talvez seja o pontapé ideal para um anime nacional!!! Vamos propagar a ideia? E a imagem ao lado foi retirada do site Xdragoon, já em ritmo de Natal...
Acabei esquecendo de dizer... Por que uma propaganda? Simples... A publicidade tem "naturamente" grana para fazer. Basicamente, é isso.

E se Seiya tivesse lutado com ele?


Navegantes!!! O Cartoon Brew sempre traz animações interessantes. O vídeo acima é o desenho The Saga Of Biorn feito na Dinamarca e exibido no Brasil no Anima Mundi do ano passado. Um título muito engraçado, da busca de um guerreiro pelo descanso eterno em Valhalla!!! Afinal, cada um com seu céu!!! Assistam, é super divertido! Se Seiya tivesse lutado com ele... hahahah

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

O curta-metragem mais lindo do mundo...

A Pequena Vendedora de Fósforos
Simplesmente, veja...

ANIMA INFO 1553

Flash Mob do Pica-Pau acontece na Av. Paulista



No dia 24 de novembro (sábado) das 14h30 às 16h, acontece na Av. Paulista a 9a. edição do Flash Mob do Pica-Pau. É um encontro comemorativo referente ao episódio Vamos às Cataratas. Para participar, é necessário estar no pontualmente no horário no local com uma capa de chuva amarela. Logo após, o participantes caminharão pela avenida.
"Flash Mob" é um tipo de encontro rápido que as pessoas fazem em determinado local já pré-difinido. Normalmente, estes encontros são agendados pelas redes sociais e acontecem muito rapidamente. Por isso, aos interessados em participar do chiste, é só chegar no horário agendado.

Comentário rapidão para os caros leitores!!!

Navegantes,
Peço desculpas pelo sumiço dos últimos dias. Mas, estive um tanto ocupada. Tenho que fazer alguns trabalhos da pós, e isso leva algum tempo. Também pretendo escrever nos próximos dias... quiçá este feriadão... sobre aquele "causo" no mercado de animes. A coisa já meio que resolvida. Vamos ver. Demais, tentarei fazer alguma notas, não pretendo abandonar o blog e o Twitter.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Aquela tal Disney... mais da Crunchyroll e o que são majors

Navegantes, primeiramente, esta imagem eu peguei do site Pipoca Moderna. É bem elucidativo para falar sobre o assunto. Sim, a Disney comprou a Lucas Film e todos os interessdos em cinema já devem saber do fato. Provavelmente, foi a aquisição do ano.
Estou a escrever este post apenas para lembrar como deve ficar configurado o mercado para os próximos anos. Imaginem o cinema, animações de TV, quadrinhos e produtos diversos tomados por Os Vingadores, Liga da Justiça (Warner), heróis e agora Star Wars. O anúncio da compra aconteceu na terça passada, dois dias antes do anúncio Crunchyroll no Brasil.
Assim, vemos que cada vez mais a necessidade de união dos fãs de animação japonesa no Brasil. Não adianta se unir em torno de algo ilegal, de algo que não traz produtos, não traz atenção positiva... Pois, as "majors" são organizadas e elas estão agrupando e/ou engolindo - como um buraco negro da astronomia - tudo o que está em sua volta e valha a pena financeiramente. E elas, em sua organização, chamam para si a atenção de seus produtos. São estes produtos que veremos fortemente em mochilas, cadernos, lanches de lanchonetes, na TV, quadrinhos, DVDs, etc...
E, aqui também registro uma informação. Há um conceito usado na área da comunicação e cultura - surgido especialmente no cinema lá nos anos 30 - que algumas pessoas conhecem, mas têm uma ideia equivocada do que seja: majors. "Majors" são as empresas mega gigantescas que dominam justamente a cultura e comunicação de massas. Vejam: dominam em todas as esferas: desde a produção até a distribuição. Li no Facebook um comentário de que a Saban seria uma "major". Não é. O ato da dominação de uma "major" chega, inclusive, na esfera política. Ou seja, não se compara empresas menores como uma Crunchyroll com nenhuma major. Os efeitos de "dominação" chegam em leis de copyright, em jabás, entre outras imposições...
A coisa começou no cinema e se expandiu para a TV, editorial, parques, maquinários, etc. Por isso, há somente seis "majors" no mundo, aquelas empresas que dominam cerca de 70% dos mercados, de uma forma ou outra.
Se você pensar em comunicação e cultura, muito provavelmente encontrará alguma empresa pertencente a uma "major", ou que precise desesperadamente dos produtos delas para sobreviver (vide Netflix), ou que tenham que pedir permissão para não sofrer sanções (vide Youtube) . E, no caso da Disney, fica um chute: no mundo físico acho que não falta ela comprar mais nada... Mas, Google, Amazon, Facebook estão aí... São elas:

EMPRESA (major/ matriz) - suas empresas menores e/ou subsidiárias

Time Warner (a maior) - Warner Bross (estúdio), Warner Music, revista Time, DC Comics, Cartoon Netwook, CNN, etc.
The Walt Disney Company - Walt Disney Pictures, canal ABC, canais Disney, ESPN, Marvel Studios, Lucas Films, parques, etc.
NBC Universal - Universal Studios, canal NBC, Telemundo, Hulu, parques, etc.
News Corporation - 20th Century Fox, The Sun, Fox News, National Geografic Channel, etc.
Viacom - Paramount Pictures, Nickelodeon, MTV USA, etc.
Sony Corporation - Sony/Columbia Pictures, Sony Music, eletrônicos, games (Playstation), etc.

E, não pensem vocês que as "majors" se odeiam. Elas são concorrentes, mas quando têm interesses em comum, todas se unem. E, na escolha por um produto, uma major consegue convencer outras empresas a adquirir suas licenças, já que as seis têm uma estrutura bem definida. No caso brasileiro, por exemplo, todas as seis estão presentes, o que já nos mostra a organização e poder de fogo financeiro. Se uma empresa que faça mochilas tiver que escolher uma marca, tende a escolher uma que pertença a uma "major".
Daí, fica a questão: dá para rebatê-las? Não. Mas, se tentarmos nos unir em algo em comum, legal e visível para nossas empresas, quem sabe não encontramos um espaço? Um espaço para vermos um anime nas mochilas, cadernos e afins... e não mais um Ben 10... Afinal, os memes do Facebook já viraram mochilas e cadernos. Por que um anime exibido legalmente na net não poderia encontrar seu espaço no mundo real? Pense nisso, otaku. Pense nisso.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

ANIMA INFO 1552

Série de TV "Como Treinar o Seu Dragão" chega em dezembro

Em dezembro acontece a pré estreia de DRAGÕES: PILOTOS DE BERK no Cartoon Network em 3 de dezembro, às 20h (horário de Brasília). Dando continuidade ao sucesso das telonas Como Treinar o Seu Dragão, o herói Soluço e todos os membros da sua comunidade embarcam numa jornada pela harmonia perfeita entre homens e dragões. Poderes extraordinários, novos mundos e lutas contra novos vilões são só uma parte do que o público pode esperar dessa animação.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Mercado de animes no Brasil: Crunchyroll - a cretinice dos otakus...

Editado: acréscimo no texto às 21h
Navegantes,
Foi lançado oficialmente no Brasil o Crunchyroll, site que faz exibição em streaming. O valor inicial para a aquisição do pacote é de R$ 9,99. Há um ponto que assusta, que é referente ao pagamento de quem escreve para o site... Os caras entendem que R$ 9,99 é um bom "salário" para os blogueiros que lá estão escrevendo. O que para mim, caracteriza trabalho escravo... Mas, enfim... pulemos esta parte... Afinal, houve quem aceitou tais condições.
Avisaram-me via Facebook. O que me chamou a atenção foram os comentários no site PunchSub, um fansubber conhecido no universo otaku. Lá, o pessoal paga R$ 10,00 para baixar os animes. Só não escrevo um palavrão porque seria muito feio... Mas, gente, tenham vergonha nesta cara imunda!!!! Vocês pagam 10,00 reais para uma empresa não oficial e uma oficial, vocês se recusam? A exibição oficial é a única forma de salvar o anime no Brasil, daí todos vocês fazem "ânus glicose" para não pagar?
Deixem de ser cretinos, safados e pilantras. Vocês pagam 100 reais para entrar em um evento de anime, pagam mais 30 reais por produtos piratas, uns 15 por um mangá e vocês dizem que 10,00 reais é muito para ver animes oficialmente? A empresa mostrou uma má vontade ante a questão do profissional de texto, daí vocês mostram mais má vontade em tentar fazer o mercado crescer?
Sério... Tenho muita vergonha alheia de vocês, otakus pobres não de grana... Afinal, qualquer grana de vocês sai do bolso de papai e mamãe. Vocês são pobres em consciência, pobres de espírito. Pobres miseráveis IGUAIS ao políticos tão criticados deste país.
O PunchSub, teve a decência de tirar de sua grade, animes existentes no Crunchyroll. Tenham vocês a decência de adquirir estes mesmos animes legalmente. Um erro (da empresa) não justifica o outro (o de vocês)...
Ah, e li que muito otaku acha que as coisas devem ser de graça na net, que é característica da rede. Ou seja, se é para ser tudo de graça, qual o sentido de se produzir animes, filme ou qualquer outra coisa? Onde está o respeito para com toda a gente que produziu o anime? E, onde fica o lucro dos caras? Gente, ninguém no mundo faz nada de graça...

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Carta Aberta: por um melhor ensino no jornalismo no Brasil...

Navegantes, apesar das críticas que já recebi por defender o diploma de jornalista... Acredito que muitas destas críticas ocorrem por causa da qualidade do ensino das instituições... Em verdade, deveria haver uma mudança generalizada na educação formal no Brasil. Mas, ao menos nas comunicações, tem-se feito algo... Veremos que o acontecerá... É necessário uma consciência de que o ensino precisa, urgente, melhorar neste país...

CARTA ABERTA AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
E CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO


Pela imediata aprovação da Proposta de Diretrizes Curriculares para o Jornalismo

O Fórum Nacional de Professores de Jornalismo (FNPJ), a Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor), a Intercom (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação) e a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) e seus 31 Sindicatos de Jornalistas filiados em todo país vêm a público expressar sua preocupação com a lenta tramitação da Proposta de Diretrizes Curriculares para Cursos de Graduação em Jornalismo, que há três anos, desde o final de 2009, se encontra para aprovação no Conselho Nacional de Educação (CNE).
Entregue oficialmente ao Ministério da Educação em 18 de setembro de 2009, a proposta foi elaborada por uma Comissão de Especialistas, nomeada pelo próprio MEC, sob presidência do professor Dr. José Marques de Melo, atendendo uma demanda de vários anos na área. E para sua elaboração, a referida Comissão promoveu um amplo e democrático processo de debate com consulta pública pela internet e audiências públicas presenciais (em Recife, São Paulo e Rio de Janeiro) para ouvir os diversos segmentos da área da comunicação e também da sociedade. Sistematizada a Proposta, o documento chegou ao MEC que, por sua vez, logo a encaminhou ao CNE.
Em outubro de 2010, há exatos dois anos, a Câmara de Ensino Superior do CNE promoveu nova audiência pública, em Brasília, sobre as diretrizes curriculares em Jornalismo, convidando novamente diferentes setores da área. Representantes da FENAJ, do FNPJ, da SBPJor, da Intercom, dentre outras entidades e organizações presentes, praticamente de forma unânime, defenderam a Proposta elaborada pela Comissão de Especialistas e pediram sua rápida aprovação. Apenas alguns poucos representantes de setores não específicos do Jornalismo questionaram a necessidade de diretrizes específicas.
Por isso, o FNPJ, a SBPJor, a Intercom, a FENAJ e seus 31 Sindicatos de Jornalistas do país não entendem a demora na apreciação da Proposta entregue ao MEC e ao CNE. E, ao mesmo tempo em que voltamos a apoiá-la e a solicitar sua imediata aprovação, reafirmamos que, na nossa compreensão, constitui um significativo avanço, tanto em relação às matrizes curriculares em vigor, quanto pelo fato de ter sido formulada, como fazemos questão de ressaltar, em um amplo e democrático processo. A sua implantação nos mais de 400 Cursos de Jornalismo brasileiros representará, sim, a tão reivindicada e necessária melhora de qualidade na formação dos jornalistas profissionais.
A demora em estabelecer as novas diretrizes curriculares vem prejudicando por demais estas centenas de cursos, todos em fase de revisão de suas matrizes ou necessitando realizá-la. Isto porque seus currículos encontram-se ainda submetidos às últimas diretrizes, as quais, por já contarem com mais de dez anos de existência - são de 2001-, estão totalmente defasadas.
Diante do exposto, mais uma vez reafirmamos nossa posição pela imediata aprovação e solicitamos que a presidência do CNE e o Ministro da Educação nos recebam em audiência para uma exposição mais detalhada das nossas preocupações e da situação da formação superior jornalística no país.


Mirna Tonus
Presidente do FNPJ

Dione Moura
Presidente da SBPJor

Antonio Hohlfeldt
Presidente da Intercom

Celso Schröder
Presidente da FENAJ

Brasília, 26 de outubro de 2012

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Mercado de animes no Brasil, você acredita nisso? Jogando a merda no ventilador...

Navegantes,
Este post até parece um pouco aqueles de final de ano, com previsões e afins. Na verdade, muita gente aí é capaz de me xingar, dizer que quero dar uma de "mãe Diná" e tals. Que não sei de nada, que só falo achismos... Só que, curiosamente, muitos sites de mangás e animes dizem as mesmas coisas - com outras palavras, claro - que aponto aqui. Ou seja, galerinha fala - é verdade -, Sandra fala - é besteira... Curioso... Bem, enfim...
Este ano, não tive a oportunidade de ir ao Licensing Brasil Meeting. Ano passado fui e fiz dois artigos sobre o assunto. Entretanto, tenho acompanhado com atenção como ficará o mercado de licenciamento e de entretenimento para o ano de 2013. Como fato, 2012 realmente foi o ano dos heróis. Basta percebemos o grande número de produtos de heróis em lojas, o êxito nos cinemas, DVDs e afins.
Algumas das apostas citadas no ano passado, inclusive pelas empresas, não aconteceram. E foram justamente as apostas "animadas" que dependiam das TVs abertas. A "quase morte" das animações na TV aberta fora anunciada com o fim da TV Globinho, já no ano passado. Outras emissoras continuam a exibir animações, mas delas, só o SBT tem algum retorno.
Crianças continuam assistindo animações. As pequeninas, com algum poder de compra, veem TV Cultura. As maiores ou veem TV a cabo (seja legal ou "gato"), ou ficam na net, ou já curtem programas pré-adolescentes, ainda não identifiquei quais são. No ano passado, ficara claro que até a Disney já não bota tanta fé em seus seriados, que devem ter ainda algum tempo de vida. E Ben 10 tem perdido cada vez mais força...
O que parece é que estamos em um momento de "entressafra". A mim, está claro que a grande aposta e o momento de espera é pela Copa de 2014. O mercado - empresas, TVs, lojas, etc. - estão se preparando para o "grande" momento. Daí, qualquer outra "bobagenzinha" fica de fora dos planos.
Sabe-se que emissoras como Rede TV e Band estão comprado animações (o refugo da Globo) ou inéditos, tipo Cavaleiros Omega. A questão que fica é: estes produtos terão impacto? A verdade é que não. Imaginem animações em uma emissora como a Band, que dá uma baita atenção para o esporte?
Imaginem um ano que teremos Corinthians e Palmeiras na Libertadores. O segundo possivelmente na segunda divisão do brasileiro. O São Paulo com possibilidade de retornar ao campeonato sulamericano maior... Imaginaram? Agora imagem o horário matutino. O que preferir? passar desenho animado ou dar mais destaque para programa de debate futebolístico, que dá audiência? Meio óbvio, não?
Continuo não vendo brechas para animações - especialmente animações japonesas - na TV aberta. Talvez na fechada... A internet já mostrou seu poder de fogo. De uma forma ou outra. Basta vermos alguns produtos legais (tipo mochilas e canecos) dos "memes" do Facebook. O que está acontecendo é que algumas empresas estão com receio e dificuldades em entrar no Brasil. Como se utilizar da rede? Da única forma que as empresas - especialmente as japonesas - não querem: investir.
E, bem da verdade, não somente as japonesas, mas outras também. Apesar do grande silêncio da blogesfera, acredito ser pertinente dizer a todos os interessados um fato que ocorreu esta semana. A "blogesfera" de animes e mangás recebeu um email de uma empresa de exibição em streaming (preciso dizer o nome?), com o seguinte conteúdo: os caras querem que alguém atualize o site no Brasil.
Entretanto, a pessoa só ganharia um pacote premium de exibição. Que custará quanto? Uns 30 reais, talvez? Sim, gente... foi isso que vocês leram. Não rola grana alguma, você trabalha de graça. Daí, fica minha pergunta: por que os caras acham que a gente não precisa de grana para escrever? É um gasto de tempo, de energia elétrica, de internet... às vezes de material como livros, dicionários, etc. Nada disso conta.
Cheguei a pensar em enviar um email para a empresa, pois parece interessante ter em troca a divulgação do nome ea possibilidade de mais visitantes, seguidores e afins. Mas, só isso? Seria um insulto tanto a mim quanto aos meus reais leitores, vocês. Seria um insulto ao povo brasileiro, que nas entrelinhas, eles acham que aceitam migalha. Existe um custo para entrar no Brasil, e um deles é o investimento tanto em pessoal quanto burocrático. O Netflix que o diga...
É o fim... Esta não é a primeira empresa que quer a "ajudinha" de blog, de fã... Mas, a "graninha" que é bom, cadê? Eu acredito que há uma brecha aberta para 2013, mas a falta de bom senso das empresas, a falta de um projeto claro para o Brasil - vide o exemplo que mencionei - mostra-nos que o somos para as empreas de fora: resto. Espaço na internet há, mas... desse jeito, temo pelo pior. Depois me chamam de pessimista. Não sou, só sou realista. Enfim... Este é nosso mercado de animes, está bom para vocês?

domingo, 21 de outubro de 2012

Papo de Budega no Papo com o Machado!!!

Navegantes,
Nesta quarta-feira, se não acontecer sinistro comigo, estarei no programa Papo com o Machado. Quem eventualmente não lembra, o Nelson Machado é o dublador do Kiko do Chaves. Ele tinha um vlog, agora tem um programa no  www.sb4.com.br. É muito parecido com o antigo vlog, só que agora é um programa de rádio online!
Lá, eu e a dubladora Márcia Regina falaremos das influências culturais externas... Bem, ao menos, eu acho que será sobre isso, hahahaha hahaha!!! Fiquem ligados no link que coloquei acima!!! E o programa começa as 20h. Ou seja, não tem desculpa para dizer: eu não cheguei em casa!!! Dá tempo de chegar!!! Quer dizer... eu acho...

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

A culpa é da Rita: a avenida que "parou" o Brasil...

Navegantes,
Hoje acabou uma das melhores novelas já feitas pela Globo. Avenida Brasil não será esquecida tão cedo. Provavelmente será reprisado em breve no canal Viva. O motivo é simples: argumento, roteiro (apesar dos furos de realidade), direção e atuação. Uma novela que causou comoção porque trouxe um dos temas mais íntimos das pessoas: o sentimento de vingança. E a curiosidade do mistério. Que, nunca foi a morte do Max, mas os motivos que levaram a Carminha de ser como é. A morte do Max foi a parte da "brincadeira"...
Muita gente critica a novela, que é coisa de povão ignorante, alienado e "tals"... Sério mesmo que quem escreve isso, pensa isso? Novela é o principal produto cultural brasileiro, assim como o cinema está para os Estados Unidos e animes para o Japão. Esta gente vê filme, vê seriado, vê anime, mas novela é coisa inferior porque é nacional... Ou seja, é o velho espírito de vira-lata e de inferioridade...
Não se deve ignorar as novelas, porque trazem coisas muito explicitas e implícitas de nossa cultura. E das ações humanas. O estudioso José Roberto Sadek nos lembra,
As histórias eram e são criadas com base em experiências da sociedade e também com base em seus desejos, fantasias, anseios, temores, sabedorias e ignorâncias. As histórias compõem o grupo de ações destinadas a preservar e a fazer evoluir a espécie humana. Por meio delas, uma tribo ou um povo pode garantir a sobrevivência de suas crias e manter o conhecimento relativo à sua continuidade. (SADEK, 19)
Meses atrás escrevi sobre novelas que dariam bons animes. Não coloquei Avenida Brasil, pois fiquei em dúvida se a novela se tornaria ou não algo revolucionário. João Emanuel Carneiro fez algo extraordinário. Genial!!! E quem diria, mesmo com um final um tanto pieguas em alguns aspectos, Avenida Brasil entrou para a História da televisão por ter um desfecho nada convencional. Afinal, o "certo" seria terminar no perdão de Nina e Carminha, mas terminou em um campeonato de futebol!!! Ou seja, a união das duas coisas que brasileiro mais gosta: novela e futebol!
E, curiosamente, Avenida Brasil conseguiu unir as pessoas em bares e restaurantes, como se fosse final de Copa do Mundo, Super Bowl ou coisa do gênero... Dá para ignorar? Novela seria só algo ruim? É ruim se encontrar com amigos? É ruim ter um assunto? É ruim discutir? Sim, porque quem estava chegando em casa, percebeu o sentimento de final de Copa do Mundo aqui na cidade de São Paulo!!!
Como diria o presidente da Warner, é necessário haver a disseminação geral por meio de grandes veículos de comunicação. Afinal, novela é visto pela massa e depois comentado em "segmentos". Newton Cannito também já dizia isso em seu livro A Televisão na Era Digital. E ele também nos lembra o que TV (e novela) é circo. Nem tudo em nossa vida pode ser tão sério.
Então vamos parar com esta história de "novela é coisa para ignorante"... Seus jargões brevemente serão esquecidos do momento breve. Mas, vão ficar na lembrança como o "a culpa é da Rita" ou "me serve vadia"... Quem diria que uma "avenida" pararia o Brasil...



SADEK, José Roberto. Telenovela, um olhar do cinema. São Paulo: Summus Editorial, 2008.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

ANIMA INFO 1551

Fest Comix acontece nesta semana e traz artistas internacionais

O Fest Comix é a maior feira de quadrinhos do país, que acontece nos dias 19, 20 e 21 de outubro. São mais de 500.000 títulos em ofertas e mais de 100.000 revistas importas a partir de R$ 1,00. Além das promoções, haverá concursos de cosplay, palestras, workshops, tarde de autógrafos e lançamentos exclusivos.
Dentre os artistas a palestrarem, destaque para Kim Byung Jin de Chonchu e Final Fantasy XI. Também para Sang-Sun Park de Tarot Café e Daniel HDR que lançará no Brasil, seu Sketch Book 2012, intitulado C1NZ4. Todos os detalhes do evento podem ser vistos no link acima.

ANIMA INFO 1550

Almanaque celebra os 30 anos do Biquinho

Há trinta anos, desenhistas e roteiristas da Editora Abril, liderada por Primaggio Mantovi, deram "vida" a um personagem genuinamente brasileiro que ganhou versões em outras cinco línguas: Biquinho. Para o Almanaque do Peninha 4, a Abril republicou pela primeira vez a história que apresentou o personagem ao mundo em 1982.
O almanaque vem com um artigo de introdução contando em detalhes o processo de criação de Biquinho — em 1982, a equipe da Editora Abril pensava em alguém que pudesse interagir com o avoado e atrapalhado Peninha, de preferência alguém “pior que ele”, nas palavras de Mantovi.
Já na primeira página, um brinde para o leitor de quadrinhos: uma reprodução da prancheta com os primeiros estudos visuais de Biquinho, traçados pelo roteirista Luiz Padovin, que serviu de guia para demais artistas. O Almanaque do Peninha 4 já está nas melhores bancas de todo o Brasil por R$ 4,95.

domingo, 14 de outubro de 2012

Currais humanos ou campos de concentração no Brasil, não ignore a memória de seus avós...

Navegantes,
Talvez este seja o assunto mais sério que mencionei neste site. Em 2010, fiz este post falando de campos de concentração no sertão brasileiro. O site Holydrink fez um texto mais elaborado sobre o tema. E, acho que é extremamente importante para o assunto nascer. Sim... nascer, pois não pode morrer já que a maioria não conhece o fato. Ao longo destes anos, todos os governos brasileiros em diversas escalas esconderam este o ocorrido no sertão cearense.
É um tanto doído para mim, já que é meu estado. Mas, é necessário falar para que a História do Brasil fique mais clara... No sertão cearense, os governos federal, estadual e municipal (de alguns municípios diversos) levavam as pessoas para um campo, isso por volta de 1932... em uma das piores secas no nordeste. Eram jogadas ali sem água, sem comida, todas juntas no calor infernal do sertão. Elas chamavam isso de currais. Sim, eram currais humanos ou hoje, com nossa compreensão, campos de concentração brasileiros.
Estou mencionando novamente este fato, pois hoje posso dizer algo que minha mãe já falara há algum tempo e ficou esquecido em minha memória. Meu avô - quando vivo - falava destes lugares. Ele dizia para os filhos (minha mãe e tios) que era necessáro viver em fuga. Fugir dos cangaceiros... e fugir do governo, que levava as pessoas pobres para estes "currais". Lá, não tinha nada - nem água, nem comida, só o calor infernal e tratados como bichos - e quem tentasse fugir era sumariamente morto. Ou seja, os sertanejos não tinha escapatória...
É com muita tristeza que digo isso. Graças a Deus meu avô conseguiu escapar tanto do cangaço, quando dos "currais", sobreviveu a base de "calango", sobreviveu a pobreza e viveu por muitos anos. Viveu e contou estas histórias aos filhos e chegou em mim... sua neta. O que quero dizer é: se você tem um avô ou avó que conta estas histórias, não ignore. Isso foi verdade. Uma verdade horrorosa de nossa História. Mas, que precisa ser lembrada para nunca mais ser repetida.
Seu avô ou avó velhinho/a não é louco, não é maluco, e não está contando um "causo". Está lembrando de um fato que provavelmente viveu ou viu viverem. Ou morrerem. O início do século XX trouxe-nos uma grande seca no sertão nordestino que expulsava-os. Conheci brevemente o calor da região.
E, acreditem, ele expulsa mesmo as pessoas dali. Só que muita gente não conseguiu sair. Porque não deixaram. Nõ foi só na Alemanha nazista que houve campos de concentração. E o motivo daqui foi tão absurdo quanto o de lá, mas foi outro: os sertanejos foram condenados por serem pobres... Foram condenados em currais humanos e tratados como bichos. Sem direito a nada, somente a morrer...

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Katsuhiro Otomo, Dragon Ball Z, One Piece, Cavaleiros, Snoopy e sumiço!!!

Navegantes,
Peço desculpas pelo sumiço. Esta semana, até que houve notícias no universo animado. Mas, estou com alguns problemas familiares. Daí, bate um desânimo tão grande de atualizar o blog. Muita gente percebe que entro no Facebook e fico a jogar Cityville. Acho que vou lá para relaxar... Eu gostaria de ter condições de atualizar aqui. Mas, quando sua cabeça está cheia...  fica tão difícil...
Por exemplo: esta semana, os americanos têm muito o que comemorar. O Katsuhiro Otomo vai em um evento lá nos EUA. Eis que fica sempre minha questão: será que otaku brasileiro não tem interesse em ver, ouvir e aprender com um mestre como Otomo? Otaku brasileiro parebe sempre tão satisfeito com os artistas que vêm para cá...
Também houve o anúncio da Toei para mais repetecos: novos filmes de Dragon Ball Z, One Piece e Cavaleiros do Zodíaco. Sério... sério mesmo, não há mais o que dizer. A Toei realmente NÃO tem outros títulos. Só estes três. Tenho pena, muita dó dos mangakás e demais profissionais de animação do Japão. Porque nunca mais terão oportunidades e nem de mostrar seus talentos com suas novas histórias...
Já a Twentieth Century Fox Animation e Blue Sky Studios compraram os direitos de Peanuts, ou simplesmente Snoopy!!! E, já têm programado um filme para 2015, celebrando os 65 anos da história clássica. Acho super válido pela idade comemorativa. Mas, questiono-me como será este filme, pois é traço característico do Snoopy ser meio paradão...
Enfim... por hora é isso. Amanhã, dando tudo certinho, tem mais notinhas e/ou comentários. E, apesar do sumiço aqui, estou firme e forte no meu Twitter e no meu Facebook. Vocês me encontram lá, também...

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Ele voltou!!! Ele voltou!!! Ele voltou!!!


Navegantes!!! O amigo Dood do Esconderijo do Koi deu esta dica!!! Sim, ele... o grande, fantástico e super simpático Boca Rica voltou!!!! Este é um dos brinquedos mais legais de minha época. É curioso ver que a Estrela voltou com este produto! Igual a Nestle com o Lolo!!! As empresas que sabem atuar no Brasil, conseguem aproveitar-se da "memória afetiva" de seus consumidores! Isso é correto? Dentro da lógica marketeira-capitalista... sim! Pretendo comprar o "Boca Rica" assim que eu tiver uma graninha!!! De produtos que estão voltando, bem que a Nestle poderia trazer novamente o chocolate Surpresa. E como eu disse, para conseguir detectar tal sentimento do consumidor... só mesmo as empresas estando aqui para saber. Não adianta ficar lá longe... em outro continente e querer tirar conclusões de um povo tão cheio de diferenças sociais e econômicas. Sacaram?

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

ANIMA INFO 1549

Panini lança 20th Century Boys

A editora Panini lançou esta semana, com distribuição nacional, o mangá de suspense e ficção 20th Century Boys, pelo selo Planet Mangá. A série completa criada por Naoki Urasawa (Monster) será publicada em 22 edições bimestrais, com cerca de 216 páginas cada, no formato 13,7 x 20 cm. O primeiro volume já está disponível a R$ 10,90.
No título, a humanidade não teria superado o desastre do final do século XX se não fosse por “eles”. Em 1969, quando ainda eram crianças, “eles” criaram um símbolo. Em 1997, quando a crise se aproximava lentamente, o símbolo ressurgiu. Esta é a história de como um grupo de garotos comuns salvou o mundo.

ANIMA INFO 1548

Selena Gomez produzirá especial de "Feiticeiros"

A cantora e atriz Selena Gomez produzirá um especial do sucesso Os Feiticeiros de Waverly Place. Ela interpretou a personagem principal e a fará novamente, junto de todo o elenco. Segundo a TV Latina, um dos motivos para este especial foi o grande êxito comercial que a série atingiu.
Selena que, apesar de jovem, ganhou prestígio graças ao seriado e seu sucesso como cantora teen. O novo "Feiticeiros" deve estrear no Disney Channel americano no início de 2013. Para quem não conhece a cantora, veja vídeos do show que Selena fez no Brasil neste canal do Youtube.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

TED: e agora senhor deputado?

TED CRESCE NAS BILHETERIAS

O polêmico TED é o mais novo fenômeno de bilheteria do ano. O filme do ursinho politicamente incorreto registrou um crescimento de 6% em bilheteria e 10% em público no seu segundo fim de semana nos cinemas. TED já atingiu 550 mil espectadores desde a sua estreia.

Fonte: Press Release

Pois é... caro deputado Protógenes Queiroz... E agora, vai censurar ou mandar prender todo mundo que foi ver o filme? É muita babaquice não ver a classificação de um filme e achar que é infantil só por causa de um ursinho bonitinho. Eu falo... isso é falta de leitura. As pessoas não leem mais. Ah, e para quem não lembra, o deputado em questão queria censurar o filme devido ao teor do longa-metragem. Ele levou o filho de onze anos para ver TED. O deputado só esqueceu de ler sinopse ou ver o cartaz com a classificação. Agora, imaginem o motivo do sucesso do filme no Brasil?

domingo, 30 de setembro de 2012

Hebe Camargo, Demi Lovato e seus jovens comuns X otakus...

Navegantes!!! Este último sábado foi um tanto quanto especial. Talvez o termo certo seja interessante. Fui acompanhar minha sobrinha no show da Demi Lovato. Ao contrário do show da Selena Gomez, que curto pacas, desta vez só fui como companhia mesmo.
Lá na fila, eu soube da morte da Hebe Camargo. Não era fã dela, nem via os programas da mesma. Mas, não dá para negar uma certa falta. Afinal, desde que me entendo por gente... ela estava na TV. E é estranho lembrar que, já que muitos de minha infância estão morrendo, é porque eu também estou envelhecendo... Estranho lembrar deste fato no meio de um monte de gente jovem...
Na fila, conversando com o pessoal, percebi que houve uma certa mudança no comportamento do "jovem comum". Parece-me que eles - diferente dos "jovens comuns" de minha geração - estão mais tolerantes com tudo e com todos. Chega ser curioso perceber tal mudança e ver que ocorreu o contrário com os nichos, em especial os otakus, como citado em posts abaixo.
Não existe tolerância por parte dos otakus. É fácil achar um "jovem comum" curtir o PSY - Gangnam Style, mesmo que seja modinha... Inclusive, até foi tocado lá! Agora, vai um otaku dizer que gosta de Demi Lovato? Nossa, a pobre alma é avacalhada na hora...
Por fim, sobre o show propriamente dito: foi interessante. Prefiro a Selena Gomez e a Miley Cyrus. Mas, foi divertido ver o fanatismo juvenil pela Demi. Não imaginava que era tanto... E, ao final, eu e minha sobrinha quase fomos "levadas" com a multidão para outro show. Eram vários artistas no Z Festival. Foi uma sensação meio estranha. Só no metrô tive esta sensação do "ser levada" com a galera. E, a foto acima foi do telão. Vou ver se algum vídeo ficou minimamente bom... Mas, acho que não.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

O Povo Brasileiro: aprendendo a nos conhecer...

Nós brasileiros, nesse quadro, somos um povo em ser, impedido de sê-lo. Um povo mestiço na carne e no espírito, já que aqui a mestiçagem jamais foi crime ou pecado.
Navegantes,
Continuando meus posts sobre livros, hoje falarei de uma das obras mais importantes sobre a História do Brasil: O Povo Brasileiro, de Darcy Ribeiro. Aqui, vou mencionar minhas percepções acerca da leitura desta obra. Percepções estas que vão além do título em si...
Um ponto curioso é que, só agora com minha pós, é que realmente me interessei pela História do Brasil. Vejam que escrevi História com maiúscula, o que denomina a ciência. Por que só agora? Porque só agora estou a conhecer nossa História como ela realmente é. Daí, veio-me a mente algo curioso...
Não sei se é só percepção minha, mas os mais jovens preferem a História do mundo do que a nossa. E hoje percebo o porquê: aprendemos de forma totalmente equivoca a História do Brasil. Lembro-me de meu 1º e 2º e percebo que aprendemo-na muitíssimo mal. É como se soubéssemos que tudo aquilo ali era "fake". Faltava alguma coisa naquilo que aprendíamos.
E, só hoje entendi o que faltava: o real. Como foi, verdadeiramente, nossa História. Daí o motivo de tanto desinteresse por parte das pessoas, especialmente dos mais jovens que estão na escola. É um amontoado de textos desconexos, de assuntos e situações que parecem não se encaixar.
E, sabem o que é o pior: isso é política pública de ensino. Não mostrar o real, mas o ideal. Só que o real é muito mais interessante, mais instigante. O real faz-nos pensar em melhorias. Por isso ensina-se o "ideal ilusório". Ensina-se a farsa. Assim ninguém pensa.
Você, meu querido leitor, que queria conhecer melhor como surgimos e porque somos assim, leia O Povo Brasileiro. Conseguimos entender melhor nossas ações como nação, como povo ao ler esta obra. Curiosamente, é difícil entender como conseguimos nos manter como "nação", dadas as diferenças locais de cada região.
O que nos uniu? Dary Ribeiro disse-nos e ao mesmo tempo colocou-nos dúvidas. Ele nos faz diversos apontamentos, mas parece-me que o antropólogo aponta a incrível miscigenação que se deu. E, pela força bruta usada para que esta união se mantivesse em muitos momentos. E mais alguma coisa...
Ou seja, se você quiser entender, ou começar a entender nossa História, nossas ações, leia O Povo Brasileiro. E vejam, eu disse entender e não aceitar cegamente. Com o que aprendemos, podemos pensar em possibilidades de melhorias. Pensar é a palavra-chave. Porque com o que aprendemos na escola, não pensamos. Logo não discordamos e assim, perpetuamos tudo o que está ai...
É possível melhorarmos? Acredito que sim. Mas, para isso, é bom nos conhecermos. Por isso nenhum governo quer mudar a forma do ensino. Do pensamento saem mudanças, né? Leia. Não fique com preguiça ao ver as mais de 400 páginas, porque é um livro fácil de ler e compreender.
Afinal, somos um povo que aceitou ser brasileiro, porque não era nem nem indígena, nem africano e nem europeu. Na falta do que ser, somos brasileiros. Quer entender melhor? Então vá a uma biblioteca e leia. Ou compre, a versão de bolso não é cara. Para quem gasta R$ 15,00 em cada quadrinho, mangás ou DVDs, gastar R$ 25,00 com om livro é proveitoso e ideal, certo?

ANIMA INFO 1547

Mais informações do retorno das histórias inéditas do Zé Carioca

A editora Abril está, finalmente, dando corpo ao seu projeto de retomar as publicações de histórias inéditas do Zé Carioca. Caso não hajam mudanças, serão dois especiais. Um em outubro e outro em novembro. O de outubro traz todas as tiras do personagem da década de 40.
Já o especial de novembro trará as duas HQs inéditas atuais. Uma HQ de Fernando Ventura. E uma outra história de Arthur Faria Jr., com desenhos de Luiz Podavin. Os dois especiais terão 300 páginas, com as histórias e também matérias. Outras informações em breve.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

OTAKU: você se considera um? Oh coitado...

Navegantes!!! Dias atrás, a Michele Rommel fez um post no Nós Geek: Otaku x Alienação – Quando o hobby ultrapassa limites e se torna algo nocivo. Foi um post curioso: bem pessoal, mas bem elucidativo. E totalmente correto.
Quem participou da "segunda geração" de "otakus" no Brasil como eu e possivelmente ela, tem sentido cada vez mais vergonha "alheia" dos jovens otakus atuais. Sou de uma época que otaku tinha uma conotação diferenciada de um "nerd" normal. Hoje, o otaku brasileiro tem se aproximado demais do otaku japonês. Ou seja, uma criatura que só pensa no universozinho dele.
São aqueles tipos que veem mangá, anime e games e tudo que tenha uma relação com uma personagem qualquer "gostozinha ou fofinha", que critica tudo o que não for jpop ou jrock. Leio umas "pérolas" no Facebook que dão medo. São comentários desprezando nossa cultura em sua totalidade: nossos autores literários, nossos desenhos, nossas novelas, nossos cantores. Ou seja, tudo.
Pergunto: o que esta gente tem na cabeça? Sinceramente, não sei. Li outro dia nos comentários daqui do site e, para variar, lá no Facebook o termo "elite otaku". Elite, segundo o Houaiss, tem diversos significados. Dentre eles:

- o que há de mais valorizado e de melhor qualidade, especialmente em um grupo social;
- MINORIA QUE DETÉM O PRESTÍGIO E DOMÍNIO SOBRE O GRUPO SOCIAL;
- (...);
- MINORIA DOMINANTE;
- o que há de melhor;
- escolher, eleger

Daí pergunto: em que esta gente se considera "elite"? Privilegiado em quê? E pior: dominante ou ter prestígio para quem? Nem mesmo no meio, vide empresas do setor, otaku tem algum respeito. Não há animes na TV, logo não têm privilégios. A maioria dos mangás tem distribuição setorizada, logo os otakus não têm privilégios em bancas. Quase não há mais lojas especializadas em mangás e animes, diferente de comics. Ou seja, eu sinceramente gostaria de saber de onde saiu este termo, porque de uma "elite tradicional", otaku não tem nada.
Até mesmo entre os "nerds", podemos dizer que trekkers, fãs de Star Wars, heróis, etc, são elite. Porque há muito mais produtos em lojas especializadas (ou não especializadas) para estes consumidores. E por quê? Porque os citados acima não dependem de dinheiro de "papai ou mamãe". A verdade é que são poucos os otakus que têm "grana própria". Ou seja, nem "elite" dentro de casa este povo é.
Difícil entender estes jovens. Na minha época, não desprezávamos nossa cultura. Gostávamos de Armação Ilimitada, víamos novelas como Vamp... Víamos nos animes um novo estilo. Algo para juntar quem gostava da mesma coisa. Mas, não queríamos nos isolar, mas sermos respeitados.
Hoje, com tanta besteira que esta molecada tem dito - que nem é "revolta", mas infantilidade mesmo - eu e muitas pessoas de minha idade temos vergonha do termo "otaku". Crescemos? Sim. Trabalhamos? Sim. Temos grana para comprar produtos importados? Sim. Mas, nem por isso consideramo-nos "elite". Porque "elite" é outra coisa...
Eu gostaria que, se possível, meus leitores "retwittassem", colocassem no Facebook, comentassem para estes mais novos. Isso é sério. É muito sério. Nossa cultura não é para ser desprezada. Nossas novelas, nossa música, nossos filmes, nossos desenhos, nossa literatura, nossos quadrinhos. Nem mesmo nossas "porcarias" culturais...
Esta galera fala tanto do Japão, fala tanto de seus animes. Vejam se algum japonês despreza sua própria cultura. Não desprezam. E estão certos. Eles não se desprezam. Muito pelo contrário. É um povo que se dá respeito. O único grande elemento da cultura pop que, aparentemente, eles desprezam são justamente os otakus deles. Porque otakus é isolado, é um doente que não consegue minimamente ter uma vida em sociedade. É delírio meu? Não. Se você se considera um otaku, por gentileza, leia o livro Otaku - Os Filhos do Virtual de Étienne Barral. Quem sabe assim, você não muda um pouco de ideia quanto a ser um otaku...
Existem problemas sérios em nosso país? Existem. Mas, ao invés de "endeusar" outro país, tentemos melhorar o nosso. Não adianta reclamar de político, mas não devolver "troco a mais". Jogar lixo na rua, furar fila... A mudança começa de nós. Nossa cultura é riquíssima. Se não conhecem, é porque não querem conhecer. Não querem se abrir, ou seja, querem mesmo, ser "otakus", ser isolados, ser infantis a vida toda.
Endeusam tanto uma cultura que também tem influências externas. Ou, será o que "j-rock" é puro? Afinal, é "rock", né? Onde nasceu o rock? Onde nasceu o jeans? Inclusive eles sofreram uma forte influência de outras culturais. Então, não vamos desprezar nenhuma cultura. De nenhuma lugar. O mundo é globalização há séculos. As influências são diversas. Em todos os lugares. Mas, como eu disse acima - já estou a ser repetitiva - não vamos ignorar, especialmente, a nós mesmos.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

ANIMA INFO 1546

ABRADEMI retorna suas atividades com encontro de Lady Oscar
A ABRADEMI - Associação Brasileira de Desenhistas de Mangá e Ilustrações - retornará suas atividades no próximo domingo com um encontro sobre Lady Oscar - A Rosa de Versailles (Versalhes). A atividade comemora os 40 anos do lançamento do mangá, um dos mais representativos e influentes no estilo feminino tanto no Japão como na Europa.
Haverá uma palestra de Cristiane Sato - autora do livro JAPOP - O Poder da Cultura Pop Japonesa -, mostra temática, exibição do animê dublado e interpretação da música-tema pela cantora Camila Sakihara. Além destas atividades, ocorrerá outra, uma aula de desenho mangá.
O encontro acontece no Assistencial Mie Kenjin Brasil: Av. Links de Vasconcelos, 3352, próximo ao Metrô Vila Mariana. É necessário levar 3 KG de alimentos não perecíveis ou então R$ 10,00. Outras informações, acesse os links acima.
Vale recordar que houve um hiato de 10 anos de atividades da ABRADEMI. A importância história da associação para o mangá/ anime no Brasil é incontestável, já que a mesma realizou o primeiro evento de mangás/ animes e também diversas palestras com dubladores e outros elementos ligados à cultura pop japonesa.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Censura à obra de Monteiro Lobato: a eliminação do passado...

Navegantes,
Hoje, alguns sites, entre eles o da Veja Online, divulgaram a intenção do STF (Supremo Tribunal Federal) em banir das escolas a obra Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato. O motivo seria o racismo contido no título.
Pois é... como assim? Gente, o livro foi escrito em 1933. Naquele momento havia um racismo ainda mais latente que hoje. Não estou dizendo que isso é certo. Estou dizendo que havia e isso estava transcrito em algumas obras. O que querem fazer, afinal?
Eliminar o passado como ele foi? As pessoas não entendem que a negação de um fato só o reforça? Quando se quer apagar, eliminasse a existência do fato e, sem lembrança, corre-se o risco de que o mesmo volte a acontecer. É, no mínimo, ridículo querer tirar um livro das escolas por este motivo.
Onde estão e qual o papel dos professores, então? Não é justamente contribuir na educação e orientar? Não cabe a eles orientar sobre o momento histórico o qual o livro foi escrito? Alguns vão dizer: "mas criança não vai entender a explicação"... Desculpem, mas quem diz isso está subestimando e ajudando as crianças de hoje a serem, no mínimo, imbecis. Vou contar uma historinha...
Quando eu estava na terceira série... Havia uma colega negra e gorda na sala. Um dia, um moleque mala tirou sarro dela por estes motivos. Minha professora ficou metade da aula em um sermão que nunca esqueci. E tenho certeza muitos de meus colegas nunca esqueceram. Ninguém tirava mais onda com ela... Só os tontos mesmo...
Ou seja, dizer que crianças não entendem é subestimar a inteligência das mesmas. Eliminar o passado só faz com elas desconheçam e cometam os mesmos erros.
Reclamem em seus blogs, sites, redes sociais. Com seus professores e onde puder. Não podemos deixar que apaguem a nossa História e a nossa literatura. As mesmas devem ser explicadas, e não eliminadas como se nunca tivessem existido. O politicamente correto está gerando frutos nefastos com a ausência da História. Daqui a pouco, viveremos o mundo de 1984 de George Orwell, em que toda a História fora eliminada e alterada. É isso que queremos?

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

ANIMA INFO 1545 - Especial

ParaNorman, uma animação com "conteúdo"

ParaNorman é ambientada uma animação  na cidade de Blithe Hollow, local que 300 anos atrás, houve uma famosa caça às bruxas. O menino de 11 anos Norman passa a maior parte dos seus dias apreciando filmes de terror e estudando crenças sobre fantasmas. Ele realmente tem a habilidade de ver e falar com os mortos, como a sua avó. No colégio, Norman se esquiva do bullying de Alvin e troca ideias com seu amigo Neil.
O garoto é contatado inesperadamente por seu estranho tio Prenderghast, com a revelação de que a praga de séculos da bruxa é verdadeira e está prestes a se tornar realidade. E, apenas Norman é capaz de impedir que isso possa atingir o povo da cidade. Quando um grupo de sete zumbis subitamente se levanta de sua sepultura, Norman descobre que está numa corrida contra o tempo junto de sua irmã e amigos.
A animação é uma produção da Focus Features e LAIKA, as companhias de Coraline. Após este título, ParaNorman é o segundo stop-motion de animação feito pela LAIKA em 3D, juntando as duas formas de arte para contar uma história assustadora, engraçada, mágica e emocional, hilária e assustadora.
Apesar de inicialmente parecer uma história comum, ParaNorman é uma animação tão densa, quiçá mais, que Rango. Sua inovação não se dá pela parte técnica. Mas, pelo argumento e roteiros muito bem trabalhados. Não é um título previsível. Ao contrário, há muitos elementos inesperados na história. Tão inesperados e instigantes, que nem é possível citá-los neste artigo para não estragar a percepção da obra. E filme também consegue subverter a lógica dos zumbis com muito bom humor.
Infelizmente, este longa-metragem animado não foi bem de bilheteria nos Estados Unidos, o que pode afetar seriamente sua "estadia" nos cinemas locais. Não é uma animação infantil. Inclusive, segundo a assessoria, algumas crianças saíram chorando em algumas prévias. Realmente, Paranorman faz-nos chorar.
Não de medo. Mas, a histórias nos remete a algo que pode ter acontecido. Algo tão profundo e sério, que bate nas portas da sociedade conservadora americana e, inclusive, na brasileira. E deixa-nos com uma indagação: o que o ser humano seria capaz de fazer por medo? As cenas finais também causam um sentimento interessante, de algo que ocorre em nossas vidas, mas que não temos coragem de admitir.
ParaNorman estreia esta sexta-feira em circuito nacional. Entretanto, fica o registro para que se veja logo este filme, pois, dada sua estranheza, corre o risco de ficar pouquíssimo tempo em cartaz. Mereceria um Oscar de roteiro. Mas, nem para animação, o conservadorismo de Hollywood permitiria uma indicação.

Olha o Kenshin nos mostrando uma terra sem lei...

Navegantes! Apesar da ligeira sumida desta semana, estou vivinha! Bem, sumida aqui porque continuo firme no Twitter! Estes dias, houve uma notícia que me deixou muito contente: a vinda do filme Rurouni Kenshin ao Brasil.
Vocês sabem que gosto muito desta história. E, acho que o filme realmente deve ser bom. Os trailers, ao menos, dã-nos esta sensação! Houve uma overdose de notícias nas redes sociais. Mas, o que me chamou a atenção em diversos lugares foi a total falta de citação da fonte! E, depois do que li nos comentários deste post da Mara, só tenho uma coisa a dizer.
Para quem não percebeu... não se atentou... O correto é citar uma fonte, seja lá de onde ela for. Seja de site nacional ou internacional. Algum site foi efetivamente o primeiro. Além disso, há ocasiões que existem exclusivas. Mas, recentemente, vi sites pegarem sumariamente notícias exclusivas de outros sites. E não foi só caso citado. Foram "outros casos"...
Sério mesmo gente... vocês acham isso certo? Sempre que é possível, especialmente quando há uma única fonte, o correto é fazer uma citação. Não vai deixar nenhum site "menos site de notícias". Não vai deixar ninguém "menos" por isso. Ao contrário, dará mais credibilidade.
Fico chateada porque tenho falado disso há anos. Mudam sites, mudam os nomes, mas este tipo de procedimento continua, como se a internet fosse uma terra sem lei. E não é preciso "Lei de Imprensa" ou quaisquer outros tipos de artifícios. Basta que haja a "lei do bom senso e respeito".
Tenho certo receio, pois a falta de citações têm sido recorrentes. Especialmente na "midia especializada" que a Mara (lá do post) sempre comenta! Galera viu Kenshin e outros tantos animes, alguns destes que narram tanto a hombridade... Mas, na hora de aplicar na vida cotidiana... A internet só se faz terra "sem lei" quando falta sensatez... Tentemos, todos nós, ser um pouco sensatos. Para pensar gente...

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Leia Mais, Seja Mais

Você conhece a biblioteca pública da cidade cidade? Ou bairro? 'Leia Mais, Seja Mais'!!!

terça-feira, 28 de agosto de 2012

ANIMA INFO 1544

JBC relança Samurai X no Brasil com titulo original

Segundo press release, a JBC continuará sua política de relançamentos para os próximos meses. Depois de Sakura Card Captors, chegou a vez de Rurouni Kenshin voltar às bancas brasileiras em uma edição que a editora chama de "caprichada". Ambos foram os primeiros títulos de mangás lançados pela JBC em 2001. Naquela ocasião, os volumes originais japoneses eram divididos em duas edições cada e muitas adaptações da tradução seguiam os nomes usados nos animes, que faziam sucesso na TV brasileira. O mangá será relançado com seu nome original: Rurouni Kenshin.
Apesar da editora informar que este é um "pedido dos fãs e leitores", a alteração do título em português para o original é uma determinação do licenciador japonês. Todo o texto está sendo revisado, readaptando algumas expressões e retraduzindo outras. A nova versão já está em processo de produção, mas ainda não tem data de lançamento devido às aprovações no Japão. No entanto, a previsão é de que esteja nas bancas brasileiras ainda este ano.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Aquele tal mercado de mangás: o exemplo de Hero Party Comic

Navegantes,
Costumo mencionar possibilidades para o mercado de mangás, animes e etc. Hoje, tivemos uma grata surpresa com Hero Party Comic, quadrinho em estilo mangá nacional, de Marcelo Cassaro e Érica Horita. Os dois fizeram um "chamado" pelo Kick Starter, que é, basicamente, um site de vaquinha online. O projeto alcançou o valor inicial e estão em uma etapa seguinte. Não será somente um quadrinho online. Dependendo do valor, a pessoa poderá ter uma versão impressa.
Alguns navegantes podem pensar: eu gostaria de fazer o mesmo... mas não sei inglês para me inscrever no site. Bem, aos que não sabem, há um site brasileiro que faz mais ou menos a mesma coisa: o Catarse. O link que coloquei é especialmente de projetos de quadrinhos. Ou seja, uma boa possibilidade.
O fato faz-nos pensar na atual situação do quadrinho nacional. Como nos mostra o site Cultura e Mercado, o atual momento das HQs brasileiras passa por um dos seus grandes momentos de reflexão. Acredito, sinceramente, que Cassaro e Horita encontraram uma das formas mais dignas de fazer quadrinho, já que as editoras não fazem nada.
Por fim, espero sucesso ao projeto. E espero que, algum dia, o Cassaro possa pensar em levar para frente algum projeto de licenciamento. Porque é no licenciamento que a grana realmente rola. Afinal, ele trabalha para o "maior quadrinhista/ empresário" brasileiro de quadrinhos (Maurício de Sousa), não seria feio imitá-lo.

Saúde a todos nós...

Navegantes,
Meu sumiço dos últimos dias se deu por causa do trabalho. E, depois, por um mal-estar chato. Ainda não estou bem... bem! Uma crise de sinusite que pode contribuir para algo pior. Espero me safar de uma crise de amigdalite. Minha garganta está mais para lá do que para cá...
Lembram do problema da Vivo? Então... finalmente foi resolvido. Apesar dos pesares, a Vivo ainda é a melhor operadora, com o melhor sinal... Se bem que o termo correto seria "a menos pior"...
Que mais... Bem, é isso. Espero retornar aos poucos e sem mais complicações de saúde... Porque olha... Só quem está em Sampa sabe como o tempo está seco. E não é um seco solitário. É um seco misturado com poluição. Algo quase sufocante... Saúde a todos nós!
←  Anterior Proxima  → Inicio