Desejo: Boas Festas...

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Classes A e B são as que mais consumem pirataria...

Navegantes,
É com muito pesar que posto abaixo alguns trechos da pesquisa divulgada pela FECOMÉRCIO-RJ. Clique no link ao lado para ler tudo. Sabe o que é mais triste? O grosso da pirataria vem de quem tem grana... Isso é surreal. Uma tristeza. E, ao participar hoje do Licensing Brasil Meeting é que dá para perceber como ler esta pesquisa é cruel.
Há todo um planejamento da maioria das empresas, há um gasto enorme para apresentação de produtos - com a produção de protótipos, etc - gasto de locação, etc. Daí, as pessoas mais abastadas são justamente as que mais adquirem pirataria? Olha... só mesmo um rostinho triste para expressar a situação (-_-).

Pesquisa da Fecomércio-RJ/Ipsos revela que o consumo de produtos piratas pela população brasileira cresceu entre 2010 (48%) e 2011 (52%). Esta é a primeira vez desde o início da pesquisa (2006) em que mais da metade da população admitiu ter comprado algum produto pirata no ano. Transformando este percentual em números absolutos, aproximadamente 74,3 milhões de brasileiros contribuíram com este crime, ante 68,4 milhões no ano passado. Ou seja, cerca de 6 milhões de brasileiros que não consumiam produtos piratas em 2010 passaram a comprá-los este ano.
Um dado alarmante revelado pelo levantamento é a significativa adesão das classes A e B ao consumo de produtos piratas de um ano para o outro. Em 2010, 47% dos entrevistados destas classes afirmaram que adquiriram algum item dessa natureza. Este ano, 57% admitiram ter comprado produtos falsificados.

←  Anterior Proxima  → Inicio

7 comentários:

L.Karina disse...

É um dado bem interessante.Mas eu já desconfiava.No caso de industria musical quem mais defende a pirataria porque CD e DVD de bandas é ''muito caro'' é gente que pode comprar um computador super potente e baixar tudo de graça.

Makabro disse...

É Realmente triste.

Lendo o trecho, " (...) brasileiros que não consumiam produtos piratas em 2010 passaram a comprá-los este ano. (...)", não deixo de pensar que o que está acontecendo na verdade é que mais brasileiros estão admitindo que compram produtos piratas e não que o consumo é que está aumentando.

Anônimo disse...

Discordo desta pesquisa. Acredito que a classe A não seja a maior consumidora de pirataria. Só se for no Rio de Janeiro, cidade que gosto muito e realmente é maravilhosa. Acredito que as classes menores são as que mais consomem em todo o Brasil. Poi~s não vemos barraquinha de cds e dvds piratas na Oscar Freire, defronte ao Iguatemi ou outro endereço cuja classe A costuma frequentar.
By Francisco Ronaldo.

hik disse...

Mas tem de se levar em conta o "tipo" de produto que passa por essa pirataria, na maioria das vezes o termo é utilizado de maneira que englobe tudo que é vendido de forma "ilegal", não levando em conta que a maioria dos produtos oriundos desse tipo de comercio são os que não estão disponíveis legalmente no Brasil. Comenta-se muito das marcas de roupas e calçados por exemplo, mas sabe-se que somente "restos" de suas coleções são postas a venda no Brasil e quem quer comprar a parte "boa" das coleções deve importar com carga tributária que varia de 60 a 70% do valor do produto (!!!), ou comprar uma versão chingling por aqui mesmo. E quando uma empresa decide vender seus produtos por aqui todo mundo sabe da alta taxação que elas sofrem, hj em dia o governo usa o termo "proteção dos nossos produtos" como forma de mascarar a expressiva quantidade de impostos. Se o Brasil não produz GAMES, por exemplo, não há o porque da carga tributária sobre estes alegando "defesa do produto nacional". Não dá pra sair por ai crucificando quem compra esse tipo de pirataria . . . a pessoa não tem opção . . .

Agora quando é pirataria de um produto nacional, como CD's e DVD's a coisa é diferente mesmo, é sacanagem ter o produto nacional disponível e adquirir uma versão pirata deste.

The Fool disse...

Sandra monte, te apresento o Brasil.
Sem mais.
Beijos!

panzer disse...

Isso eu já sabia. Todos os amigos que eu conheço que estão nessa classe me chamam de otário por tentar comprar produto original, mesmo tendo que pagar em nao sei quantas vezes sem juros.

Patrick Raymundo disse...

Pois é, e tem gente que ainda defende a pirataria como se fosse algo bom. Como sempre digo, a pirataria mata empregos, mata o comércio, e, dependendo para onde vai o dinheiro adquirido pela pirataria, pode destruir famílias.

Ei, estou com blog novo. Gostei tanto do seu site, que isso me inspirou a mudar o meu. :)