Desejo: Boas Festas...

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Mercado de animes no Brasil. Fã realmente ajuda?

Navegantes,
Estou aqui para tecer alguns comentários acerca da situação dos animes no Brasil. A atuação situação da animação japonesa no Brasil não é boa. Acho que isso está meio que evidente para todos os apreciadores. Especialmente depois do ocorrido com a Rede TV.
Além disso, também percebemos os problemas quando vemos que Cavaleiros do Zodíaco clássico não decola. Não decola, pois o tempo de CDZ já passou. A galera interessada já comprou os DVDs e mais, a molecada nova quer ver Naruto, Ben 10 e os seriados da Disney. De repente, até Saint Seiya The Lost Canvas (聖闘士星矢 THE LOST CANVAS 冥王神話) pode ser o "algo" novo...
Também tenho visto alguns fãs desejarem o retorno de animes antigos. Olha gente, sério, não quero jogar balde de água fria em ninguém... Mas, certas coisas não devem mais acontecer por uma questão temporal... Uma emissora costuma comprar aquilo que as empresas japonesas oferecem a elas em feiras e eventos internacionais. E as empresas japonesas tentam vender o que é novo. Elas próprias já engavetaram os animes antigos.
Além disso, as emissoras têm interesse natural em querer comprar o que é novo também. É algo temporal. Já imaginaram se fãs de Jornada nas Estrelas pedissem o retorno da série no horário nobre? Isso é surreal. Fã que é fã já comprou a série em DVD. E pedir até podem, mas outra coisa é uma emissora exibir...
Parece-me que o momento para o universo dos animes não é muito bom. Não há títulos novos oriundos do Japão. Basta ver a lista dos animes mais vistos. Não há um título recente dos últimos três anos. Ou seja, se eles estão em crise de criação e se não fazem nada novo, logo não vendem nada novo. É um momento sazonal. Agora, tentar retomar o que já deu certo, é sempre complicado. Especialmente esperar que a TV - principalmente a aberta - dê atenção a títulos antigos.
É sempre bom lembrar que muitos títulos deram certo por diversas questões externas e não somente porque o título é bom. Quando CDZ veio ao Brasil em 1994, o momento do país era outro, não tinha internet, não tinha anime na TV... Ou seja, o contexto de época tem que ser levado muito, muito a sério.
Por fim, em partes, concordo com o comentário do Nelson Machado lá no Papo dele. E ele não é qualquer um... Fã ajuda em partes. Mas, em certo ponto, acaba atrapalhando. Vejam: se as empresas japonesas e afins tivessem algum tipo de organização empresarial em território nacional, não precisariam de fãs. Elas fariam tudo o que um fã quer, sem este meter o bedelho...
A galera não gosta de meus comentários, mas... Vejam o caso da Disney. A empresa sabe o que tem que fazer em relação aos seus títulos. Não depende de nenhum fã para organizar, contratar, traduzir, editar, mandar dublar, organizar o marketing, etc, etc etc... A Disney, Warner, NBC Universal fazem tudo isso sem a ajuda de ninguém. O que se vê por aí? Tudo: produtos, exibição "decente" (nos moldes atuais da nossa televisão), propagandas e tudo mais o que é necessário.
O que falta é justamente as empresas de animes japonesas se instalarem fisicamente no Brasil, para elas próprias tomarem as rédeas da situação. Sem interferência exagerada de fãs, com um funcioamento em esquema verdadeiramente empresarial, como fazem as empresas americanas. Afinal, para alçancar o público nacional, a Honda, Toyota e afins tiveram que se instalar no Brasil, certo? O mesmo vale para as empresas japonesas de entretenimento. Demorou para fazerem isso em nossas terras. E olha, o Brasil é grande e rico o suficiente para que se instalem aqui.
E outra coisa, minhas considerações são sempre em prol de melhorias do mercado nacional de animes. Que, diga-se de passagem, praticamente inexiste. Não sou contra animes na TV, nem de fãs. Mas, sou a favor que as coisas sejam levadas a sério, como têm que ser e como acontecem com outras empresas de entretenimento.
O Nelson está certo quando diz que fã é fã. Quando começa a entrar em outro campo, deixa de ser fã. Fora isso, fã sempre é passional, sempre vai achar tudo as mil maravilhas e acredita que aquilo que ele tanto ama vai dar certo simplesmente porque é "bom". E o mercado mostra que não é bem assim. Já deu várias provas disso. Tanto que teve "muito fã" ajudando em CDZ e o que aconteceu? O resultado está aí... Para todo mundo ver ou não ver...
Não levem a mal o que ele disse, e nem o que eu estou dizendo. Mas, depois de tantas lambadas, na primeira exibição de CDZ (que teve a ajuda de fãs), esta agora (idem), tenho medo, por exemplo, desta história de fãs ajudando exarcebadamente Sailor Moon. Precisaria mesmo? Olhem um pouco para o que é a Disney, Warner, BC Universal... Até mesmo o que é a Exim Licensing, Creative Licensing...
Vejamos, por exemplo, Naruto. Não há interferência de fã e Naruto é o anime mais conhecido hoje. E aí dos organizadores nacionais se a Viz Media fica sabendo de uma "eventual" ajuda. E lembremos, que tem muito produto de Naruto por aí... E, diga-se de passagem, o termo já é ruim. "Ajuda" não é algo profissional.
Fica o registro e o pensamento para os fãs divagarem... E novamente, fica a lembrança de que os fãs devem começar a pensar e pedir por exibições em "streaming", por que é a única forma de animes dublados serem exibidos decentemente... Não esperem por promessas de televisião...

←  Anterior Proxima  → Inicio

38 comentários:

Nelson Machado disse...

Valeu, Sandra. Obrigado pelo apoio. E pelos acréscimos valorizados pelo seu grande conhecimento no assunto. Um abraço!

Rodrigo Yanagisawa disse...

Eu concordo com o q vc disse, e gostei da sua idéia de exibição em streaming. Eu sou fã de animes/mangás de longa data, e já faz um bom tempo que não vejo mais importância em exibições de anime na tv. Assistindo a programação matutina da tv aberta, noto que não é feito nenhum esforço para conseguir audiência do público infantil. Pelo que eu saiba, somente a TV Globo exibe desenhos na parte da manhã. As outras emissoras exibem programas de variedades mais voltadas à dona-de-casa. As emissoras perceberam (antes dos fãs de anime) q as crianças de hoje não assistem mais tanta televisão como antigamente. Como fã, eu prefiro muito mais a venda de produtos relacionados ao desenho do que a sua exibição na TV. Diferentemente da situação dos animes, no Brasil o mercado de mangás cresce. Se certo mangá já é publicado com uma boa distribuição e boas vendas, então certamente já existe um público formado de fãs que comprariam produtos relacionados, gerando lucro. Já se foi o tempo de formar público usando somente a TV. A idéia do streaming é muito boa e eu apóio totalmente, mas além disso no contexto brasileiro acho q os mangás também devem ser vistos como uma boa ferramenta criação de público e medição do mercado.

sandra monte disse...

É que eu acho uma pena Nelson, porque estas "ajudas" ocasinam em um tipo de "estagnação", em uma "involução" do mercado.

O mercado de animes NUNCA será profissional assim. NUNCA.

Depois os fãs se queixam que só tem seriado da Disney na TV...

A Disney tem profissional de marketing... que sabe o que tem que fazer. Ela não poe fã para fazer nada.

Enfim...

sandra monte disse...

O que mais me surpreende Rodrigo, é o fato da internet ser usada para pesquisa, para propagação de ideias, mas "não" é ideal para exibição.

Isso é ilógico.

fe disse...

Concordo com o que voce disse sou fã de anime de longa data hoje estou com 21 anos e é claro sou muito fã de cdz e concordo com o que voce disse já passou a época no meu caso como voce bem disse tenho todos os dvds então para que vou querer ver na tv o que eu ja vi mais de um milhão de vezes e no caso de lost canvas acho que nem daria pra passar na tv por que só tem 13 episodios mais é o que voce disse falta coisa nova no Brasil e no japão mais ficar só olhando o antigo e não ver o novo concerteza atrapalha o desenvolvimento no mercado do Brasil .Eu acho que um problema dos animes no Brasil é que eles são tratados como algo para crianças o que ao meu ver não é o caso.Caramba estou concordando em tudo com voce

Othon Pereira de Noroes disse...

Público não é mais fiel a nenhuma TV

http://othonnoticia.blogspot.com/2010/07/polemicapublico-nao-e-mais-fiel-nenhuma.html

Patrick (Matu) disse...

Trazer um escritório de alguma distribuidora ou estúdio japonês é o principal passo para amadurecer o mercado e eu espero por isso há anos. Esse negócio de contar com o fã para distribuir, legendar ou fixar uma animação não deu certo. O mercado de tv aberta de animês perdeu espaço e diminuiu. Como disse em outro comentário, o melhor seria uma exibição de animês pela web, e com legendas ou dublagem na língua do país, em uma página oficial de algum estúdio (Toei, Bandai, Xebec...). E eu agora acrescento: utilizando propaganda em banners para manter o site no ar. Há de se colocar nesses websites uma lojinha com Blus, DVDs, figures e coisas do tipo, para melhorar o lucro. Ou seja, a via de mercado seria outra.
Criação de um escritório> verificação da necessidade do mercado>
investimento correto, e em produtos corretos> investimentos em propaganda para atrair público>
vendas.
Resumidamente, os japoneses teriam que investir (investir e investir) para melhorar o mercado. É um pouco de Administração. Mas eles não fazem isso, eles preferem entregar o material deles para empresas americanas e sabemos o que isso faz com as séries (VIZ, 4KIDs, etc..).
Bom, desculpem o desabafo! Enfim, concordo com a Sandra!!

Othon Pereira de Noroes disse...

é culpa Ministério da Justça……..

Ministério da Justça quer Acabar país livre com igual Venezuela…..


1) TV Cabo ficou pior pedeu espaço Animes e desenhos …

Animax perdeu um treço…

Nickelodeon pedeu espaço desenhos para porcaria Série Americanas….

cartoon network perdeu espaço Desenhos com filmes…..

por que SKY E via embratel não botar para Tooncast é preguiça…

2)Daqui a pouco Ministério da Justiça quer tira com desenhos ,pode ser risco é o fim do REBÚBLICA ,a volta ditadura militar século 21,Ah Brasil…

3) Ministério da Justça que ficar rico, mas O povo Brasleiro passa fome………

Ah Brasil……………..

Fã de Anime disse...

Post tendencioso e cheio de inverdades. São os fãs que sustentam as séries nos dias de hoje e culpá-los pelo fracasso de uma série na TV ou pela ajuda de fãs na produção de produtos é muito leviano.

A questão é cultural do brasileiro, que sempre quer levar vantagem em tudo. Crianças que nasceram na geração Internet, ficam espantadas ao saber que fazer download de música, filmes e desenhos é algo ilegal, que incentiva a pirataria e prejudica empresas licenciadas. Tudo é questão cultural.

Fazendo uma analogia ao futebol, este seu post indicaria que você faz parte da "imprensa marrom".

John's Chronicles disse...

Eu definitivamente concordo com TUDO q vc disse. Adoro a mobilização q os fãs se propõem a fazer. Eu mesmo ajudo pessoalmente o pessoal de Sailor Moon.

Mas foi o q vc disse. Precisa mesmo da gente ter q se mobilizar pra coisa sair do papel? Pô... Quando SM voltou em 2000 e eles fizeram a adaptação ninguém se preocupou em revisar e aprovar o trabalho feito. SMR ficou aquela merda q todos vimos. E nem estou falando da troca de vozes ñ. Mas falar q as “sailor moons vão nos salvar” ñ tem como engolir.
O Junior Fonseca do Anime pro ajudou na adaptação de Naruto assessorando; mas foi um trabalho profissional. Muitos fãs ñ gostaram de certas adaptações, mas tudo foi feito de caso pensado com o intuito de uma melhor penetração do anime. Aí lançaram os DVDs de forma digna com versão cortada e original (simplesmente um ótima iniciativa)

Aí, vem a Toei e deixa a Playarte lançar os DVDs de One Piece e Dragon Ball num formato q ninguém vai comprar. Poxa... Eu queria muito ter os boxes das duas séries. Mas DB com 3 episódios p/ 30 reais e One Piece picotado pela 4Kids ñ dá. Independente de tudo a Toei devia entender q o mercado brasileiro é diferente do americano, e q esse tipo de "edição" ñ ajuda em nada nosso mercado, pq afasta os fãs o q impede do público em geral conhecer e consumir o produto.

Aí cancelam o título pq ninguém comprou, mas parece q lançaram pra ninguém comprar mesmo. One Piece já rodou. Dragon Ball vai ser distribuído em 51 discos deixando a série custando R$1524,90. Cara, fica mais barato importar os DVDs do Japão. Fora q os fãs já baixaram tudo de forma ilegal. é chato dizer isso, mas já aconteceu. Só investiriam no produto se fosse feito de forma especial assim como foi o lançamento nos EUA, babei nos boxes de DB quando os vi no Amazon. Mas ñ compro pq sou fã da dublagem nacional e quero muito ter os episódios. Fora q deviam ter redublado algumas partes do desenho (as cortadas e com diálogo alterado) assim deixaria os fãs com gostinho de produto exclusivo, pq dublagem do texto original nunca teve, nem na primeira vez q DB passou em 96. Quando passou na Globo então o texto foi alterado de novo pra passar pela censura daqui. Fora q a Playarte poderia ter investido tb na dublagem de One piece sem cortes. Imagina só o fuzuê q ia dar em poder ver os piratas bebendo cervaja (ao invés do suco de Toranja, eca!!!) dubladinho em português. Eu compraria feliz da vida um box com 26 episódios correspondentes a metada da temporada sem reclamar. No caso de Sailor Moon eu só acho q vai dar certo em DVD se eles lançarem cada temporada dividida em 2 boxes cada uma. 10 boxes no total. Com som original e dublagem é claro. Fico triste em ver como alguns grupos de fãs fazem o trabalho melhor do q a distribuidora oficial. Não ficaria caro e garantiria ao consumidor o lançamento de toda coleção. Não fazer q nem a Flashstar fez em 2001 lançando 2 DVDs com os primeiros 9 episódio sde SMR co a dublagem mal adaptada e ainda cortados (os DVDs ñ tem nem a introdução dos episódios exibidos no cartooon).

John's Chronicles disse...

Só os executivos ñ entendem q a época de Cavaleiros passou. Não estou desmerecendo a série. E adorei a comparação com Jornada nas estrelas. Quem é fã de Jornada sabe da dificuldade q a série teve pra ser exibida aqui, The new Generation, Deep Space nine e Voyager só passaram mutos anos depois dos EUA pq os poderosos ñ acreditavam q Jornada era lucrativa. Mas alguém e hoje temos os DVDs de todas as temporadas da série clássica, The new Generation e Enterpirse lançados (só falta concluírem as outras duas). Mas voltando a cavaleiros, a série já provou sua força há tempos. A venda dos DVDs prova isso, mas quem vai querer ver a saga de hades picotada na TV? Os fãs já compraram os DVDs. Pro público geral assistir a emissora tem q se comprometer a exibir e ñ ficar de palhaçada q nem a BAnd.

Sei q pra se tornar a Disney seria complicado. Afinal de contas, eles têm anos no mercado e já aprenderam com seus erros no passado. Mas ñ custa tentar andar pelo caminho dela. As dublagens da Disney sempre são vistoriadas pelo Garcia Júnior e sempre estão entre as melhores do mercado. Vi Toy Story 3 dublado 2 vezes e me emocionei muito. Acho q ñ seria inviável a Toei ter um departamento no Brasil pra cuidar de tais assuntos. Não deixando nada grotesco como “as sailor moons” passar. Sei lá fazer uma parceria com o licenciador brasileiro. Prática parecida com q a a Panini tem no país. Pra quem ñ sabe a Panini tem parceria com Mythos e pelo menos na época do seu lançamento no mercado nacional como editora de quadrinhos deixava a parceira brasileira fazer o trabalho pesado com seu aval é claro. Só olhar no expediante de qualquer publicação (isso mesmo, pega seu manga de naruto e olha lá) e ver escrito “Produção editorial Mythos Editora LTDA”.

John's Chronicles disse...

Torço muito pra esse tipo de iniciativa virar investimento e dar certo, afinal de contas já passo da hora de sermos classificados como um mercado único nas américas. Sei q tudo ainda é pequeno, mas com trabalho e investimento tudo pode acontecer. Imagina só se em 1999 ninguém tivesse acreditado q mangas poderiam ser publicados em sentido oriental? Alguém foi lá acreditou e hj temos muitos títulos disponíveis. Séries clássicas aparecendo aos poucos e aquecendo o mercado junto das novidades do Japão.
Fico feliz em ver q mangas tipo Fruits basket, Nana, Fullmetal Alchemist, Inu Yasha tenham encostado na edição japonesa tendo seus volumes finais publicados antes mesmo dos EUA (mesmo ñ tendo acabado ainda Nana teve o vol 21 publicado aqui algusn meses antes dos EUA assim como FMA q já ultrapassou a publicação americana e encostou na japonesa). Daqui a pouco vamos poder lançar de forma simultânea assim como lançaram o novo título da Rumiko Takahashi nos EUA (meu sonho). Fora o incrível lançamento da saga de Hades no Brasil poucos meses depois do Japão. Na época eu realmente fiquei de boca aberta, mas infelizmente somente Cavaleiros tem esse tratamento nas nossas terras. Espero poder ver isso acontecer novamente, um dia...

Dr. Brick disse...

http://www.cosplaybr.com.br/forum/viewtopic.php?f=10&t=8632

Atente para o susário Amidamaru Reborn nesse tópico. Tentei publicar meu comentário aqui, mas não pude por sua extensão.

Espero que entenda minha revolta.

Dr. Brick disse...

O mercado come a todos nós. E viva o comércio. Quero ser degustado pela desenfreada novidade de três anos atrás.

Enfim. Concordo com muita coisa, mas dizer que não podem trazer clássicos é um pouco demais. Lupin III deu certo em um canal voltado para clássicos. Aliás pelo menos são emissoras. Enfim, mangás, também, não vorião e não concordo que só novidades possam vender. Clássicos que nunca vieram para cá tem vez. Até o Totoro apareceu em Toy Story 3. Acho sinceramente que por mais que os comentários sejam muito provocativos eu ainda sei que quero ver nausicaä continuado em mangá. Também sei que sem títulos de qualidade não se fortalece um mercado e muitos deles não são o padrãozão.

Acho que essa notícia faz um reboliço tamanho para dizer só: Não vamos trazer clássicos se acostumem. Vamos chorar e ver o que tem de muito novo e pronto. Okay, Naruto é bom, mas Naruto tá demorando para acabar. O que mais conhecemos além dos clássicos... Vão trazer novidades do nada e nos fazerem comprar porque é novo...

Isso me parece arapuca só isso, moça.

Ver o resto dos meus comentários aqui: http://www.cosplaybr.com.br/forum/viewtopic.php?f=10&t=8632&p=184650#p184650

sandra monte disse...

Desculpe "Fã de Animes".
Mas, leviano (a) foi seu comentário.

Não estou culpando os fãs da existência de nada. Estou dizendo que fã tem que entender e exigir que profissionais façam o que tem que ser feito. Senão, fica um trabalho AMADOR. Entende, o que aconteceu com CDZ , o que pode acontecer com Sailor Moon não é profissional, mas sim amador.

Se você lê meu blog, sabe que sou contra a pirataria.

Mas também, sou a favor de uma organização profissional das coisas. As empresas têm que mostrar esta organização. Pegaram um exemplo legal aí em cima. O Junior Fonseca é um profissional da área. E o trabalho de Naruto ficou bom. Entretanto, foi só isso que ele fez. A Creative Licensing fez o que tem que ser feito na questão comercial, sem a interferência de NENHUM fã. A Viz Media fez o que tinha que ser feito com Naruto. Poderia ter feito melhor? Sim, mas veja que não tem interferência de fã e o título - comercialmente - vai muito bem, obrigada...

Mas, eu fui mais longe nos meus argumentos... A Disney faz suas coisas sem interferência de fã. E hoje, o padrão dela é que domina o mercado. Por quê? Porque há profissionais - dublagem, marketing, comercial, etc - trabalhando em High School Musical, Hanna Montana, Alice, etc... E veja, todos estes trabalhos têm seus fãs, que fazem sua parte: compram DVDs, CDs, cadernos, camisetas, participam de eventos, etc.

Ninguém diz para a Disney: olha, você tem que falar para a emissora tal que o horário ideal é à noite! Tem que vender boneco, tem que lançar álbum de figurinha... Sabe, não é fã quem tem que fazer isso. A empresa é quem tem que saber.

Você, "Fã", menciomou questões culturais. Pois é... Lamentavelmente, no meio dos animes, é "cultural" não ser profissional. Mas, sim amador. Este é um dos motivos os quais o mercado não vai para frente. É um dos motivos...

Beleza?

Se falar a verdade e apontar melhorias for jornalismo marron, então eu sou.

-------------------------------------------------------------------------
E realmente, o Ministério da Justiça tem muita culpa em podar tudo em prol do "politicamente correto"
--------------------------------------------------------------

sandra monte disse...

Dr. Brick,
Eu gostaria de deixar claro que o mercado de mangás é uma coisa, de animes é outra, ok? Aqui no Brasil são duas coisas relativamente separadas. As editoras conseguiram dar vida própria ao mercado de HQs japonesas.

Não disse, em nenhum momento, que devemos aceitar os títulos que nos são oferecidos. Mas, disse que a organização empresarial das empresas americanas é eficiente o suficiente para que os produtos delas venham ao Brasil.

Entenda, o "nicho" que você menciona não existe em redes de TVs, ainda mais como o pessoal quer. Eu acredito sim em nichos. Tanto que acredito nos lançamentos em DVDs e em veiculação online em streaming. Sou totalmente consciente que o mercado de animes no Brasil é formado por NICHOS.

Mais uma vez, não sou contra títulos antigos. Mas, sou a favor que eles sejam lançados em veículos e mídias adequadas. Que a mim, parece ser os DVDs e a internet. Exigir que a TV aberta exiba, é surreal porque é assim que elas, as TVs, pensam e agem. Ou você realmente acha que a Record, por exemplo, vai tirar CSI e colocar JORNADA NAS ESTRELAS no horário nobre?

Leia novamente o texto. Você verá que sou a favor de tudo, desde que tudo seja feito de forma "correta", que, como já disse, parece ser o que as empresas americanas fazem.

Sandra Monte

Rafael Kaen disse...

Concordo com você Sandra! As empresas deviam fazer isso, assim os desenhos deixariam de serem mal trabalhados!

Roney disse...

Não tem exemplo maior que CDZ pra provar que quando o fã poe a mão a coisa desanda.

Todos sabem quem era o fã metido com CDZ e o mesmo sempre disse que ta tudo uma maravilha, a imagem ta perfeita nem se percebe o quadriculado ¬¬

As empresas tem que ter consciência também que não adianta só lançar os DVDs, tem que ser lançado com qualidade. Playarte que me desculpe mas dela não compro mais nada.
Por outro lado a Focus fez um bom trabalho com FMA mas acho que errou a hora de lançar.

John's Chronicles disse...

É engraçado notar q séries recentes tb sofrem na TV aberta. A record só colocou CSI no ar p o SBT tava ficando em segundo lugar com Supernatural, q p/ sua vez só entrou no ar pra tapar buraco num dia q o Silvio Santos ñ tinha nada "melhor" pra botar no lugar. Nessa onda a Band colocou Bones pra concorrer com as duas. Como os episódios disponíveis de Supernatural acabaram tentaram colocar outras séries mas ñ ganharam de CSI. Nessa brincadeira o SS já tirou sua faixa de séries do horário nobre e colocou qualquer coisa q ele quiser. Pq no SBT funciona, funcionou e sempre funcionará assim: Vai de acordo com a vontade do Silvio Santos.

Isso mostra a instabilidade da TV aberta. Tinha muitos anos q ñ exibiam séries em horários decentes. SBT ficou muitos anos com a faixa do domingo pela manhã e as outras no fim de noite ou madrugada. A saída pro fã de série foi mesmo o DVD, pq até na TV a cabo quem pegar alguma pela metade ñ vai poder acompanhar as temporadas iniciais. Contratos vencem e ñ são renovados. Quando Charmed passava na Sony, eles passavam da 1ª a 3ª temporada a atrde e depois pulavam pra 7ª pq ñ tinham mais os direitos das outras.

xxxxxxxx disse...

Também concordo plenamente com você, Sandra. Temos que nos lembrar que na época da saudosa Rede Manchete ninguém sabia o que era internet, muito menos imaginaria a revolução que ela viria causar, principalmente nos animes. Atualmente, quem possui acesso a internet não fica aguardando para assistir um certo episódio de uma série em tal horário. É mais fácil procurar em qualquer site especializado que em minutos a pessoa faz o download e assiste a hora que quiser. Sem querer desmerecer Sailor Moon, até porque assistia a série na época e torço para que volte ao Brasil o mais rápido possível com a redublagem original (só gostaria que mantivessem a Melissa Garcia como Sailor Mercury), mas nos tempos de hoje, é notório que os animes antigos já não são mais aquela febre como foram nos anos 90, e CDZ, que foi o carro-chefe dos animes no Brasil é um exemplo disso. Por mais que a série seja divulgada tanto via internet como pela própria televisão, há um momento em que ela não rende mais, ou seja, não alcança uma audiência desejada pela emissora, e infelizmente a retiram do ar e colocam outra coisa qualquer no horário. Esse é o meu medo com a volta de Sailor Moon. Depois de quase 13 anos fora da tv aberta, seria uma pena uma série de grande sucesso durar no máximo três ou quatro meses no ar... Mas a esperança é a última que morre, então vamos aguardar o que está por vir. Beijo, Sandra!

Fernando Ventura disse...

Se vocês REALMENTE fossem fãs de Sailor Moon não iriam pedir APENAS a melhor redublagem possível, mas TAMBÉM a busca, localização, compra, negociação e inserção da dublagem ORIGINAL em um hipotético lançamento da série em DVD e/ou Blu-Ray, por mais TOSCA que fosse. ISSO SIM seria o lançamento ideal. SE ESSA INICIATIVA, em conjunto com a redublagem "ideal", partir DA DISTRIBUIDORA aí eu me calo pra sempre - esta seria a maior prova de eles realmente NÃO precisam da "ajuda" dos fãs para realizar um trabalho verdadeiramente profissional.

Roney disse...

Acho que o problema é o povo querer outro BOOM como o que aconteceu com CDZ. Não rola. Pelo menos não na TV. Anime e mangá é coisa de nicho. E esse povo em sua maioria não quer saber da TV. Fica feliz que vai ter anime na TV mas só. No maximo tenta ver um episódio pra ver como ficou a dublagem (ou só pra xingar a dublagem como um otaku maldito). E como a internet é onde esse povo que é (ou deveria ser) o público alvo passa mais tempo acredito na exibição via streaming(passei a acreditar :p).

Felipe Nasca disse...

Vou te dizer que eu já fui a favor disso, Sandra. Hoje não sou. Pensando friamente, você e o Nelson têm razão.

Desde um certo tempo o "público brasileiro de animes" tem uma mania de não confiar em profissionais, em empresas, e achar que o fã ama e portanto faz tudo melhor. Isso deve ter nascido de muita besteira que emissoras, estúdios de dublagem e distribuidoras fizeram com animes.

Eu me lembro da época em que sentia revolta ao ver que InuYasha sofreu cortes e edições toscas (mesmo no Cartoon) e outros animes passaram por coisa pior. O caso de Naruto é uma edição bem feitinha, mas ainda assim é chato. Já a 4Kids com One Piece... bom a 4Kids sempre será mal vista por "norte-americanizar" escessivamente qualquer obra nipônica.

Mas onde eu quero chegar com isso? Essas coisas todas contribuem para o moleque que gosta de anime (e tem acesso a inúmeros comparativos escrachado as cortes na web) se sinta enganado e feito de tolo pelas empresas. Claro que há o extremo do adolescente tonto que lê uma legenda porca de Bleach com palavrões onde não tem e português errado e sai pensando que aquilo é "fidelíssimo" ao texto original. Isso nem deve ser considerado, eu acho. (CONT.)

Felipe Nasca disse...

(CONT.)


O ponto é que acontece uma generalização. Por causa de algumas empresas que realmente cagaram e foram pelo caminho mais fácil, acaba-se achando que "empresa = demônio". E aí o fã continua lá no torrent, no download... mas ainda gosta do dublador que fez aquele anime clássico, sonha em ver a voz dele naquela personagem do "anime do momento" que ele ama e? PIMBA

Alguém abocanha essa oportunidade e começa a colocar o fã no meio do processo, inflando o ego dele, e por tabela de todos os "fãs".

O que aconteceu até agora foi um conflito de posições, que provavelmente tenha sido necessário. Hoje ninguém pode se fazer de bobo e achar que não se percebem os cortes, alterações e edições, ainda mais tão escrachados como os da 4Kids.

Por outro lado, os "fãs" têm que botar na cabeça isso e dar uma chance às empresas, e principalmente apoiar financeiramente aquela que consegue tratar um anime de forma ao mesmo tempo lucrativa e respeitosa.

Creio que o diálogo com os fãs sempre é saudável. Mas a opinião do fã teria que servir como "ponto de partida" para as deciões, e não ser a decisão em si.

E desculpe o comentário gigante. Me empolguei!

sandra monte disse...

Não se preocupem com a "empolgação"!!! hehehehe

O que acredito Felipe, é que fã ajuda se pondo em seu lugar. Quando ocupa o lugar que deveria ser de um profissional, daí a coisa vai para o buraco.

E um questionamento: além de todo anime que teve interferência de fã ter dado errado - hoje falam dos erros de CDZ na Band na primeira exibição, mas esquecem que já naquela época teve ajuda de fã -, você acha que as TVs não ficam sabendo disso?

TV só aceita "interferência", se o grupo for muito grande. Se meia dúzia de gatos ficam enviando e-mails para "ajudar" e dar pitaco na programação deles, acredite, os caras se irritam. Enfim...

Derek disse...

Realmente, se não houver uma "força de vontade" para trabalhar qualquer que seja o anime, ele muito possivelmente irá ser trabalhado de forma ruim. Vejo que flta isso mesmo, para com esse negocio de ecomizar com isso, é coisa é tal. Chama "gente" que saiba fazer o trabalho bem feito, dai sim, os "fâns" podem voltar a olhar diferente outra vez. Enfim, si até hoje isto não ocorreu, é por que ainda falta, "força de vontade".

Patrick (Matu) disse...

Complementando o meu texto, sabe o que me aborrece? A lentidão, a burocracia, para se analisar e assinar papéis de licenciamento e distribuição. Veja um exemplo: K-ON já está na segunda temporada(ou já vai para a tecreceira, não sei), foi premiada em inúmeros festivais, e ainda não possui distribuidor/licenciador no ocidente. Essa demora toda só favorece a pirataria. Eles tinham que ser mais rápidos, tinham que ter mecanismos de divulgação mais eficientes, para não ficar dependendo de ajuda de fã. E essas empresas estão acordando tarde para isso. O Animax Asia já está exibindo séries com uma semana de atraso da exibição no Japão. Mas o ocidente ainda não tem isso. Isso chega a ser descaso com o mercado ocidental. Se criassem escritórios no Brasil, ou no ocidente, esse tempo diminuiria muito. E eles ganhariam, pois daria a série mais visibilidade.Seriam mais profissionais.

Dr. Brick disse...

Então,

voltando ao assunto. Conversei com o Mathias e soube de sua experiência com o J-rock e os problemas, mas isso não vem ao caso. O que me provocou não foi exatamenteoconteúdo, mas certo ressentimento e acidez sobre alguns fato. Não que não sejam justificáveis. Miyu foi cancelado por aqui e Nadesico foi pro buraco por causa de grupos de tradução clandestinos. Todos sabemos que faltam oportunidades de trabalho apara a área de traduçã e legendagem de profissionais competentes de pessoas que possam fazer uma tradução boa e decente mesmo vinda do inglês.

O que me irrita é o fato de que as emissoras jamais tiveram nenhum interesse em exibir essas sáriesem canais abertos. Porque elas teriam mais cuidado em trazer se mesmo atitudes como as dos DVDs se alastram...

Aliás é duro dizer, mas eu sou um maníaco por Full Metal Alchemist e jamsi jamais sonharia no dia que Brotherhood viesse para o Brasil em DVD.

Concordo que o mercado é triste nesse quesito, mas há de convir que o mercado de mangás nada mal das pernas. Apenas alguns bons títulos vieram para o Brasil ate então e cada vez menos mangás cults tem pisado por aqui. Speed Racer e Nauscaa que o digam.

Até +

sandra monte disse...

Dr. Brick,
Que experiência com o j-rock, que nem eu estou sabendo? O_o

Não entendi exatamente o que você quis dizer com tudo, mas o que você tem que entender é que TV não vive de vento. Tem que ter audiência.

E para elas, anime não é necessariamente sinônimo de audiência. É umas questão de lucro.

Acho que vc está realmente confundindo o mercado de animes com o de mangás... Aqui no Brasil, são praticamente duas coisas diferentes.

Sandra Monte

trilhas Derek disse...

Já que a discusão da boa, vou tar mais pinseladas...hehe. Então, mangá é anime são de mundos diferentes, mas são farinha do mesmo saco! Manga = anime. Claro que o mundo desses dois são tratados muito diferentimente, portanto quem sai mais no lucro é o anime, já que a midia, hoje em dia é o camiho mais rapido para si ganhar dinheiro, ou estou errado? Enfim, aqui nesse mundinho chamado brasil, já si tentou é testentou algumas é nem tanto assim, tentativas de si emplacar novos animes, mais como deve ser a coisa mais dificil do mundo, até hoje nada ou quase nada vingoou. (Acho mais dificil, convenser minha sogra a gosta de mim, mais continuano...hehe.) O que é mesmo presiço, e o que a sandra diz, emplantar uma cede em nosso pais, pois dai poderá aconteçer o que os fãns tanto querinhão, seus animes queridos vindo o quanto antes para suas casa de maneira profissional é orignal.

E complicado fazer, já que essa ecominia no pais não da uma margem de segurança, pelo contrario. Eu si fossse enviestir em animes aqui pensaria umas 10 vezes é olhe lá. Presisa-çe aver uma propaganda é um trabalho em cima desse anime, por que si não houver a grande massa, que na maioria das vezes é a que importa mais, não é? não haverá um... "ah, eu quero" Anime no brasil é um caso serio, enquanto outros paises ganham minhões, aqui ainda estamos encaminhando.... Si não houver alguém qua faça algo para mudar esses status, ohar não vejo futuro para o anime no brasil.

sandra monte disse...

Olá Larc,

Então, é por isso que sou a favor da profissionalização do mercado de animes.

Sei que SM já teve problemas, e muitos. Mas, isso só aconteceu e só acontece porque as empresas japonesas e representantes são "desinteressadas". E só algumas viu? Elas não guardam suas fitas masters, agora DVDs masters... Não fazem listas de dublagem, acham bonito pegar ajuda de fã.

Para algo que elas tinham que saber, tinham que ter. Agora, olha só a merda: é fato que 99% quer a Marli Bortoletto. Mas, tem gente como eu que acredita que tem que ser as cinco vozes originais, há quem ache que tem que ter a Melissa Garcia, há quem ache que as outras quatro tem que ser as "novas".

Adiantou fazer uma pesquisa? Porque no final das contas, sempre haverão insastisfeitos. Sempre. Se o organização, dono e etc soubesse e analisasse as coisas, não precisaria disso. CDZ não teve problemas em relação a dublagem pq os dubladores principais são aqueles. No caso de SM, são várias vozes diferentes.

Peguei o caso de Naruto, mas veja o caso de Pokemon. Pikachu e CIA teve muito estúdios de dublagem. E, que eu saiba, todos tiveram os mesmos dubladores. E não acredito que isso tenha ocorrido por iniciativa dos estúdios, tão pouco dos fãs. Mas, do próprio distribuidor que deve ter uma lista... E veja, foram dois distribuidores: 4Kids e Warner (filmes). E olha, mesmo com os probleminhas, o título continua aí, firme e forte!

Sou a favor de uma dublagem decente. Mas, sou a favor de uma profissionalização do mercado. E esta história de "assessoria gratuita" só mascara, mais uma vez, o quão amador é nosso mercado. Porque só em um universo amador as pessoas trabalham de graça.

Sandra Monte

trilhas Derek disse...

sandra, voçê pareçe entender muito bem esse assunto, até melhor que algumas pessoas que já comentaram. Na sua opnião, ainda é "possivel" vim animes NOVOS para o brasil? Levando em conta o que voçê já viu, é está veno nesses ultimos anos. Até onde eu sei veio bastantes titulos para o brasil nos ultimos anos, não concorda?

Spider-Phoenix disse...

É um caso complicado. Até concordo que os estúdios tem de ser profissionais e que não é 100% recomendável depender de ajuda dos fãs.

Acho que no caso, ambos os lados, empresa e fãs, tem de ser razoáveis. Na minha opinião, fãs até podem contribuir mas apenas como uma acessoria referente a sugestões (e somente sugestões) de tradução de nomes de ataques ou até mesmo certas pronúncias ou dicas. Coisas assim.

Porém, isso teria de se limitar APENAS a isso. Decisões como vozes e outros itens importantes teriam de ser feitos pelos profissionais adequados. Pois são os profissionais que entendem da area, afinal, como o nome diz, são profissionais. Não cabe a nós, fãs achar que certas coisas tem que ser como queremos, porque pode ser que o que achamos ser melhor, não seja realmente o melhor. Essa é a nossa falha.

E no lado das empresas, percebo que elas tratam animes com muito descaso, qualificando-os como "coisa de criança" e usando isso como desculpa para fazer as coisas "de qualquer jeito". Falta também um pouco mais de profissionalismo, principalmente se eles quiserem que a coisa emplaque por aqui. Essa é a falha deles.

Como eu disse é um caso complicado, e a solução pode não ser exatamente o que achamos.

Anônimo disse...

Eu discordo quando vc diz que a época dos animes antigos já passou. O desastre de CDZ foi exclusivamente causado pela emissora que o exibiu, no caso a Band. CDZ tem muito mais ação, emoção, dinamismo que todos os desenhos exibidos atualmente na Globo. Vc acha que CDZ daria um ponto de audiência na Globo??? É óbvio que o fracasso das séries que já foram sucesso se deve a pessoas incompententes.

CDZ chegou a 9 pontos em 2004 quando a emissora fez uma ampla divulgação e colocou em horário decente (17h30). Depois que começou a cortar tudo, mudar de horário e jogar só pra SP, deu no que todos sabem.

Agora com a Saga de Hades seria uma boa oportunidade de conquistar novos fãs, mas novamente a Band se equivocou e jogou a série às 8h!!!!!!! Quem acorda pra assistir desenho a essa hora???

Sailor Moon é o mesmo caso. Fez sucesso na manchete, voltou depois de uma super campanha na record, mas a dublagem e o horário tbém não ajudaram. Como dizer q Sailor Moon é ultrapassada se somente uma fase e meia foi exibida em TV aberta?

É algo polêmico, mas dizer q os animes antigos não dão mais certo é um equívoco.

Fernando

sandra monte disse...

Olha Fernando,
Pela experiência que tenho com o mercado de animação, dá para dizer que é um equívoco sim.

Claro, exibir por exibir, tudo bem. Mas, é um equívoco querer exibir pelo motivo desejado: pata vender produtos e ganhar grana.

Isso é um equívoco, porque não é isso o que a molecada quer ver. É uma questão de época.

Não posso querer que as meninas hoje gostem dos Menudos. A época é do Justin Bieber.

Esta geração está acostumada com animações em CG, feitas com imagem impecável ou que beiram a psicodelia.

Querer ganhar grana com anime antigo, ou melhor, com animação antiga (salvo alguns casos), é utopia.


Sandra Monte

Theus disse...

Concordo com você em partes, pois quanto ao mercado de animes no brasil, eu acho sim meio forçar a barra querer botar animes antigos em TV abertar mais uma vez,mas acho que isso seria uma boa maneira de trazer também outros produtos dos animes como mangás, e DvDs a exemplo de Sailor Moon,acho que essa volta que ela terá em 2011 vai finalmente poder dar uma chance aos fãs de comprar FINALMENTE os DvDs de Sailor Moon e o mangá que nunca nem passou perto daqui do Brasil.

Anônimo disse...

Ok, e o que dizer de Dragon Ball Z que é velho (1989), é o coringa da Globo, deixando-a líder na audiência, e tem milhares de produtos licenciados? É uma excessão?

Fernando

sandra monte disse...

Sim...

Ao meu ver, DB é uma excessão.