Desejo: Boas Festas...

sexta-feira, 25 de junho de 2010

ANIMA INFO 1266 - Especial

PONYO: UMA AMIZADE QUE VEIO DO MAR


Ponyo: uma amizade que veio do mar (Ponyo on the Cliff by the Sea) chega aos cinemas brasileiros em 02 de julho. Na história, Sosuke, um menino de cinco anos de idade, mora em um penhasco com vista para o Mar Interior. Em uma manhã, enquanto brincava lá embaixo na praia, ele descobre uma fêmea de peixinho dourado chamada Ponyo com a cabeça presa em um pote de geléia. Sosuke resgata a peixinha e a mantém em um balde de plástico verde. Ponyo fica fascinada por Sosuke, que também sente o mesmo. O menino diz para ela: “Não se preocupe, vou cuidar de você e te proteger”.
Mas Fujimoto, o pai de Ponyo, que um dia foi humano e hoje é um feiticeiro que vive no fundo do mar, força o retorno da filha para as profundezas do oceano ao seu lado. “Eu quero ser humana!” afirma Ponyo ao fugir, determinada a se transformar em uma menina e voltar a ficar com Sosuke. Mas, antes de escapar, ela esvazia no oceano a Água da Vida, a loja de poções mágicas de Fujimoto. A água do mar sobe. As irmãs de Ponyo viram enormes ondas em formato de peixe que atingem a altura da casa de Sosuke no penhasco. O caos do oceano toma conta da cidadezinha de Sosuke, que afunda sob as águas.

Uma menina e um menino. Amor e responsabilidade. O mar e a própria vida. Em uma era de ansiedade e incerteza, Ponyo –– Uma Amizade que Veio do Mar é a história de uma mãe e seu filho pelo olhar franco de Hayao Miyazaki.
Após uma longa espera, em seus 121 minutos esta nova animação de Hayao Miyazaki parece não convencer. Um dos motivos é a própria animação. Apesar de recente, Ponyo deixar a desejar no quesito técnico, tendo qualidade igual - por vezes, inferior - a das animações anteriores A Viagem de Chihiro e O Castelo Animado.
Outro ponto importante a frisar é: Ponyo é única e exclusivamente uma animação infantil. O fã de animes que se acostumou aos títulos grandiosos do estúdio Ghibi certamente ficará decepcionado. Mas, mesmo sendo um desenho animado para crianças, alguma coisa não funciona neste anime. Talvez o motivo seja porque Miyazaki fez uma obra somente para o público japonês.
Em algumas de suas últimas declarações, Miyazaki mostrou certa antipatia ao universo "otaku" e ao fato da indústria do mangá/anime ser usada para promover o Japão no exterior. Além disso, o autor/diretor não mostra muito interesse quando ganha um prêmio fora do Japão. A impressão que Miyazaki passa com Ponyo, é o de "ignorar" o ocidente e deixar claro que seus filmes são somente para os japoneses verem e entenderem.

Outro ponto negativo é a música. Não a trilha sonora como um todo. Mas, um das músicas é "inspirada" - para não mencionar outro termo - completamente em Die Walküre (A Valquíria), do compositor alemão Wilhelm Richard Wagner. Algo a lamentar, pois o fato nos faz pensar quantas "inspirações" do gênero não há neste filme.
Ponyo: uma amizade que veio do mar (Ponyo on the Cliff by the Sea) está muito longe de ser uma obra-prima, quiçá de ser um bom filme. E talvez, seja a representação do cansado de um gênio, como muitos outros, que talvez já não tenha mais nada a dizer.


←  Anterior Proxima  → Inicio

3 comentários:

Felipe Nasca disse...

Nossa... agora que eu li mais detalhes, concordo com você: Miyazaki fumou, cheirou, ralou, misturou e bebeu todas!

O tio Hayao é japonês, então nem vejo nada demais nele fazer filmes pensando só no público de lá.

Talvez o encanto ocidental pela animações dele tenha durado somente enquanto elas pareciam diferentes de tudo o que víamos. Com o tempo, provavelmente o lado de cá do mundo tenha visto que elas são bem iguais entre si, então a graça se foi.

Rogério disse...

Nossa, eu devo ter vindo do Planeta Bizarro, por que minha opinião é praticamente a oposta a da Sandra.
Eu gostei muito do filme.
É curioso como podemos gostar de um filme quase que exatamente pelos mesmos motivos que alguém não gosta do mesmo filme.

Cleber disse...

Concordo com o Rogério, gostei muito do filme. E minha opinião é o oposto da Sandra.