Desejo: Boas Festas...

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

O Disney brasileiro foi um jornalista, e não um quadrinista...

Olá caros navegantes. Sei que o que vou escrever será visto como insulto por muitas pessoas. Mas, espero que todas elas entendam o que vou dizer.
Hoje, saiu uma nota no Anime News Network acerca de um trabalho do Muarício de Sousa. É um título que ele e Osamu Tezuka pensaram em fazer quando o segundo ainda estava vivo. Há uma tradução do Animepró. A nota original saiu no Asahi. Um fato a ser levado em conta é: a comparação colocada na matéria só foi posta ali, porque alguém aqui do Brasil disse para o jronalista que produziu o material. Eles não teriam chegado a tal conclusão do nada. Ou seja, o dito comentário provavelmente saiu daqui...
Na matéria, fala-se que Maurício de Sousa é o Walt Disney brasileiro. Cara, desculpem não é. Porque para ser o Disney brasileiro, ele teria que ter construido um império a altura. E veja: império no cinema, música, parques, na televisão... Quando vivo, o Walt Disney soube administrar tudo o que conseguiu. E em vários momentos, as empresas dele tiveram problemas, não foram só rosas. Mesmo assim, ele construiu um império.
Muitos podem dizer: "é, mas o Disney tinha apoio do governo americano..." E daí? Leonardo da Vinci também tinha apoio dos mecenas e nem por isso foi menos genial. Mas daí podem dizer, "mas ambos faziam quadrinhos..." Cara, isso não quer dizer nada. Até porque o Disney não fazia quadrinhos, escreveu algumas poucas histórias só...
Se um pesquisador americano ler este comentário de que Maurício de Sousa é o Disney brasileiro, possivelmente, ele faria as seguintes perguntas:
Pesquisador - Maurício de Sousa tem uma produtora de cinema? Uma das maiores do país?
Brasil - Não.
Pesquisador - Tem uma rede de televisão?
Brasil - Não...
Pesquisaodr - Tem algum parque de diversão?
Brasil - Tem até fevereiro...
Pesquisador - Tem uma gravadora?
Brasil - Não...
Pesquisador - Alguém aqui fez, construiu algo parecido?
Brasil - Sim, Roberto Marinho.
Pesquisador - Fale sobre ele...
Brasil - Bem, ele (a família) começou com um jornal. Anos depois conseguiram rádio, editora, depois fizeram uma TV, a primeira rede no país. Hoje, a Globo é tudo isso e mais uma produtora de cinema, além de acionista majoritária da maior operadora de TV a cabo do país...
Pesquisador - Obrigado. Então, o Disney brasileiro foi um jornalista, e não um quadrinhista como me informaram...

Tive a oportunidade em alguns momentos, de ver pessoas que trabalham para o Maurício de Sousa fazer comentários semelhantes, que ele é o Disney brasileiro. O que estas pessoas não percebem é que - além de tudo - compará-lo ao Disney é ruim para o próprio Maurício de Sousa, pois é como se ele não fosse bom o suficiente para ser visto com as próprias pernas... O Maurício de Sousa deveria falar isso para estas pessoas!!!
Maurício de Sousa é Maurício de Sousa é pronto. Não precisa de comparação. Ele é bom. Ele é um cara que sabe o que faz. Compará-lo, sempre, com alguém que não tem comparação, só o coloca muito abaixo do Dinsey, por toda a realização que o americano fez no contexto da comunicação. O Disney criou uma "major", o Maurício de Sousa não.
Por fim, fazer comparação de trabalhos também não é correto, pois um trabalhou majoritariamente com animação, o outro com quadrinhos.

E só para constar... Não confundam a pessoa Walt Disney com o estúdio Walt Disney. A pessoa foi genial. Os seus estúdios fizeram algumas "bobagens", como copiar Kimba. Mas, vale lembrar de uma outra coisa. Osamu Tezuka era "devoto" de Walt Disney. Tanto que o Tezuka fez algumas adaptações de animações da Disney para histórias em quadrinhos.

Enfim, coloquem Maurício de Sousa no topo. Ele por ele mesmo. Compará-lo a Disney só faz depreciá-lo e depreciar ao Disney, como se este não tivesse produzido nada na vida econômica das empresas dele...

E parabéns ao Maurício de Sousa pelo trabalho envolvendo Tezuka.
←  Anterior Proxima  → Inicio

14 comentários:

Anônimo disse...

Precisa tomar cuidado com o excesso de erros de digitação. Abraço

sandra monte disse...

Obrigada pelo toque Anônimo!

Felipe Half Boiled disse...

Puxa, eu confesso que seria uma das pessoas a embarcar nesse oba-oba de chamar o Maurício de Disney brasileiro. Mas realmente concordei com o que você escreveu, Sandra. Fica melhor enaltecer o trabalho do Maurício por ele mesmo, como um quadrinista brasileiro criativo. Acho que a Turma da Mônica é a 1ª coisa que vem à mente da maioria dos brasileiros quando se fala em quadrinhos (ou "gibi", como eu dizia quando era pirralho), rsrs.

JRP disse...

Hei, sobrinha!
Te mandei um email.
E não fui deselegante não!
Veja lá!

Panela Gay disse...

Olá, Sandra! Parabéns pelo blog. Adoro ler as coisas que você escreve.

Anônimo disse...

Sandra, sou colecionador e acompanho quadrinhos Disney e Maurício há mais de 30 anos. Ambos são maravilhosos, mas tem trajetórias distintas. Disney e Maurício se situam em momentos diferentes na linha do tempo e com bases diferentes de produção e mercado. O Universo do Maurício é uma obra aberta, com percepção de seu público em tempo real. Uma dimensão à parte,que vai sobreviver muito além do seu tempo e do nosso também... Mauricio de Souza consegue captar e transmitir nos quadrinhos o melhor de nós. Sou fá incondicional do Maurício, e para mim, ele é o melhor, e imcomparável. Entre todas as personalidades, gostaria muito de conhecer o Maurício pessoalmente e cumprimentar o maior gênio da minha infância, e pessoa da maior admiração de minha vida adulta. Parabéns pelo post. Paulogibi... pauliti@globo.com

Anônimo disse...

Idem ao Felipe, Sandra. Acho que o Maurício não se compara mesmo ao WD, e a comparação chega a ser injusta inclusive porque em alguns aspectos o Maurício é superior: ele foi um artista e hoje é um empresário cultural, enquanto o Disney foi muito mais um empresário cultural (apaixonado pela arte, diga-se) do que um artista propriamente dito.

OSZ. disse...

Sua comparação de Disney com Marinho é equivocada. Para vc os dois são a representação do Cidadão Kane - gigantes da mídia, endinheirados e poderosos. Acho que para uma jornalista você parece se informar mal e tira conclusões sem embasamento histórico e sem sensibilidade, demonstra a sua pouca familiaridade com ambas as obras (Disney e Maurício).Acho difícil imaginar como vc consegue comentar sobre algo criativo como Animes ou quadrinhos!
Não sei se o Maurício se acha o Disney brasileiro mas com certeza ele foi inspirado pelo americano - claro que tbém sobre negócios - mas principalmente sobre a dedicação que Disney tinha pelas crianças. Não foram os desenhos animados de Disney que influenciaram gerações de crianças brasileiras (e, provavelmente, de outros países) foram os personagens que apareciam nas revistas de HQ (Gibis). A televisão chegou tarde ao Brasil e nós já conhecíamos todos aqueles personagens.
E para quem não sabe, muitos dos personagens do universo Disney começaram nos quadrinhos por desenhistas que sequer trabalhavam nos estúdios do Disney mas em estúdios/editoras de quadrinhos que licenciavam os produtos do Disney. Carl Barks, por exemplo, trabalhou algum tempo nos estúdios do Disney e depois saiu e foi trabalhar fora, ele criou o Tio Patinhas, os sobrinhos do Donald, o Prof. Pardal, Lampadinha e muitos outros, nas HQs. Muita da perseguição ideológica, da esquerda, que os personagens Disney sofreram na década de 50 e 60 era baseada nos roteiros das HQs.
Maurício se baseou no modelo de negócios do Disney. Os personagens do Maurício foram/estavam entre os primeiros a serem licenciados no Brasil. Mas a sua dedicação ás crianças jamais arrefeceu e hoje em dia os personagens do Maurício são conhecidos no mundo inteiro, de paises da Europa á China ou Japão (talvez não nos EUA).
Era (ou é) essa universalidade que o Maurício procura/va. Que seus personagens pudessem estar em todo o mundo e que cada criança pudesse se espelhar nas aventuras dessas crianças que apesar de tão brasileiras são também reconhecíveis fora do Brasil. E nesse ponto acho que ele criou uma obra de mérito e com muito menos investimento de dinheiro que seu mestre americano.

sandra monte disse...

OSZ,
Lamento muitíssimo que vc não tenha entendido, ou não lido direito o texto.

Todo o comentário que falei refere-se ao mercado.

Em nenhum momento, refiro-me a dedicação de MS quanto ao universo infantil. E nem falei que ele se acha um Disney.

O que me espanto é que em realizações, ele não conseguiu chegar a metade do que o Disney fez. Somente isso.

Se ele se espelha, espelha muito mal em relação aos negócios. E desculpe-me. Raramente, você algum quadrinho brasileiro em capa de sites internacionais.

É uma ilusão boba achar que algum quadrinho nacional é "mundialmente" conhecido. Isso é ufanismo.

Enfim, esta é minha opinião. Você tem a sua. E estas também são minhas percepções.

As pessoas têm o direito de discordar.

esooutroblogue disse...

Danem-se os erros de digitação. O argumento está correto.

Sávio Christi disse...

Perdoem-me, mas ainda não entendi muito bem essa parada de copiarem "Kimba o Leão Branco": "O Rei Leão" não é criação da Disney, assim como "Cinderela", "A Bela Adormecida", "A Dama e O Vagabundo", "100 Dálmatas", "Pinóquio" e tantas outras adaptações ou transposições...

Não me lembro quem foi o original responsável pela história de "O Rei Leão", mas me lembro que vários outros estúdios de animação também já adaptaram essa obra, sendo assim, resta a dúvida: em que parte ou conceito exatamente da história de "O Rei Leão" foi mudada pela Disney para que se parecesse com "Kimba o Leão Branco"?

Lembrando e ressaltando o fato de "Kimba o Leão Branco" ser o nome ocidental e não o oriental (o desenho em português se chamaria literalmente "O Rei da Selva", só me esqueci como é que o protagonista se chamava ("Kimba" foi um nome dado por estadunidenses, o nome japonês na realidade é bem diferente!))...

Agradeço e demais até se me explanarem e informarem direito sobre tudo isso, combinado e esclarecido?

André disse...

Não querendo ser chato...mas um detalhe: cerca de 80% do mercado editorial infantil é da Maurício de Souza Produções. Tem certeza que você tem um bom conceito de aplitude de poder na mídia escrita

sandra monte disse...

Pois é André...

Mas, o MS tem estúdio de cinema? Tem greavadora? Tem parque do tamanho da Disney World? O Disney tinha.

A questão não é o que ele, Maurício, tem, a questão é compará-lo com uma pessoa que mudou a História do Cinema. Das majors.

Veja, mudou conceitos. O Maúrício conseguiu êxito, mas mudar conceitos, é só perguntar para qualquer artista da área que eles vão te dar a resposta...

E só o fato da comparação, já o coloca, sempre, em patamar inferior. É a mesma coisa quando falam: o cara é o Pelé do lalala... Se o Pelé é referencial, ele é insuperável...


SM

Sávio Morais Cristofoletti Desenhista disse...

Acredito que a comparação entre Walt Disney e Mauricio de Sousa se dê muito mais pelas qualidades técnicas e visuais das produções originais de ambos do que por qualquer outro fator, detalhe que Walt Disney começou com a animação, e, depois, foi para os quadrinhos, já Mauricio de Sousa fez o contrário!