Desejo: Boas Festas...

sábado, 30 de janeiro de 2010

Dia do quadrinho nacional, o que há para comemorar?

Pois é caros navegantes,
Exatamente hoje é o Dia do Quadrinho Nacional. A data é vistosa, bonito falar que há um dia assim. Mas, pergunto: o que há para comemorar? Vi o jornalista Paulo Ramos "reclamar" no Twitter dele de que o UOL não deu a mínima para a data. Mas, teria mesmo que dar algum destaque?
Gente, praticamente não existe quadrinho nacional no mercado. Há muitos fanzines. Só que, nós mesmo não compramos, não temos interesse. É um ou outro quadrinho nacional que faz sucesso no grande mercado!!! Bem, pelo menos acreditamos que faça, mas números nunca são revelados. Quando o são, é pela própria editora...
Não vejo motivos para comemorar esta data. Ela deve ser vista como forma de reflexão. Não sejamos ufanistas bobamente. Quando houver um mercado, ou seja, quando as editoras lançarem títulos e respeitarem os artistas pagando-os dignamente (lançar sem pagar não é respeito), quando os artistas fizerem algo que realmente valha a pena comprar e quando nós passarmos a valorizar de verdade o que é nosso, daí sim teremos o que comemorar. Por hora, só vejo fatos que nos fazem lamentar...


←  Anterior Proxima  → Inicio

4 comentários:

Cecilia Cavalcanti disse...

Eu tô esperando sair um HQ chamado Hansel & Gretel pela NewPOP desde outubro!
HQs brasileiros que a maioria conhece: Turma da Mônica, e, O Menino Maluquinho

L.Karina disse...

Realmente os artistas de quadrinho do Brasil não têm o que comemorar.talvez em parte por não criarem um material realmente comercial e acessível,afinal quadrinho é cultura de massa. Talvez histórias que se passasem no Brasil, sem necessidade de favelas para supsotamente mostrar a ''realidade''.Mas história mais leves, pegando de exemplo o Mauricio de Sousa.

L.Karina disse...

Realmente os artistas de quadrinho do Brasil não têm o que comemorar.talvez em parte por não criarem um material realmente comercial e acessível,afinal quadrinho é cultura de massa. Talvez histórias que se passasem no Brasil, sem necessidade de favelas para supsotamente mostrar a ''realidade''.Mas história mais leves, pegando de exemplo o Mauricio de Sousa.

Caio Murdock disse...

Acho que seu argumento não é de todo válido. Temos motivos sim para comemorar. Os avanços podem parecer poucos, e o desafio muito grande, mas não é de se descartar todos os esforços que vemos nossos autores fazendo. O problema é que em nosso país, não temos uma política que incentive a produção de quadrinhos com mais seriedade, só vemos as mesmas promessas de sempre, projetos que não são concretizados, que mudam de governo pra governo.