Desejo: Boas Festas...

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Bata em que deve, mas pelos motivos certos!!!

Navegantes, lamentável ter que escrever isso agora e neste exato momento, logo acima do post sobre o jornalismo (abaixo). Mas, o pior é que há "pérolas" vindas de coleguinhas. E certas coisas não dá para deixar passar...
O senhor Gilberto Dimenstein simplesmente escreveu que história em quadrinho não é cultura. Certo, muitos podem dizer: mas é a opinião dele. Sinto muito navegante desavisado. Mas, HQ é parte integrante sim da cultura mundial. A pessoa pode até não gostar de algo, mas tem que admitir o valor que aquele "algo" tem junto à sociedade.
Há uma porção de coisas que não curto, mas que admito serem importantes e serem aquilo que são. Agora, fazer uma afirmação de tal nível só mostra que Dimenstein não conhece cultura da forma como deveria conhecer.
Histórias em quadrinhos – mesmo que seja vista em sua maioria como produto da indústria cultural – é um meio em que as pessoas manifestam algo de seu mundo. Podem ser artistas ou não que expressam as opiniões, estética, arte, folclore e demais costumes de toda uma sociedade. Mesmo nas histórias mais fantasiosas que existem, a sociedade sempre está ali presente.
Ou seja, várias ciências humanas aceitam as histórias em quadrinhos como cultura. Podem não aceitar como arte, mas como cultura sim. Seja a História, Antropologia, Ciências da Comunicação, etc. Só para Dimenstein - gibis, mangás, funettis, comics e todas as diversas palavras que denotam as HQs -, história em quadrinho não é cultura.
E já aviso, minha definição acima pode não ser a mais correta, mas certamente é mais coerente ao que vemos em nossa sociedade, nossa cultura e nosso mundo. E por fim, convido meus caros navegantes a perguntarem a Dimenstein: o que é cultura? O e-mail dele é: lpalavradoleitor@uol.com.br.
Se quer bater no governo federal por seus motivos – eu também bato pelos meus – faça-o. Mas, bata pelo motivos certos, pelas razões corretas e não tente subjugar aquilo que não compreende.


←  Anterior Proxima  → Inicio

8 comentários:

Cecilia Cavalcanti disse...

HQ é cultura e arte, e esse Gilberto Acéfalo é um trouxa que sempre quis ler HQs quando pequeno e nunca pode ler um. Oras...¬¬


Bato e com gosto.

Dood ! disse...

Engraçado lembro me da minha época do colégio livros de Português que constantemente utilizavam tirinhas e Histórias em Quadrinhos em suas atividades e exemplos... Lamentável que nessa época atual as pessoas tem um pensamento tão retrógado.

Felipe disse...

Nossa, não dá para acreditar que alguém defenda esse tipo de opinião sem ser com a intenção de dar uma cotovelada no pâncreas de quem curte quadrinhos, sinceramente...

Ah, o email do Dimenstein saiu errado, com um "l" sobrando no começo, então se alguém for clicar no link para mandar pelo Outlook, tem que se ligar nesse detalhe.

Err.. um detalhe bobo, mas eu estranhei que "histórias em quadrinhos" foi concordado duas vezes com o verbo "ser" no singular (é)... não tenho certeza se está realmente errado, mas acho que "histórias em quadrinho são" ficaria melhor.

sandra monte disse...

Sabe Felipe, agora que vc falou... realmente....

Já está corrigido!
Brigadão!

John's Chronicles disse...

Confesso q tô de saco cheio de tentar convercer os ignorantes do valor das histórias em quadrinhos.

As pessoas estão tão presas dentro de seus "pré conceitos" q ñ conseguem ver o q está a sua frente.

Espero q uma dia isso mude.

Felipe disse...

De nada! Ou, parafraseando o Chaves: "Não tem por onde!" ^_^

Aliás, logo depois do ENEM eu preparo um e-mail pra mandar para esse Sr. Gilberto.

Juliane disse...

O Dimenstein só mostrou o quâo retrógrado e elitista ele é... Quer dizer, se não fizer parte da esfera da cultura erudita, então não é cultura?? É a Folha de SP, mais uma vez, mostrando de que lado samba...

Alexandre Nagado disse...

E pra acrescentar:

Foi citado o exemplo da Playboy como "revista de mulher pelada". Pô, a Playboy publica entrevistas muito interessantes e já li sim algumas muito boas e de relevância cultural. Até uma "revista de mulher pelada" não pode ser generalizada.

Um quadrinho do Milo Manara seria classificado como? Gibi ou revista de mulher pelada?

Esse Dimenstein conseguiu, com um comentário "en passant", mostrar o quão preconceituoso e arrogante é. Não que muitas outras declarações e matérias não tenham feito isso também, afinal.