Desejo: Boas Festas...

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

ANIMA INFO 1100 - Especial

A Princesa e o Sapo (The Princess and The Frog)



A Princesa e o Sapo (The Princess and The Frog) marca o retorno do Walt Disney Animation Studios à animação feita à mão e um resgate do conto de fadas clássico e do gênero musical. O título estreia nos cinemas brasileiros esta semana (dia 11). Certamente, é uma grata surpresa da Disney, depois de ano e anos a fio produzindo e distribuindo somente animação 3D. O desenho animado é uma releitura da clássica história em que uma princesa encontra seu verdadeiro amor beijando um sapo que, num passe de mágica, transforma-se em um belo príncipe. Nesta versão da história, a garota ainda beija o sapo, mas o resultado é bem diferente: esta é apenas uma das dezenas de surpresas nesta mistura de humor, ação, música e emoção. O amor acaba encontrando o seu espaço — entre um príncipe e uma princesa.
E um dos fatos mais importantes de Princesa e o Sapo é da protagonista ser negra. Importante, porém não fundamental, já que a cor da pele em nada inflencia a história, que se passa em Nova Orleans. E para retratar o lugar, o compositor Randy Newman - premiado com o Oscar (Monstros S.A., Toy Story – Um Mundo de Aventuras) - compôs a trilha original combinando diversos estilos musicais como jazz, blues, gospel, Dixieland e zydeco; e apresentando sete canções inéditas. E a canção dos créditos finais é do cantor Ne-Yo, que interpreta “Never Knew I Needed”. E esta certamente é uma das marcas mais importantes do filme, as músicas. Como sempre, a versão dublada brasileira dos trabalhos da Disney são muito bons. E a empresa mostra-se preocupada em dar créditos a todos dubladores. O elenco apresenta uma trupe de atores polivalentes e renomados. Anika Noni Rose estrela como Tiana (dublada na versão brasileira por Kacau Gomes), e o astro brasileiro Bruno Campos é o príncipe Naveen (dublado na versão brasileira por Rodrigo Lombardi). Keith David, é o feiticeiro ameaçador dr. Facilier (dublado na versão brasileira por Sergio Fortuna); o romântico Ray, o vaga-lume cajun, brilha ainda mais graças à dublagem de Jim Cummings (dublado na versão brasileira por Márcio Simões). Jenifer Lewis enfeitiça os espectadores no papel da mística Mama Odie (dublada na versão brasileira por Selma Lopes), Michael-Leon Wooley empresta sua voz ao jacaré-trompetista Louis (dublado na versão brasileira por Mauro Ramos) e John Goodman, dubla o cavalheiro e paizão sulista, “Paizão” La Bouff (dublado na versão brasileira por Reinaldo Pimenta). Terrence Howard e Oprah Winfrey dublam as vozes dos pais carinhosos de Tiana, James e Eudora (dublados na versão brasileira por Duda Ribeiro e Isabel Lira, respectivamente). Por fim, toda a magia que A Princesa e o Sapo, com animação impecável, músicas atraentes - fazem o espectador bater o pezinho - dublagem encantadora (veja o vídeo para mais informações) ainda traz um ponto importantìssimo ao público brasileiro.
A HGN Produções é o primeiro estúdio brasileiro a participar de um longa-metragem do Walt Disney Animation Studios. A empresa, criada e comandada há 20 anos pelo desenhista e diretor de animação Haroldo Guimarães Neto, participou da produção do filme nos estúdios em São Paulo. A HGN produziu o filme realizando as etapas de interpolação (movimentos intermediários), clean up (traço final), pintura e composição digital utilizando softwares e equipamentos de última geração. Uma equipe de 50 profissionais esteve envolvida no projeto durante dez meses de trabalho.
“Esta produção não tem precedentes na animação brasileira e nos coloca em alto nível no mercado internacional. A Walt Disney sempre manteve a produção dos longas para cinema exclusivamente dentro dos Estados Unidos”, revela Haroldo Guimarães Neto. “Estamos muito felizes por fazer parte deste projeto”.
Para participar de A Princesa e o Sapo, a HGN realizou vários testes por dois anos. Entre as avaliações que fizeram parte do processo e levaram à escolha da produtora brasileira está a produção de algumas cenas em animação 2D do curta-metragem do Pateta “How to hook up your home theather”, ainda inédito no Brasil. Além disso, a HGN competiu com estúdios de países como Dinamarca e Taiwan, realizando testes de desenho, pintura e composição para “A Princesa e o Sapo” até ser selecionada para a produção. A HGN completou 20 anos em setembro deste ano e pôde comemorar a data com a finalização de seu trabalho para o novo A Princesa e o Sapo. A participação no filme é apenas mais um capítulo na parceria de sucesso entre a HGN e a gigante do entretenimento. Fundada em 1989, a produtora brasileira foi responsável pela produção, no Brasil nos anos 90, de vários seriados de TV para a Disney , entre os quais Ursinhos Gummi, Bonkers, Turma do Pateta e Aladdin. Para 2010, a HGN tem novos projetos de co-produção com produtoras do Canadá e está desenvolvendo também produções próprias.
Por todos estes motivos - e certamente mais alguns outros - A Princesa e o Sapo (The Princess and The Frog) é uma animação que deve ser vista por toda a família, pois encanta tanto adultos como crianças.

←  Anterior Proxima  → Inicio

5 comentários:

Petra disse...

Sandra, na verdade eu estudei na HGN e eles já tinham participado de outros dois longas da Disney: "A Pequena Sereia" e "Oliver e Sua Turma."

Acho que dá pra confirmar essa informação junto a eles. Pelo menos era o que contavam pra gente quando eu estudei lá, em 95 =)

Fernando Ventura disse...

Petra, na verdade o HAROLDO participou desses filmes, como animador, in loco nos EUA. :)

Dood ! disse...

Taí, vou ver se levo minha sobrinha para ver. Faz tempo que não vou ao cinema ver uma animação Disney.

Léo Francisco disse...

Sandra, parabéns pela matéria escrita e pelo video. Ficou muito legal mesmo. Adorei ver o Garcia contando a história do Hebert Richards com o Walt.

Felipe disse...

Eu já conhecia essa história do Herbert, mas o Garcia Jr. soube contar de um jeito muito interessante. Ah, e foi novidade saber que o Garcia Neto dirigiu na Herbert, nunca que eu ia imaginar isso!