Desejo: Boas Festas...

domingo, 29 de novembro de 2009

ANIMA INFO 1092 - Special - Especial

Interview

Papo de Budega talked with James McLeod, Intenation Program Sales of the Tokyo Broadcasting System Television, or only TBS. He´s responsible for anime licensing currently, and said us about Brazilian market and some titles.

Tell us a little about your career inside and outside TBS.
I have been in the International Program Sales Dept. of TBS for 13 years. Although I am principally responsible for anime licensing currently, I have been involved with licensing of all program genres (formats, dramas, documentaries, movies, etc.) at some point during my time here.

There are several anime titles in TBS catalogue. Which was the most successful of all?
Of the 60 or so anime titles in our catalog, I would say that Fate/stay night, Ah! My Goddess, Sorcerous Stabber Orphen, Get Backers, Power Stone, xxxHOLiC, AIR, and most recently K-ON! have sold the most worldwide.

Many TBS animes are seen on Animax channel. There is any kind of exibition agreement between the two companies?
No, but we have a very long business relationship and TBS regularly sells to Animax channels all over the world.

You have had any problems with the Latin America censorship during negotiations of anime titles?
No, not of which I am aware.

Any brazilian television network (Globo, SBT, Record) acquired or showed interest for TBS titles?
Globo TV licensed Power Stone and some of our variety programs.

And about DVD companies?
Not generally.

"K-On" is one of the most fan beloved titles. Is there any possibility for negotiation of this anime to Latin America or brazilian television network?
TBS would be happy to entertain any offers from Brazilian or Latin American broadcasters or distributors.

The sale of animes is linked somehow to the licensing and sale of products? Or TBS only deals with the animes negotiations?
Generally speaking, anime is licensed as a stand-alone entertainment product, but TBS can certainly handle and from time to time does sell series in conjunction with merchandising rights.

What is the easiest Latin America country to deal?
TBS is happy to deal with any Latin American country's Licensees.

Licensors and other companies thinks that the brazilian market is difficult to please. Do you share this same impression?
While I have not had many direct dealings in Brazil, all of our dealings with Brazilian companies have been a pleasure.

TBS is aware that the easisest kind of anime to negotiate in Brazil are the infantile, as "Romantic Music Theater Animation Series", "Sugar" ou "Fun & Study in the Marvel of Beginnings"?
If by "infantile" you mean for children, then yes, I would say that is probably true. Boys action attached with merchandising rights is also an easier sell than anime targetted for teen and adults fans.

Do you have a final consideration for the brazilian fans and anime market?
Our hope is that the teen and adult fan anime market in Brazil and other Latin American countries will continue to grow, and that fans will do their best to purchase legally licensed product rather than downloading unlicensed product over the web in order to support the artists who create the works they love. We will continue to do our best to find new ways to license our product into these markets and appreciate all of the fans whose loyalty and love for the anime genre provide us the opportunity to continue to create new series.

Thank you so much to interview.
Thanks to Fernando Ventura!



Entrevista com James Mcleod


O Papo de Budega entrevistou James McLeod, gerente de vendas internacionais para América Latina da Tokyo Broadcasting System Television, ou simplesmente TBS. Ele falou da relação com o Brasil e teceu comentários acerca dos títulos da empresa.

Fale um pouco sobre sua carreira dentro e fora da TBS.
Estou no Programa de Departamento de Vendas da TBS a 13 anos. Apesar de atualmente ser responsável principalmente por animes, já estive envolvido com o licenciamento de todos os genêros de programas (reality e game-shows, dramas, documentários, filmes, etc.).

Existem muitos títulos de anime no catálogo da TBS. Qual é o de maior sucesso?
Dos mais de 60 títulos de anime do nosso catálogo, eu diria que Fate/Stay Night, Ah! My Goddess, Sorcerous Stabber Orphen, Get Backers, Power Stone, xxxHOLiC, AIR, e mais recentemente K-ON! são os mais vendidos ao redor do mundo.

Muitos títulos de anime da TBS são vistos no canal Animax. Existe alguma espécie de acordo de exibição entre as duas companhias?
Não, mas temos uma longa relação de trabalho e a TBS regularmente vende seus animes para os canais Animax ao redor do mundo.

Vocês já tiveram algum problema com censura na América Latina com negociações de títulos de anime?
Não, nada do qual eu esteja ciente.

Alguma rede de TV aberta brasileira (Globo, SBT, Record) adquiriu ou mostrou interesse por títulos da TBS?
A Rede Globo adquiriu Power Stone e alguns dos nossos programas de variedade.

E companhias de DVD?
No geral não.

K-On é um dos animes mais adorados pelos fâs. Existe alguma possibilidade desse desenho ser negocidado com alguma rede de TV brasileira ou latino-americana?
A TBS está aberta para qualquer oferta de distribuidoras e emissoras brasileiras e latino-americanas em relação à esse título.

A venda de animes está ligado de alguma forma ao licenciamento ou venda de produtos? Ou a TBS lida apenas com as negociações dos animes?
De forma geral, os animes são licenciados de forma autônoma, mas a TBS pode certamente lidar, de tempos em tempos, com a venda de séries em conjunto com a venda de direitos de merchandising.

Qual país da América Latina é mais fácil de lidar?
TBS lida facilmente com o licenciamento em todos os países latino-americanos.

Licenciadores e outras companhias acham que o mercado brasileiro é difícil de agradar. Vocês dividem essa mesma impressão?
Apesar de pessoalmente eu ainda não ter lidado com negócios relacionados ao Brasil, todas as nossas negociações com o país tem sido agradáveis.

TBS está ciente de que os animes de mais fácil negociação com o Brasil são os infantis, como Romantic Music Theater Animation Series, Sugar ou Fun & Study in the Marvel of Beginnings?
Sim, eu diria que você está correta. Desenhos de ação direcionados para garotos, relacionados com merchandising também são mais fáceis de negociar do que animes direcionados aos fãs adolescentes e adultos.

Você tem alguma consideração final para o mercado e para os fãs brasileiros?
Nosso desejo é que o mercado de animes para adolescentes e adultos continue a crescer no Brasil e na América Latina, e que os fãs façam o seu melhor para comprar os produtos licenciados legalmente ao invés de adquirir ou fazer download de produtos piratas através da internet.
Deste modo eles estarão promovendo os artistas que criam os trabalhos que eles tanto gostam. Vamos continuar fazendo o nosso melhor para encontrar novos meios de licenciar nossos produtos nesses mercados e apreciamos os fãs por sua lealdade e amor pelo genêro dos animes, o que sempre nos permitie continuar a criar novas séries.

Muito obrigada pela Entrevista.
Obrigada ao Fernando Ventura pela tradução.

←  Anterior Proxima  → Inicio

2 comentários:

Cecilia Cavalcanti disse...

Amo K-On!, gostaria de não prejudicar os criadores com pirataria, entretanto todo anime que vai para a TV aberta sempre vira uma tormenta. As emissoras compram uma saga, repetem por décadas e décadas e fora os cortes descarados.

Além do mais, assistir em japonês é bem mais legal^^

Eric disse...

Sandra só um comentário...na entrevista do James Mcleod ele diz que a Globo adquriu Power Stone.Ué mas a Globo já havia adqurido ele anos atrás O.o como pode adqurir de novo?