Desejo: Boas Festas...

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Como encontrar?

Amigos navegantes,
Algumas pessoas simplesmente não sabem como me encontrar direito. Assim sendo, para entrar em contato comigo, basta me procurar nos seguintes lugares abaixo, ok?

monte_sandra @ yahoo.com.br (coloquei espaço para programas de spam não pegarem o link do meu endereço de e-mail, ok?
Canal Sandra Monte no Youtube
Sandra Monte no Twitter


←  Anterior Proxima  → Inicio

10 comentários:

Rolando José disse...

Yo te encuentro siempre que te busco =)

Nash disse...

Hi Sandra.
Vi um programa ontem sobre animação no Brasil e achei interessante.

http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2010/04/12/brasilianas-org-a-industria-da-animacao/

Interessante frisar que muito do que é dito, já é velho, mas as pessoas ficam paradas esperando peas outras, e a coisa fica que nem água parada.

Até outro dia.

Othon Pereira de Noroes disse...

Os desenhos animados estão perdendo espaço!

Tá tudo chato na TV, mas há esperança!


Os desenhos animados estão perdendo espaço!

Tá tudo chato na TV, mas há esperança!



Não curto fazer textos apocalípticos (apesar de abusar deles), mas, infelizmente, terei que fazer mais um. Pessoal, é com imenso pesar que digo: os desenhos estão perdendo espaço!

Em 2000, estreava no mundo o canal Boomerang, que tinha a ideia original de exibir apenas clássicos, como Pica-Pau, Looney Tunes, clássicos da Hanna-Barbera, entre outras animações. No auge da brincadeira, tínhamos Cartoon Network, Nickelodeon, Fox Kids, Boomerang e Disney Channel. Todos com a programação voltada, em sua maioria, para exibição de desenhos animados, dos quais Cartoon e Boomerang, exibiam apenas desenhos.

Enfim, eis que estamos em 2010 e os animados estão perdendo cada vez mais espaço na grade de programação destes canais. Fox Kids virou Jetix que depois virou Disney XD, Boomerang sofreu uma profunda reformulação e de clássicos, começou a exibir novelinhas adolescentes que já passaram na BANDEIRANTES e SBT e exibe alguns filmes que subestimam a inteligência infantil, ou melhor, humana. E o Disney Channel, bem, é Disney, não evolui faz tempo e depois que deu um golpe de sorte com High Scholl Musical, só sabe fazer séries idiotas com música, com destaque para a chatíssima Hanna Montana.

Agora as duas que já falei várias vezes aqui e, por sinal, sempre conseguem me surpreender. A Nicke até que mantém o mesmo nível, já que ainda tem os desenhos como maioria em sua programação e com bons títulos, como Bob Esponja, Pinguins de Madagascar, Padrinhos Mágicos e o Nickenite (que está exibindo atualmente Ren & Stimpy, Dogcat, O Mundo de Rocco, entre outros). Mas deu uma aumentada no espaço para as fucking novelinhas, como Isa TKM, ICarly, Drake & Josh, entre outras do nível das exibidas no Boomerang. Por sorte, os principais desenhos passam no horário ‘nobre’ do canal.

Já, o Cartoon, acho que está esperando a pá de cal. Recentemente resolveu diminuir o espaço dos desenhos e exibir filmes. Já perdi a conta de quantas vezes que Máskara e Esqueceram de Mim foram exibidos. Apenas Luzes, Drama e Ação (que é praticamente uma continuação de Ilha dos Desafios), Flapjack e Chowder tiram algumas risadas e possuem algumas boas sacadas. Para quem já teve Adult Swim, Cartoon Cartoons, Toon Live e Big Bag, é uma tremenda decepção. Parece que o fosso que a galera do CN entrou a partir de 2005 nem tão fundo.

Esperança

A esperança está no Tooncast, um canal da Turner, (mesmo grupo do Cartoon e do Boomerang ou seja PERIGO), que tem a mesma proposta do início do Boomerang: exibir clássicos!

Problema que poucas operadoras de TV assinatura o disponibilizam em suas grades, ou então só é disponível nos pacotes mais caros. A razão é simples, as operadoras têm medo que o canal tenha o mesmo destino do Boomerang e, no final, tenham vários canais exibindo a mesma coisa. Espero que não, curti o Tooncast porque além dos clássicos da Hanna-Barbera, Warner Bros, MGM, Filmation, Universal, entre outros, ele também exibe os clássicos do Cartoon Network, como Coragem, Johnny Bravo, Laboratório de Dexter, A Vaca e o Frango, Meninas Super Poderosas, entre outros Cartoon Cartoons que fizeram do Cartoon Network o canal referência entre os desenhos, coisa que não temos hoje em dia.

Vou ficar na torcida (e encher o saco da minha operadora) para ver se a Net traz o Tooncast para a grade de programação.

O restante que se lixe!

E vocês? Concordam, descordam, preferem Isa TKM? O espaço aí de baixo é para isso.


fonte: http://baconfrito.com/os-desenhos-animados-esta...dendo-espaco.html

eduhoffmann disse...

Olá Sandra, vc que tem uma memória bem melhor que a minha, lembra de um programa Disney em que eles sugerem como poderia ter sido uma valsa? A cena era mais ou menos assim: uma carruagem, o som dos cascos do cavalo(ploc,ploc ploc,ploc) o som de guisos(tlin,tlin) de repente o som de uma tropa de cavaleiros caçando a raposa e tocando aquela corneta característica. E a pergunta final, que valsa era? abraços

Oi! Ton disse...

Parabéns
Gostei do seu site
Ótimos posts.

Abs

Visitem também meu blog:

http://oiton.blogspot.com/

Daniel disse...

Olá Sandra,

Como sei que vc é uma boa jornalista com uma opinião forte e bem formada.

Queria saber, na sua opinião, o que levou o Animax full-anime a não dar certo nos EUA?

sandra monte disse...

Animax nos EUA?

Bem, não sei. Eu gostaria, mas não tenho resposta para tudo, cara! O_O

Francisco Othon Pereira de Norões disse...

O BRASILEIRO NÃO GOSTA DE DINOSSAUROS... NEM DE ROBÔS


“Morde e Assopra” traz consigo um dos defeitos mais repudiáveis de que se tem notícia: o fato de tratar de ficção. Mas a ficção da novela de Walcyr Carrasco é uma afronta ao bom senso do ser humano. O desastre estava anunciado logo na primeira cena, quando o personagem de Matheus Solano se apresenta como “engenheiro de robôs” e conversa com Julia, interpretada por Adriana Esteves, que, por coincidência, trabalha com dinossauros.

Nesse momento o autor mostrou que quis mexer com a imaginação do público, retratar o passado com uma previsão do futuro, mas pecou porque se esqueceu de que o mundo quer saber do presente, do hoje, do agora. Informação é a palavra chave e “Morde e Assopra” não possui nada a acrescentar de cultural. Alem de que os atores forçaram de mais na hora de fazer o sotaque interiorano.

Poderia citar o ótimo elenco como ponto positivo, mas ter um elenco de peso é obrigação da Globo e esta cumpri muito bem sempre. Em compensação a história, em si, não oferece muito risco ao escritor, já que se trata de uma mocinha que se apaixona por um bruta montes, mas eles brigam e assim se forma a drama maior. Por falar em drama, “Morde e Assopra” impressionou pelos poucos núcleos secundários e histórias escassas, sendo essa uma característica do autor.

No Ibope a novela não correspondeu e ficou muito longe de segurar a boa audiência da sua antecessora, “Tititi”. O folhetim fechou as quatro primeiras semanas (21/03/11 a 15/04/11) com 25,9 de média, o equivalente a 44,7% do público. Já “Tempos Modernos” atingiu 22,8 de média em seus 24 primeiros capítulos. Só para termos de comparação, entre os dias 19/07 e 14/08/10, o remake assinado por Maria Adelaide Amaral, marcou 28,6 de média, o equivalente 47,1% do público do horário. “Caras e Bocas” ocupou a segunda colocação com 27,2 de média (44,6%) de share.

Já se fala nos bastidores da Globo que Walcyr diminuirá a atenção para o núcleo de robôs, comentários estes que o autor faz questão de desmentir. Ainda dá tempo pra arrumar a novela e focar em outros assuntos, mais convenientes pro horário, mas o fato mesmo é que “Morde e Assopra”, assim como “Tempos Modernos”, sua precursora, não envolveu o telespectador com sua temática da inteligência artificial.





fonte:



http://rd1.virgula.uol.com.br/televisao/o-brasi...ros-nem-de-robos/




Eu sabia essa Novela é lixo, falta respeito com o povo do japoneses...

Francisco Othon Pereira de Norões disse...

Público ignora núcleo caipira e japonês de "Morde & Assopra"


Saiu o resultado do grupo de discussão sobre o primeiro mês de "Morde & Assopra". Os personagens de Elizabeth Savalla e Ary Fontoura foram unanimidade. O público está curtindo o casal de vilões. Outra que se destacou foi Cássia Kiss, que interpreta a empregada Dulce.

Os núcleos caipira e japonês não estão agradando, assim como os sonhos de Júlia (Adriana Esteves) com dinossauros e a robô Naomi (Flávia Alessandra).

A pesquisa mostrou que o público mais velho não se identificou com as tramas jovens. Walcyr Carrasco, o autor, fortalecerá a relação de Walderez de Barros e Paulo José, para repetir o sucesso do casal mais velho de "Sete Pecados", Romeu (Ary Fontoura) e Juju (Nicete Bruno).

Com informações do jornal Folha de São Paulo.

Francisco Othon Pereira de Norões disse...

CRÍTICO DO YAHOO FAZ UM BALANÇO E DESTRÓI MORDE & ASSOPRA



A Globo tenta o impossível: salvar “Morde & Assopra” do fiasco. Logo na semana de estreia da novela, escrevi por aqui que estávamos diante do primeiro fracasso de Walcyr Carrasco no horário das sete. Continuo com a mesma opinião.

Em nova fase desde segunda-feira (2), “Morde & Assopra” tenta diminuir a rejeição junto aos telespectadores. A novela tem registrado cerca de 25 pontos no Ibope. Após a realização de grupos de discussão, a androide vivida por Flávia Alessandra saiu de cena. Em seu lugar entrou sua versão em carne e osso, em um retorno totalmente sem pé, nem cabeça.

Personagens sumirão aos poucos. Eram cerca de 80 na estreia de “Morde & Assopra”. Ana Rosa e Tarcísio Filho serão os primeiros a deixar a trama. Outros também vão perder o emprego.

Apesar das pesquisas com fósseis permanecerem, os sonhos de Júlia (Adriana Esteves) com dinossauros desaparecerão. Salutar, pois não são nada convincentes. Como tolerar efeitos de computação gráfica tão toscos 20 anos após “Jurassic Park” – filme, aliás, reprisado à exaustão pela Globo?

Segundo informação da “Folha de S.Paulo”, os grupos de discussão sobre “Morde & Assopra” aprovaram apenas Elizabeth Savalla, Ary Fontoura e Cássia Kiss. Não me surpreende. Os veteranos se esforçam para interpretar um texto muito ruim e recheado de situações já vistas em outras novelas do autor.

Walcyr Carrasco sofre precocemente o mal que atinge outros autores mais experientes, como Gilberto Braga e Aguinaldo Silva. Está relapso, repetindo elementos de sucesso de suas tramas anteriores (“O Cravo e a Rosa”, “Chocolate com Pimenta, “Alma Gêmea” e “Caras & Bocas”).

As cenas de pastelão não convencem. O núcleo caipira, que deveria ser o momento mais divertido da trama, causa constrangimento.

A preguiça não se limita a repetição de situações e a trama inverossímil com dinossauros e robôs. Nem mesmo aos efeitos de computação gráfica sofríveis. Atores antes elogiados parecem indispostos a trabalhar com um mínimo de empenho. Mateus Solano, Caio Blat, Ary França e Cristina Mutarelli, só para citar alguns que são comprovadamente profissionais talentosos, estão irreconhecíveis.

O elenco jovem é uma catástrofe. Um exemplo é Klebber Toledo, que vive o golpista Guilherme, filho de Dulce (Cássia Kiss). Ele não tem a menor condição de interpretar um papel de destaque. É craque nas técnicas Kayky Brito e Jonatas Faro de incapacidade de transmissão de emoção ao público.

O temor da Globo com o fracasso de “Morde & Assopra” é enorme. Nos corredores da emissora, há quem compare a trama com “Tempos Modernos”, recente tragédia no Ibope. Miguel Falabella já prepara a próxima novela das sete e “Morde & Assopra” corre o risco de ser encurtada em um mês.

Walcyr Carrasco deveria observar o trabalho das colegas Duca Rachid e Thelma Guedes em “Cordel Encantado”. A trama repete elementos clássicos da teledramaturgia, como o triângulo amoroso, os violões incorrigíveis e os personagens cômicos. Porém, há todo um cuidado no texto e na produção que nos dá a sensação de estarmos diante de algo novo e revolucionário. Não, não é. É o feijão com arroz, mas muito bem feito.

Como disse um colega no Twitter, matar o Osama Bin Laden é fácil. Difícil é assistir a “Morde & Assopra”.

http://colunistas.yahoo.net/posts/10735.html