Desejo: Boas Festas...

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

ANIMA INFO 662 Special - Especial

I N T E R V I E W


Queenie Chan is The Dreaming´s mangaka author, title launched by Lumus publishing in Brazil. She spoke to Papo de Budega on his well-known title and others projects. Queenie Chan also has a website with diverse information about her works.

Please, tell us a little about you. What do you like to make, to read, etc.
My name's Queenie Chan, and I'm a Chinese-Australian manga artist. My family's originally from Hong Kong, but I've lived in Australia since I was 6 years old. I work mostly for American publishers, and is currently due to work on a second book with novelist Dean Koontz. Before that, I worked for LA-based publisher TOKYOPOP, doing a three-book mystery-horror series called "The Dreaming". Personally, I like to read all kinds of stories as long as they're well written, but I particularly like horror, sci-fi and fantasy. If I could choose the genre to work in, I would definately go for fantasy. There's something about being able to draw medieval settings and elves that I find very appealing.

Who are your favorite authors?
After all those years, my favourite author is still Tezuka Osamu, the creator of Astro Boy. I get very inspired when I read one of his works, which would include the Phoenix Series, Black Jack, Doro Doro, Buddha and many others. I also like Takehiko Inoue's "Slam Dunk" very much, as well as Kentarou Muira's "Berserk". Art-wise, I'm a big fan of Takeshi Obata of "Death Note" and Oh!Great of "Air Gear". My current favourite manga, though, is Eichiro Oda's "One Piece".

Which of your projects did you most like?
That's a very difficult question to answer! I don't think I have a particular story that I like best - sometimes the ones that I like better don't get approved by the publisher, so even if I like a particular project more than others, it doesn't mean it will necessarily come to fruition. I feel I enjoyed each of my projects in its own way, and to be honest, each of my published works is like a collaboration, so they always have bits of other people I've worked with in them. Both "The Dreaming" and "In Odd We Trust" (with Dean Koontz) was like that, and they were both interesting to do due to the input from other people, be they editors or the original creator of the story.

What is your biggest inspiration when you do a mystery-horror story?
My worst fears are always an inspiration - I think when you write a horror story, you plumb what you're afraid of first. What I'm afraid of is usually what other people are afraid of, so it's not that hard to reach out to your readers. Some people have specific things they're afraid of, but usually they can be lumped into the same few categories. It's usually the unexplained, both within themselves and outside themselves, that people fear the most. This gives me alot of ideas of play with, and lots of interesting ways I can manipulate these story ideas. I think the very best horror stories exploit not monsters or serial killers, but feelings like guilt, shame and regret. Everyone experiences these feelings and no one likes feeling them. Putting characters in those situations where they feel these things really makes the reader uncomfortable.

Your first manga - The Dreaming - was launched by Tokyopop. Would you like to have some title launched initially in China?
I'd love to have my work printed in China, but unfortunately I don't really have any publishing connections there. It's also a tough market to crack, so for now, sticking to the US is good enough for me! *laughs* I don't think it matters where a story is initially launched, as long as it does successfully enough with the audience it's intended for. If it does that, I think it's mission accomplished. If your work is good enough, then other countries will eventually want the publishing rights to your work.

In Brazil, we have many mystery-horror stories that happen in schools. Have you based on some infantile history of yours when you wrote The Dreaming?
"The Dreaming" isn't based on any childhood story of mine, but I do have a classmate who vanished after high school. Mostly "The Dreaming" took inspiration from a famous Australian novel called "Picnic at Hanging Rock", but I find it creepy when I think of my classmate who disappeared. She had gone bushwalking and camping in Tasmania, and somehow never made it to her destination. Her camping gear was found, but she never was. What happened to her? I was thinking about her when I wrote "The Dreaming" too. Her case isn't really unusual, since people disappear all the time. It's just hard when it happens to someone who you know.

Would you like to see your story as an animation or a film?
I would love to see it as a film, though animation would be great too. Any adaptation of it would make me very happy. I imagined it as a film when I first started drawing "The Dreaming" though, so a film is still my first choice.

Do you know any Brazilian or Latin artists?
Unfortunately, no. I would love to know some though. I'm afraid my knowledge of Latin American artists/authors is pretty bad. *sheepish laugh*

Would you like to come to events or lectures in Brazil or ohter Latin country?
Or aren't you a parties adictive? I'm not much of a party person, but I've always wanted to visit Latin America. It's one of my pipe dreams. One of the places I've dreamed of visiting is the Edge of the World, which is in Puerto Iguaza, Argentina. It's the southern-most tip of Latin America, and beyond it is just Antarctica. There's a lighthouse there, and people go there to leave all their sadness behind. I figure that it'll be quite a long and worthwhile trip.

Tell us about your current project?
Any future projects? Right now I'm working on a short story for Yen Press, and after that, I'm working on a second book with novelist Dean Koontz. The name is yet to be decided, but we've got the story outline and I'm waiting for the script so I can start drawing.

What advice would you give for young artists?
Persevere! Also, finish high school, and always have a back-up job! I wish I can say that the life of an artist is high-rolling and flowing with cash, but unfortunately, it can be a struggle to make ends meet, even if you're successful. Still, it's wonderful and brave to follow your dreams (instead of just doing what everyone else is doing), and if you have done that, then you should have no regrets regardless of the outcome. You may get alot of rejections at first, but keep at it and eventually you'll find someone who appreciates your work. Nothing beats getting rewarded for your hard efforts, but always remember that the joy is in the process of creating too, not just where that finished product ends up.

Thank you!
Special thanks to Queenie Chan and Fernando Ventura

E N T R E V I S T A


Queenie Chan é a autora do mangá The Dreaming, lançado no Brasil pela Lumus Editora. Ela conversou com o Papo de Budega sobre seus trabalhos e demais projetos. Queenie Chan também tem um a website com diversas informações sobre ela e seus títulos.

Por favor, nos fale um pouco sobre você. O que gosta de fazer, de ler, etc.
Meu nome é Queenie Chan, sou uma mangaka chinesa / australiana. A terra natal de minha família é Hong Kong, mas eu vivi na Austrália desde os seis anos. A maioria dos meus trabalhos são para o mercado americano e atualmente estou trabalhando junto com o novelista Dean Koontz em nossa segunda obra. Já trabalhei para a Tokyopop, fazendo a série de mistério/horror de 3 partes The Dreaming. Gosto de ler todos os tipos de histórias bem escritas, especialmente as de terror, ficção científica e fantasia. Se eu tivesse que escolher somente um gênero para trabalhar, seria o último. Curto poder fazer histórias medievais e com duendes.

Quais são seus autores favoritos?
Mesmo depois de anos, meu autor favorito ainda é Osamu Tezuka, criador de Astro Boy. Eu me inspiro muito relendo seus trabalhos, como Phoenix, Black Jack, Doro Doro, Buddha entre outros. Também gosto de Slan Dunk de Takehiko Inoue, Bersek de Kentarou Muira, Death Note de Takeshi Obata e também Air Gear de Oh! Great (Oogure Ito). Meu mangá favorito atual é One Piece de Eichiro Oda.

Qual dos seus projetos você mais gostou?
É uma pergunta muito difícil responder! Acho que não tenho uma história em particular que seja minha favorita - às vezes a que eu mais gosto não é aprovada pelo editor, então não necessariamente meus projetos favoritos foram publicados. A verdade é que gosto dos meus projetos cada um de forma uma diferente, e, para ser honesta, cada projeto publicado é uma colaboração e tem pedacinhos de inspiração de outras pessoas com quem trabalhei. Tanto The Dreaming quanto Odd We Trust (com Dean Koontz) foram dessa forma, ambos são interessantes devido ao trabalho em conjunto com várias pessoas, sejam editores ou outros criadores.

Quais são suas maiores inspirações ao escrever histórias de mistério/horror?
Meus medos são sempre uma inspiração, acredito que quando você escreve uma história do horror, você é quem tem que sentir medo primeiro! Geralmente os meus medos são os mesmos que outras pessoas também portanto, pensando assim, não é tão difícil atingir os leitores.
Algumas pessoas têm medos específicos, mas que podem estar em categorias também específicas. Normalmente é o inesperado. E isto dá uma idéia de jogo, o que me possibilita manipular a história. Acho que as melhores histórias de horror não exploram apenas monstrous ou serial killers, mas sentimentos como culpa, vergonha e repressão. Todos temos estes sentimentos e ninguém gosta de senti-los. Por isso, o leitor se sente incomodado ao ler sobre personagens passando por estes sentimentos.

Seu primeiro mangá - The Dreaming - foi lançado pela Tokyopop. Você gostaria de ver suas histórias lançadas na China?
Eu adoraria que meu trabalho fosse lançado na China, mas infelizmente não tenho editores por lá. É um mercado difícil de entrar, então por enquanto estou contente em publicar nos Estados Unidos! (risos) Mas, não importa onde a história é lançada inicialmente, mas sim se tem êxito com seu público. Se o trabalho for realmente bom, outros países eventualmente se interessarão por seus direitos.

No Brasil temos muitas histórias de mistério/horror que acontecem em escolas. Você baseou-se em alguma história da infância quando escreveu The Dreaming?
The Dreaming não é baseado em histórias da minha infância, mas uma colega de sala desapareceu no colegial. De forma geral, The Dreaming foi inspirada na famosa novela australiana Picnic at Hanging Rock, mas eu a acho assustadora quando me recordo de minha colega que sumiu. Ela foi para a Tasmania e de lá nunca mais foi vista. Suas coisas foram encontradas, mas ela não. O que teria acontecido? Eu pensava nela também quando escrevi The Dreaming. Seu caso não foi assim tão incomum, pois infelizmente pessoas desaparecem o tempo todo. Mas é duro quando isso acontece com alguém que você conhece.

Você gostaria de ver sua história transformada em um desenho animado ou um filme?
Eu adoraria ver um filme, embora uma animação também seria legal de ver. Acho que qualquer adaptação seria bem-vinda. Eu tinha imaginado The Dreaming como filme quando comecei a fazer a história. Acho que seria minha primeira escolha.

Você conhece algum artista brasileiro ou latino?
Infelizmente, não. Eu adoraria conhecer algum, mas meu conhecimento de artistas latinos não é muito bom... (risada envergonhada!)

Você gostaria de visitar eventos ou ministrar palestras no Brasil ou outros países latinos? Ou você não é muito fã de festas?
Não sou uma pessoa que vá muito a eventos, mas eu curtiria muito conhecer a América Latina. Um de meus sonhos é conhecer Puerto Iguaza na Argentina. É o lugar mais ao sul da América Latina, antes do continente Antártico. Há um farol lá, onde as pessoas vão para deixar suas tristezas para trás. Acho que seria uma longa e muito válida viagem.

Qual é o seu projeto atual? Algum projeto futuro?
Agora, estou fazendo uma pequena história para a Yen Press e logo depois farei um segundo livro com o novelista Dean Koontz. O título será decidido ainda, mas já temos o argumento definido e estou esperando o texto para começar a desenhar.

Que conselho você daria aos novos artistas?
Seja perseverante! Termine o colegial e tenha sempre um trabalho alternativo! A vida de um artista não é fácil, e infelizmente, há muitos obstáculos a serem ultrapassados, mesmo se você for bem-sucedido. Ainda assim é maravilhos agarrar os seus sonhos (ao invés de apenas fazer o que todos os outros estão fazendo). E se você seguiu seus sonhos, não deve se penalizar independente dos resultados.
A gente encontra muitas rejeições no início, mas sempre vai ter alguém que vai gostar do seu trabalho. Nem sempre somos recompensados devidamente pelos nossos esforços, mas lembre-se sempre os momentos alegres no processo de criação, e não pense apenas onde o produto final vai te levar.

Obrigada pela entrevista.
Agradecimentos especiais para Queenie Chan e Fernando Ventura
←  Anterior Proxima  → Inicio

1 comentários:

Rafael disse...

Gostei da entrevista! Parabéns!