Desejo: Boas Festas...

sábado, 19 de janeiro de 2008

Palavras/ Words/ Palabras 24

Lado Negro do Mercado dos Animes no Brasil - parte 2: Os perseguidores da jóia das verdades Conscientização!

Olá a todos!
Complementando o Palavras 23, eis-me aqui para continuar a discussão e esclarecimentos do Lado Negro do Mercado dos Animes no Brasil - parte 2: Os perseguidores da jóia das verdades. Como eu disse anteriormente, esta é uma boa época para reflexão, pois é o Centenário da Imigração Japonesa no Brasil.
Houve uma discussão razoável sobre o assunto, mas há muito mais dados a serem mencionados, para que os fãs possam pensar em várias coisas que acontecem neste meio.

Muito se discutiu sobre o direito autoral. Acho que os sites podem e devem sim ter referências. Mas, não custa citar a fonte. E é isso que não entendo: dizem que é proibido copiar o deles, mas fazem isso com o dos outros. É algo como: “faça o que digo, mas não faça o que eu faço”. Meu, para que colocar “é proibido copiar de nosso site”? As pessoas têm que parar de achar que isso é normal. Isso não é normal. Existe uma coisa chamada Lei de Direito Autoral.

Eu pergunto: os sites americanos divulgam as fontes, mesmo entre sites concorrentes. Por que não se faz isso aqui? Em relação ao Papo de Budega, sei que disseram que não dão créditos para sitezinhos ou blogs como o meu. Agora, por que esta raiva de mim? Eu não entendo porque algumas pessoas têm raiva do meu trabalho. No que eu incomodo tanto? Digam-me? Não estou pedindo muito. Ou será que estou?

As pessoas têm que parar de pegar como referência os erros, as bobagens. No Brasil pensa-se e age-se da seguinte forma: se fulano pode jogar lixo na rua, eu também posso. Não é para ser assim. Não é.


Nada do que eu disse até o momento é pedir muito. Sou uma das pessoas mais “antigas” neste meio. Eu fui ao primeiro evento de anime no Brasil. Comprei as primeiras revistas, vi os primeiros animes da geração CDZ e alguns mais antigos... Já vi muitos problemas. Mas, eu quero que haja mais animes no Brasil.

Durante muito tempo eu critiquei os fansubers. Hoje, vejo que muitos são sérios. Traduzem e colocam a disposição na net. Alguns distribuidores não vêem mal nisso, porque ajuda na divulgação. Só que muitos fansubers – que não têm a quem reclamar – tem seus trabalhos devidamente “roubados” por lojinhas. Estas lojinhas não se dão nem o trabalho de fazer a tradução. É uma mamata mostruosa.

Aguns pessoas e organizações poderiam ajudar para uma “moralizar” um pouco as coisas. Daí vem os problemas nos eventos, alguns... nem todos são picaretas! Algumas organizações poderiam colocar a seguinte imposição: a lojinha só venderá aquilo que ela própria traduziu e adaptou. Se uma lojinha não o fizer isso, não venderá em nosso evento. Puxa meu, já seria o início... Haveria respeito, pelo menos, com os fansubers sérios.

Os fãs não têm idéia de como atrapalha ter tanto DVD pirata os eventos. Já conversei com muitos licenciadores e empresas e todas são unânimes: o mercado brasileiro pode ser bom, mas é difícil vender alguma coisa aqui por causa da pirataria.
Daí sempre vem alguém e diz: mas é o governo que tem que fazer as coisas, reduzir impostos, atuar contra a pirataria. Verdade. Concordo com isso. As distribuidores têm que reduzir os preços. Também concordo, em alguns casos há preços altos. Mas, a população tem sim que fazer sua parte. Para tudo em nosso país, joga-se a culpa nos governos. Não importa o partido. As pessoas sempre falam de seus direitos. E os deveres? Ninguém lembra? Não é possível dar um jeito no problema dos DVDs de forma geral. Mas, nós fãs de animes, podemos contribuir para que pelo menos em nosso universo, a coisa não seja tão ruim assim...

Há mais problemas, Sandra? Sim... oh!
Muitos jovens são recrutados para serem “staffs ou colaboradores”. Só que ganham como “pagamento” a entrada e um lance. Leitores: se isso acontece, não é pagamento. Isso é exploração de trabalho.
Entendam: se você trabalhar em um evento, é um trabalho temporário e como tal deve ser remunerado de forma justa. Meu... é para isso que existe o salário mínimo, para ser a referência para todo tipo de pagamento. Querem um exemplo: aqui em São Paulo, nos finais de semanas, há pessoas que distribuem panfletos em faróis (normalmente propagandas de carros e imóveis). Dependendo da empresa, estas pessoas recebem por volta de 30 a 40 reais o dia, mais um lance. Se não em engano... acho que é por aí...
Se você vai trabalhar no lugar, você tem que entrar para trabalhar e receber um crachá. Daí você vai, trabalha e depois é remunerado. Não fique feliz por “fazer parte da turma”. Definitivamente, você não está ganhando nada com isso. Não caia nessa, por favor. As pessoas que trabalham em eventos devem ser dignamente remuneradas. Afinal, cobram ingresso para entrar, têm que pagar dignamente que trabalhar, certo?

E um ponto que deve ser levado em consideração, e que talvez ninguém tenha parado para refletir abertamente... Um evento – vamos chamá-lo de “Cumpades” do Anime – tem entrada de 10 reais. Supondo que tenha sido divulgado que o evento teve – sei lá – 70 mil pagantes, quanto que dá o montante? Acho que 700 mil reais.
Meu... o que fazem com isso? Das duas uma: ou mentem no número de visitantes - o que é altamente provável, já que um evento no Brasil não teria como ter quase o mesmo número de visitantes do San Diego Comicon ou Salón de Manga de Barcelona; ou realmente ganham rios de dinheiro e não fazem nada em prol dos fãs.

Com este recurso, muitas empresas legalmente licenciadas de animes poderiam ter sido criadas. Meu, poderiam trazer tantos animes com boa qualidade, dublagem... mas o que alguns eventos fazem? Nada. Ganham $$, mas não fazem nada para melhorar a vida dos fãs. Antes que alguém venha e fale: mas tem aluguel do espaço, tem isso e aquilo de custos. Sinto muito. Só o que se cobra de estandes, possivelmente, daria para pagar estes itens.

Ah, não podemos esquecer de outra coisa: por que o ingresso tem um preço tão alto? Vejam, supondo que um certo evento diz que a entrada de um dia custa – por exemplo – 19 reais e que este preço seria equivalente a meia-entrada. Cara do céu... se 19 reais é a meia-entrada, então quer dizer que a entrada base é de 38 reais? Sim, porque a meia-entrada é medida pelo preço base do ingresso!!!
Ou... talvez quem sabe... supondo que neste meu incrível "devaneio", talvez possam ter encontrado uma "forma" para que não haja a meia-entrada... Será? O_o Não.. é delírio meu...
Agora, por que há uma discrepância tão grande de preços de eventos? A entrada da 13ª edição do Fest Comix, por exemplo, custou 10 reais a inteira e 5 reais meia-entrada! O Expo Colecionador tem entrada gratuita! E são todos eventos correlacionados! Se você se sentir lesado, procure o Procon e o Idec (Instituto de Defesa do Consumidor) de sua cidade.

Tem coisa neste meio que não adianta mentir, inverter ou dar aquela contornada... Mais um exemplo? Sim. O evento de cosplay mais importante do país é o World Cosplay Summit. É o WCS que leva para o Japão. É com o WCS que você aparece na TV japonesa. É pelo WCS que o cosplayer pode homenagear a cultura que ele custa. Mas, ter o reconhecimento do governo japonês!

Puxa, gente... Eu quero que o mercado brasileiro cresça. Eu quero ver mais e mais animes nas prateleiras em lojas legais de DVDs!!! Eu quero sim que haja muitos eventos, que venham muitos artistas. Mas eu quero e muitos de vocês - tenho certeza -, queremos produtos legais dublados, com boa imagem e áudio! Queremos muitos eventos, mas com entradas a preços justos, com atrações que compensem o valor do ingresso! Que ganhem dinheiro, afinal, estamos em um mundo capitalista! Mas, façam alguma coisa de útil!

Não vou proibir ninguém de copiar este post em fóruns, grupos e afins. Pode pegar este texto! Pode colocar o link e levantar discussões. Se não quiser, tudo bem. Mas reflita. Se você continuar a viver neste meio, se quiser ser verdadeiramente respeitado como fã, quer mesmo passar a vida inteira pagando por DVD não oficiais? Pagando fortunas para entrar em eventos? Quer mesmo continuar a ler informações incorretas, roubadas e sem credibilidade?
Complementos ao texto: leia a Lei da meia-entrada no seu Estado. Leia o que diz a CLT – CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO. Procure o Procon de sua cidade caso detecte problemas. Os japoneses vieram e trouxeram muita coisa legal da cultura deles. Temos o dever de respeitar tudo isso, e claro, sermos respeitados.

Ah, antes qu eu me esqueça... Tenho cadastro em diversos sites de imprensa. Eu queria entender por certos eventos (se não for delírio meu... O_O) pedem o CPF do jornalista. Para mim, não há lógica... Por que será que pedem...? Como diria a personagem da novela Tieta: mistéeeeriiiiooo....


Hi friends,
This text is just Portuguese language.
But, you can translate for your language. I believe that it will be easier to understand if I to try to translate... Right?


Hola amigos,
Este texto está solamente em lengua portuguesa. Pero, usted puede traducir para su lengua. Creo que será más fácil de compreender do que si yo intentar traducir…Vale?
←  Anterior Proxima  → Inicio

7 comentários:

Mickey Morrissey disse...

Excelentes estes dois últimos textos, Sandra. Eu sou da mesma geração de fãs que você e hoje em dia só me lamento pelo tipo de reação que críticas como esta despertam na maioria das vezes: um rebanho de gente cega e sem argumentos se apega a pequenos detalhes para atacar. Se você questiona o valor cobrado, a segurança, lotação e tantas outras falhas isto soa como ofensa contra a mãe. É tão ridículo esse comportamento infantil, essa necessidade de aceitação quando a razão implora para que se olhe para a verdade.
Um abraço! ^^

Shinigami Sohma disse...

Oh! olá, boa tarde...
puxão de orelha danado hein ?
eu nunca tinha pensado bem nessa questão de lucro e investimento dos eventos de anime, mas a julgar pelo que vc escreveu, bem... faria mais sentido, se tivéssemos mesmo bastante material de boa qualidade.

Gostei muito do seu blog, voltarei sempre que possível.

Beijos!

Danilo Guedebran disse...

Muito bem, esse ponto dos fansubers, realmente é um problema, existe muita gente que usa o trabalho deles sem autorização. Porem, acho quase impossível um evento conseguir controlar se o material de uma loja é dela ou é de outra pessoa, que nem sabe que seu trabalho está sendo usado por outros.

Para fazer tal controle, o organizador do evento teria que manter uma equipe para ficar vendo DVD por DVD de cada loja presente, o que demandaria tempo, e pessoal. Acho que nesse caso, a melhor saída poderia ser adotada pelos fansubers, acrescentando uma marca d’água no vídeo todo, sempre na mesma autura lãs legandas. Não é algo definitivo, já que os mais expecialistas em vídeo podem até apagar essa marca, mas isso dificultaria o trabalho.

De volta ao problema dos DVD, criando uma situação hipotética, digamos que toda a população brasileira, não só os consumidores de animes, parem de comprar DVDs piratas, ainda existem os gravadores de DVD, uma pessoa pode muito bem alugar e copiar, o que novamente vai fazer com que os DVDs não sejam adquiridos por pessoa física, outra vez teríamos encalhe de DVDs originais nas prateleiras. Eu continuo com a minha tese, todo problema tem um fator inicial, a raiz, que gera muitos outros problemas, a arvore e seus galhos, o único meio de acabar com essa erva daninha é arrancar a raiz, e a raiz desse problema, é com certeza os impostos, por que é grassas a eles que os preços dos DVDs originais sobem. Isso não só no processo de produção do material, ainda existe o transporte a transação com cada loja, em fim, é um oceano de impostos que obrigam os preços a se moldar a correnteza.

Não adianta apenas a população parar de comprar DVDs piratas sempre, se os preços não baixarem, os materiais originais ficarão encalhados.

Na questão dos staffs, eu concordo, eles ganham pouco, eu me lembro que um dos staffs do ultimo evento que fui, me disseram que ganhavam algo em torno de R$ 15,00 por dia, dinhero que acabava sendo gasto em transporte e alimentação (que não é barata), mas a denuncia cabe a eles, se eles não a fizerem ninguém pode fazer nada.

Acho que as pessoas não te odeiam, digamos que essa é uma reação normal sofrida por todos os que fazem criticas.

Mari disse...

Sandra,
Eu nem sabia sobre seu trabalho e nem nada, mas sempre pensei a respeito disso tudo que tu comentastes aqui e concordo contigo em todos os pontos abordados - e as vírgulas - hahaha
Vou continuar freqüêntando seu blog. \o/

Sobre tudo isso, o que nós fãs podemos fazer?
Reclamar para os organizadores?
O jovem brasileiro não tem mais "saco" e vontade de lutar pelas coisas que acredita que sejam sérias.
E o fã de anime que era uma pessoa instruída e que fazia e acontecia (assim como o movimento punk e os tais rockeiros tão discriminados) agora virou só mais um alienado e viciado em algo de diferente.
Ou seja, pode vir aquela vontade enorme de mudar as coisas, como sempre nós jóvens fizemos, mas é fogo de palha. É muito mais cômodo eu ficar no meu computador do que ir até um lugar público e lutar pelos meus princípios.

Infelizmente é assim que o jovem pensa inconcientemente (ou até conciente).
Lutei, incentivei, mas nada mudou.

Beijos

sandra monte disse...

Mari,
Não podemos, não podemos mesmo desistir do que é certo.

Não podemos aceitar esta situação toda! Não podemos continuar vendo tudo de errado e ficar quieto.

Isso é errado. Os fãs de animes - pelos menos - têm que agir diferente.

Saks disse...

Olá.

Eu faço parte de fansuber, e é realmente algo triste ver esse povo vender os animes. Nosso intituito é simplesmente a divulgação da obra do autor de forma gratuita pela internet. Mas essas "lojinhas" vendem descaradamente e ainda por cima com preços abusivos. É uma falta de respeito e consideração com a gente de fansuber que se sacrifica, e principalmente, com o autor da obra.

Agora sobre evento. Eu prentendo nunca mais ir em evento. Eu sou da epoca de eventos antes de 2000, onde era o pessoal mais "familia", pessoas do bem que se reuniam para falar de animes e assisti-los. Hoje em dia virou um "deus nos acuda". Os fatores são os mais variados, como pessoas que não gostam nem de animes e vão lá só pra sacanear, muita gente retardada, empresas lucrando horrores por tras, repetição de atrações e por ai vai.
Sinceramente, eu já achava 10 reais um preço muito alto para evento. Evento que em 10 min vc ver todas as atrações que há nele, e simplesmente fica preso a sentar e conversar com os amigos. Sério, posso fazer isso sem pagar. Já vi por ai até 40 reais o preço! Que absurdo!

E sobre o mercado de anime no Brasil, é tudo que já foi citado. É uma soma de fatores, desde a pirataria e descaso dos fãs até os preços e a qualidade que a empresa impõe.

Anônimo disse...

Muito obrigado por sua opinião.
Só queria dizer que realmente me descepiciono muito com o povo brasileiro.
Como vc disse, sempre falam de seus direitos, nunca de seus deveres.
Acho que nunca vamos ver um evento de anime essencialmente ótimo.
Sempre tem muito faltando.